"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Fiquei louco na sua mulher, vou comê-la


autor: Chronos
publicado em: 24/09/16
categoria: hetero
leituras: 3850
ver notas


Como o próprio título já diz, essa frase ficou ecoando na minha cabeça até o fim do dia. Quem leu o conto anterior a este, sabe perfeitamente o que estou falando.

Brendah ficou me encarnando até a hora de eu ir pra casa. Eu procurei não levar na ofensa. Mas a sensação é diferente, alguém dizer na sua cara que vai comer sua mina. Tudo bem, é minha prima loucona, mas é minha mina. E ela tava reagindo super natural com tudo isso.

Brendah: Ai gostoso, não fica com essa cara, não! Pensa pelo lado bom: Você vai comer a Venere de novo! Imagina pra mim ter sabido que essa piranha de carpete ainda é louca em você!? Eu vi o teor da conversa entre vocês dois lá na empresa, tá lembrado!?

Eu: É...você tem razão! Eu fiz você esperar um tempo, e não foi legal pra você! Me perdoa, amor!

Brendah: Olha pra mim, Renato: Não mudou nada o que tenho aqui dentro! Nada! Você é meu amor, sempre vai ser! Mas eu não quero colocar também sua estabilidade lá em risco. Tá arrependido de eu ter arrumado estágio lá!?

Eu: Olha, eu vou me acostumar com essa idéia, B. Mas até lá, não vamos mais tocar nesse assunto, não! Por ora, ok!?

Mas no fundo, pensar sobre isso era algo que me dava um tesão louco. Pela primeira vez, amigos, eu tenho que dividir minha mulher, e ainda mais: Com um cara que é mais filho da puta que eu! Mas já que estou na chuva, né...

Procurei esquecer aqueles pensamentos, mas quando eu beijava Brendah, eu podia ver minha namorada indo às nuvens com o cara que foi meu corno de fé por meses. Edu é um cara tão louco e desprendido assim, cara!? Não podia crer nisso. Isso me gerava mais voracidade no beijo, e Brendah tava gostando.

Brendah: Amor, pára, rs. Tá querendo foder agora? Se continuar me beijando desse jeito eu vou animar, hein!

Eu: Foda-se! Qualquer hora é hora!

Brendah: É!? Meu ciumento mais gostoso do mundo, então fode sua preta, fode! Pra você eu dou tudo com gosto!

Brendah fechou a porta do seu quarto e nos atracamos violentamente na sua cama de solteiro. Brendah subiu por cima de mim e esfregou sua buceta ainda coberta pela calcinha em cima do meu pau e aumentou a intensidade do seu beijo, em resposta a agressividade com que eu caçava sua língua. Era inevitável imaginar naquela hora sua língua passeando no pau do Edu. Aquilo me deixava mais louco ainda para beija-la.

Brendah: Porra, que beijo é esse, Re! To toda molhada pensando em como você vai me foder hoje, que delícia!

Eu: Cala a boca, sua puta!

Brendah: Uau, caralho! Esse é meu macho! Maltrata essa louca, vai!

Eu a agarrava pela nuca, puxando-lhe pelos cabelos e quanto mais eu me adonava de seu corpo, mais entregue ela ficava. Brendah gemia alto e aquilo me deixava louco em marcar o seu corpo com minha essência. Eu não sentia mais ciúme a ponto de me gerar raiva. Eu sentia ciúme misturado com tesão. E aquilo me deixava ainda mais louco. Brendah nem quis ajuda pra tirar a roupa, ela mesma foi arrancando tudo sozinha, quando seus seios arrepiados e durinhos ficaram à mostra, eu os abocanhei com força.

Brendah arfou extasiada e direcionava minha a boca a seu bel-prazer no mamilo que ela queria. Suguei, mordi, lambi como um bicho, simplesmente, porque tudo que vinha na minha cabeça era o Edu totalmente enlouquecido fazendo isso com minha namorada.

Minha priminha desabotoou toda minha camisa numa velocidade incrível. Jogou em cima da escrivaninha e não perdeu tempo em tirar meu conto e minha calça, já mordendo meu pau por cima da cueca que estava usando. Pra ela pegar fogo, meia carícia basta. E ai de mim se não der conta!

