"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Casadas carentes, Putas calientes 02


autor: Chronos
publicado em: 28/07/16
categoria: romance
leituras: 1226
ver notas


Uma das coisas que mais gosto é me comunicar com as pessoas, e meu trabalho, embora estressante, é compensador quando eu vejo que as pessoas saem satisfeitas dele.

Minha profissão é simples: Trabalho com jornais numa enorme banca no centro da Cidade, e para facilitar os clientes meu patrão, o Francisco, permite passar cartão. Não ganho mal pelo trabalho que faço lá, não, aliás eu gosto do meu salário pois eu consigo viver perfeitamente com até três pessoas em casa.

Sou Mauro, tenho 31 anos. Sou um cara bem humorado, amo fazer amigos, sou sorridente, e fujo de confusões. Pelo menos, acreditava que com simpatia e jogo de cintura, eu fugiria. Mas dessa encrenca, rs, eu não consegui fugir, não:

Regularmente , no horário da tarde, horário que eu trabalho, considerado pouco movimentado, eu tirava altas vendas como o horário da manhã. Trabalhar direitinho dá seus frutos. Demora, mas vem. E o Henrique, o meu parceiro da manhã, tinha o prazer de trocar de horário comigo, pois eu chegava cedo, arrumava os encalhes com ele e já iniciava meu turno. Quando ele tinha coisas para resolver em particular, ele já deixava a banca comigo pois sabia que as vendas subiriam. E isso obviamente quem gostava era o Francisco, tanto que em menos de dois anos meu salario até aumentou.

Gente, não é fácil vender jornal numa época que as pessoas não gostam de ler. Por estar num ponto estratégico, e por ter uma grande variedade de produtos, trabalhar nas coxas não era uma opção. Tem o dia de vender mal? Certamente tem, quando chega pros meados do mês, quando as pessoas já estão sem grana. Mas o segredo é não perder o rebolado e atender bem todo mundo. Garanto a você que funciona.

Eu fiz amigos na parte da manhã e fiz amigos na parte da tarde. As senhoras costumam muito comprar revistas de novelas, culinárias, essa parada toda, e isso que mantém as vendas lá em cima. E é aí que entra Dona Scarlet. Dona Scarlet é uma senhora na casa dos seus 55 anos. Detesta cabelos brancos, nem gosta de ser chamada de senhora porque não se sente uma velha. E dou razão a ela porque ela é uma mulher enxuta pra idade dela, eu mal daria 43 anos pra ela.

Ela é forte, tem o cabelo tingido de ruivo, tem uns seios lindos enormes, uma boca carnuda rosto fofinho, mãos macias, pernas grossas, ela é uma gordinha toda inteirinha. Ama fazer caminhada, aproveitar os dias quentes para passear, e freqüentemente ela está lá, sempre procurando alguma revista nova para inovar na cozinha. É o hobby dela.

Muitas vezes, a chegada dela ao meu local de trabalho alegrava meu dia, e não poucas vezes ela passava mais de meia hora conversando comigo. Uma revista que ela comprava muito era SOU+EU. Dona de casa, você já ouviu falar dessa revista!? Muita gente compra achando que aquelas fórmulas mágicas de emagrecimento vão funcionar assim, num piscar de olhos. Scarlet comprava muito essa revista, mas eu cheguei pra ela um dia, francamente, e lhe disse:

Eu: Dona Scarlet, desculpe o mal jeito em lhe fazer essa pergunta, mas a senhora ...

Scarlet: Senhora é a sua mãe, kkkkkk, fala querido, desculpe eu interromper você.

Eu: Rs, foi mal, é o costume... Então, você lê procura essas receitas para emagrecer, mas vou falar um negócio: Acho você tão radiante, bonita, perfeita do jeito que é, que tentar mudar isso estraga, sabe. Uma mulher enxuta como a ...

Scarlet: Fala senhora de novo, que te dou um coco nessa cabeça, rsrsrs.

Eu: Kkkkk, desculpe, Scarlet, mas uma mulher vivendo o melhor da idade com a saúde que esbanja, não precisa dessas coisas.

Apesar da grande diferença de idade, ela é linda, sempre achei. Ainda mais quando chegava toda arrumada, de batom, nossa, véio, a coroa ficava um espetáculo.

Ela corou na hora. Até disse que depois daquelas palavras, tinha ganho o dia.

Scarlet: Eu já me senti muito pior comigo mesma no passado, até porque quando me casei, estava acima do meu peso, mas não era como agora. Fui muito zoada na escola por ser baixinha e por ser fofinha, mas ninguém me pôs tão pra baixo igual meu marido. Ele é mais velho que eu uns 15 anos, sempre tentei fazer de tudo para agradar ele, mas parece que depois que veio o primeiro filho, ele perdeu o interesse em mim.

Eu: Quantos anos tem seu filho!?

