"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Virei Personal Sex da...descubra lendo 3


autor: Chronos
publicado em: 01/09/16
categoria: romance
leituras: 1323
ver notas


Quero pedir desculpas antecipadamente pois hoje o texto ficará grande, mas procurarei não enfadar os senhores. Mas tenho que contar!


Quando regressei a minha casa pensando em tudo que houve entre mim e Viviane, fiquei em estado de choque comigo mesmo. Havia traído a garota que eu sempre fui amarradão nela por uma... Mulher espetacular.

Não sabia o que fazer. Fiquei angustiado. Chorei, nunca havia chorado por isso. Mas veio novamente a realidade pregada pela própria Daniela pra mim: Tava comprometido. Não morto.

E lembrando disso, tentei reunir forças para me encontrar com ela mais tarde. Como iria me encontrar com ela!? Seria algo tão angustiante quanto hipócrita, caso eu não dissesse a verdade. Eu sempre tive uma boa sintonia com a Dani. Estávamos juntos há um ano, juntando nossos esforços para... Nossa, como dói, cara! Juntando esforços para montar nossa vida.

Ela tava louca para querer morar comigo, ter nosso espaço sem precisar ficar sem ver um ao outro em lugares separados. Como ela não é ligada em bens, e sim em força, trabalho para conquistar, não se importava se começaríamos de um cubículo. Queria algo que fosse de verdade. É apaixonada por mim de verdade. E as duas têm uma ótima amizade.

" Cara, que foi que eu fiz!?", pensava eu comigo enquanto me dirigia à casa da Dani. Fui recebido com um beijo caloroso, ela estava super cheirosa, seu perfume era doce, mas não exagerado, estava com uma bermuda simples, mas deixava-a muito deliciosa , sem contar que quando ela estava em casa odiava usar calcinha, somente quando estava na rua que usava. Então sempre ficava a marca da bucetinha nos shorts. Tinha feito escova, tava linda pra ficar comigo. Não nego: Meu coração se alegrou quando a viu.

Dani: Tava me perguntando quando você chegaria...

Eu: Não me demorei tanto assim!

Dani: Sei , mas é a vontade de ver você, tava louca pra passar esse tempo juntos, esses dias tem sido de cão na faculdade, você sabe- interrompeu a conversa com um beijo quente, lento, demorado.

Dani: Que distraída que eu sou, nem recebi o meu gato direito! Descansou a mente, amor!? Fiquei preocupada com você, anda estressado também, né! Mas vem comigo que hoje a casa é somente nossa, todo mundo saiu.

Seria o momento certo para trocar a idéia com ela.

Entramos, jogamos conversa fora sobre os fatos da semana, ela contou sobre o reencontro com os colegas do nosso antigo colégio que foi marcado para os próximos dias, e que eu estava intimado a comparecer.

Eu: Puxa, legal! Bom rever a galera- falei num tom não muito animado, e ela percebeu isso.

Dani: Que foi? Tô te sentindo mais introspectivo hoje!

Eu: Precisamos conversar, Dani.

O tom da voz no momento a deixou assombrada. Era pra ficar mesmo. Ela me ofereceu um pudim de leite condensado que estava no ponto para me servir, um suco de graviola pois não tomo refrigerante mesmo, e nos sentamos na sala.

Dani: O que tá havendo, Sávio!?

Eu: Lembra quando você havia me dito na época que você tava com o Gabriel, que você tinha namorado, mas não tava morta? Lembra o que você foi capaz de fazer para ficar comigo?

Dani começou a chorar.

Dani: Meu Deus! Por favor, diz que isso não tá acontecendo, por favor!

Eu: Dani, antes de você me tacar os pertences de casa na minha cabeça, você vai me ouvir até o fim, ok?

Dani: Sávio, estou sentindo tudo se desmoronar, não sinto o chão, eu já imagino o que vai dizer!

