"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Machista convicto pega mina de outro-fim


autor: Chronos
publicado em: 22/08/16
categoria: hetero
leituras: 900
ver notas


NOTA DO AUTOR:Chegamos aos 50 contos!!! Obrigado a todos os amigos que têm acompanhado até aqui. Que venham mais outros 50, e outros 50 e outros 50. Obrigado a todos que incentivaram até aqui!!!



Após eu bater uma punheta de responsa pensando na Ro, fui embora mais aliviado e sem pensar em nada pra escola. Eu não era igual ao Sávio. Não tinha essa cara de pau de pegar mina se outro por mais que tivesse sendo traída pelo cara. Sávio era maluco, e maluco a gente não contraria. Sorte que estava dando certo, mas às vezes me perguntava até quando.

Cheguei tranquilamente ao meu lugarzinho marcado em sala, de aula, bem lá no fundo e para não olhar na cara dela. Procurei tomar meu juízo de volta para não cometer uma besteira, mas parece que a porra do destino é que me persegue! No meio da aula de Literatura, ela resolve mandar um bilhetinho que veio passando de mão em mão até chegar a mim. Nele, continha as seguintes palavras:

Para: Igor

Como isso está me fazendo mal! É pior que a abstinência de uma droga. Será que estamos fazendo certo!? Tudo que sei é que não aguento mais focar longe de você. Preciso te ver hoje!

Rochelle.


Mandei no mesmo papel outro de volta:

Para Rochelle

Acontece que eu não sou conselheiro para relacionamentos fracassados. Não quero que esteja comigo porque gosta da minha conversa ou gosta de desabafar comigo. Quero que fique comigo pelo que sou, e porque gosta de mim, e saiba que já estou impregnado, saturado deste sentimento que não queria ter.

Igor.

Quando ela acabou de ler, saiu da sala com os olhos marejados e foi chorar lá fora. Parece grosseria!? Porra, eu queria focar-me em coisas que eram mais importantes. Mas a culpa pelas palavras começou a me consumir, perdi a atenção na aula e fui ao banheiro. No corredor, dei de cara com ela. A barriga gelou, meu estômago parecia ser cortado por uma faca, as mãos começaram uma sudorese descontrolada. Mas não podia vencer com indiferença. Eu tinha que encarar.

Rochelle: Nunca quis que você fosse um conselheiro ou segunda opção para minha vida. Você tá pensando que sou o que? Pensa que somos Dani e Sávio!?

*Sávio: Porra, não ofende!

* Daniela: Sacanagem isso!

* Eu: Gente, desculpa aí, não queria esquentar a orelha de vocês, não, kkkkkkkkk.

Bom, aquilo foi um soco na minha cara sem mão!

Rochelle: Eu nunca tive um compromisso sério com ele, você sabe disso!

Eu: Não importa! Sendo sério ou não, ele pensa que está com você e acho que isso é algo a se levar em consideração. Eu não gostaria que isso fosse comigo, sem eu saber! Tenho que ver o lado dele. Ainda tem mais: Você mesma tem um sentimento a mais. Não quero pegar uma garota que tem dois no coração. Só me desculpe pela grosseria, mas vejo que você está brincando comigo!

Rochelle: Olha bem nos meus olhos, Igor!

Eu: Rochelle, pára com essa porra, não podemos- fui agarrado no pescoço e invadido com um beijo alucinante, carregado de sofreguidão, sem medo de pagar o ridículo na frente de quem quer que fosse.

Agarro ela pela cintura e aprofundo o beijo numa troca de salivas de enlouquecer o cabeção. Cara, como ela beija bem, meu.

Meu pau roça no meio das suas pernas, e ela solta um suspiro profundo. Ouvimos passos se aproximando, então desvencilho dos abraços dela e vou até o banheiro sem olhar para trás. Ela fala enquanto eu me afasto:

Rochelle: Vamos nos ver hoje!?

Eu: Não sei!

Rochelle: Vem na minha casa às 16h. Meus pais chegam somente à noite do trabalho!

Não respondi. Fui ao banheiro e me encarei no espelho por uns segundos, esforçando-me para crer no que havia acontecido. Eu tava desejando a mina de outro cara!? Porra, como reagiriam as pessoas que me conhecem se eu contasse isso!?

Meu pau reagia violentamente dentro da cueca. As veias saltavam inchadas, quando baixei as calças e a cueca. Caralho, peguei-me lembrando do sonho outra vez. Eu realmente desejava aquela garota. Queria comê-la, esfolá-la, possuí-la, mas porra... Ela tava com outro!

Eu voltei após alguns minutos e a Cleuza, minha mestra de literatura, perguntou:

- Filho, tava com algum problema!? Passou mal!?

