"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Minha Intensa Ex-Mulher 02


autor: Chronos
publicado em: 03/08/16
categoria: romance
leituras: 1131
ver notas


Nota autoral: Esta história foi novamente publicada, com um novo nome. Foi deletada no bug do site e hoje está a disposição de quem não leu. Boa leitura a todos. Quem já leu, relaxe.




Certos fantasmas jamais desaparecem da sua vida, por mais que você tente exorcizá-los. O problema se agrava ainda mais quando se trata de fantasmas que estão vivos e insistem em fazer parte do seu mundo. No meu caso, é o mais sexy , que um dia já amei com todas as forças.

Sou Ulisses, muitos aqui se lembram de mim( quem acompanhou as primeiras histórias deste acervo, como MINHA INTENSA EX-MULHER, CLIENTE, CONFIDENTE, PUTA, VINGANÇA DOCE COMO VINHO E EPISTEMOLOGIA DO PECADO IRÃO SE LEMBRAR). Muita coisa mudou na minha vida depois que conheci Inês, hoje ex-mulher de Rodrigo Trabuco, irmão do meu companheiro de trabalho Victor.

Quando atingimos o ápice nos negócios em Seguro de veículos, uma tentadora proposta assombrou minha vida profissional. Como havia trabalhado como Master na Sede Rio Oeste por 10 anos, havia deixado bons contatos e clientes que sentiram minha falta. Porém, o momento que eles atravessavam não era dos melhores. Para não dizer péssimo .

Tony me ligou perguntando se eu poderia passar contatos de clientes meus para o Banco novamente, pois pela primeira vez em 15 anos eles não iriam conseguir bater a meta de R$ 800.000, em investimentos. Alguns da minha antiga equipe já tinham sido até mandados embora. Restavam menos de duas semanas para a grande reunião, e eles mal haviam superado a barreira dos R$ 400.000,00.

A vontade no meu coração, sinceramente, foi de dar uma risada gostosa na cara deles, depois de tudo que aconteceu-me que acarretou na minha saída. Foi dolorosa demais. Porém, dispus-me a ir um dia da semana para discutir estratégias e forneci todos os contatos que possuía.

Lógico que conversei com o Victor sobre isso. Não demorou muito para contatarem ele também. Victor era o funcionário do alto grupo do banco mais comissionado que tinha. E foi ele que ajudou a subir lá dentro, pois ele defendia uma visão de unicidade. Muita coisa que sei aprendi com ele.

Eu: Victor, o que você pretende fazer!?

Victor: Tô pensando seriamente, cara. Apesar de estar um tempo afastado, dói no meu coração saber que estão passando por isso. Eu irei ajudar, mas quero saber uma coisa de você: Se depois desse tempo todo chamarem você ou a mim, ou aos dois para voltarmos, o que faremos com tudo isso aqui!?

Seguiu-se um silêncio após uma pergunta cuja resposta seria muito difícil. Praticamente começamos do zero, cavando em um terreno de pedregulhos, mas furamos nosso poço. A experiência conferia a ele uma visão privilegiada. Tornaríamos a ganhar muito mais, com certeza! Mas a que custo!?

Eu: Olha, meu irmão, eu te devo muito em tudo que passamos até aqui. Você sabe que não saí de lá por querer. Não mesmo.

Victor: Entendo você perfeitamente . Então você decidiu que...

Eu: Decidi que posso até ajudar, mas largar isso aqui só se for pra acabar de derrubar aqueles nos tiraram de lá!

Victor: Puta que pariu! Aperta minha mão aqui, cara! Você tem visão, porra!( risos ) . Cara, você pensa como eu. Porque tenho uma das grandes para te contar: Eu já fui convidado para retornar, mas dá uma olhada nisso aqui.

Meus olhos brilharam. Victor recebeu há dois dias a proposta de retornar ao que era excelente no que fazia, mas na maior concorrente da Rio-Oeste .

Eu: Isso é maravilhoso, cara! E aí? Quando você vai responder a eles!?

Victor: Irmão... Jamais voltarei à Rio-Oeste. Começo lá no Porto semana que vem, kkkkkkkk.

Tive que abraçar ele, pois finalmente a nossa sorte iria mudar. E para melhor.