Quando finalmente se livrou da minha última peça que cobria minha masculinidade( vou falar bonito agora, pois eu uso gíria pra caralho escrevendo), fechei meus olhos, e vi Brendah pegando o corpo franzino do Edu, abrindo-lhe as pernas, encaixando-se no meio dele e lambendo-lhe as bolas, batendo uma punheta deliciosa e metendo o dedão dela no cu do meu mentor. A minha mente tava mais foda que eu nessa feita, pessoal. Meu cérebro, aliado a testosterona, tava me corneando mais que a Brendah, puta que pariu!

Brendah chupou meu caralho me levando as nuvens, tudo tava mais intenso, aí então eu pedi para ela me sodomizar. Minha prima deu uma risada, disse que ainda não tava acostumada com essa idéia, mas obedeceu. Deu uma cuspida nos seus dedos e começou a pincelar a porta do meu rabo, não deixando de me punhetar, muito menos de lamber-me as bolas. Quando ela enfiou tudo, pôde então entender porque eu gostava.

Ao ver me excitando cada vez mais e sentindo o pau ainda mais duro em sua mão, aumentou a força das estocadas com os dedos e me levou próximo de um orgasmo ao qual nunca havia experimentado com ela.

Eu: Isso, vadia, me come mais, vai!

Brendah: Kkkkkkk, que estranho ouvir isso de você, meu titã! Tá gostando do seu amorzinho te fuder, tá!? Toma, seu vadio, agora sou dona absoluta tua! Seu pau ta duro igual a uma pedra!

Eu: Isso, me fode, vai! Essa pedra vai abrir você inteira depois!

Brendah: É, meu macho! Toma mais, então!

Sincronizou alucinantemente a punheta com a estocada. Tava muito gostoso, serio mesmo. Perguntei-lhe onde estava seu strap-on, aquela cinta erótica com o consolo junto. Ela foi pegar. Passou o gel em volta do pênis de brinquedo e lentamente introduziu em mim. Meteu devagarinho, com medo de me machucar. Mas eu fui encorajando ela, e ela foi metendo mais rápido, mais forte, do jeitinho que eu gosto.

Brendah: Ai, Re, tão estranho te comer, rsrs! Tô me sentindo uma lésbica!

Eu: Pensa então que eu tô comendo a Venere e fazendo ela gemer como uma cadela agora!

Brendah fechou os olhos e começou a xingar a Venere, e nisso ela me comeu com mais vontade ainda. Mandou-me virar de bruços e estocou com mais vontade.

Brendah: Agora eu vou abrir esse seu cu do mesmo jeito que você me fez, seu puto!- Aumentou as estocadas e deu vários tapas na minha bunda.

O tesão tomou todo o meu corpo, meu orgasmo tava se aproximando. Brendah agarrou-me pela cintura e meteu mais rápido ainda. Quando senti meu orgasmo chegando, pedi para me virar e ela então, ao tirar seu brinquedinho de mim, posicionou-se de boquinha aberta pra receber meu leitinho em sua boca. Peguei-a pelos cabelos e a trouxe na minha pica. Leitinho saiu grosso, quente, e abundante na boca da minha putinha.

Brendah: Nossa, Renato, que delícia! Saiu mais consistente, mais quentinho! Uau! Kkkkkkk, ainda tem pique?

Eu: Você tá de chicana comigo, né!? Rs, logico que eu tenho.

Ela deitou-se por cima de mim e ficou me beijando, trocando saliva misturada com porra comigo até meu pau reagir de novo. Quando ele ficou no ponto, montou em cima de mim e começou a cavalgar de um jeito tão sensual que ele ficou mais duro dentro dela. Contraindo sua buceta, Brendah espremeu a cabeça do meu pau dentro dela e começou a gemer alto. Aí a gente ouve um toc-toc na porta.

Simone: Gente, que putaria é essa aí! Brendah, abaixa o som desses gritos, que eu vou entrar nessa brincadeira, hein! Kkkkkkkk

Brendah ficou puta de ciúme, mas eu a fiz lembrar do meu ciúme.

Brendah: Se eu um dia souber que ela se engraçou pra cima de você, eu mato ela e te quebro inteiro! Essa pica é só minha, você ouviu! Seu lésbico, kkkkkkk!

Eu: Anda, porra, cavalga no meu pau e esquece tua irmã, eu peguei a mais gostosa da família, que é você!?

Brendah: Jura, amorzinho!? Só eu que sou tua fêmea, é!?

