"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Marcelo & Sonia 37 – Virando Puta


autor: MarceloDias
publicado em: 22/09/16
categoria: lésbicas
leituras: 8299
ver notas


Marcelo & Sonia 37 – Virando Puta

Continuação...
Quando estávamos na piscina, Sonia e Darlene ficaram se abraçando e uma acariciando o corpo da outra. Darlene abraçava Sonia por trás e ficava esfregando a boceta no bunda enorme da minha esposa. Elas ficaram abraçadas de frente, as duas se beijavam na boca com as bocetas coladas. Darlene com a mão na boceta de Sonia por cima da calcinha, acariciando a boceta dela. As duas nem se importavam com os maridos olhando. Sonia e Darlene nos olharam e sorriram para nós, saíram de mãos dadas da piscina e foram andando para a casa. Darlene já tinha se apossado da minha esposa, as duas iam abraçadas e Darlene com a mão no bundão dela.

Entraram na casa pelos fundos, passaram pela cozinha, no corredor Darlene encostou Sonia na parede, seu corpo grudou no dela, as bocas se uniram, se beijando com desejo, as bocetas se esfregavam, eu estou louca por você. Sonia sussurrou.Você é gostosa demais. Darlene abraçava Sonia, suas mãos desceram segurando a bunda enorme dela com as duas mãos, acariciando, ela enfiou as mãos por dentro do biquíni, abrindo as nadegas, Sonia gemeu sentindo o dedo dela acariciando seu buraquinho. Ai Darlene assim eu fico doida, Darlene foi enterrando o dedo, você gosta de um carinho no cu. Ela provocou. Gosto amor, ai você ta enterrando o dedo todo. Ela beijou Sonia, estou querida, to botando o dedo todo no teu cu, você tem um cu gostoso, eu adorei teu cu, Darlene já colocava dois dedos, fudendo o rabão dela. Sonia empinava a bunda, se oferecendo para Darlene, deixando a amiga foder sua bunda.

Beijaram-se com desejo, Darlene passou a beijar ela de um jeito bruto. Eu quero foder você, Darlene falou para ela. Fode, eu sou toda tua. Darlene beijava os lábios grossos de Sonia, chupando , você tem cara de piranha, eu quero que você seja puta, ela provocava. Eu sou tua puta, olha como eu deixo você foder meu cuzinho. Sonia falou sentindo o dedo todo no cu. Eu adoro uma puta casada como você. Eu quero ser tua dona. Quero mandar em você. Sonia beijou os lábios dela. Manda, eu sou submissa, eu adoro obedecer uma mulher gostosa como você. Darlene a beijava, Eu vi como você me olhou, ficou olhando para minha boceta, gostou da minha boceta, não gostou. Darlene provocava. Gostei, eu fiquei olhando, eu gosto de boceta grande como a tua. Darlene a beijava, para comer minha boceta vai ter que fazer tudo que eu mandar. Sonia beijou o pescoço dela. Eu faço tudo que você quiser amor. Ela sentia as mãos grandes de Darlene apertando sua bunda. Vamos subir para o meu quarto, disse chamando a amiga.

Sonia subiu com Darlene, entraram no quarto e Sonia fechou a porta. Darlene fez Sonia virar e abriu a parte de cima do biquíni, que caiu, Darlene abraçou ela por trás e segurou os seios grandes dela, estavam duros, Sonia sentia os mamilos e os bicos inchados, gemeu sentindo Darlene apertar seus peitos e puxar os bicos. Darlene abriu os laços da calcinha do biquíni, deixando Sonia nua. Suas mãos desceram para a boceta lisa, Sonia estava molhada, os dedos entraram gostoso na boceta. Que bocetão que você tem, esta toda úmida, doida para dar a boceta. Darlene fez ela virar e beijou Sonia na boca, tira o meu biquíni. Ela mandou, Sonia abriu a parte de cima, os seios dela eram grandes e duros com mamilos grandes e bicos pontudos. Sonia esfregou o rosto nos seios dela e sua boca beijou o bico e foi colocando ele todo na boca, chupando forte, sentiu Darlene gemer e segurar seus cabelos deixando ela mamar. Sonia ajoelhou e foi abaixando o biquíni deixando ela nua, ficou olhando fascinada para a boceta dela, era grande como a dela e tinha um tufo de pelos negros aparados na frente, o grelo surgia majestoso, grande, nascia grosso e ia afinando, parecia uma pica. Sonia se abaixou e beijou os pés dela, esfregando os labios, seus lábios passearam pelo pé, beijando e lambendo. Sua boca subiu pela perna, beijando as coxas e seus lábios grossos beijaram a boceta enorme dela, como se reverenciassem a beleza da sua flor rosada. Darlene segurou ela pelos cabelos e fez Sonia olhar para ela. Eu sabia que você ia beijar meus pés, chupa minha boceta, eu sei que você está doida pela minha boceta, chupa minha boceta, mostra para mim que você é puta. Sonia de joelhos abraçou a cintura dela e sua boca grudou na boceta, chupando com desejo, Darlene gemeu esfregando a boceta no bocão dela, sua boceta enorme escoria deixando os labios da minha esposa melados.