Eu: Cara, então parta pra cima, eu desejo tudo de bom pra você, poxa, fiquei emocionado, até...

Victor: Ainda não acabei, companheiro. Chegou isso aqui pra você também, kkkkkkkkkkk.

Quase tive um infarto. A concorrente havia me chamado também. O outro envelope veio com o dele. Sabe quando você é surpreendido depois de tanta porrada que a vida te dá!? Pois é, meu irmão. As coisas mudam para quem acredita.

E assim, na semana seguinte, começamos trabalhar na concorrente. Era um fantasma que acabava de ser exorcizado na minha vida. E a Rio-Oeste!? Chupou um canavial de rola esse semestre, o que faltava para eles alcançarem a meta foi o que acabamos de tomar deles!

Entretanto, minha vida particular estava tomando contornos inesperados e a velha tempestade parecia trazer ventos longínquos, porém frios. Minha vida com Inês seguia calma e prestante, e o grande tormento para ela converteu-se em paz. Como sempre teve uma vida independente, óbvio que propôs-se a novos horizontes. E entrou no nosso time de seguro de veículos. E estava se saindo muito bem. Ensinei a ela tudo que havia aprendido esses anos. Foi um caminho doloroso para ela, pois tinha vivido o tempo todo trabalhando com o outro Trabuco em venda de automóveis na Intendente Magalhães. Tirava o ganho dela numa boa, e nosso trabalho juntos aumentou ainda mais a cumplicidade que havia. Como Trabuco havia dito, realmente aquela mulher respirava trabalho. Mas com um Ulisses na vida dela, as coisas apimentavam ainda mais: Era paixão pura, também!

Mas como eu disse, a vida é uma caixinha de surpresas. Eu tive uma vida antes de Inês, mas essa vida , apesar de eu ter saído dela, não saiu de mim.

Abigail era a Reitora do Conservatório da Universidade. Após a conclusão de seu doutorado, Ocupou a cadeira com louvor, e tornou-se respeitada dentro de sua comunidade. Porém, o sucesso não lhe atraiu novos pretendentes. Ela não permitiu a entrada de um novo amor em sua vida.

Fora da área acadêmica, a vida de Abigail resumiu-se apenas a Joshua. Preocupada com o tempo escasso que dedicava a educação do nosso filho, todo seu esforço era dirigido para ele.
Sempre foi rigorosa com isso e sempre foi intensa como mulher do lar.

Agora, vivendo ao lado de Inês, era muito difícil eu passar algum tempo dentro da casa dela com Joshua, mas pelo menos entre as duas partes havia respeito. Eu mudei muito com Abigail. Ela sentiu muito a perda, mas... Esse mas é foda, mas tenho que dizer: Continuava obstinada nos seus sentimentos. E um dia, a tempestade deu sinal.

Começou quando, em dia de reunião de pais e professores a qual eu sempre participo, foi discutida a introdução de um projeto educacional que me deixou de cabelo em pé!

Como sou o mais sisudo e testa dura dos pais presentes, obviamente questionei várias coisas, inclusive sobre como isso interferiria na educação recebida dentro de casa. Levantei um fuzuê doido, pois quase a unanimidade dos pais concordavam comigo. E eles tiveram que recuar. E recuaram bonito. Pois se tratava de uma doutrinação política, e não parte da educação deles. Reuni uma quantidade de pais e fizemos abaixo-assinado: Ou vocês param com isso, ou retiramos nossos filhos da escola!

Não entrarei em detalhes aqui sobre este evento. Porém, ao chegar à minha antiga casa e de Abigail e relatar sobre o ocorrido, ela ficou horrorizada!

Abigail: Olha, ainda bem que foi você que compareceu lá, pois se eu tivesse, teria feito um escândalo!

Eu: Tem escolas boas para colocá-lo, Abigail! Nós não precisamos manter ele ali!

Abigail: Ainda é a melhor e você sabe que outra igual só tem mais longe de casa. Além disso, as outras não tem horário integral para ele!

Eu: É, eu sei. Mas comece a pensar com cuidado sobre isso, tá! Eles recuaram agora, mas poderão vir com força depois! E não vou ficar protelando esperando fazerem uma lavagem cerebral no Joshua!

