"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Quando a esposa do seu amigo...


autor: Publicitario45
publicado em: 29/07/16
categoria: hetero
leituras: 5364
ver notas


Quando a esposa do seu melhor amigo resolve dar para você, é um problema. Um delicioso problema diga-se de passagem, mas é complicado. Para entendermos a melhor vou contar pra vocês como tudo começou. Foi uma trepada só, mas foi “a trepada”.

Eu tenho um grande amigo que se chama Paulo, descendente de italiano, gente boa, gosta de conversar e beber com os amigos. Um dia conheci uma menina na internet que aqui vou chama-la de Ticiane. Paulo era casado com Nice mas logo depois que eu apresentei ele a Ticiane eles se envolveram e acabaram se casando um ano depois. A Nice nunca mais falou comigo e hoje, 10 anos depois, Paulo e Ticiane se dão super bem.

Quando eu conheci Ticiane a gente falava de sexo a maioria do tempo. Ela falava de como ela gostava, das suas fantasias, preferencia etc. eu ia no mesmo ritmo, mas nunca rolou nada entre a gente.

Anos depois, mais precisamente ano passado, Ticiane entrou para uma academia decidida a perder 12 kilos. E perdeu, ganhou massa magra, torneou o corpo e se transformou numa morena deliciosa.

Ticiane é baixinha, tem 1,60 de altura, olhos meio puxados, boca grande, seios fartos, bunda não muito grande mas bem redonda, coxas grossas e um sorriso perigoso. Ela é do tipo que conversa sorrindo com os lábios e com os olhos e mulheres assim costuma conseguir o que querem dos homens.

Já meu grande amigo Paulo resolveu entrar pro time dos homens que não se cuidam. Adora cerveja, vinho e churrasco e isso o transformou num barril de gordura e consequentemente num fracasso na cama quando o assunto é sexo.

Ai o universo resolveu conspirar. Eu vendi meu carro mas tenho um cliente em Minas. Ticiane é sócia do Paulo numa empresa que presta serviço para meus clientes e eu precisei de ir em Minas para resolver algumas coisas. Inicialmente seria eu e Paulo mas em cima da hora ele me disse que Ticiane iria em seu lugar.

Bem, diz o ditato: se está no inferno, abrace o capeta. Eu e Ticiane começamos a planejar a viageme resolvemos ir de trem. Combinamos dela pegar o taxi na casa dela e me buscar, depois iriamos juntos para estação ferroviária. Quando entrei no taxi tomei um susto, ela estava linda. Usava um vestido preto, meia calça fumê, salto alto, uma maquiagem discreta e um batom leve, afinal de contas em menos de 6 horas de viagem estaríamos em reunião. Dei bom dia, dois beijos e seguimos.

No caminho muita conversa de trabalho até que... passamos a fala da época em que nos conhecemos e dessa conversa passamos pra sexo e do sexo ela passou para o baixo desempenho sexual do meu melhor amigo.

- E pensar que eu quase dei pra você heim.

- Pois é, a vida tem dessas coisas. Agora você dá pro meu melhor amigo.

- Dar eu dou, mas ele não anda comendo direito.

Daí em diante eu comecei a ouvir de tudo, das suas fantasias, das frustrações, das incontáveis masturbadas que ela deu no chuveiro para apagar o fogo. Uma que fez meu pau latejar foi saber que ela já tinha tido sonhos eróticos comigo.

Chegando na cidade, fomos ao cliente, cumprimos nossa obrigação e depois fomos pro hotel. Já passava das 22h quando o telefone do meu quarto tocou, era Ticiane.

- Fiquei sabendo que na beira do Ro Doce tem o melhor forró do mundo. Se arruma que nós iremos.

- Mas...

- Mas nada. Você sabe quantos anos eu não danço forro?

- Eu não sei dançar isso Ticiane. Eu gosto de Iron Maiden.

- Eu te ensino.

Troquei de roupa e encontrei com ela na porta do hotel. Ticiane queria matar a gente, usava um vestido floral, curto, solto, que mostrava bem as suas pernas e o resultado da malhação. Com 37 anos e mão de dois filhos ela estava muito gostosa para ser bem sincero.

Entramos no taxi e chegamos ao bar, lotado, cheio de gente bonita, forro tocando alto. Escolhemos uma mesa e pedimos uma cerveja Original e umas coisas para beliscar. A conversa foi indo bem até que Ticiane resolveu dançar. Me pegou pelas mãos e disse apenas um “vem” e já foi me arrastando pra pista.

Comecei a dançar aquilo que nem sei. Ticiane colou seu corpo no meu e eu inicialmente me senti constrangido, afinal de contas ela é casada com meu melhor amigo. Dançamos uma, duas, três e sentamos, depois voltamos a dançar e quanto mais Ticiane bebia mais ela se esfregava em mim. O clima esquentou, nossas bocas ficaram perto uma da outra, ela estava suando, o calor tomou conta dos dois e ela pediu pra gente sentar.

