"Os mais excitantes contos eróticos"

 

MINHA CUNHADA NÃO TOMA JEITO


autor: gatodoidinho
publicado em: 03/08/16
categoria: hetero
leituras: 5432
ver notas


Olá a todos. O que vou narrar aqui é absolutamente verídico. Tenho 44 anos, moreno, 90 kg e minha altura é 1,70. Sou casado há 18 anos, tenho três filhos de 18,
15 e 10 anos.Depois de ter transado 5 vezes com a mulher do meu irmão, eu dei um tempo porque as coisas começaram a ficar muito "na cara". Minha mulher já estava desconfiando e
tava me vigiando. Qualquer hora ela ia acabar descobrindo e a merda ia ser grande. Passou-se 2 anos mas eu nunca deixei de desejar ela, afinal ela é uma delicia;
Magrinha, seios pequenos paracendo de adolescente, bundinha bem redondinha e uma bucetinha branquinha com os lábios salientes e sempre bem depiladinha e cheirosa.
Pois bem, sempre quando a familia se encontrava, a gente trocava olhares e e eu pensava: "um dia quero chupar e meter nessa bucetinha novamente". Até que meu irmão
inventou um final de semana na praia e nos convidou para ir com eles e seus dois filhos pequenos, pois havia alugado uma casa e havia um quarto vago. Minha mulher
aceitou na hora, pois fazia tempo que estava querendo esfriar a cabeça. Chegando lá pela manhã, elas foram cuidar dos afazeres da casa e meu irmão e eu fomos
providenciar as compras para ficarmos dois dias ali. Carvão, carne, leite, refrigerantes, produtos de higiene e outras coisas. Depois do almoço as crianças resolveram
que queriam ir à praia e já foram colocar suas roupas de banho, bóias, brinquedos, etc... Eu fui dar uma descansada na rede, mas não demorou muito e já fui acordado
pela minha esposa para ir até o supermercado comprar gelo que havíamos esquecido. Ao levantar, notei que minha cunhada e as crianças não estavam ali. Meu irmão estava
dormindo e minha esposa preparava as coisas para a janta. Eu então peguei a caixa de isopor, coloquei no carro e fui até o mercado, comprei o que tinha que comprar e
quando estava voltando, resolvi estacionar na região e andar um pouco na praia enquanto tomava uma água de côco. Ao longe eu avistei minha cunhada segurando as duas
crianças pela mão e andando em direção a um lugar onde havia umas pedras grandes onde a água da maré alta se acumulava formando poças. Havia tambem uma vegetação em
forma de pequenas árvores, onde formava belas sombras. Como estávamos em baixa-temporada a praia estava vazia e aquele lugar que ela estava indo, mais vazio ainda.
Então eu a segui e logo ela me viu e sorriu para mim, me chamando para junto deles. As crianças de 5 e 3 anos já foram brincar nas poças d´água e minha cunhada estendeu
uma toalha e se deitou para tomar um pouco de sol enquanto conversávamos. Com pouco minutos de conversa já começamos a lembrar das nossas transas escondidas e eu já
comecei e ficar de pau duro por sobre a sunga. Ela deve ter notado, pois deu um sorriso, virou-se de bruços e me pediu que passasse bronzear em suas costas. Eu não
esperei ela pedir duas vezes e já comecei a espalhar o creme por suas costas. Na posição que a gente estava, ela cuidava dos pequeninos que estavam a poucos metros de
distância. Conforme eu ia passado o bronzeador, ela ia ficando mais relaxada e ia dizendo: "Nossa, cunhado...sua mão continua gostosa e macia". Eu que já estava de pau
duro fiquei ainda mais assanhado. Então eu sentei sobre suas coxas com a desculpa de ficar melhor posicionado para passar o creme, mas na verdade eu queria era ficar
de frente para a sua linda bunda, exposta pelo bikini fio dental que ela usava. Fui passando em suas contas e fazendo uma espécie de massagem. Ela só gemia e dizia que
daquele jeito ia acabar dormindo. Fui ficando mais ousado e comecei e passar o bronzeador em sua bunda e entre as suas pernas. Ela me chamou de safado, mas não fez
nenhum sinal me reprovando. Então eu abri um pouco sua bunda e pude ver parte daquele cuzinho que eu tanto chupei. Ela então empinou a budinha como quem consentia meu
avanço. Eu comecei a passar a mão sobre sua bucetinha e notei que já estava toda molhada. Quando ela disse "ai, que delicia" e afastei seu bikini para o lado e enfiei
o dedo anelar em sua bucetinha molhada. Ela deu um gemido alto e começou a rebolar no meu dedo. Olhei para ver se não tava vindo ninguém e do jeito que eu tava,
sentado em suas coxas, tirei meu pau para fora da sunga pelo lado e encostei na entrada de sua buceta. Ela então me disse: "Você é louco... meus filhos estão aqui
bem na nossa frente e podem ver; além do mais, pode vir alguém. Eu então a tranquilizei dizendo que do jeito que eu tava, dava para ver toda a praia por sobre a
vegetação e quanto as crianças, elas brincavam inocentemente na água e nem se davam conta do que estava acontecendo. Feito isso eu comecei a esfregar a cabeça do meu
pau nos lábios molhados de sua buceta....pra cima e pra baixo. Sua buceta já escorria de tão molhada. Sentei um pouco mais perto de sua bunda e fui introduzinho meu
pau naquela buceta suculenta. Ela enlouqueceu e rebolava feito doida anunciando um gozo atrás do outro. Dizia "ai que saudade desse pau gostoso"....quanto tempo....
ai que delicia....Isso me come gostoso....ai vou gozaaaaarrrrr....Não sei se pelo tempo em que não transávamos ou pelo medo de sermos apanhados, mas eu também não
aguentei muito tempo e gozei gostoso, enchendo sua buceta de esperma. Foi uma transa louca e muito gostosa. Me levantei e combinamos que ela só iria bem depois pra
casa para que ninguém desconfiasse. Cheguei em casa e meu irmão ainda dormia e minha esposa estava no banho. Depois desse dia, ainda transamos mais duas vezes, mas
essas eu deixarei para outro dia.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.