Scarlet: Meu filho tem 34 anos, acho que vocês tem a mesma idade, né.

Eu: Poxa, mesma idade mesmo. Prossiga.

Scarlet: Pois é, eu me arrumava pra ele e não era notada. Cheguei a ficar deprimida e comer muito até chegar a um ponto de... Ai, nem gosto de lembrar-me.

Eu: Olha, eu sinto muito por perguntar isso, não quero que fique mal!

Scarlet: Não, garoto, rs, tudo bem, você é um cavalheiro, nota-se pelo seu jeito que você é uma pessoa sensível ao próximo.

Eu: Scarlet, eu admiro você. De verdade. Olha, vendo como você se arruma, como é sorridente, nem parece que já esteve deprimida, que bom que saiu dessa.

Scarlet: Pede pra Deus nunca te deixar deprimido, filho...

Eu: Filho, não!!! Qual é, pow, rs! Não tenho cara de moleque, não!

Scarlet: Aah, agora você me pegou, rsrsrs! Desculpe, não quis te chamar de menino, não, foi só uma forma de expressão.

Aquela conversa despertou algo em mim que nunca senti por ela até então. Pude perceber que é uma pessoa carente, por dentro, mas de coração imenso. Delicado. Dá vontade de cuidar, sabe. Além de ser linda, com o corpo dela. E quando ela pegou na minha mão brincando, e fiz um carinho nela, o olhar dela também foi diferente.

Scarlet: Obrigado por me ouvir. Você é um amor! Um pretinho muito lindo.

Falou pretinho mas ... Eu sou um negão de 1,90m, parceiro. Ela tinha no máximo 1,65m sei lá, baixinha é quase tudo igual, kkkkk.

O tempo até passou rápido, ela me perguntou se eu gostaria de um docinho, um biscoito, pois ela ia comprar umas coisas pra casa, eu dispensei, mas mesmo assim, ela me fez um agrado e trouxe um biscoito.

Scarlet: Você trabalha aí a tarde inteira, enfurnado dentro dessa banca, precisa comer direito! Toma, come direitinho aí e não desperdice nada, viu!

E desde esse dia, ela sempre me trazia um docinho de casa ou comprava na rua. Mas os docinhos dela era uma delícia, rs. Principalmente os brigadeirinhos, cara, ela deve cozinhar muito, véio. Aí eu passei a indicar-lhe outras revistas de culinária, mais caras, e melhores que as que ela comprava, e então aconteceu o seguinte: Ela separava sempre um dinheiro no início do mês e comprava o pacote todo!.

E quando vinha freguesas que procuravam revistas de culinária e ela estava perto, ela fazia questão de recomendar. Ponto pra ela, e ponto pra mim, né, meu bom trabalho sempre rendendo frutos...

Um dia, quando já tinha fechado a banca e já estava indo embora pra minha casa, dou de cara com ela na rua. Ela me via sempre sentado, nunca me viu em pé e de perto, quando viu tomou um susto.

Scarlet: Nossa, menino, como você é grande!

Eu: É, minha mãe me deu fermento todos os dias, rs.

Scarlet: Põe fermento nisso...- olhou pra mim de alto a baixo, aprovando tudo o que via.

Por sua vez, ela estava muito elegante, parça. Mas o que me chamou a atenção foi o decote e as pernas grossas dela. Tava com uma roupa típica de academia, tava fazendo uma caminhada de fim de tarde, com algumas bolsas de compra na mão, algumas bem pesadas, e lhe perguntei:

Eu: Vai para muito longe!?

Scarlet: Nada, moro a duas quadras daqui, ando só um pedacinho.

Eu: Se você quiser, posso te ajudar com essas bolsas de compra.

Scarlet: Ai, não querendo te explorar, mas já te explorando, rs, poxa ...você está sendo muito gentil.

E caminhamos juntos, conversando amenidades, mas o decote dela me chamou atenção. Ela percebeu e deu uma risadinha de canto, mas continuou conversando.

Chegamos à porta do seu condomínio, deixei-a na portaria e me despedi dela. Mas, antes de ir, ela disse assim:

Scarlet: Olha, qualquer dia desses te faço uma surpresa. Vou preparar um prato bem gostoso e uma sobremesa deliciosa pra você.

Eu: Puxa, obrigado, espero lá no trabalho, então!

Scarlet: Trabalho o que, garoto, eu te convido e tu vem aqui em casa!

Eu: Nossa, que honra!

Scarlet: Você é um amor, Mauro. Eu me sinto muito bem perto de você, nunca me senti assim com ninguém.