Sonia chupava com devoção a boceta dela, Darlene a segurava pelos cabelos e fazia Sonia olhar para ela. Chupa, vagabunda, eu sei que você gosta de boceta, chupa com vontade, ela mandou. Darlene fez Sonia encarar o olhar dela, segurando com firmeza os cabelos dela. Ela acariciou o rosto delicado e sua mão desceu forte no rosto. O barulho do tapa ecoou no quarto, Darlene deu outro tapão ainda mais forte na cara dela. Sonia chorou apanhando na cara, Darlene acariciou o rosto dela, Sonia beijou a mão dela, deixando os dedos compridos da amiga penetrar sua boca, ela chupou os dedos, Darlene fodia sua boca com dois dedos. Darlene olhou para ela, eu quero bater mais nessa tua cara de piranha. Sonia beijou as mãos dela, bate, dá na minha cara, me bate, pediu. Nem terminou de falar recebeu a mão de Darlene na cara, o outro tapão foi ainda mais forte e virou seu rosto, Darlene batia forte, deixando Sonia doida, ela sentia a boceta quente, a cada tapa que levava na cara.

Sonia continuou ajoelhada abraçada aos quadris grandes de Darlene, sua boca beijava a boceta, a amiga segurava ela pelos cabelos e esfregava a boceta na sua boca. Darlene segurava os cabelos dela com força, fazendo Sonia olhar para ela, sua boceta roçava na boca deliciosa da minha esposa. Deixa eu mijar nessa boca linda, Sonia beijou a boceta dela e sentiu o mijo na boca. Ela afastou a boca, abriu os labios e deixou o jato grosso e forte de Darlene atingir o fundo da sua boca, se deliciou com o gosto acido e com a quentura do mijo. Darlene trouxe sua boca para a boceta, Sonia colou a boca no bocetão dela e deixou a amiga despejar seu liquido branco na sua boca. Sonia foi bebendo o mijo gostoso de Darlene. Aos poucos o jato foi diminuindo e Darlene puxou Sonia, as duas se abraçaram, a amiga procurou sua boca, se beijaram com paixão, Darlene sentia seu gosto na boca quente de Sonia. Ficaram em pé, grudadas, namorando.

Sonia beijava os lábios dela, adorei teu mijo, você é deliciosa. Darlene sorriu, fez Sonia ajoelhar e colocou sua boceta grandona na boca dela. Abre essa boca gostosa, eu vou encher ela de mijo. Sonia abriu a boca e recebeu o jato grosso e forte dela na boca, ela deixou Darlene descarregar o mijo todo na sua boca, ia bebendo, engolindo, chegava a escorrer pelos seios. Darlene acabou e puxou Sonia, encostando ela na parede, fazendo ela virar o rabão todo para ela. A mão forte e firme dela, desabou sobre o rabo farto da minha esposa, ela gemeu, Darlene a segurava pelo cabelo e batia com força no bundão dela. Os tapas fortes e estalados ecoavam pelo quarto. Sonia foi ficando histérica, ela empinava a bunda, oferecendo o rabão, sua bunda foi ficando vermelha.

A amiga a pegou pelos cabelos fazendo ela olhar para ela e deu na cara dela. As tapas fortes foram deixando o rosto de Sonia vermelho. Ela abraçou Darlene beijando sua boca com sofreguidão. Eu fico louca assim, você bate gostoso demais, eu adoro mulher que me trata assim, adoro apanhar na cara, eu to doidinha por você, minha boceta ta escorrendo. Darlene a beijou. Eu sei querida, eu to só começando, vem beijar minha boceta, Darlene chamou levando ela para a cama.