Eu: Mesmo assim, aguarde eu dizer! Até porque eu não deixei de gostar de você, ok? Não deixei de sentir nada por você !

Dani: Devia ficar aliviada por me dizer isso? Tá bom, Sávio, joga essa bomba no meu peito, eu vou ficar arrasada, mas agüento!

Eu: Dani, eu sempre amei a vida que a gente teve. Nunca duvide disso. Porém, devo usar a mesma frase que você usou para mim: Eu não estou morto! E isso agora é o drama que eu estou passando. Nunca tive motivos para me arrepender da nossa vida até aqui, jamais você ouviu da minha boca algo menos verdadeiro que eu amo você. Jamais. E nem mais verdadeiro também. Quando a gente quer cuidar de alguém, é a única verdade que importa.

Dani: Eu sei. E você foi o único cara que mostrou isso sempre. Eu nunca senti você diferente comigo a não ser hoje.

Eu: Eu não pretendo me justificar, Dani. Mas essa sua filosofia me atingiu. E voltou pra você!

Dani: (em lágrimas)Eu sei! Fala, Sávio! Fala que eu tô ouvindo! Você deslizou comigo! Não foi!?

Eu: Sim.

Dani: Meu Deus...

Eu: Dani, eu poderia continuar enganando você até não querer mais, mas você tem que saber. Não foi um deslize qualquer. Traição não é um erro! É uma escolha. Escolha de quem está vivo. Encontro-me assim, diante de você, tendo que lhe dizer isso e sem ter nenhuma desculpa para lhe dar! Eu descobri que tô vivo, e isso tá me doendo também!

Dani: Ela também gosta de você, não é!?

Eu: É. Gosta muito de mim. De uma forma diferente de você, porque ela me vê como alguém que marcou a vida dela depois de o mundo quase ter engolido seus sonhos e suas esperanças.

Dani: Sávio, Vivi é uma pessoa maravilhosa. Eu nunca tive dúvidas disso, eu me apiedei dela, e o que fizemos para ajudá-la foi ... Sei lá, incalculável! Mas será que você não está deslumbrado pela transformação que ela sofreu!? Sabe, ela saiu da beira de algo irreversível, que seria consertado somente com cirurgia, meu Deus! Ficaria deformada e teria que consertar tudo de novo... Gente, achei que não teria mais jeito a não ser isso. Mas você ficou do lado, procurou ajuda, ela conversava comigo tantas coisas, e como você tava sendo um anjo com ela...

Eu: Como nós estávamos, Dani. Como nós estávamos!

Dani: É, rs( riu entre lágrimas), e agora eu criei meu próprio xeque-mate.

Eu: Eu estou em xeque, Dani. Vim aqui pois você sabe que corri hoje. Mas corri com ela. Vou lhe poupar os detalhes, mas podia ter escolhido o contrário, e não o fiz!

Dani: Obrigado pela sua sinceridade! Agora será que ela gosta mesmo de você!?

Eu: Dani, se ficarmos discutindo isso vamos remontar ao dia que você enganou Gabriel e veio estar comigo mesmo sabendo que aquilo era uma traição. Eu traí você. Merecendo passar por isso ou não, estou em débito contigo. Eu te devo e muito!

Dani: Acho que no fundo você tá sendo um fofo, até. Tem gente que esconde isso por anos, pelo menos você não fez isso. Mas está doendo muito! Porra, eu amo você, cara! Não é justo ...

Deixei ela chorar um pouco. Silenciosamente, eu ofereci meu ombro pra ela, que aceitou até mais: Se aninhou nos meus braços!

Sim, eu gostava dela. Muito. Estranhamente, depois daquilo, a pressão até aliviou. Fiquei em paz. Mas , não sei dizer, você vai me tacar uma pedra, mas... Naquela hora, Viviane não era tão importante assim!

Dani: O que você decidiu, Sávio!?

Eu: Abrir o jogo .

Dani: Não, sobre... Você sabe!?

