"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Marcelo & Sonia 33 – Casal Submisso


autor: MarceloDias
publicado em: 06/09/16
categoria: traição
leituras: 7152
ver notas


Marcelo & Sonia 33 – Casal Submisso

Continuação......
Eu e minha esposa fomos nus com aquele homem para o nosso quarto, sabíamos que ele ia nos foder sem pena. Entramos no quarto abraçados, Cicero ficou olhando nosso quarto que tem uma cama de casal enorme, um armário de dois andares, uma TV que ocupa a parede lateral e uma poltrona sem braços. Sonia me abraçou. Ele nos olhou, então aqui é o ninho do casal, perguntou. É o nosso ninho. Sonia disse, é aqui que eu vou foder o casal. Sonia sorriu, É aqui que você vai comer nos dois, nós estamos querendo pica, muita pica, minha esposa disse, falando como uma vagabunda. Cicero sorriu e nos olhou acariciando a pica que estava dura na mão dele. Eu e minha esposa olhamos fascinados aquela coisa preta, comprida e grossa que ele segurava. Eu sei que vocês querem pica, vocês querem um macho que faça os dois serem submissos, não é isso que vocês querem. Ele perguntou nos encarando. Sonia olhou para ele. Eu e meu marido estamos doidos pela tua pica, nós queremos ser submissos, obedecer e agradar você.

Cicero se aproximou e nos abraçou, nós procuramos o corpo dele, abraçando sua cintura, Cicero beijou Sonia na boca, ela correspondeu, as línguas molhadas se esfregavam, a mão dele acariciava o rabão dela, ele me puxou mais para ele e senti sua mão quente acariciando minha bunda, pega na minha pica Marcelo, eu obedeci, segurei o pau grosso dele, Ele me beijou, vai agüentar isso tudo no cu, não vai, ele provocou. Vou você sabe que vou, disse. Sonia beijou ele na boca, eu também quero Cicero, eu quero dá minha boceta para você. Ele sorriu, eu sei, meu amor, primeiro vai ser você, ele acariciou a boceta dela. Esse bocetão ta querendo pica, Sonia gemeu sentindo o dedo grosso entrando na boceta. Eu quero pica, Cicero, come minha boceta, me fode. Eu não agüento mais. Sonia se esfregava no corpo dele. Ajoelha, ele mandou. Sonia obedeceu e ficou de joelhos com a pica enorme dele quase tocando sua boca. Ela beijou a pica e foi abrindo os lábios, engolindo aquela coisa preta e grossa. Cicero já tinha gozado duas vezes na boca da minha esposa. Ela chupou como uma desesperada, estava doida pela pica enorme daquele homem. Ele deixou ela chupar, fudendo o bocão dela.

Cicero fez ela levantar e conduziu-a para a cama. Sonia olhou para ele, dava para ver o desejo no olhar, me fode, pediu. Deita e se arreganha, ele mandou. Eu olhava me masturbando, minha pica estava dura demais. Sonia deitou de costas no meio da cama e abriu as coxas grossas, oferecendo a flor enorme que ela tinha no meio das pernas para ele. Cicero ficou olhando o bocetão grandão dela e masturbando a pica. Ele subiu na cama e montou nela, encostando a pica exagerada na boceta, Sonia se abraçou nele, sentiu a pica forçando a boceta, me fode sem pena Cicero, ela pediu.

Eu olhava acariciando meu pau, a pica forçava a boceta, Sonia estava muito excitada, dava para ver o mel escorrendo nas coxas, a boceta foi se abrindo e a pica preta e grossa foi arrombando a flor melada da minha esposa, Ai que pau grosso, vai me deixar larga, me fode, Sonia gemeu. Metade da pica já tinha entrado na boceta, Cicero se abraçou nela, que bocetão quente, eu quero meter tudo nessa boceta, ele falou beijando ela na boca, Sonia correspondeu e suas pernas prenderam o corpo dele. Mete meu amor, que pau gostoso, eu quero tudo na minha boceta, mete tudo Cicero, não tem pena, me fode. Cicero a segurou firme e enterrou a pica toda na boceta. Sonia chorou desesperada, quando ele cravou tudo na boceta. Ele passou a foder a boceta dela, metendo de um jeito bruto, eu via os lábios da boceta abertos e a pica preta e grossa entrando até o cabo. Sonia gemia chorando, aaai Cicero que pau enorme vai no meu útero, minha boceta ta larga, você me estourou toda, puta que pariu, você ta botando tudo na minha boceta. Me fode. Ai ta entrando tudo porra, ai minha boceta. Cicero se agarrou nela e metia firme na boceta da minha esposa, dava para escutar o barulho do pau entrando na boceta melada.