- Nossa, melhor a gente parar.

- Não está se sentindo bem?

- Tô sim...

- O que foi que houve com você forrozeira?

- Fiquei com tesão, desculpa, vamos embora?

- Sim...

Pagamos a conta, entramos no taxi e Ticiane se manteve muda o tempo todo. Chegamos no hotel, nos despedimos do corredor e cada um seguiu pro seu quarto. Eu resolvi então tomar um banho, pois estava morrendo de calor e queria que o fogo da cerveja desse uma diminuída. Entrei no banho, deixei a agua fria cari no meu corpo e antes de sair do Box derramei óleo de Amendoas da Natura sobre meu corpo ainda molhado. A pele brilha, o cheiro toma conta do ambiente e dá uma sensação boa.

Me enrolei na toalha e fui pro quarto. Liguei a TV e ouvi três toques na porta. Abri e era Ticiane. Ela sequer abriu a boca, empurrou a portam entrou no quarto fechando rapidamente a porta e veio em direção a minha boca. O encontro do seu corpo junto ao meu fez com que eu caísse na cama usando apenas uma toalha. Ticiane puxou o tecido, viu meu corpo milhado e meu pau duro e já foi se livrando do vestido, da calcinha e da sandália.

Suas mãos envolveram meu pau, em seguida sua boca se apossou dele com chupadas incríveis, uma língua atrevida explorava cada centímetro do meu pau, seus lábios faziam pressão na cabeça me fazendo delirar de tanto prazer.

Ticiane mordeu meu pau, minhas pernas, lambeu cada um dos dedos dos meus dois pés como se fossem picas em sua boca. Me virou de costas, deitou-se nua sobre meu corpo, beijou meu pescoço, minha nuca, mordeu minha orelha. Se esfregava em mim como se ela fosse um outro homem, parecia que ela é quem iria me comer. Sua boceta depilada se esfregava em mim enquanto suas mãos alisavam meu corpo por inteiro, sua língua parecia rabiscar as minhas costas.

Depois que ela se divertiu bastante resolvi tomar a direção da brincadeira. Puxei seus cabelos e seu corpo por cima do meu tinha o encaixe perfeito. Ordenei que ela abrisse as pernas e começasse a esfregar o grelo na minha coxa esquerda, eu queria que ela usasse o meu corpo como vibrador. Seu corpo se movia pra cima e pra baixo, suas pernas entre abertas deixavam seu grelo esfregando nos pelos da minha perna, o melado foi descendo e Ticiane gozou intensamente.

Seu corpo sofria pequenos espasmos, sua voz embargou e o suro escorreu na sua testa.

- Gozou safada?

- Nossa, me chama do que você quiser.

- Vira!

Ticiane deitou de bunda pra cima. Mordia a batata da sua perna, retribui as lambidas nos dedos dos pés, mordi suas coxas e cai de boca na sua boceta. Seu grelo estava duro, sua boceta escorria um mel saboroso, seu cheiro era inebriante e rapidamente veio outro orgasmo.

- Me come, me come...

- Implora!

- Por favor, me come.

- Não. Você e casada com meu amigo.

Ticiane se enfureceu e me jogou na cama, abriu as pernas e sentou no meu pau que entrou naquela boceta quente e apertada. Ela cavalgou alucinadamente, rebolou no meu pau gozou uma, duas e três vezes e eu adorando ver aquela cara de mulher casa se saciando na minha pica.

- Safado, comendo a mulher do amigo.

- Voce ainda não viu nada.

- Ah é, vou ver o que safado?

- Vai ver estrelas quando eu comer seu cuzinho

- Come, hoje você vai comer o que quiser.

Ticiane saiu de cima do meu pau e ainda por cima de mim virou o corpo, pegou meu pau com uma das mãos e direcionou pra porta do rabo. Desceu o corpo e a cabeça entrou, ela recuou por causa da dor e depois pra ficar de quatro.

Me posicionei atrás dela, deu uma lambida no cuzinho, meti um dedo pra aliviar, depois outros. O vidro de óleo de amêndoas veio a calhar, lambuzei seu cuzinho e comecei a entrar devagar. O pau foi sendo engolido e os movimentos acelerados. Ticiane gemia, pedia pra apanhar, pediu que eu puxasse seus cabelos e seguiu gozando com o toque do próprios dedos.

Depois gozamos juntos e caímos na cama. Depois ficamos quietos, em silencio, olhando pro teto até que ela se levantou, me deu um longo beijo – obrigado por me fazer sentir viva de novo – e saiu.

No dia seguinte, nos encontramos no café da manha e agimos como se nada tivesse acontecido. Ainda continuamos amigos, mas ela nem toca no assunto.

A única coisa que mudou é que ela convenceu o Paulo a sair do sedentarismo, estão felizes, trepando com nunca e a nossa amizade continua a mesma de sempre.

Bom fim de semana pessoal.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.