Eu: Daniela... Eu te traí e não foi justo com você. Não importa que você tenha feito no passado com o Gabriel. Não pertence a mim qualquer juízo para dizer que mereceu isso. O ofensor fui eu em todos os instantes. Sim, eu fiquei deslumbrado por ter feito parte da história de uma pessoa, e ter contribuído para salvar ela de ... Sei lá como ela estaria agora.

Dani: Lógico que eu te perdôo, Sávio! Eu amo você! Eu respeito o fato que, como humano, você tenha errado. Mas posso dizer que não é amor o que sente. Não é? Falo por ela.

Eu: Não. Não é.

Dani: Graças a Deus! Sávio, eu não tenho que te culpar, porque você mesmo já se diz culpado, ok!? Mas você quer o que!? Eu não quero dividir você com outra pessoa!

Pessoal, se vocês esperavam que eu fosse tomar a decisão óbvia, estão enganados. MUITO!

Dani: Sávio, podemos começar tudo de novo agora! Eu colhi pelo que plantei. Agora me diz! O que é que você quer!?

Eu: Recomeçar sem medo! Poder ser feliz sem culpa!

Dani: Jura!!?

Eu: Não juro. Dou minha palavra! Olha, eu até fiquei de ir lá a fim ver o apartamento dela pronto, mas...

Dani: Vamos juntos! E vamos avisar a ela! Ela vai saber o que aconteceu hoje. Sávio, é estranho dizer isso, mas você me deu uma lição, eu não sei porque, mas até eu tô sentindo um certo alívio, sabe!? Eu nunca me senti culpada pelo que houve entre mim e Gabriel quando te conheci, mas agora... Agora eu me arrependo pela forma como eu agi! Pena que eu poderia ter agido de outra forma. Mas eu não escolhi gostar de você. Você entende, né!? Olha, você quer mesmo continuar comigo!?

Eu: Quero! Vou precisar me afastar de tudo que tava envolvendo ela, e...

Dani: Olha, você tem várias portas abertas, amor, pode conseguir trabalhar em qualquer lugar! Eu tô louca pra ver você terminar essa graduação, e a gente poder construir nossa casinha. Só quero ter certeza de que está comigo. Só isso!

Eu: Dani, tô com você!

Dani: Nossa, meu Deus! Brigada, pelo menos aqui teve um final feliz! Acho que é muito melhor que ver alguém se destruindo , não é verdade!?

Eu: Sim, rs.

Dani: Tá rindo do que!?

Eu: De tudo isso.

Dani: Hahahahahahaha...( tomei um tapa na cara no meio da risada dela!) Cachorro! Kkkkkkkk, agora sim, tô feliz! Vem cá, filho da puta, me beija!

Olha, aquele beijo não foi amargo, não. Foi um beijo intenso que lavou por dentro tudo que eu tinha vivido há algumas horas mais cedo.

Dani: Agora, seu cachorro, vai tomar um banho, porque eu não quero você com o cheiro de outra na minha cama. Não mesmo! Vai agora!

Eu: Pra já , patroa!

Dani: Sávio...

Eu: Que é?

Dani: Você me quer, mesmo!? De verdade?

Eu: Entendo seu medo. Mas sim. Eu nunca deixei de sentir por ti o que sinto.

Dani: Eu vou te fazer esquecer essa mulher em dois tempos ! Foi bom pra eu me ligar!

Após o banho, eu retornei para junto dela e tomamos algumas decisões juntos: Naquele dia apagamos todos nossos contatos com pessoas do sexo oposto que não eram nossos amigos em comum. Mas ligamos pra Viviane . Quem falou foi a Daniela.

Dani: Oi Vivi. Como anda essa força!?

Viviane: Bem, querida, e você!?

Dispenso detalhes aqui. Dani deixou o viva-voz ligado e contou tudo que aconteceu. Vivi ficou um tanto chocada, pelo tom da voz dela, mal conseguia expressar uma frase.