Cicero metia de um jeito bruto, enterrando o pau todo no bocetão dela. Sonia me olhou embaixo dele com a pica grossa toda na boceta. Ai Marcelo ele ta botando tudo na minha boceta, ta metendo essa pica enorme na boceta da tua esposa. Olha Marcelo como ele me come, eu vou gozar, eu não aguento, aaai assim eu gozo...porra…Sonia gozou gemendo. Cicero continuou metendo forte na boceta dela. Ela se agarrava no corpo dele com a pica toda dentro, pedindo para ele foder a boceta dela, falando que queria mais pica.

Cicero continuou montado nela, metendo vara na boceta. Sonia rebolava com a pica grossa toda na boceta. Ele tirou a pica, estava enorme, dura, inchada, Cicero ajeitou vários travesseiros no meio da cama, um em cima do outro e fez minha esposa deitar com a barriga neles, ela ficou com as coxas abertas e o rabão enorme todo para cima, ela tinha uma bunda maravilhosa, exagerada, grandona, linda. Cicero abriu as nádegas fartas dela e ficou olhando o buraquinho rosado que estava fechadinho, ele segurou as nádegas com as duas mãos e beijou o cuzinho, sua boca grande colou no cu e chupou, deixando Sonia alucinada, ela empinou a bunda, se entregando toda para ele.

Ela gemia alto, esfregando a bunda na cara dele. Cicero desceu a mão naquela bunda deliciosa, o barulho do tapa ecoou no quarto, Sonia gemeu. Ele deu outro tapa ainda mais forte que o primeiro, deixando o rabão dela vermelho. Cicero foi batendo, Sonia aceitava os tapas firmes dele na bunda. Ele pegou ela pelos cabelos e fez ela olhar para ele. Eu quero comer esse rabão. Ele disse sem meias palavras. Eu sei,deixa meu marido comer primeiro para deixar aberto para você.

Sonia me olhou, vem amor abre para ele, eu peguei um tubo de gel na mesinha e subi na cama de joelhos, Sonia continuava deitada com a barriga nos travesseiros e a bunda enorme toda para cima. Passei bastante gel na pica e me coloquei atrás dela, abri as nadegas fartas dela e encostei minha pica no cuzinho e fui empurrando, Sonia gemeu quando a cabeça entrou, meu pau entrou todo no rabão dela. Eu meti forte, botando tudo, Cicero ficou do meu lado, senti a mão dele acariciando minha bunda, ele me beijou, nossas línguas se esfregaram, o dedo grosso dele foi entrando todo no meu cu. Eu metia firme no rabão da minha esposa com aquele homem metendo o dedo na minha bunda. Cicero fez eu segurar o pau dele, estava muito duro, senti a grossura na minha mão. Deixa o Cicero fuder, Sonia pediu. Tirei o pau e dei o lugar para ele. Cicero encharcou o pau de gel, enquanto eu fui deixando o cuzinho da minha esposa todo melado.

Ele tomou o meu lugar e ficou de joelhos atrás dela, abrindo as nádegas com as duas mãos e encostando a pica naquele cu delicioso que eu tinha acabado de fuder. Mete devagar. Ela pediu. Cicero foi empurrando, a pica muito grossa não entrava, ele segurou Sonia firme pelos ombros e foi empurrando, o cu foi se abrindo, a cabeça entrou, Sonia gemeu desesperada quando ele empurrou mais um pouco, botando quase metade da pica grossa dele no rabão dela. Eu olhava tudo bem do lado deles. Ai Cicero que pau enorme, como é grosso, meu cu vai ficar aberto. Ele ia empurrando aos poucos, metade da pica já tinha entrado. Você gosta de dar o cu, gosta de pau grande, eu sei que você é puta, gosta de dar a bunda, vai agüentar tudo no cu, ele provocava. Cicero segurou Sonia com as duas mãos pelos quadris e foi empurrando, a pica foi entrando, ele botou tudo no bundão dela, Sonia agüentou tudo no cu, ela chorou manhosa, Cicero metia forte, ele botava aquele pau enorme todo no rabão dela. O corpo dele grudou no dela com a pica cravada até o cabo no cu. Sonia gemia baixinho chorando, Cicero castigava o rabão dela.