Darlene deitou recostada na cabeceira da cama e se abriu toda, oferecendo a boceta. Minha esposa ficou no meio das coxas dela, Darlene acariciava seus cabelos, olha querida como minha boceta é grande, eu sei que você esta doida pela minha boceta, você deixou eu mijar nessa boca gostosa, chupa minha boceta, ela mandou. Sonia olhava fascinada a boceta dela, sua boca grandona procurou a boceta deliciosa da amiga, ela beijou a boceta, lambendo o grelo duro e comprido. Darlene se arreganhou toda, Sonia chupava com força, sentia o mel escorrer. Darlene gemia se esfregando no bocão, se entregando toda para a boca quente da minha esposa. Ela passou a gemer mais alto e segurar a cabeça de Sonia, esfregando a boceta na sua boca. Eu vou gozar, que boca maravilhosa, minha boceta não agüenta, eu to gozando, chupa mais forte. Darlene gozou, seu corpo ficou largado sobre a cama. Sonia continuou chupando, ela foi aos poucos, se entregando de novo, pedindo para Sonia continuar chupando. Minha esposa a virou de bruços e sua boca beijou o bundão farto dela, abrindo suas nádegas maravilhosas, expondo seu buraco delicioso. Sonia beijou o cu rosado, Darlene enlouqueceu, gemeu desesperada quando Sonia chupou o cu. Sonia colou a boca no cu e chupou forte, deixando Darlene fora de si, ela empinava a bunda grandona, deixando Sonia chupar, gozou quando Sonia chupou seu cu mais forte. Seu corpo desabou na cama. Sonia a trouxe para seus braços e ficaram trocando beijos, uma sentindo o calor do corpo da outra.

Darlene e Sonia ficaram abraçadas, se beijando. Sonia ficou com o rabão todo para cima e Darlene acariciava o cu, Sonia se entregava, sentia seu cu se contrair no dedo da amiga. Você é gostosa demais, teu cu é delicioso, já meteram muito nesse cu, não meteram, ela provocou. Meteram, eu gosto de dar a bunda. Sonia falou, sentindo o dedo dela invadindo o cu. Eu queria ver você agüentar a pica do meu marido, você viu o tamanho do pau dele. Sonia beijou os lábios dela. Vi ele tem um pau enorme, grosso, gostoso, ele estava de sunga mas dava para ver. Darlene a beijou. E grande e grosso, quando casei com ele, sofria pra agüentar tudo na bunda, ficava larga, depois que dava. Você viu como meu cu e aberto. Sonia ficou beijando ela, vi, teu cu é delicioso, ela disse. Da pra ele, na minha frente, ela pediu. Eu dou, quando você quiser. Darlene continuou provocando, você viu nossos maridos na piscina, meu marido meteu a pica no teu. Sonia riu, você acha, Darlene a beijou, acho, meu marido tava passando a mão no bundão dele e ele estava deixando. Sonia sorriu safada para ela. Vocês dois são foda. Darlene riu,somos, eu to comendo você toda, você agora é minha putinha. Não é? Sonia a beijou, sou, sua puta, estou doida por você. Darlene e Sonia se beijaram cheias de desejo.

Darlene deitou Sonia na cama e beijou seus lábios, sua boca desceu beijando o corpo macio, chupando os seios, mamando, ela subiu os braços da minha esposa e beijou as axilas, chupando em baixo do braço, deixando ela louca, sua boca continuou se deliciando com o corpão farto dela. Darlene beijou a bariga e sua boca desceu procurando a boceta, Sonia se abriu toda para ela, oferecendo a boceta enorme, sentiu a boca quente de Darlene chupar sua boceta, ela gemeu completamente doida, se arreganhando toda, suas mãos seguram Darlene pelos cabelos e enterraram sua cara na sua boceta, A amiga chupou sua boceta de um jeito forte, Sonia gemia manhosa, esfregando a boceta nos labios de Darlene.

Sonia não aguentou, seus gemidos foram ficando mais altos, ela segurou a cabeça da amiga entre as pernas com força e gozou na boca de Darlene. Seu corpo tremeu. Aii Darlene você chupa gostoso demais, ela disse completamente seduzida pela amiga. Darlene continuou beijando sua boceta, sua língua passeava pela boceta.

Sonia se entregava toda as caricias dela. Darlene virou Sonia de bruços, ela ficou deitada com o rabão todo para cima, a amiga beijou sua bunda, suas mãos abriram as nádegas enormes dela e sua boca beijou o cu, lambendo, Sonia gemeu desesperada quando ela colou a boca e chupou o cu. Aiii Darlene assim você me mata, eu fico louca, eu adoro isso, chupa meu cu, chupa meu amor, eu adoro dar minha bunda. Darlene provocava, você vai dar esse rabão enorme para o meu marido, vai deixar ele foder teu cu. Sonia gemeu, vou, eu dou, eu to doida para dar a bunda. Darlene beijava o rabão dela provocando. Eu quero ver meu marido comendo teu bundão, teu marido deixa você dar. Sonia se entregava toda, deixa, ele gosta de ver eu dando. Darlene chupava o rabão dela, Sonia foi ficando completamente fora de si, pedia para Darlene chupar sua bunda, ela gozou chorando baixinho. Darlene deitou do lado dela e envolveu seu corpo, as duas se beijaram apaixonadas.

Darlene continuou comendo Sonia, ela chupava o corpo de Sonia, deixando a marca de sua boca na pele macia da amiga, Sonia tinha os peitos marcados pelos chupões dela. Darlene segurava Sonia pelos cabelos e batia na cara da minha esposa, deixando ela louca, Sonia se oferecia toda para ela, apanhando na cara, pedindo para Darlene dar na cara dela, sua boca chupava a boceta de Darlene, deixando ela completamente louca. As duas ficaram na cama namorando, se beijando, se chupando, até não aguentarem mais e dormirem abraçadas.