Viviane: Ele tá ouvindo com você!?

Dani: Tá sim.

Viviane: Sávio, é muito ruim perder alguém nesse jogo. Não tenho o direito de dizer que tô magoada, mas estou. Eu sabia o que eu estava fazendo, e mesmo Dani sendo o mesmo anjo que você foi eu decidi fazer isso. Porque você é um homem raro.

Dani: Toma muito cuidado com o que vai dizer, Viviane! Podia ter acontecido com qualquer pessoa, mas você... Você abalou nossa amizade, abalou meu noivado. Só quero dizer que ele está ficando mais forte. E sabe por quê? Porque tudo que havia de mentiras foi destruído! E só quero dizer uma coisa pra você: Que você ainda acredite no amor, acredite no cara certo, mas que não seja o meu! Ok!?

Viviane: Nossa, Sávio! Você tem uma leoa do lado, hein! Mas as mesmas garras e presas que matam, também servem para amar. Então parabéns, Dani. Você quase perdeu! Seria muito te pedir desculpas por isso?

Dani: Não, querida. Eu te perdôo. Mas se eu souber que você se aproximou dele, eu juro que você não vai querer me ver braba como uma leoa!

Viviane: Certo. Posso ouvir o Sávio agora!?

Eu: Pode falar, Vivi.

Viviane: Confesso que foi por um pouco que não consegui. Mas, desejo sorte pra você e Daniela. Confesso aos dois que eu adoraria ter você inteiro pra mim, nossa... Como você...

Dani desligou na cara dela.

Dani: Cachorra, ordinária! Não acredito nisso! Impossível ir lá, Sávio, eu juro que se você for eu...

Interrompi com um novo beijo. Mais intenso, mais profundo, mais marcante. Cacei a língua dela como um leão, rs.

Dani: Agora você me convenceu que não vai voltar com ela. Seu puto, ordinário... Gostoso! Safado, tesudo! Vem que eu vou marcar esse território de novo, vem!

Fui pro quarto com ela já sem a parte de cima. Dani tava sem sutiã por baixo da blusa dela, totalmente durinha, arrepiada com os chupões que levava no pescoço. Gemia muito, tava com muita vontade de ser fodida.

Meu pau tava super duro, e a bunda arrebitada dela rebolava para me provocar ainda mais. Ela sabia mexer comigo, mano. Sabia me deixar maluco.

Dani: Só mais uma coisa, Sávio!

Eu: O que, linda!?

Dani: A partir de hoje, nunca mais direi que não estou morta, apesar de comprometida. E você!?

Eu: Eu prometo, amor, prometo a você que farei de tudo pra te fazer feliz, e mais ninguém. Posso errar, mas disso não errarei mais.

Dani: E nem eu!

Eu: Então casa comigo!

Dani: Ai, meu Deus, ai meu Deus, ai meu Deus!

Eu: Sim ou não!?

Dani: Você sabe que sim! Mas a gente tá construindo nossa vida,eu tô na faculdade...

Eu: Eu sei. Mas esse é um recomeço, não é?

Dani: Então me pede direito!

Do jeito machista, conservador, tradicional, opressor, ajoelhei-me diante dela e perguntei:

- Dani, eu não merecia estar aqui para pedir isso a você, mas é tarde demais para mim, eu amo você, e quero provar isso todo dia podendo ver o sol brilhar todo dia acordando nos seus braços. Até seus cabelos ficarem brancos, até nossos olhos cerrarem, eu quero cuidar de você. Quer casar comigo?

Dani: ( tirou a parte de baixo da sua bermuda jeans, revelando um corpo de deusa e totalmente lisinho, cheiroso.) Sávio, é o que eu mais quero!

Levantei-me e dei um delicioso beijo na sua boca. A vontade foi de beijar aquela xaninha depilada, mas primeiro a boquinha certa, né!? Kkkkkkkkkkk.

