"Os mais excitantes contos eróticos"

 

As punhetas de meu irmão


autor: anabeatriz
publicado em: 12/08/16
categoria: incesto
leituras: 11638
ver notas



Eu sonhava em estudar pra ser aeromoça. Fiquei encantada com uma propaganda de uma revista da escola de uma companhia aérea com umas aeromoças lindas. Eu queria ser igualzinha a elas. Viajar o mundo inteiro e falar vários idiomas. Mas, estudar era uma coisa quase impossível, a escola era longe demais. Eu faltava muitas aulas para ajudar meus pais com a lida na roça e cuidar meus irmãos menores

A vida não era fácil. Eu e meus irmãos mais velhos trabalhávamos duro debaixo de sol quente, plantando hortaliças pra ter o que comer dentro de casa. Nossa diversão era brincar num córrego que atravessava a pequena propriedade familiar. Mas isso só nos dias muito quentes. Nos dias frios eu gostava mesmo era de sentar num banquinho no terreiro pra ler os poucos livros que ganhava da escola

Morávamos num casebre de seis cômodos. Havia o quarto dos meus pais e quartos separados para as meninas e meninos, além da sala, tinha uma cozinha grande com um fogão de lenha e apenas um banheiro. Dá pra imaginar a confusão pra usar o banheiro né. Não tínhamos televisão, mas um radinho que meu pai ligava todas as noites na cozinha, onde passávamos nossas últimas horas do dia sentados em pequenos banquinhos ao redor da mesa na cozinha

Nossos quarto eram conjugados. Para chegar no quarto das meninas era preciso passar pelo quarto dos meninos. Tinha uma cortina de contas na porta que fazia essa separação. Ás vezes uma criança fazia xixi na cama e vinha dormir comigo na minha pequena cama encostada na parede. Eu só ouvia o barulhinho das contas e já sabia que vinha um todo mijado dormir comigo. Mas fazer o que né?! Eram meus irmãos e eu os amava

Teve uma noite que senti muita vontade de ir ao banheiro. Com todo cuidado e sem fazer barulho, passei pelo quarto dos meus irmãos. Fiquei impressionada com o que vi. Naquela época eu nem saiba o que meu irmão mais velho estava fazendo e ainda fui perguntar pra ele se ele estava machucado, pois vi que seu pau estava muito inchado, estava enorme e ele não parava de mexer nele

Meu irmão não se respondeu minhas perguntas e mandou eu sair logo. Ele tinha na época uns dezessete anos e eu dois anos a menos que ele e eu morria de medo dele porque era uma rapaz muito forte e eu via como ele dava com o chicote no lombo do pingado, um boi magro que tinha no sítio. Na mesma hora sai do quarto, fui e voltei do banheiro e ele ainda estava se mexendo na cama, só que virado pra parede e eu não pude ver mais nada do que ele estava fazendo

Voltei pra cama com aquela cena na cabeça. Meu irmão mexendo no cacete dele sem parar. Senti que minha xoxotinha latejava, como se meu coração estivesse trocado de lugar e batesse dentro da minha bucetinha. Aconteceu comigo do mesmo jeito quando eu via alguns dos animais do sítio subindo em cima do outro pra copular. Não gostava de sentir o que sentia vendo os bichos. Mas sem eu querer minha xoxota latejava e eu ficava torcendo pro bicho enganchar logo na xoxota da bichinha. Galinha era uma gracinha, toda vez que levava uma galada saia toda arrepiada

Naquela noite demorei pra dormir sem saber o que fazer com a bucetinha pra ela parar de latejar. Enfim, acabei pegando no sono. Mas depois de ter visto meu irmão, eu passei a olhá-lo de maneira diferente, eu queria ver de novo.

O pior que o danado usava umas bermudas de pano bem surradas e sem cueca por baixo para trabalhar na roça. Dava pra ver o pau dele balançando debaixo do tecido e as vezes estava tão grande que o coitado ficava tentando disfarçar colocando a mão na frente. Meu irmão logo gritava: - Tá olhando o quê?

Eu sem graça desviava o olhar, mas teve um dia que me deu coragem e falei pra ele: - eu só quero saber o que você tá fazendo com seu pau toda noite! Ele não me respondeu e me mandou voltar pro serviço, que eu tinha um monte de coisa pra fazer.

Quando chegava à noite eu ficava doidinha pra ele mexer no seu pau. Ficava quietinha atrás da cortina esperando ele começar. O quarto não era escuro, pois a lâmpada acesa do lado de fora da janela iluminava o ambiente e eu podia ver claramente meu lindo irmão

Minha xoxota latejava forte só de ficar na expectativa de vê-lo com o pau enorme na mão. Até que uma noite eu resolvi imitá-lo e ao observá-lo que enfiei a mão embaixo da calcinha e comecei a esfregar a xoxota sem direção, de qualquer jeito.

Quanto mais rápido meu irmão se tocava mais eu mexia na minha bucetinha. Estava tão molhada que meus dedos escorregavam nela todinha. O que sentia era tão forte que perdi um pouco do controle fiz barulho nas contas da cortina. Assustei meu irmão, que parou o que fazia e olhou em minha direção atrás da cortina

Ele levantou da cama e disse: - Quer mesmo saber o que eu faço? Então deixa eu ver como é sua xoxotinha que vou te mostrar o que eu faço com meu pau!

Então ele me mandou tirar a calcinha e deitar de pernas abertas na cama. Assim que abri as pernas ele logo sentiu o cheiro da xoxotinha melada. Primeiro ele abriu bem a bucetinha e começou a mexer nela, depois colocou a boca e começou a chupar. Não tenho palavras pra dizer o que senti com o que meu irmão fazia na minha xoxota, só sei que foi a coisa mais gostosa do mundo. De repente, veio uma coisa de dentro da bucetinha que pulsava sem parar e eu me contorcia toda, meu irmão não parava, foi delicioso. Quando acabou, ele mandou eu chupar o pau dele também.

Então, ele levantou e ficou de pé bem na minha frente, com a cabeça do pau na minha cara e disse: - pega desse jeito e começa fazer assim...

Ele pegou na minha mão e começou a movimentar pra frente e pra trás, depois tirou a mão dele e me mandou fazer sozinha. Em seguida ele mandou eu começar a chupar a cabeça do pau dele. Fiz tudo do jeito que ele mandou. Chupei e massageava com as duas mão aquele cacete enorme que meu irmão tinha. Sem que eu esperasse, ele jorrou leite na minha boca. Levei um baita susto! Não vou negar que me deu nojo, mas meu irmão estava tão lindo se contorcendo de tesão que acabei engolindo todo leitinho quente dele.

Quando tudo acabou fomos pra nossas camas dormir. Depois disso, nossa amizade cresceu, ficamos mais unidos, meu irmão cuidava de mim, me levava na escola nos dias que dava pra ir. E o mais gostoso, passamos a nos chupar quase todas as noites.

Até que um dia meu pai nos pegou com a boca na botija. Foi a pior coisa que poderia ter acontecido na minha vida. Meu pai me xingou de puta e de tudo quanto era nome. Depois me mandou abrir as pernas pra ele mesmo ver se eu ainda era virgem. Nada mais Humilhante. Ainda bateu no meu irmão de chicote de boi o coitado ficou todo marcado. Mas a minha punição foi a pior. Meu pai para pagar suas dívidas, me ofereceu em casamento para um velho babão, dono do maior mercado da cidade.

Mas essa história vai ficar para o próximo conto... Espero que tenham gostado, comentem aí por favor o que acharam.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.