"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Dona do bar


autor: Castanho2015
publicado em: 01/08/16
categoria: hetero
leituras: 2986
ver notas


Inspirado em minha amiga Dry
Escrevo tentando detalhar o sonho que tive e nele a influencia das conversas com minha amiga teve papel relevante em minhas fantasias e sonho como um todo. Moramos em cidades distantes, temos nossas vidas, filhos, parceiros, netos.. A realidade virtual consegue reunir a gente, unir nossos espíritos de forma que podemos gostar, amar e sentir a presença mesmo estando longe. Isso acontece com muitos amigos e amigas virtuais que tenho, pessoas que nunca vi pessoalmente mas que virtualmente estão presentes no meu dia a dia, gracas a Deus. E logico que as conversas são sobre todos os assuntos e sem censura. Muito menos frescura. As vezes penso que sou mais eu na NET do que no corpo físico.... Mas vamos ao relato do sonho: conversei pelo whatts com Dry antes de dormir, ela ainda estava no trabalho, e como sempre rimos, falamos besteira, confidenciamos segredos, vontades, desejos, frustrações.... Perguntei como ela estava vestida e ela me mandou uma foto linda, de pé atras do balcão. Pra quem não conhece vou tentar descrever minha amiga: alta 1,72 cabelos longos cacheados e ruivos, pernas grossas, nariz arrebitado parecendo o da Natalie Wood, seios médios e uma bunda farta que somente quem já deu a luz possui e um sorriso encantador. Em meu sonho eu já estava no bar e ela lá colocando uma ficha na vitrola, escorada nos cotovelos dedos passeando na tela, perna direita subindo e descendo e ela perguntando: - castanho, to em dúvida. MPB ou rock. Eu em pé na porta admirando a cena respondia:
- confio no seu bom gosto. E ela colocou Cazuza. O tempo não pára. Será. Acho que nos sonhos para sim. A musica começou a tocar, e conforme ela foi seguindo em direção ao balcão os clientes que estavam no bar foram sumindo. E só ficamos nos dois. Entrei e do lado de fora do balcão peguei sua mão e dei um beijo, desses de filmes antigos. Dei a volta e chegando por detrás dela observei seu corpo por inteiro de cima ate embaixo ai ela se vira de frente pra mim, sorrindo me diz:
- sera que posso ganhar um abraço, aquele que espero receber todos os dias!
- claro
e me aproximei, passei a mao em seu rosto e o frescor de sua pele fez meu sentimento aflorar. Um abraço forte, demorado surgiu onde eu sentia seu cheiro e me perdia em seus caracóis sentindo seu perfume, seu calor e nossa emoção. Ficamos abracados não sei por quanto tempo, e um beijo surgiu em meu rosto, sua boca procurando a minha. Olho no olho, um sorriso e nossas bocas se unem. Línguas sedentas, saudosas do beijo que nunca provaram se fartam nesse encontro. Eterno. Esse momento deveria ser eterno, mas somos humanos e maos começam a percorrer nossos corpos, viro Dry de costas, ela se escora no balcao e de joelhos levanto sua saia, revelando sua calcinha vermelha Cavadinha, tentando cobrir seu sexo que exalava um perfume ensurdecedor, e uma visão barulhenta do paraíso. Começo por beijar suas coxas e vou subindo, ela se contorce. Afasto sua calcinha e sua bucetinha orvalhada é um convite ao desfrute do sabor raro e único que é seu néctar. Começo passando a lingua devagar, de baixo pra cima, minhas maos afastando suas nadegas, ai começo a sugar, ela se vira de frente pra mim, tiro toda sua calcinha deixando caída no seu pé direito, levanto seu vestido e começo a mamar em sua gruta, sou um bezerro faminto matando a fome de meu desejo. Seu clitóris duro é um convite a umas mordidas, mordisco de leve e ela estremece. Um jorro de néctar é o meu presente, suas pernas tremem, ela me puxa pelos cabelos e me beija. Me come se abre e demonstra que quer mais.... Torna a ficar de costas, de quatro escorada no balcão tiro minha roupa na velocidade do pensamento, meu membro grosso e duro passeando em suas coxas, sua bunda ate encontrar sua bucetinha e passo nela pra cima e pra baixo, e ele vai entrando, deslizando com facilidade, parece ate que fez isso a vida toda, tamanha a intimidade, o sentimento de almas se entregando e completando se mistura com a sensação de paz, prazer e alegria. Comemos um ao outro. Mutuamente. Eu entrando e saindo e ela rebolando e apertando meu cacete. Diversos ritmos e um genido alto dizendo vou gozar. Aumento a força, luxo seus cabelos e ela se joga ao meu encontro pra ir mais fundo. Meu pau cresce mais engrossa mais fica mais sensível e o contato de suas paredes vaginais entumescidas pelo desejo e prazer me leva ao céu, derrepente ela começa a desaguar em mim, e o calor de seu néctar em minha cabeça explode meu prazer e em resposta inundo sua gruta com meu leite abundante, e ficamos assim sentindo esse clímax de prazer infinito ate que o som muda para Gita do Raul Seixas. E acordo. São 5:30 a realidade física clama por minha presença e interrompe um dos melhores sonhos que ja tive....



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.