"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A Minha Garota Sukita Parte II


autor: Teuimperador
publicado em: 19/08/16
categoria: hetero
leituras: 819
ver notas


Recomendo a leitura da parte um para entender como cheguei aqui com a Carol.

Lá estava a minha garota da sukita, peladinha, de quatro na minha cama e ainda tremendo devido aos orgasmos que lhe causei durante a sessão de preliminares a que submeti a garota.

De joelhos na cama em frente a ela, puxei-a pelos cabelos e enterrei o pau em sua boca. Ela iniciou um boquete macio e molhado, delicioso, me chupando e olhando nos meus olhos com uma cara de safada maravilhosa.

- Você adora um pau não é? Putinha!

- Adoro! – Disse ela, mal tirando meu pinto da boca e voltando a mamar gostoso.

Bati com o pinto na cara dela, rocei meu saco em seu rosto, fazendo-a lamber e chupar minhas bolas e disse:

- Vou te passar a vara! Você vai ter o que gosta então!

- Ai tio! Mal posso esperar – disse ela rebolando assanhada.

Deitei-me na cama, chamando-a pra vir por cima de mim. Ela começou me chupando, em seguida passou a perna, montando sobre mim e rebolou, roçando a bucetinha molhada no meu pau.

Em seguida rebolou de novo, me provocando.

Agarrei sua cintura e sentei na cama, beijando sua boca e seus seios, puxando ela pra mim e mordendo seu pescoço, uma mão apertando aquela bunda dura e firme. Então ela sentou, encaixando meu pau em sua buceta. Enterrou tudo até o fundo e começou a rebolar lentamente, gemendo com meu rosto entre os seios.

Ela segurava minha cabeça e puxava meus cabelos e eu sentia o perfume maravilhoso daqueles seios, aquela pele de putinha nova deliciosa.

Dava tapas e apertava aquela bunda e pressionava de baixo para cima quando ela sentava. Fodemos gostoso nessa posição até ela cansar. Então, virei com ela na cama sem desencaixar o pau dela, colocando-a deitada, com uma das pernas sobre meu ombro e passei a meter gostoso naquela bucetinha, metendo forte e apertando os seios dela.

Ela gemia, rebolava e pedia mais, me chamando de tio, cachorro, safado, enlouquecida.

Tornei a mudar de posição, ficando normalmente por cima dela, metendo ainda mais forte, fazendo-a dizer coisas sem sentido, perdendo a noção. Suas mãos me apertavam e arranhavam e suas pernas roçavam na minha bunda, o que me dava ainda mais tesão.

Ela apertou minha bunda com as mãos e disse:

- Goza GOSTOSO! GOZA PRA MIM E ME FODE TODA!!!

Essa maldita ordem, sempre obedeço. Tirei o pau dela e cobri seus seios de porra, gozando forte e com vigor.

Passei tanto tempo desejando aquela putinha que nem deu tempo do pau amolecer. Coloquei-a de quatro na cama novamente apertando sua bunda com a mão e posicionei meu pau em sua bucetinha. Rocei a cabeça do pinto nela, molhada, encharcada, ainda escorrendo da gozada anterior. Enterrei o pau todo de uma vez.

Ela gemeu e estremeceu, depois começou a rebolar de vagar.

Dei-lhe um tapa forte na bunda e comecei a acelerar, socando forte e vigorosamente naquela bucetinha, vendo aquela gostosa rebolar e gemer, agarrando os lençóis e gritando em meio aos gemidos:

- Ahh tiooo! Mete mais! Que pau gostoso!!! Me fode toda!!!

Cada vez que eu ouvia a palavra “tio” eu acelerava ainda mais, metendo fundo, fazendo meu corpo se chocar contra o dela.

Sua buceta era macia e apertada, e seu cuzinho piscava pra mim enquanto ela rebolava. Passei a enfiar os dedos nele, primeiro massageando e depois penetrando. Couberam dois dedos fácil.

Ela gemia e pedia pra eu meter mais toda vez que bolinava aquele cuzinho. Então, resolvi toma-lo pra mim.

Tirei o pau de sua bucetinha, mirei a porta de seu cuzinho e a segurei firme pela cintura. Ela gemeu e olhou pra trás toda safada.

- Gosta no rabinho é?

- ADORO! Mas tem que ser com força! Vem tiozão, me arregaça com esse pinto grosso.

Dei um tapa forte naquela bunda, chamei-a de puta mais uma vez e enterrei meu pau naquele cuzinho rosado e depilado. Suas pernas tremeram e ela gemeu alto, quase chorando. Seu rabinho apertava meu pau com força.

Comecei a socar de vagar e ela pediu mais forte, então acelerei enquanto ela se masturbava e rebolava, facilitando muito o meu trabalho.

Passei a socar forte, segurando-a pelos cabelos e pela cintura como uma verdadeira cadela. Segurava o gozo pra aproveitar ao máximo aquela oportunidade.

Então ela começou a rebolar mais forte, me sugando pra dentro dela com o rabo, gemia e gritava alto, pedindo mais, dizendo que era toda minha e divagando. Passei a meter com tudo, nossos corpos se chocavam forte e ela pedia mais, então acelerei ao máximo e ela gozou forte, apertando meu pau com os espasmos que sofria. Me deliciei com aquela gozada anal e me acabei também, enchendo seu cuzinho de porra.

Depois disso ficamos na cama um pouco, ela deitada sobre mim, os dois ofegantes.

Tomamos um banho gostoso juntos, dei a ela a xícara de açúcar que viera buscar e, na saída ela disse:

- Falta um pouco de leite também!

Então ajoelhou-se na minha frente na porta, puxou meu pau pra fora e me chupou deliciosamente, me fazendo gozar mais uma vez, agora em sua boca.

Essa foi nossa primeira transa. Depois disso, Tivemos muitos outros encontros.

Contarei todos pra vocês, mas esse foi a redenção do tio da propaganda da Sukita.



Um abraço!






ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.