E me deu um beijo no rosto, mesmo eu suado do trabalho. Ela também tava suada, mas seu perfume era muito gostoso. Parece que nossa amizade de vendedor e cliente ganhou um novo degrau, fiquei feliz com isso, e percebi em mim uma reação nada tranquila no meu corpo. Quando cheguei ao meu cafofo, tomei um banho para desestressar o corpo, mas me peguei pensando no decote da Scarlet. E foda-se que ela tem idade para ser minha mãe, ela tava inteiraça, bonita, meu pau deu um sinal de vida dizendo pra mim: " Sinto cheiro de fêmea carente precisando de um cuidado nosso. Vamos regar essa terra seca..." . Ela tinha um bundão redondinho, e devia ser muito do gostoso. Imaginei ela toda nua, com aqueles seios enormes de fora afogando meu membro numa espanhola gostosa, aí que ele ficou duro mesmo.

Porém, houve um espaço de tempo, desde esse último contato com ela que não a vi. E fiquei um cadinho preocupado. Acho que foi quase um mês, cara. Minhas tardes foram bem tristes mesmo sem a companhia dela. Comecei a pensar várias coisas: Será que sofreu um acidente? Perdeu o marido, o filho, e mergulhou numa depressão de novo? Tava inquieto com essa situação, mas não conhecia ninguém que pudesse me informar.

Mas, quando menos esperava, eis que quem tá vivo reaparece. E nossa, cara, tá linda, mano, de cara dá para perceber que perdeu números expressivos em seu manequim. Com uma aparência bem jovial, sorridente, maquiada, reduziu bastante sua gordurinha no abdome.

Scarlet: Oi, querido, que saudade!

Saí até da banca, mano fui dar um abraço nela. Nunca fiz isso com cliente nenhum, é um aperto de mão e olhe lá. Mas leu coração muito se alegrou com a volta dela.

Eu: Scarlet, o que aconteceu com você, garota, kkkkk... Cê tá um espetáculo de mulher, se me der mole eu caso, hein!! Kkkkk.

Scarlet: Obrigada, meu anjo! Eu tava louca pra te ver, mas precisava urgentemente me cuidar, minha pressão tava elevada, precisei caminhar e seguir rigidamente uma dieta mais equilibrada, mas estou bem, e há dias que nem preciso tomar remédio para pressão. E nem para depressão, também!

Eu: E você tá ótima, to aqui boquiaberto com você, tá uma delícia, com todo o respeito.

Scarlet: De certa forma, eu te devo isso, sabe. Todos os dias tenho passado aqui e sempre quando converso com você, você me olha como gente, valoriza as pessoas, e reparei, seu safadinho, como você me reparava, nem diz que é mentira, porque eu via, tá...rsrs.

Eu: Não posso negar que o tempo foi passando e comecei a ter um carinho grande por você, mesmo sabendo que você é casada, e...

Scarlet: Não tô mais, Mauro. Fiquei viúva. Para meu alívio, pois não suportava mais aquele homem me menoscabando dentro de casa por eu ser gorda. De fato nunca me achei totalmente feia, mas mesmo não havendo violência física, existem palavras que quando vão, não voltam mais. Eu tava acostumada nesse círculo, porém já não havia mais aquele amor. A gente sente quando se vai alguém que viveu tanto tempo junto, mas... Foi tarde! To livre dessa cruz!

Eu: Bom, de qualquer forma fico feliz por você... E se não me engano, você ficou me dev...

Scarlet: Shhhh( colocou o dedo na minha boca) , eu sei, lindo. Aliás, quero te dizer que durante esse tempo todo eu sempre me lembrei de você com carinho. Pensei muito em tudo que me disse da outra vez. Por mais simples que tenham sido as palavras, você me fez me enxergar como mulher de novo. Seu olhar pro meu decote me fez sentir viva novamente, e que eu devia me cuidar mais em primeiro lugar. A sua promessa será paga. Muito bem paga...

Ela disse isso num tom tão sexy que não pude disfarçar o tamanho do ponto na bermuda. Trouxe ela pra um cantinho perto da porta lateral de saída da banca e arrisquei dar-lhe um beijo. E ela recebeu com uma ternura, cara, que me deixou louco de tesão por ela. Apertei seu corpo forte contra o meu para ela sentir a rigidez do meu membro em seu ventre. Ela aprofundou o beijo, dando um gemido de leve.

Scarlet: Gostoso, safado, que beijo quente é esse, hein!? Tudo isso é por mim, é!?

Eu: Tem muito mais pra você, minha gostosa. Tô amarradão na sua desde o último mês, era questão de tempo eu dar uns pegas em você.

Scarlet: Por isso me cuidei. Não queria apresentar-me de qualquer jeito pra você. Apesar de ser novo, você sabe como mexer com as pessoas, e por isso te peço desculpas, mas era uma surpresa. Quando você tá livre!?

Eu: O dia que você quiser, minha linda.

Scarlet: Uiii, rs, então traga uma roupa amanhã, pra você ir lá pra casa. Vou te pagar a promessa... E muito bem pagaaaa...

Continua



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.