"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Despertado para uma transa titânica


autor: Chronos
publicado em: 29/07/16
categoria: jovens
leituras: 1185
ver notas


Todo mundo tem uma noite inesquecível na cama em sua vida. Eu lembro muito bem que no início do casamento tudo era novo para mim. Como minha esposa é, era a única mulher que houve me provado inteiramente , então tudo era muito intenso pra mim. Fazíamos amor toda noite. Era minha melhor época, a época das descobertas.

Numa noite, após eu haver chegado de um dia cansativo de trabalho, troquei algumas poucas palavras e tomei um banho e fui dormir. Nem jantei. Ela me perguntou por que eu não queria comer, e eu simplesmente respondi que estava muito estourado.

- Ai, amor, e você não vai nem fazer um amorzinho comigo!? Tava imaginando que você chegaria todo carente para me tomar hoje!- perguntou minha esposa.

- Amor, é impossível, nas condições que estou, poder satisfazer-lhe do jeito que quer. Agora me dá licença, eu preciso descansar. Boa noite.- respondi com uma certa rispidez no falar.

- Que houve!? Enjoou de mim!?

- Caraca, amor, você sabe que não enjoei. Mas hoje eu tive um dia estressante, chato, trabalhoso demais, tudo que eu quero é poder apagar, porque amanhã tenho que estar de pé às 4h.

Eu trabalhava no turno da tarde, mas por desfalque de um funcionário fui escalado para o turno da manhã. Como era de confiança, sou de confiança ainda, e precisava levantar uma grana pois estava recém-casado, não haveria problema em fazê-lo. Mas já era tarde, eu precisava descansar. Ela não estava entendendo isso.

Ela: Nossa, nem conversar você quer hoje! Eu fico o dia inteiro querendo uma atenção tua, já falamos pouco, e você nem pra dar umazinha comigo!?

Eu: Entenda que é só hoje, coração. Amanhã a gente faz!

Ela: E eu vou apagar esse fogo como!? Com o dedo!? Ah, não! Eu sou tua mulher! Tu tem que dar um banho de porra hoje, se não eu vou dormir muito mal!.

Puta que pariu, o sono estava me consumindo, nem com banho gelado resolvia meu problema, agora ela me enfia essa porra na cabeça, a noite ia ser foda. Porém, dei uma basta naquela conversa, virei pro canto mergulhei nos braços de Morpheus, como dizem o ditado. Minha esposa fogosa foi dormir possuída, lógico.

Aí você pergunta: Porra, tu está recém-casado, amor e paixão a flor da pele, e tu vai negar fogo, meu irmão!?

Cara, lembro como se fosse hoje que nosso namoro pegava fogo, mas eu não tinha a responsabilidade de atender todas as demandas dela todos os dias. Éramos jovens, cada um dormindo na sua casa, cada um procurando fazer o seu pé de meia, você me entende!? Nossas pegações eram pura carnalidade, mas no fim, cada um pro seu quadrado. Agora, eu tava dividindo meu quadrado com ela. Ser uma só carne não é fácil. Requer muito sacrifício, e eu não estava acostumado com isso.

Mas excepcionalmente nesta noite, sentia todos os meus ossos doendo. Eu estava esgotado, sequer mantinha os olhos abertos. Ela não estava compreendendo isso. Bom, deveria aprender do modo mais difícil. Será!?

Quando uma mulher põe na caixola que quer fuder, irmão, entenda algo: Ou você corre, ou ela te come. Simples assim. Você pensa que só você come a mulher, né!? E seu ponto fica onde? Então aquela carne gostosa tá mastigando seu ponto enquanto leva surra, então ela te come, também! Pode ser feia, pode ser alta, baixa, gorda, magra, preta, vermelha, azul, NÃO IMPORTA! UMA MULHER FICA TÃO PUTA QUANTO UM HOMEM QUANDO SE SENTE REJEITADA NA CAMA!

Recordo-me com a mesma intensidade hoje: Eram mais de 22h, não teria muito tempo para descansar, cacei meu canto e foi dormir. Era uma noite quente, sem vento, puta que pariu, o ventilador soprava baforada quente do caralho, ela esfregando-se em mim, querendo ser satisfeita, e beliscava, mordia, empurrava, e eu já apagado.