- Esquenta não, Professora. Coisa que dá e passa.

Mas Rochelle me acompanhou com os olhos e ao sentar-me, fatalmente nossos olhares se encontraram. Cara, que frisson, Que tesão!

Durante todo o intervalo, desviei o olhar dela, mas a reação do meu corpo deixava trair. Era sexta-feira, dia de aula de Educação Física. Se Sávio me visse daquele jeito, iria cair na minha pele depois. Que bom que eu consegui disfarçar!

Fui para casa com a cabeça em guerra com meu coração. Ela teria vencido, caso meu pau não tivesse se juntado ao lado emocional. Eu fui a casa dela no horário combinado. Tentei desistir dessa loucura, mas era mais forte que eu. Arrumei-me decentemente, calçando meu melhor tênis, bermuda e camisa de roqueiro. Ah, e levei um preservativo. Porra, se alguém leva um preservativo logo no primeiro encontro, é porque a maldade já está enraizada no coração. Lutei para não tocar a campainha. Parei, pensei, lutei. Quando ia embora, a vizinha dela que me observava, me disse:

- Ei, garoto, acho que ela está em casa! Calma que vou chamar.

Não era uma velha, era uma garota da minha idade, tava na sacada do segundo andar da casa dela me vendo. Uma garota branquinha, com sardinhas no rosto, muito simpática. Pronto, todas as chances de eu escapar àquela loucura haviam sido jogadas por terra. Quando Rochelle me atendeu, tava com um top rosa e um shortinho branco, sem maquiagem, porém muito bonita,, cabelos arrumados, cacheadinhos, muito gostosinha, gente.

Rochelle: Oi, Igor!

Eu: Oi! Eu vim como você pediu. O que você quer de mim?

Rochelle: Nossa, que tensão! Vem cá, me dá um beijo !

Trocamos dois beijos no rosto, mas o último foi bem no canto da boca. Que delícia. Eu já tava com a respiração ofegante, tava tenso mesmo, porra, quem não ficaria! Fomos para o terraço, bem coberto, tinha um sofá antigo lá, mas vem confortável, e nos sentamos juntos.

Rochelle: Por que você faz isso comigo?

Eu: Isso o que!?

Rochelle: Por que você mexe tanto assim comigo!? Não teve um dia que consegui parar de pensar em você. E quando você falou que ia se afastar de mim, eu enlouqueci...

Eu: ...

Rochelle: Fala alguma coisa!

Eu: O que você quer que eu diga?

Rochelle: Diga o que sentir vontade, mas não vem com mentiras, pois se disser que não gosta de mim, enfio a porrada! Você jamais esconderia isso, vejo nos seus olhos.

Rochelle era uma garota com muita iniciativa e eu um cara meio medroso, nessas paradas. Eu tinha meu velho discurso pronto, mas era tarde demais, já estava na casa de uma mina comprometida e confusa, e eu cheio de tesão para possui-la.

Eu: Sinto um tesão louco perto de você, Rochelle, eu gozei duas vezes de ontem pra hoje pensando em você!

Rochelle: Garoto!!! Grosso, estúpido, tarado!

Eu: Você não queria que eu fosse sincero com você?

Rochelle: Porra, mas não a esse ponto, cara! Pensa que eu sou o que!?

Eu: Uma garota que, desde que eu comecei a estreitar os laços de amizade, é alguém muito especial que me faz muito bem. E por mais que eu tenha lutado pra deixar tudo isso pra lá, fui impelido por algo que não posso expressar, a não ser que traduza num beijo como o que demos hoje!

Rochelle: Uau, que lindo! Ainda não tinha ouvido algo tão carinhoso assim de um garoto. Vocês são muito pegajosos, chegam na gente pensando só naquilo! Então você...

Eu: Gosto de você, Rochelle! Eu não consigo esconder isso, mas também não suporto o fato de estar com alguém que seja envolvida já com outra...

Rochelle: Ei, relaxa! Eu não quero que você me veja como uma vulgar, é que... Eu tomei aquela atitude impulsivamente, eu sei que eu fiz errado. Desculpe, sei que te fiz mal com isso. Mas é que foi mais forte. Eu acho que te amo.

Eu: Que???

Rochelle: Acho que te amo, Igor! Por favor, não quero que se afaste de mim, nunca mais!

Um longo silêncio se segue, mas se eu pudesse descrever tudo que se passou, diria a você que senti-me como o Sávio com a Dani. Não aguentava mais. Agora eu tomei a iniciativa e beijei-a. Ela respondeu, com os lábios quentes, o rosto dela pegava fogo. Lembro dessa tarde de sol, sexta-feira, ela sentada no meu colo enquanto buscávamos o sabor da língua um do outro, que beijo tórrido!