Abigail: Se tem uma coisa que admiro em você é isso, Ulisses: Seu posicionamento. Quando você tem convicção de algo, parte pra cima. E então, mudando só um pouco de assunto: Como está indo na seguradora!?

Eu: Ah, desculpe, nem tive tempo de contar!

Abigail: Vem aqui comigo a cozinha, vou fazer o jantar do seu filho, aí você me conta.

Quando ela ouviu, deu um grito que estrondou a casa.

Abigail: Nossa, Ulisses, não acredito! Não sabe o quanto fiquei feliz por você agora!- e ela me abraçou.

Aqui a tempestade começa. Na hora que ela me abraçou, senti o velho fantasma rompendo o selo novamente. E o que fazer diante daquilo? Quando nossos olhos se cruzaram, mais perto após meses de gelo impenetrável, caíram -me as barreiras que eu havia criado. Eu podia sentir: Ela me amava! Mas como!? Como, depois de tudo que havia ouvido e visto!?

O meu interior revirou-se violentamente e o meu lobo adormecido levantou-se. Sim. Ao sentir o perfume dela, o abraço tornou-se mais forte. O primeiro contato com os olhos dela foi intenso, depois de tantos meses.

Abigail sorriu. Ela sabia muito bem como aquilo mexeu comigo. A respiração dela estava profunda e lenta. Uma leve mordida nos lábios denunciava seu desejo contido. Eu não aguentei. Cacei sua boca num beijo voraz e impetuoso. Uma chuva começava .

Abigail: Não sabe como eu esperava por isso, seu desgraçado! Eu ainda te quero! E como te quero!

Eu: Você sabe que isso não devia estar acontecendo...

Abigail: O que tem de acontecer tem muita força, e você sabe. Até quando você iria mentir para você mesmo!? Hein, me responde!

Nesse momento, nosso filho nos flagra.

Joshua: De novo, papai, de novo!

Eu: De novo o que, seu sem-vergonha!? Vem cá que eu vou te pegar!- E saiu correndo pela casa , todo feliz. Agarrei ele e enchi ele de beijos e mordiscadas carinhosas.

Joshua: Papai, você vai jantar com a gente!?

Meus olhos se erguem em direção a Abigail que responde prontamente:

Abigail: Hoje teremos a companhia do papai, filho!

Joshua: Yessssss!

Fez uma coisa rápida e deliciosa: Macarrão ao alho e óleo, fritou uns bifes e batatas e fez uma bela salada. Ao fim do jantar, meu filho pediu que o pusesse para dormir. Não que eu não fizesse, não é isso, mas eu só faço quando ele está lá em casa . Pus ele pra dormir e contei uma historinha.

Mas estava longe de me despedir de todos. Ao descer, Abigail sorvia uma taça de vinho( porra, já vi esse filme), e me chamou . Tórridas lembranças rebentam nas cavernas escuras da minha mente. Meus sentidos me traem. Compartilho do vinho, ela propõe um brinde à nova fase da minha vida. Desconfortável, brindo.

Abigail: Você tem sido um menino muito mal, Ulisses, não iria me contar isso!?

Eu: Não é isso, é que não tive tempo mesmo.- Abigail atacou de vez.

Abigail: Não tem telefone na sua casa!? Podia ter ligado, acho que Inês não se importaria.

Eu: Ok, perdoe-me!

Abigail: Está perdoado!- aproximou-se face a face- como não perdoar você!?

O toque dela me estremeceu. Adiantaria pedir para parar!? Ela tinha sede. E sabia como tirar água da rocha. Seus lábios ne procuraram ainda mais enfurecidos. Pousei a taça de vinho sobre a mesa e deixei ela conduzir o momento.

Abigail: Eu havia dito a você uma vez, meu amor, e você não aprende... Será que você não compreende que não há, e nem haverá uma mulher que ame você como eu te amo - um beijo - hein?- e outro, e outro.

Suas mãos percorrem todo meu peitoral, abdome e ... Isso! Bem aqui... Que pressão gostosa, ela me faz! Sinto saudade das suas mãos ne pressionando, sinto um furor crescendo dentro de mim. Ela desabotoa cuidadosamente para não me sujar com seu batom, e cobre meu peito de beijos!