Ele se afastou um pouco e tirou o pau, abrindo as nádegas e me mostrou o cu, estava aberto, vermelho e inchado. Eu acariciei os cabelos da minha esposa, Ela me olhou e perguntou se a bunda dela estava muito aberta. Esta querida, ele arrombou teu cu, esta bem largo. Falei beijando o rosto dela. Mete Cicero, fode minha bunda, eu quero tomar no cu. Ela pediu. Cicero encostou a pica e foi botando, Sonia gemeu agüentando tudo no cu. Cicero grudou nela com o pau todo enterrado no cu. Mete forte na minha bunda, ela pediu. Cicero castigou o rabão dela, Sonia chorava dando a bunda pra ele. Aii eu vou gozar, que pau grosso, eu fico doida, eu vou gozar...Sonia se abraçou nos travesseiros, seu corpo tremeu todo, com a pica enorme toda no cu.

Sonia ficou toda mole em cima dos travesseiros, Cicero continuou montado nela com a pica cravada no rabão dela. Ele beijava o pescoço dela, Ta sentindo o pau no cu, ele provocou. To Cicero é enorme, grosso, meu cu ta arrombado, você me fudeu toda. Ele continuou comendo, Sonia empurrava o bundão para trás agüentando a pica toda no cu, Cicero metia tudo no cu, ela foi ficando completamente descontrolada, pedindo para ele foder a bunda dela, falando que ela era puta, que queria a pica grossa dele toda no cu, pedia para ele arrombar o cu dela. Cicero metia firme no rabão dela, Sonia gozou de novo, tomando cu. Cicero tirou os travesseiros e deitou-a na cama. Ele se abraçou ao corpo dela, ficaram abraçados, namorando, se beijando.

Sonia tinha gozado várias vezes, Cicero só tinha gozado duas vezes na boca dela, ele tinha um controle absurdo do gozo, meteu demoradamente nela sem gozar. Ele continuava com o pau duro.

Eu olhava os dois sentados na poltrona em frente a cama. Ele me olhou e me chamou, subi na cama e ele e minha esposa me abraçaram. Cicero me beijou na boca, correspondi ao beijo, segurei a pica grossa dele, estava enorme. Meu pau estava duro, minha esposa segurava, me masturbando devagar. Ele me virou, me abraçando por trás, senti a pica se esfregando no meu bundão. Você tem um rabão Marcelo. Quem foi que fudeu você, ele perguntou. Foi um amigo nosso que me comia. Sonia falou, evitando contar tudo que tínhamos vivido. Cicero foi me virando, me deixando de bruços na cama. Ele deixou o gel escorrer no pau e me montou. Senti o corpão dele em cima do meu. A pica foi abrindo minhas nádegas, gemi quando o pau encostou no cu, a pica grossa forçou e meu cu foi se abrindo, gemi desesperado quando a pica grossa entrou. Enfia tudo Cicero, castiga o rabão dele como você castigou o meu. Eu quero que você arrombe ele todo. Sonia falou para ele. Eu vou botar tudo, vou fuder o rabão dele todo, disse. Cicero me segurou firme e foi botando, chorei dando pra ele. Cicero foi botando, o corpo dele grudou no meu com a pica toda dentro. Ele tinha cravado tudo no meu cu. Eu gemia agüentando aquela pica preta e grossa. Ele metia com brutalidade na minha bunda. castigando meu rabão, me fudendo sem pena.

Minha esposa olhava se masturbando. Perdi a noção de tudo, ali de bruços com aquele homem montado em mim, botando aquela pica enorme toda na minha bunda. Eu gozei dando pra ele. Ele continuou me comendo, metendo forte na minha bunda, meu pau endureceu de novo, ele metia gostoso demais. Gozei de novo com o pau grosso dele todo no cu. Ficamos abraçados, ele me beijou, falando que agora era o macho dos dois. Ele saiu de mim, deixando um vazio. Cicero foi para o banheiro. Eu e Sonia nos abraçamos na cama e nos beijamos cheios de desejo.