Eu: A única! A mais gostosa, deliciosa que eu já comi na vida!

Brendah: Então me dá essa pica, dá, gostoso...aaaiiiiieeeeen! Mete gostoso na tua prima comedora, sou tua fêmea, caralho! Isso(aumentei a pressão das estocadas nela), isso gostoso! Ele tá duro do jeito que essa buceta gosta, acaba com ela! Aaaah! Aaaaiiii! Fode, porra! METE, FILHO DA PUTA!

Brendah rompeu num orgasmo, que porra: O cheiro da buceta dela invadiu minhas narinas. Enternecedora, totalmente desejável! Desabou em cima de mim num beijo profundo, demorado, e deitou-se ofegante do meu lado e ficou de bruços pra receber varada no seu rabinho. Empinei o quadril dela e lancei um beijo grego junto com seu próprio mel que eu sorvia da sua xana. Implorou com delicadeza pra eu foder logo seu cuzinho.

Brendah: Sacia sua putinha, sacia, meu tesão! Rega com leitinho quentinho, rega! Hoje você tá caprichando, maravilhoso!

Eu: Quem é teu macho, porra?

Brendah: É só você! Mete nesse cuzinho mete, quero dormir ardida com essa surra hoje, vai!

Meti com muita vontade, meu amigo. Brendah mordeu a fronha, o colchão, tudo que tinha pra conter a dor misturada com tesão que meu pau mais duro que o normal aplicava com violência dentro dela.

Brendah xingava e se tocava e rebolava sem nenhum pudor. Gozou mais uma vez e desabou com o quadril na cama, espremendo ainda mais meu pau dentro do seu ânus.

Dessa vez o orgasmo meu chegou com menos força, pois o primeiro ela bebeu tudinho. Mas recebeu leitinho no rego e desmaiou de sono uns 10 minutos depois. Tava exausta. Trocamos muitos beijos e por fim, cobri-lhe com seu cobertor e fui tomar um banho. Estávamos na casa dela. Ao sair do banheiro, enrolado na toalha, dou de cara com quem!? Simone. Tia Sil!? Tava no seu décimo sono, dorme cedo porque levanta cedo para agitar as coisas na pensão dela.

Simone: Sabe que fiquei louquinha com a foda de vocês!? Me deu um calorzinho por dentro dessa danada, aqui- conduziu meus olhos pelo seu corpo com seu dedo até chegar em sua bucetinha.

Eu: Si, não inventa, cara! Eu to namorando sua irmã! Porra, tu é linda, pode arrumar qualquer um pra tu saciar essa vontade! Por que tem que ser comigo!?

Simone: Porque desde aquele beijão que você me deu eu não consigo parar de pensar no resto que você pode fazer! Acha que o resto das primas não fala de você, Renato!? Todas te acham um gato, e eu me arriscaria sim, ser morta de porrada só pra te provar, ainda que seja uma vezinha, só! Lindo! Quem mandou mexer comigo!?

Simone. Uma pretinha de cabelos cacheados, bem escuros, 1,80m , alta também, mas nem tanto como a irmã, seios grandes, menos bunda que a Brendah, mas deliciosa do mesmo jeito, pois toda a família que tenho é linda.

Eu: Brenda...ops! Simone, rs! Pára, cara! Relaxa essa pepeca aí, para com esse fogo!- falei sussurrando pra não dar pinta pra ninguém.

Simone: Só um pouquinho, vai! Tua priminha aqui tá carente!

Era só o que me faltava pro início do meu namoro acabar pegando fogo de vez! Porra, eu queria sossegar com a Brendah, Edu quer comer ela! Quando penso que acabou, tem como ficar pior! Murphy estava certo!

O velho dragão negro rugiu aqui dentro. Simone olhava pra baixo e pra meus olhos e se animava com o sinal do meu corpo. Sabe como ela estava!? Baby doll verde musgo, sem uma calcinha por baixo! Como sabia!? Rs😈, minha mão já tava lá, kkkkkkkk!

Olhei pro quarto fechado onde Brendah dormia profundamente, já, e olhei pra Simone.

Simone: Se animou, né! Esse vai ser seu ultimo teste pra ver se tá aprovado mesmo! Priminho...

Entramos no quarto dela, fechamos furtivamente a porta e Simone logo arrancou aquela toalha de mim, e contemplou embasbacada o tamanho da minha rola.