Lá pela meia noite, o fogo dela acendeu de novo, e ela reclamando ainda no meu ouvido:

- hummmm, aiiiii, nossa, que fogo é esse... Ai, amor, não tô aguentando mais!

A vontade que deu foi dizer: Toma banho que passa, porra! Mas o cansaço era tão grande que nem força pra isso eu tinha. Somente uma injeção divina me despertaria. O que eu não sabia é que ela já estava a caminho, 😋!

A patroa começou a se esfregar no meu corpo, enquanto deitado de bruços eu estava. Beijou meu pescoço, minha orelha... Porra, ela sabe que fico no ponto quando beija minha orelha. Começou a dizer um monte de safadezas no meu ouvido. Era a injeção divina despertando minha carne desgastada. Foi uma inspiração tão poderosa que me despertou feito um vulcão: Dei um pinote que jogou ela pro lado, ela tomou um susto, e me viu erguendo com um caralho majestoso e fortalecido como um carvalho imponente no meio do campo.

Eu: Você não queria pica, sua puta!?

Ela: Que isso, amor! Você parecia tão inerte, e... Nossa!

Eu: Vai correr!?

Ela: Correr, nada! Quero essa pica toda na minha boca, agora!

Puxei-a como um ogro pelos cabelos,( ela ama quando entrelaço meus dedos nos seus cabelos ), e iniciou um boquete que deixou meu pau duro como uma pedra. Nosso amor sempre foi terno, algo muito romântico, mas ela me deixou tão possuído que recebeu investidas selvagens.

Eu: Isso, sua vadia, suga com vontade. Hoje eu vou fazer essa buceta chorar como nunca na sua vida! Chupa, filha da puta, mama que eu to com life cheio, porra!

Ela não era de falar palavrão, muito menos de gostar de ouvir, mas agora ela virou uma escrava da sua carnalidade. Olhava pra mim, sorria feito uma vagabunda, punhetava com pressão, servia com volúpia todo seu corpo ao meu capricho.

Não me permiti gozar. Tirei meu pau de sua boca e conduzi o momento num beijo animal, sem mistério, sem ternura, só paixão. Aquilo não era amor. Não era romance. Aquilo era foda. Era um prazer que cada um buscava por si. E ela tava gostando de ser usada.

Seu corpo transpirava um odor intenso. Suas pernas já estavam trêmulas, uma eletricidade passava por todo o meu corpo outrora entregue a exaustão do trabalho terreno. O que mais poderia usar aqui para descrever!? Estávamos como homem ou animal!? Anjos ou titãs!? Meus recônditos mnemônicos trouxeram a memória a descrição de Poseidon possuindo Medusa no templo de Athena antes de ela sentir uma enorme repulsa antes de transformar aquela bela ninfa num ser mitológico horroroso cheio de cobras na cabeça. Bem, foi o relato que li. A mitologia estava presente ali no nosso ninho de amor.

Ela: Você está transpirando uma fragrância tão viril. Amo teu cheiro de homem! Porra, qualquer mulher cairia a seus pés hoje. Que força é essa!?

Eu: Só você me causa isso!

Ela: Jura!? Então me dá essa pica, vai! Você tá maravilhoso hoje, nunca ninguém me possuiu assim!

Nossos corpos transpiravam pela forma alucinante que nos tocávamos. Joguei seu corpo com força na cama, e iniciei uma relação vingativa e possessiva. Ela gritava, arfava, não conseguia balbuciar uma frase sequer. Arqueava seu corpo em direção a minha boca como se tivesse um pau e tivesse fodendo em mim. Esse instinto animal oculto nas mulheres me fascina, véio. Sua buceta destilava um agrimel consistente, muito forte mesmo, e quanto mais eu beijava, como uma boca, mais ela queria pau. Torturei até ela estremecer com um novo orgasmo castigando seu corpo.

Ela: Porra, não agüento mais, quero esse pau dentro de mim agora!

Coloquei ela de 4 e introduzi meu membro bruscamente dentro dela. Ela arrebitou seus glúteos em minha direção, rebolou, contraiu, colidiu contra minha virilha buscando o total preenchimento de sua xana carente.

Fodi como um cavalo. Ela perdeu a força e caiu de bruços, apenas recebendo meu pau duro feito uma rocha abrindo as paredes da sua vagina. Estava suada, e seu corpo transpirava puro sexo. A rainha de copas estava babilonicamente transformada na dama de pais, castigada sem nenhuma cerimônia. Totalmente enternecido pela visão de seu corpo nu, tirei meu pênis e recomecei todo o processo outra vez. Empinei a bunda dela e mergulhei de cara por trás dela. Nunca tinha feito isso.