Cicero tomou uma chuveirada e voltou, abraçando minha esposa, suas bocas se uniram num beijo chupado. Eu fui até o banheiro e tomei um banho demorado e voltei para o quarto, Cicero estava deitado e Sonia mamava a pica grossa, ele sorriu para mim da cama, vem Marcelo chamou, subi na cama e deitei do lado da minha esposa e fiquei olhando ela chupar, ela me beijou e trouxe a pica até minha boca, mamamos juntos, era delicioso nos dois ali nus chupando juntos aquela pica preta, grande e grossa, nossas bocas passeavam pelo pau grosso dele, nos beijávamos sentindo o gosto do pau em nossas bocas. Ficamos ali nos deliciando com aquele pau enorme.

O pau dele estava muito duro, ele puxou Sonia e fez ela ficar em pé e sentar na pica. Sonia foi sentando devagar sentindo a pica grossa invadir sua boceta. Ela gemeu e abraçou Cicero com a pica cravada na boceta. Ela o beijava na boca, sentindo sua boceta envolver o cabo grosso da pica, Sonia sentava com força, sendo comida, rebolava agüentando o pau dele. Seus gemidos foram ficando mais altos, ela passou a soluçar, já sentava com vontade no pau, seu corpo foi ficando tremulo e ela gozou com a pica toda na boceta.

Ela ficou no colo dele com a pica cravada na boceta, sua boca procurava a dele. Cicero fez ela deitar com o rabão enorme todo para cima. Ele montou nela e abriu as nádegas enormes dela, Sonia gemeu quando ele encostou a pica grossa no cu. Ele forçou e o cú foi se abrindo, Cicero foi enterrando. Ela gemia toda manhosa com metade da pica no cu. Cicero chupava o pescoço dela, se agarrando nela por trás, Sonia chorou baixinho quando Cicero cravou a pica toda no cu. Aiii porra, Cicero, que pau grosso, puta que pariu, você ta me deixando toda larga. Meu cú esta todo fodido. Cicero não disse nada, continuou metendo tudo no rabão dela. Castigando a bunda maravilhosa da minha esposa. Ele passou a meter de um jeito bruto, Sonia gemia completamente fora de si, aguentando a pica. Ela gozou gemendo. Cicero continuou metendo nela, Ele abraçou o corpo dela com o pau cravado no cu e gozou gemendo muito alto. Ficaram deitados, ele em cima dela. Quando ele tirou o pau e deitou do lado dela, o leite grosso dele escorreu pela coxas, molhando o lençol.

Ficamos os três deitados e acabamos pegando no sono, so acordei algum tempo depois com Cicero me balançando. Eram seis da manha, tínhamos praticamente virado a noite metendo. Sonia continuava dormindo, ele pegou as roupas dele e fomos nus para sala. Ele me abraçou e me beijou na boca, me agarrei ao corpo dele, senti o pau duro e grande dele se esfregando no meu, ele segurou meu bundão apertando e me levou para o chão, fazendo eu ajoelhar e ficar de quatro para ele. Cicero ajoelhou atrás e abriu meu rabão, encostando a pica enorme no meu cu, ele me segurou pelos ombros e foi empurrando, meu cu foi se abrindo e a pica grossa foi entrando, ele foi botando, eu chorei aguentando metade do pau dele na bunda. Ele não ligou, me segurou pelos ombros e cravou tudo no meu cu, gemi desesperado, ele me fudeu, metendo firme na minha bunda. Ele passou a me segurar pela cintura metendo forte. Meu pau estava duro, ele cravava tudo no meu rabão. Gozei com o pau dele todo na bunda. Ele continuou metendo até gozar, me enchendo de leite, quando ele tirou, o leite grosso dele escorreu.

Estava acabado, Cicero se vestiu e me abraçou, falando que tinha sido uma noite maravilhosa. Depois dessa noite, Cicero dormiu muitas vezes em nossa casa. Ele sempre foi uma pessoa muito educada. Somente quando íamos para o quarto e que ele se tornava nosso dono e macho.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.