Dani lançou mão de tirar a minha bermuda, mas não se abaixou. A peça caiu lentamente deslizando pelas minhas pernas. Meu pau estava pulsando em sua mão. Então abaixou-se lentamente e desceu a cueca, sentando-se na cama, ficando de frente pro meu pau veiudo. Arranhou meus glúteos com suas unhas, dizendo que aquele território era somente dela. Olhou para mim, lambeu meu sexo da base até a cabeça, deu uma salivada e espalhou por ele todo, lambeu minhas bolas e lentamente abocanhou-o, enterrando-o em seus lábios de olhos fechados. Sugou como uma rainha enlouquecida pelo cetro do seu rei. Chupou lentamente, sensualmente, depois despudoradamente, olhando para mim, alargando em sua boca pelos cantos e circulando com a língua pela glande.

Tava uma delícia. Segurei ela pela nuca e fodi sua boquinha não deixando de fitar em seus olhos. Tirei ele lentamente da sua boca. Ajoelhei-me, abri-lhe as pernas e mergulhei na sua buceta já encharcada. Ela colocou uma das pernas sobre meu ombro e recebeu minha língua dentro de si, que sugava com avidez todo seu prazer liquefeito na minha boca.

Dani: Ai, Sávio, que delícia, amor! Tá me dando a melhor foda da minha vida! Chupa minha bucetinha, chupa. Isso... Mais! Depois quero tudo na minha boquinha, viu!

Quando ela gozou, subi até ela e dividi todo seu sabor num beijo que a enlouqueceu de vez. Invertemos as posições : Agora eu estava deitado de costas na cama e ela subiu em meu corpo. Sentou-se com meu rosto entre suas pernas e rebolou por cima da minha boca, destilando tudo que tinha retesado na minha boca. Penetrei sua grutinha com minha língua. Sua buceta carnuda encaixava na minha boca como um beijo . Seu corpo estremeceu de novo anunciando um intenso orgasmo. E como gozou!

Eu: Dani, quero você agora!

Dani: Vem, meu príncipe, me fode sem dó, vem!


Ela saiu de cima de mim, sentou-se com as pernas abertas de frente pra mim, levando-me pra mesma posição. Contemplando os corpos um do outro, nos encaixamos sentados e iniciamos uma penetração que até então nunca tínhamos feito. Um altar do prazer, em que nossos olhos não eram tirados de contato um com o outro. Foi muito gostoso, acredite . Daniela e eu gemíamos em uma só acorde de vozes tomados pelo êxtase.

Dani: Que delícia, amor, não quero parar, que foda incrível. Você é maravilhoso, sabia!?

Eu: Você que é, princesa.

Unimos nossos corpos num abraço sôfrego, ansiando pelo contato com o calor um do outro. Dani rebolava e contraía sua buceta no meu pau enquanto envolvia meu pescoço em seus abraços e eu possuía seus seios mamando como um leão.

Dani: Aaaahhhhnnn, isso! Fode mais, fode, meu tesão, me dá mais pica, dá!

Eu: Quer pica, sua gostosa!?

Dani: Aham!

Eu: Fica de 4 agora, minha leoa!

Dani: Safado, gostoso, você tá incrível hoje.

Quando ela ergueu aquele rabão pra mim, caí de língua na sua buceta, melando até seu cu. Seu cheiro de sexo tava me entorpecendo. Dei um tapa forte para mostrar quem era o macho dela. Ela ronronou de maneira sexy pra mim. Enfiei tudo de uma vez na sua grutinha e fodi sem piedade. Com meus dedos invadi seu rabinho e comi freneticamente até ela romper num orgasmo alucinante.

Tirei meu caralho da xana de Dani e pressionei gostoso no seu cuzinho, enterrando ele lentamente até sobrar minhas bolas batendo na bunda dela. Dani mordeu o lençol e babou de tanto prazer que tava sentindo. Aumentei a velocidade, a força, enterrava sem pena.

Eu: Porra, vou gozar, amor, não agüento mais!