Abigail: Nossa, como eu tava sentindo falta... Olha como você me deixa- tira minha calça e começa a acariciar meu membro por dentro da cueca.

Eu: Você sabe como isso termina, am...

Abigail: Fala amor, fala... Eu sei que você não esqueceu de mim!

Eu: Amor, você sabe que me enlouquece, mas as coisas...

Abigail: Mudaram!? Olha o que mudou, seu gostoso...- abocanhou meu mastro e sugou com uma voracidade que me levou às alturas e me trouxe de volta- quer mentir pra quem, Ulisses!? Você vive uma odisséia e ainda não percebeu isso! Eu sempre serei o mundo de Ulisses. Todo Ulisses tem seu mundo, e eu sou a dona dele!

Puta que pariu, tinha que ser tão sincera? Continuou a me chupar e massagear em círculos com sua língua. Enterrava até a garganta como se fosse me engolir. Segurei-lhe pela nuca e estoquei desesperadamente. Ela me olhava despudoradamente, aquilo só aumentava meu desejo em possuí-la.

Puxei-a em direção a mim de novo e senti meu gosto em sua boca. Arranquei a sua blusa como uma fera. Levei-a para o quarto, aos beijos e mordidas pelo corpo, trancamos a porta para Joshua não ouvir seus gemidos que estavam altos e joguei-a sobre a cama com violência!

Eu: Sua vadia!

Abigail: Seu devasso!

Eu: Gostosa!

Abigail: Meu macho! Anda, me possui, mata a fome dessa puta, mata!- avancei sobre ela com beijos mais voluptuosos- isso, gostoso, aiiiiee, ahhhhhh! Me chupa inteira, me chupa!

Tirei sua saia e já podia ver como sua buceta encharcava sua calcinha e estava inchada. Senti o cheiro de seu sexo no ar, como um bicho mordi sua buceta carnuda com sua calcinha por cima, ela se contorcia na cama implorando para ser tomada em meus lábios e foi isso que fiz.

O velho filme se repetia. Tomei sua intimidade em minha boca chupei seu clitóris até ela romper num orgasmo que enterneceu-me até a alma. Foi a vez dela me puxar com ímpeto e sugar mel que ainda estava na minha boca. Deitou-se sobre mim e sentou de uma vez sobre meu pau, soltando um gemido gutural, um misto de dor e prazer que há muito tempo não a preenchia. Mastigou-me com pressão, xingava, beijava, me mordia. Montou com força e cavalgou selvagemente até romper em outro gozo lancinante.

Eu: Quero te sodomizar!

Abigail: Me sodomiza, porra! Eu quero tudo, seu animal! Solta seu rugido por mim, acaba comigo, acaba!

Deitou-se de bruços, empinando seu quadril para receber uma massagem anal. Sua vagina não parava escorrer sua essência. Penetrei com os dedos e lubrifiquei sua entrada e invadi num vai-e-vem lento e marcante. Ela rebolava e olhava pra mim lasciva e mundana.

Quando introduzi minha glande, ela acabou por enterrá-lo até a base . Agarrei-a pela cintura e fodi com força. O fantasma do passado estava de volta ainda mais sexy, mais poderoso, e mais presente que minha mente podia imaginar!

Abigail: Você pode andar por vários mundos, Ulisses, aqui é seu lugar! E pra cá que você vai voltar! Meu mundo é você. Sou a primeira, e serei a última. Te quero! Anda, me nutre agora com seu hidro mel, vai! Mais forte, isso!

Minha leoa desabou num terceiro gozo e pediu para eu banhar seu corpo.

Então deitou-se de frente e recebeu tudo meu furor. O que restou no meu sexo ela chupou até ficar limpo!

Nem pude me demorar mais, Inês já estava me ligando. Mas, antes de sair eu ouvi:

Abigail: Eu preciso de você Ulisses, preciso de um homem. Escuta o que digo: Por minha estupidez te joguei nos braços dela, mas não vou descansar até você voltar! Jurei amar você até o final. E quero cumprir isso, não importa o quanto me custe! Você vai voltar. De alguma maneira você vai!



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.