"Os mais excitantes contos eróticos"

 

O gosto do prazer- Minha inesquecível P


autor: Amadaederretida
publicado em: 27/08/16
categoria: hetero
leituras: 2570
ver notas


Não posso mentir. Comecei tarde. Aos dezoito anos, virgem, estava doida para dar, mas faltava coragem. Sempre tive medo de engravidar. Na minha casa tive exemplos : duas irmas engravidaram. Uma com 15 anos e outra com 16. E eu a mais velha e mais bonita, nada de trepar. Meus cabelos pretos e lisos encostavam na cinturinha fina. 1,65 de altura, 57 quilos, bundão arrebitado,pernas grossas e seios de médio para grandes, durinhos.

O ultimo paquera havia despachado porque queria avançar o sinal. Estávamos na sala de casa sozinhos e a mão boba foi direto pro meu peitinho. Gostei, mas não deixei e terminei o namoro.Estava sozinha há uns 4 meses e sozinha no meu quarto me tocava pensando no dia em que uma rola iria entrar na minha grutinha. Nas masturbações, nunca havia gozado, acho que por pudor de ir até o final. Minha cabeça começou a mudar quando chegou um novo vizinho no bairro.

A casa dele ficava ao lado da minha. O nome dele Marcelo, engenheiro civil, na época com 40 anos, separado e morando sozinho. Marcelo é um homem lindo com mais de 1,80 forte, moreno claro, cabelos claros e olhos cor de mel. Ele trabalhava numa grande construtora e não tinha problemas financeiros. Nos conhecemos numa noite que um curto circuito nos deixou no escuro. Estávamos na casa eu minha mãe e minha irma caçula e o meu sobrinho de dois anos. Meu pai é funcionário da Petrobras e estava embarcado.
Estávamos do lado de fora por causa do calor e aguardando a companhia de eletricidade quando o Marcelo chegou do trabalho e estava entrando quando nos viu. - Oi vizinha, algum problema? (falou olhando pra minha mãe)
- Aconteceu algo aqui e caiu a energia. Ela respondeu
Marcelo se ofereceu pra ajudar e perguntou se havia um quadro de distribuição. Eu respondi que sim e fui mostrar onde ficava. Acendi a lanterna do meu celular e fomos entrando em casa. Minha mãe estava conversando com uma outra vizinha e não se importou. Fui na frente e o Marcelo atrás e senti que me observava. Tava com um vestido de algodão florido que valorizava o bumbum e os seios. Chegamos na cozinha e mostrei o quadro pra ele que depois de mexer nos disjuntores, conseguiu restabelecer a energia. Foi quando ficamos um de frente pro outro e percebi aqueles olhos cor de mel olhando pra mim cheio de interesse. - Ah...Obrigada. Meu nome e Amanda.Disse timidamente.
- Marcelo, muito prazer! Você é muito linda e foi se aproximando e do nada me deu um beijo na boca ousado. A língua percorrendo toda a minha boca, quando vi a mão dele apertava minha cintura. Fiquei desconcertada, mas nem deu tempo de falar nada. Ouvimos a voz da minha irma e minha mãe no corredor e nos afastamos.
- Vizinho, muito obrigada. Minha mãe agradeceu. Você já jantou?
- Não. Ele respondeu me olhando firme.
- Faço questão de você comer aqui com a gente. Tava terminando de fazer o jantar. Minha mãe foi direto para as panelas. Ela estava fazendo uma lasanha e a colocou no forno.
- Amanda compre um refrigerante, por favor.
-Tá mãe. Foi quando Marcelo se ofereceu pra me levar de carro.
- Amanda aproveita e traz queijo ralado, tá aqui o dinheiro.

Entrei no carro muito sem graça. Mas o Marcelo, saiu e foi logo pedindo desculpas.
- Amanda, me perdoa. Não resisti. Senti uma atração muito forte por você e foi mais forte que eu. Não tenho hábito de agarrar a vizinha que acabei de conhecer. - Ele sorriu e eu também.
- Mas eu não vou mentir. Gostaria muito de te beijar de novo. - Meu coração quase saiu pela boca.Eu tava com muita vontade de beija-lo de novo. Baixei os olhos. - Marcelo percebeu o meu desejo e a timidez também. Parou o carro no estacionamento do supermercado, mas continuou com as janelas fechadas e o ar condicionado ligado. -Eu sabia o que ia acontecer. - Marcelo me puxou e me beijou de novo desta vez com calma,segurou minha cabeça e enfiou a língua na minha boca. Não sei quantos beijos foram, mas fiquei molinha.