Minha mão direita deslizava sobre sua coxa, ela reagia com um gemido delicioso em resposta aos meus toques e respondia com a mesma intensidade.

Rochelle: Ai, que gostoso teu beijo! Você me deixa louca! Escuta, eu também tenho algo pra te confessar...

Eu: O que é?

Rochelle: Também já gozei pensando em você, imaginando você aqui dentro de mim, me preenchendo toda.

Eu fiquei de olhos arregalados. Eu tava ouvindo aquilo?

Rochelle: Você acha que só vocês ficam excitados quando estão loucos por uma mulher, né! Desde que me descobri eu me toco todo dia!

Aquilo mexeu com meus sentidos de maneira violenta. Avancei no seu pescoço e dei uma chupada bem demorada. Ela gemeu mais alto, aí saiu do meu colo e começou a me punhetar por cima da bermuda que eu estava usando.

Rochelle: Que grosso! Não é tão grande como o do meu... Desculpa, como o do Diego, mas é muito delicioso!

Eu: Quer ver?

Rochelle: Safado! (risos) só um pouquinho, vai!

Quando abaixei minha bermuda e minha cueca, Rochelle maravilhou-se com a ereção robusta do meu membro. E tocou na glande, me fazendo reagir instintivamente pegando ela pelo pescoço e trazendo sua boquinha pra perto dele. Foi quase instintivo, automático, parecia que tudo aquilo tava programado dentro de mim. Era tarde demais. Agora eu queria comê-la.

E ela respondeu ao meu gesto pegando no meu pau duro e dando um beijinho na ponta da cabeça. Olhou pra mim e perguntou:

Rochelle: Tá com camisinha?

Eu: Tô, sim.

Tirei o preservativo do bolso de trás e ela fez questão de colocar. Era uma camisinha aromatizada de morango, e ela pôs com a boca, deslizando com meu caralho pra dentro dela. Mamou de me enlouquecer, que boca carnuda gostosa, cara! Que chupada, puta que pariu! Era experiente no que fazia. Deixei ela mamar enquanto quisesse, já que com o preservativo eu não tenho tanta sensibilidade. Depois de mamar uns minutos, ela tirou seu top e sua bermuda e logo revelou um belo corpo... Exatamente como eu havia sonhado, mano, que delícia!

Ajoelhou-se diante de mim e rezou gostoso com um terço na mão e dois terços na boca, a coisa, mais excitante da minha vida. Depois eu a sentei no sofá, abri suas pernas e caí de boca na sua xota pretinha, pequena, de grelinho rosinha vem grandinho. Ela gemeu, contorcendo-se inteirinha na minha boca. Ficou toda molinha pois estava gozando na minha boca faminta. Rochelle é uma delícia, cara.

Rochelle: Igor, aqui vem! Mete gostoso, mete, você é maravilhoso!

Invadi com vontade aquela buceta apertada e iniciei uma sessão bem lenta de estocadas, explorando cada milímetro daquela caverna. Ela pediu mais velocidade, então comecei a foder com mais ousadia.

Rochelle: Ai, que pai gostoso, Igor, tá muito bom! Fode gostoso, fode! Isso, aaaaahnnn, hummmmm...

O ritmo foi aumentando até ela romper num novo orgasmo, então trocamos de posição: Sentei-me e ela de costas, por cima de mim, cavalgou e rebolou com vontade. Comecei a meter sem dó, ela deixou seu corpo cair para trás e encaixou sua boca na minha num beijo intenso. Começou a gemer alto, alto, agudo, e ... ejaculou, caralho!

Porra, ela tremia todinha, que frenético, nunca tinha visto uma garota gozar desse jeito. Pus ela de quatro e acelerei até a camisinha se encher com minha goza.

Gente, que garota sensacional! Mas... Mas... traí meus princípios! Ah, foda-se, tô nem aí, mais!

Rochelle: Uau, você foi delicioso. Gostei muito. E você?

Eu: Você é uma preta deliciosa! Rochelle, o que vai ser da gente!?

Rochelle: O que tiver de ser já está é ! Eu te quero hoje, amanha, e sempre!

E depois desse dia, começamos a namorar. Eu nem contei pra ninguém sobre esse dia, mas se tem uma coisa que sinto é pena do maluco que tava pegando ela. Foi dispensado, ficou correndo atrás dela mó tempão, mas aí, irmão, eu marquei durinho. Vou deixar ela livre pra concorrência, nada!

Todo dia, a gente se fala, do mesmo jeito, conversamos sobre tudo e continuamos muito apaixonados. Era uma vez um machista, que um dia se apaixonou e pegou a mina de outro!

Até saí do grupo de debate que eu tava sobre machismo.

Espero que tenham gostado da história. Comentem e dêem nota.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.