Ela: Amor , você ta parecendo um cachorro! Kkkkkkkkk, nossa, que gostoso, continua, vai!

E encaixei um delicioso beijo grego nela. A princípio assustou-se, mas deixou ser sodomizada pelo homem que descobriu o prazer somente com ela. E isso era algo que ela jamais poderia mensurar o valor. Ela foi minha única parceira na cama até hoje.

Depois de estar bem molhada pela minha saliva, arrebitei sua bunda ainda mais e fui introduzindo meu pênis, agora em seu cuzinho. Ela gritou, contraiu suas pregas em minha glande, produzindo uma sensação nunca antes sentida por mim. Depois relaxou, e penetrei mais um pouco. Até enterrá-lo inteiro.

Ela: Seu devasso! Anda, fode sua putinha, fode! Eu que despertei, não foi!?

Eu: Tá reclamando!? Kkkkkkkkk, um pouco tarde, não acha!?

Ela: Por que eu iria reclamar de um deus ébano desse!? Fode sua índia, fode! Quero essa pica me atolando inteira... Aaaaaiiiieeeee!

Eu: Assim, com força!?

Ela: Isso... Era disso que eu tava falando, caralho!

Tava enlouquecida, puta que pariu! Estoquei com força, depois dosei força com velocidade, pois estava me acostumando aquela pressão, e ela rompia em um orgasmo totalmente inédito .

Totalmente saciada e preenchida, iniciei uma sessão de castigo alucinante penetrando na velocidade máxima. Tirei meu pai de dentro dela e terminei um intenso e viscoso banho de leite pelo seu corpo.

Em circunstâncias normais, ela acharia aquilo nojento. Não gostava nem do cheiro nem da textura do sêmen. Mas ela não podia reclamar desta vez: Estava saciada como jamais em toda sua vida possa ter sido.

A essa altura eram quase duas da manhã. O que havia sobrado para dormir!? Ah, foda-se! Tomei um banho restaurador e procurei tirar um cochilo. Cochilo este que me levou a dormir tão profundamente a ponto de não escutar o despertador, kkkkkk, cheguei atrasado ao turno, um pouco apenas, e graças ao meu patrão que me ligou perguntando onde eu estava. Sorte que ele era um cara muito compreensivo e amigo.

A patroa em casa me mandou inúmeras mensagens de texto sobre como sentia ter feito algo tão profano, carnal, mas delicioso. Estava realizada. Profano, eu acho, é quando você faz aquilo transgride seus princípios sobre amor, sexo, e tudo o mais. Pow, eu não tava numa suruba nem nada para fazer algo profano!

Por ela estar se sentindo daquela maneira naquele momento, até me desculpei com ela. Mas você acha mesmo que foi a última vez? Hahahahahahahahaha, nunquinha da Silva Xavier!

Ao contrário do que eu próprio pensava, meu dia correu bem e fui superprodutivo e dinâmico. Naquele dia, minha esposa começou a ler varias coisas a respeito de uma foda bacana, passou a criar mais, pesquisar mais, e com certeza não foi a mesma pessoa.

Não sou um cara de se jogar fora, mas nunca fui um Di Caprio, um Gianecchini. Mas quando você transpira sexo, e tem uma noite como essa, acredito que seu humor contagia quem tá perto. E não demorou para outras mulheres buscarem a mesma receita do sucesso.

Mas quando se tem dentro de casa o que precisa, ninguém parece tão interessante como antes. É nisso que acredito. Sou paquerado, assediado, mas é mais fácil suportar a tentação.

Se olho para outra mulher na rua!? Olho, mas gostosa é a minha patroa! Cuida das minhas coisas, faz uma comida gostosa, administra o dinheiro que entra com suor. E mesmo com pouco, ganhamos muito.

Cinco meses depois meu patrão chega com uma notícia: Estou engajado definitivamente no turno da manhã! Maravilha, agora poderei chegar cedo ao lar, curtir uma soneca para recuperar energia à tarde, e à noite😈😈😈, acender o fogo da perseguida!

Bye, pessoal, espero que tenham gostado!






ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.