-Preciso fazer as compras. - Disse completamente desconcertada. -Vem, vou com você. - Ele saiu do carro abriu a porta pra mim e eu fui do lado do sr melhor beijo do mundo, flutuando.- De volta no carro, Marcelo me disse que queria me ver de novo e propôs um encontro. Nem pensei. Pode me pegar na saída da universidade. Amanha saio as 9 da noite. - Você faz que curso, linda? - Medicina. Primeiro ano. No meio do caminho de volta Marcelo parou o carro e mais uma vez me atacou com muitos beijos, desta vez começou a beijar o meu pescoço e pensei que ia desmaiar com a sensação. -Precisamos ir. -Ta bom gata. Mas antes, me passa o seu telefone.

Em casa jantamos, e eu passei o resto da noite calada. Peguei Marcelo me olhando várias vezes. Mas disfarcei. Ele agradeceu o jantar e se despediu. Minha mãe o levou a porta.
- Tomei um banho. Um calor insuportável queimava minhas entranhas e não parava de pensar naquele beijo. Estava rezando pro outro dia chegar e nos encontrarmos. Já estava deitada quando recebi uma mensagem de Marcelo. - Gata vai ser difícil dormir! Preciso te ver de novo. - Respondi: Eu também. Boa noite- cortei logo com medo de não saber o que dizer.

O dia se arrastou. Me arrumei toda. Tomei um banho demorado, passei hidratante e coloquei uma calça branca apertadinha e uma camiseta de alcinha de seda, rosa choque. Calcinha e sutiã combinando também cor de rosa.
Já estava terminado a aula, quando meu telefone recebe uma mensagem de Marcelo. -To aqui fora. Próximo a lanchonete. Meu coração saltou e sai sem falar com minha amigas, preocupada com o que iria acontecer.

Marcelo estava encostado no carro. Lindo com jeans e uma camiseta branca. Cabelos molhados . Quando cheguei perto ele foi logo me beijando e senti um cheiro delicioso do perfume dele. Senti um calor perto da virilha.

- Vem vou te levar pra jantar. Gosta de comida japonesa? -Sim, falei encabulada com tantas emoções que estava sentindo. Fomos num restaurante onde os espaços são individuais, protegidos por cortinas e com uma mesa baixa e almofadas no chão. Uma iluminação discreta. Uma mulher vestida de quimono vermelho e cabelos presos, anotou os nossos pedidos e fechou a cortina. -Pensei, vou ser atacada de novo. Tomara. Nem deu tempo de pensar em nada e Marcelo já foi me beijando com tanta fome que fiquei desconcertada, mas correspondi e me deixei levar por aquela língua que invadiu a minha boca, passou pro meu pescoço e orelhas. Soltei um gemido sem querer e percebi que foi o gatilho pra ele descer as mãos e pegar nos meus seios por cima da blusa e continuar beijando meu pescoço e colo.

Fomos interrompidos pela garçonete com o nosso prato. Sushi e suco. Começamos a comer sem parar de nos olharmos. - Amanda, você tá mexendo muito comigo. Nem consegui trabalhar hoje. Me desculpa o que vou te dizer, mas to doido pra fazer amor com voce. Sei que é o nosso primeiro encontro, mas parece que já te conheço a mais tempo. O que você me diz? - Marcelo, to muito atraída por você, mas não posso. Você não vai entender. - Me explica, que eu entendo. Ele falou beijando a minha mão, depois os dedos.
Resolvi ser franca. - Sou virgem. - Disse ficando vermelha como um pimentão. -E tenho muito medo de engravidar. Sei que é estranho, fazendo medicina, com esse tipo de medo. Mas lá em casa, minhas duas irmas engravidaram e o clima foi muito ruim. Uma casou e não tá feliz. A outra mora com a gente com meu sobrinho, que você conheceu.
Marcelo ficou meio desorientado, mas disse: Vamos pra um lugar mais tranquilo. Não vou avançar o sinal, a não ser que você queira, te prometo. Fui pela primeira vez para um motel. A suite presidencial,linda com piscina, uma cama enorme, banheiro todo de vidro e uma banheira. Quadros na parede de contornos de pessoas transando, mas com um excelente bom gosto, decoravam as paredes cor salmão.

