"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A Viuvinha da Esquina


autor: paranaense
publicado em: 18/08/16
categoria: hetero
leituras: 2720
ver notas


Tudo começou na virada de ano, moramos numa cidade do interior e é comum nas datas especiais o pessoal se reunir na praça central da cidade para comemorar com os amigos. Por certa ocasião na esquina da minha casa mora uma viuvinha muito gostosa, loira 1,58, um bundão e seios grandes, como a cidade é pequena todos se conhecem e com a gente não é diferente afinal somos quase vizinhos e sempre rola um oi, um olá tudo bem? Mais nunca passa disso.
Na ultima virada de ano como de costume me arrumei para comemorar com os amigos, a noite estava muito agradável conversarmos e bebíamos quando o relógio marcou zero hora, foi champanhe para todo lado minha camisa branca ficou toda molhada, fui até minha casa que fica perto da praça para trocar de camisa e voltar a curtir com a rapaziada. Troquei de camisa arrumei o cabelo e estava voltando para praça, por coincidência encontrei com ela na esquina, ela estava vestindo um vestidinho branco, com aquela bunda maravilhosa arrebitada, e os seios durinhos com os bicos apontados.
Veio em minha direção me desejando feliz ano novo, bem na esquina tem um murro alto e isso deixa escurinho, não perdi a oportunidade e fui abraçar ela e desejar um feliz ano novo para ela, ela usava exalava uma fragrância que me deixo embriagado, na empolgação de cumprimenta-la acabei trazendo ela para bem perto do meu corpo e senti os seios dela apertando contra meio peito, minha mão ligeiramente apertou seu bumbum, e disse no pé de seu ouvido minha felicidade pra você minha linda.
Ouvi apenas ela suspirar baixinho e responder para você também meu lindo, a encostei no murro e comecei a beija-la, ela estava usando um batom sabor de uva, eu sentia sua língua dentro da minha boca minhas mãos apertando sua bunda, e os seios delas contra meu corpo.
Não dizíamos nada um ao outro apenas ficamos naquela pegação por alguns minutos, até que minha mão já estava apalpando seu bumbum e sentindo que ela estava com uma calcinha de renda na parte da frente podia sentir que ela já estava toda molhadinha. Foi quando ela tirou minha mão e me disse minha amigas estão me esperando tenho que voltar. Esta muito bom isto aqui mais não podemos continuar, tentei beija-la novamente mais desta vez ela resistiu, nos alinhamos e subimos para praça, meu pau estava muito duro e dava para se notar sentei numa mesa e fiquei tomando uma cerveja e sempre observando ela do outro lado da rua, ela também não parava de me olhar, e com isso não podia para de pensar nela e meu pau continuava duro, resolvi então ir embora já era quase 03 horas da manhã, me despedi dos amigos e fui me retirando, estava quase passando a esquina quando ouvi o barulho de um portão se abrindo curioso como sempre parei para ver o que estava acontecendo, era o portão da casa dela que estava se abrindo olhei para traz e vi ela vindo com um sorriso no rosto, abrir o portão para chamar sua atenção, não acredito que você esta indo embora já tão cedo ainda. Não pude parar de pensar em você mais como você disse que não irei rolar resolvi vim embora, ela chegou bem pertinho de mim e disse:
Vamos ver do que é capaz, e já foi beijando minha boca, entramos para dento do seu quintal ela fechou o portão abriu a porta da sala e disse entra e fique a vontade, faça de conta que a casa é sua. Ligou um som bem baixinho e foi até outro cômodo, sentei no sofá e fiquei esperando ela voltar, ela apareceu com um litro de vinho e duas taça, e uma já com a marca de batom, serviu o vinho e sentou ao meu lado colou uma perna sobre a minha e me disse sou todinha sua.
Minha mão deslizava pelas pernas dela levantando aquele vestidinho enquanto uma acariciava sua bunda, a outra por traz de seu pescoço trazia para perto de mim, ela mordias os meus lábios e se estremecia toda com os meus toques. Não aguentei terei a camisa e ela começou a beijar meu peito e pescoço, pedi para ela tirar o vestido e ela e ficar de calcinha e sutiã para mim, ela se despiu bem devagar dançando para mim, ficando apenas de calcinha e sutiã. Aproximei dela e desabotoei o sutiã e amaçando aquele peitões gostosos e naturais mais firmes como melões. Beijando aquela boca com sabor de uva e ela correspondendo, suas mãos arranhando minha costa ela foi descendo beijando meu corpo todo até chega no meu pau que estava duro feito uma barra de aço, primeiramente ela começou passando a língua bem devagarinho pela cabeça até chegar nas minhas bolas e as chupas, logo começou a chupa-lo por inteiro colocando todos ele na sua boca, eu segurando seu cabelo, ela toda excitada olha com aqueles olhos verdes para mim implorando, para eu dar leitinho para ela, estava difícil controlar, coloquei ela sentada no sofá e comecei a dar um trato naquela xaninha, toda dê peladinha cada passada de língua ela se contorcia toda, e suspirava, com a buceta já toda molhada e ela com as mãos apoiada no sofá me apresentando todo aquele paraíso, coloquei primeiro somente a cabecinha naquela bucetinha rosadinha e ela já se estremeceu toda, pedindo para dar uns tapas na bunda dela e meter com força para ela gozar, ela estava muito excitada algumas enfiadas e retiradas e meu pau já estava todo melado, mais eu ainda nem tinha gozado e ela querendo me satisfazer, colocou me deitado no tapete e como uma rainha que senta pela primeira vez num trono ela sentou em meu pau, subindo e descendo rebolando com toda sua safadeza, nossa não pude me conter quando percebi já estava gozando dentro dela e ela mais uma vez gozando muito comigo, ficando exalta, fomos até o banheiro, tomar banhos juntos se lavamos e estávamos nos enxugando ela novamente caiu de boca no pau chupando e dizendo que queria mais tinha outra coisa que ela queria experimentar, eu como sempre disse sou sua cobaia, o que você gostaria de fazer, fomos até o quarto dela ela abriu uma gaveta e pegou um potinho e pediu para que eu passasse no cuzinho dela disse que estava com muita vontadade de experimenta e que aquele dia era especial por ser a madrugada do primeiro dia do ano, ela ficou de quatro em cima da cama me apresentando aquele cuzinho, passei o lubrificante e comecei a enfiar meu pau bem devagarinho, ela gritava de prazer pedindo para eu comer a minha putinha, que naquela hora ela era soh minha putinha, metemos de quatro ela por cima sentando e descendo, quando estava quase gozando novamente ela me disse que queria experimentar o meu leitinho retirei meu pau daquele cuzinho tirei a camiseta e comecei a meter na boca bela, até que ela experimentou meu leitinho que escoria pelo canto da boca dela, ela dizendo que em toda a sua vida nunca tinha feito tanto amor gostoso numa noite.
Já bem cansado tomamos banho novamente levei ela para cama novamente, beijando aquela boca e ficando embriagado com o sabor da uva até que ela adormeceu em meus braços, vesti minhas roupas, encostei a porta, e fui para casa. Quando passamos pela rua trocamos novamente alguns oi e olá, sempre na esperança de ela abrir novamente o portão e me chamar...






ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.