Dani: Goza na minha boquinha, goza, gostoso, quero beber leitinho do meu macho, vem. Enche minha boca de porra!

Entreguei meu pau nas mãos dela que deu uma punheta frenética até meu leite sair com pressão. Seu rosto ficou todo branco. Mas levou cada gota com os dedos até a boca, não desperdiçou nada. Agora foi minha vez de beijar e sentir meu sabor .

Parte editada e transcrita

Após ter tido a melhor foda da minha vida com a Dani, a convicção dela de que é amada por mim ficou mais viva na sua mente. Não posso mentir que ainda sentia atração pela Vivi quando me lembrava dela. Não posso negar que Dani ainda sentia a dor. Dói mesmo. Eu me arrependi cada segundo de tê-la enganado, levado pelo instinto carnal e satisfazer a carência de uma amiga desquitada.

Viviane ligou para mim quando eu cheguei em casa, altas horas da noite.

Eu: O que você quer Vivi?

Viviane: Posso falar sem ser interrompida bruscamente por ela!?

Eu: Pode sim!

Viviane: Eu sei que provavelmente nunca mais vamos nos ver. Então, saiba que mesmo perdendo pra essa garotinha, eu quero agradecer pelo que fez por mim. Achei por um momento que a felicidade havia chegado pra mim. Quando você disse que se imaginado comigo, realmente pensei que estivesse gostando de mim.

Eu: O fato de eu ter decidido isso não significa que eu não goste de você. Mas eu tinha uma história que começou de um fracasso dela. Aquela garota poderia ter arruinado minha vida quando era estagiário, mesmo assim guardou segredo sobre mim. Quando dei aula para ela a primeira vez, eu fiquei de pau duro para fodê-la impiedosamente , ela percebeu e não disse nada pra ninguém. É verdade que ela traiu o antigo namorado pra ficar comigo, mas o amor entre a gente era verdade. Em meio a toda essa crise interior, eu decidi pelo que parecia duvidoso. Eu arrisquei ficar sem as duas!

Viviane: Você sabe que apesar de mais velha eu sou jovem ainda, e fiquei louca por você por causa do seu jeito. Mas o amor tem caminhos imprevisíveis. Pena. Você sabia que ela poderia fazer isso com você, não sabia!?

Eu: Sabia. Isso sempre martelou minha cabeça. Por um bom tempo.

Viviane: Será que ela não se vingará!? Não quero por lenha na fogueira, mas... Vai conviver com isso!? Com essa possibilidade!?

Eu: Eu não sei se posso, ninguém tá pronto pra isso. Mas vou apostar.

Viviane: Sávio, Sávio... Boa sorte! Tomara que não esteja errado.


Fim da parte editada...

Depois desse dia, e da forma inusitada como tudo terminou, a nossa relação ficou mais forte. A confiança aos poucos, foi se consolidando de novo, outras pessoas criaram vínculos com a gente, mas agora, não eram somente amigos meus ou amigas minhas, eram NOSSOS AMIGOS. NOSSAS AMIGAS.

Eu não tive mais contato com Viviane até saber pelo Geninho que ela conheceu um cara. Num novo evento que teve na casa dele, Dani e eu a reencontramos. Felizmente, ela seguiu sua dieta até ser liberada pela nutricionista para comer se tudo, e o melhor, conheceu o namorado dela coincidentemente na mesma academia que eu estagiava na faculdade através do Marco Antônio. Seu nome!? Leonardo. O tipo físico dele era muito parecido com o do Lelo.

A nossa amizade foi reconstruída. As duas se acertaram, mas dessa vez, ela no canto dela e eu no meu. Pelo menos até eu anunciar que Dani e eu nos casaríamos.

É, pessoal, essa é minha história. Felizmente terminou bem para todo mundo. Dani está no terceiro ano de Veterinária, casada comigo, linda, apaixonada, realizada, e viva! Mas só pra mim.










ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.