Marcelo foi logo me beijando. E não paramos. Ficamos agarrados que mal dava para respirar. Ele foi me puxando pra cama e quando vi Marcelo estava em cima de mim, beijando meus seios por cima da blusa. - Tentei impedir com a mão. Ele beijou os meus dedos, e pediu pra tirar a minha blusa. Hipnotizada deixei. Meu seios estavam pulando no sutiã rosa choque. Ele baixou a boca e começou a beijar e foi arrastando os meus seios pra fora do sutiã. Lambeu um biquinho que já estava todo durinho, depois foi pro outro e começou a mamar um de cada vez. Não aguentei de tesão e comecei a gemer e tirei o sutiã, minha calça comprida. Ele jogou a roupa dele no chão e ficou só de cueca boxer. Vi o volume enorme e fiquei nervosa.

- Calma. Nada vai acontecer sem você permitir. Pegue, sinta o que você faz comigo e conduziu a minha mão para o pênis, por cima da cueca. Duro, esquisito com uma consistência gostosa de pegar. Acariciei e ele gemeu. Marcelo meteu mão na minha xaninha que tava ensopada e começou acariciar, puxou a calcinha pro lado e enfiou o dedo . Não consegui controlar os gemidos. Ele foi beijado minha barriga, pernas,virilha e meteu a língua na minha buceta. Que sensação. Eu arranquei minha calcinha e abrir a perna pra facilitar a exploraçao, e a língua começou a subir e descer, passear nos grandes lábios e no grelinho. Estava subindo nas paredes- Ai Marcelo, não to aguentando. Ta muito bom!
- Vem cá gata quero te mostrar uma coisa. Isso aqui é um 69, chupa o meu pau. Você já fez isso, né? - Desculpa Marcelo, ainda não. Me ensina.- Gata passa a linguinha na cabecinha e vai colocando na boca devagarzinho... Quando vi já chupava aquele pau de uns 19 centímetros e ele chupando a minha buceta.

Teve uma hora que não deu mais pra segurar e comecei a gozar. Uma sensação tao forte que não controlei o grito. - Meu pai, o que é isso? -você gozou, gostosa. - Marcelo pegou uma camisinha na cabeceira da cama, encapou o pau e veio pra cima de mim, fiquei em panico. Marcelo não to tomando anticoncepcional. - A camisinha protege, não tenha medo e falou ja beijando minha boca. os meus seios com uma nova mamada demorada. Ele deitou por cima de mim e colocou o pênis na portinha da buceta e começou a pressionar devagar. Foi entrando e saído lentamente, entrando um pouco mais. A minha xaninha molhada de tesão permitiu a entrada mais e mais, quando percebi o pênis cabeçudo começou a pressionar o himen e começou a doer. Ele passou a morder o biquinho do meu peito e empurrar o pau, quando percebi rompeu a pele e senti uma dorzinha que logo virou prazer. Foi difícil acostumar com aquele cacete entrando e saindo. Tao grande. Comecei a gritar num novo orgasmo e Marcelo disse. Vou gozar também. Vou tirar a camisinha e gozar no seu peitinho. Vi aquele pau brilhando , ele bem perto dos meus seios soltou jatos fortes de esperma e urrou forte.
A sensação de ver meu peitinho sujo de esperma foi maravilhosa e não resisti e provei a porra que pingava no pau dele. Fomos tomar banho e lá, rolou uma brincadeirinha, mas não deixei ele chegar perto da minha xaninha com o pênis sem camisinha. Ele pediu pra abaixar e comecei a chupar aquele cacete, ainda desajeitada, mas muito gulosa. Chupei a cabeçona, o membro todo e ele gozou dentro da minha boca. Que gostoso. Engoli e descobri que adorava um boquete. Estava triturada, mas feliz. Ele me deixou em casa e eu toda ardida tive uma noite maravilhosa de sono. Muitas outras coisas rolaram e namorei o marcelo por um tempo e aprendi muito com aquele gostoso picudo. Depois conto mais...Beijos




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.