Elas acordaram no final da tarde, nuas depois de terem passado o dia quase todo na cama. Se beijaram e Darlene sorriu, vamos procurar nossos maridos, desceram foram na piscina e subiram novamente olhando os quartos e acharam eu e Otto nus na cama. Quando subimos para o quarto, Otto me comeu de novo e acabamos pegando no sono, só acordamos quando Darlene e Sonia entraram no quarto.

Elas nos abraçaram, estávamos todos nus. Darlene se abraçou com o marido e ficou acariciando o pau, sentindo ele endurecer na sua mão. Sonia me olhou, vi pelo olhar dela que ela estava excitada. Ela olhava maravilhada para o pau, Darlene masturbava a pica do marido, era enorme, grande e grossa. Ela nos olhou e sorriu, Olha Sonia não é enorme, ela provocou. É, teu marido tem uma pica grande, o pau dele é maravilhoso. Otto olhou Sonia nos olhos, viu que ela olhava com desejo para o pau dele. Eles estavam bem do nosso lado na cama, Darlene segurou na mão da minha esposa, vem provar a pica dele, ela chamou, puxando ela pela mão. Sonia se deixou levar, sua boca beijou a pica, Darlene segurou nos cabelos dela e forçou os lábios dela contra o pau, Sonia abriu os lábios e abocanhou a pica grossa, a pica foi invadindo sua boca, ela mamava o cacetão grosso, dava para ver a pica enterrada no bocão dela e a saliva escorrendo pelo pau.

Darlene me olhou e sorriu. Marcelo, eu quero ver tua esposa dar essa bunda enorme pro meu marido, deixa ele comer o rabão dela. Eu sorri, eu to doido pra ver teu marido foder o bundão dela. Levantei e peguei um tubo de gel no armário. Darlene afastou Sonia, tirando o pau da boca dela. Vem meu amor, eu e teu marido vamos preparar tua bunda pra levar pica. Darlene falou, eu coloquei vários travesseiros no meio da cama e Darlene fez Sonia deitar com a barriga em cima deles, ela ficou com o rabão todo para cima, eu passei o gel deixando o cu bem melado e dei para Darlene ela foi passando na pica do marido. Ele estava com o pau muito duro, Otto olhava com desejo para o rabão dela.
Ele subiu na cama e montou nela, eu me masturbava olhando, Darlene sentou do lado deles e acariciava a boceta. Otto abriu as nádegas grandonas dela e encostou à pica no cu, Sonia gemeu sentindo a pica forçar, seu cu foi se abrindo, a pica grossa foi entrando, ela gemia, ele foi botando, Aiii Otto teu pau é grosso demais, ta arrombando meu cu, puta que pariu. Ai dói gostoso. Enfia no meu cu, eu quero sofrer na tua pica, mete tudo. Sonia pediu completamente fora de si. Otto foi metendo, a pica foi entrando, ele foi forçando, Sonia chorou quando ele cravou tudo no cu. Ela ficou gemendo e chorando, Darlene acariciou os cabelos dela, ta sentindo o tamanho da pica, ele ta botando tudo, nesse rabão, eu agüento isso tudo no cu desde que casei com ele.

Otto botava tudo no rabão da minha esposa. Sonia foi ficando histérica, chorava dando a bunda para ele, ai Otto, soca com força, me fode, que pau grosso, você ta me deixando larga, eu quero tudo no cu, soca no meu cu com força. Aaaiii come minha bunda, aaiiii mete tudo. Eu olhava completamente doido, vendo minha esposa deitada com o rabão pra cima com a pica grossa toda enterrada no cu, dava pra ver o cabo grosso da pica cravado e o cu se contraindo, apertando o cacetão grosso.

Otto continuou metendo, fudendo o rabão da minha esposa, ela gozou chorando com o pau todo no cu. Otto continuou metendo, socando a vara grossa no rabão dela. Sonia pedia pica, ele castigava o rabão metendo sem pena. Sonia gozou novamente, Otto continuou comendo, seus gemidos foram ficando mais descontrolados e ele gozou com o pau enterrado no bundão da minha esposa, seu corpo desabou sobre o dela, ficaram grudados, ele saiu de cima dela, Sonia gemeu quando ele tirou o pau, o cu estava aberto, o leite grosso dele, escorreu deixando a boceta melada.

Naquela noite nos continuamos metendo e fomos dormir muito tarde, acordamos passava do meio dia. Eles foram embora no meio da tarde e eu e Sonia voltamos para casa, afinal segunda feira é dia de trabalho.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.