Simone: Nossa, eu sabia! Não é grande, mas é linda- começou a punhetar devagar. Ela começou a inchar endurecer alucinante na sua mão. Logo fiquei aceso de novo! Lasquei-lhe um beijo ainda mais caprichado que o primeiro que ela ganhou no dia que oficializei o namoro com Brendah. Simone respondeu com a mesma avidez. Sua boca tinha menos carne, mas a língua era mais sapeca. Levei a mão por baixo do seu pijama e comecei a boliná-la. Simone mal agüentou e começou a gemer, eu mandei que gemesse baixinho. Ela obedeceu!

Quando dei por mim, já tinha tirado o baby doll dela de baixo para cima. Pela primeira vez vi o corpo mais enxutinho e delgado da minha priminha admiradora secreta! Abocanhei seus seios e mamei desesperadamente , um misto de tesão e medo de alguém nos ver. Simone arfava e não resistia ficar sem fazer nada. Masturbava-me com rapidez.

Eu: Simone, você é virgem!?- dei um estalo e me perguntei na hora. Houve um silêncio. Ela somente olhava pra mim e não respondia nada.

Eu: Simone, eu só te fiz uma pergunta!

Simone: Não. Eu perdi com um garoto que eu tava saindo.

Eu: Menos mal- continuei a bolinar os seios da minha tarada secreta.

Sentei-a na beira da cama, e mandei que me chupasse. Simone não era nenhuma bocó! Quem te viu, quem te vê, prima putinha! Segurei-a pelos cachos e soquei aquela boquinha atrevida que jogava meu pau de um lado pra outro com sua língua, que por sinal era grande e grossa. Caralho, onde que eu iria imaginar comendo duas primas na minha vida! Eu não presto mesmo!

Deitei-a de barriga pra cima e abri suas pernas, e sua buceta com poucos pêlos já destilava seu prazer incontido. Castiguei-a num boquete alucinante. Como Simone é gostosa, cara! Ela metia na linha boca como se tivesse uma piroca fodendo ela. Invadi com minha língua naquela buceta carnuda e bebi todo o melzinho dela.

Simone: Re, que boquete é esse, caralho! Por isso que minha irmã pira em você, gostoso! Nossa, chupa mais!

Chupei um bom tempo. Então, ela me pediu para fodê-la. Deu-me uma camisinha, ajudou-me a colocar na pica e deitamos num papai e mamãe delicioso. Simone me beijava ensandecida, extasiada com as estocadas que eu dava forte dentro dela. Foi gostoso. Ela não sabia muito como a Brendah, mas era,altamente sedutora.

Simone: Vai ser um segredinho somente nosso, tá!? Priminho gostoso, te prometo não contar pra ninguém, nem pra minha melhor amiga! Delícia, você me preenche toda! Tenho inveja da Brendah. Totalmente. Isso, fode mais fundo, fode, tesão! Aaaaaaah, vou gozar de novo! Tô goza....aaaaaandooooo!

Gozei logo depois. Dei um beijo nela e saí enrolado na toalha de novo. Ainda bem que ninguém viu! Simone escondeu a camisinha na mochila e foi dormir feliz da vida.

Eu? Fui tomar outro banho! De repente, alguém bateu na porta.

Brendah: Renato, é você que tá aí!?

Eu: É, amor! Tô tomando banho!

Brendah: Ah, tá, senti sua falta na cama! Deixa eu entrar, quero fazer xixi!

Entrou só de calcinha no banheiro. Urinou e veio logo pra onde!? Tomar banho comigo! Kkkkkk.

Gente, esse dia foi totalmente anormal pra mim.

Bem, pessoal. Dormi estourado, sem um pingo de leite no saco, e acordei um bagaço total. Cheguei ao trabalho sem um pingo de vontade de fazer porra nenhuma. Edu olhou pra minha cara já inquirindo sua resposta.

Eu: Marca um almoço, que a Venere pediu, e próximo feriadão que tiver, estamos juntos!

Edu: Aeeee, garoto! E ela aceitou numa boa!?

Eu: Ela te achou um filé! Apesar desse ciúme que senti, estou louco pra ver no que vai dar!

Edu: Prometemos a vocês dois: O melhor feriado das suas vidas! Agora vai tomar um café e ao trabalho! Domingo agora lá em casa, ok!?

Imaginem o que isso vai dar!






ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.