"Os mais excitantes contos eróticos"

 

O primeiro anal (da semana)


autor: boavida
publicado em: 26/09/16
categoria: hetero
leituras: 3188
ver notas


Acordei cedo e dormias de barriga colada nos lençóis e com a cabeça pousada sobre os braços. Mais uma noite de calor e podia ver a tua pele, cada curva do teu corpo, com a primeira luz do sol que se anunciava. Passeei as minhas mãos pelas tuas costas, parei nas curvas do seio que apareciam sob o teu corpo, e também na tua bunda muito disponível. Dobraste uma perna, deixando o interior das coxas muito mais próximo para os meus dedos. Fui.

Ainda aproximei os meus lábios dos teus ombros mas receei acordar-te. Voltei com a mão para as tuas nádegas. O meu sexo estava a adorar, o meu coração começava a bater como se eu estivesse a correr junto do mar. Tu, imóvel, mas quente. Quase garanto que te fazias de bela adormecida esperando a chegada do príncipe.

Sempre que brinco com a tua bunda, passo a outra mão por baixo do teu corpo para acariciar a tua bucetinha rapada, como tanto gostamos. Decido molhar dois dedos na minha boca e ver se continuavas a representar. Vou direto para o teu cuzinho e enfio os dois dedos desconhecendo a tua reação. Brinco um pouco com o anelzinho e vou enfiando. Tu, pedra, e a minha outra mão segura a minha cabeça. Hoje tínhamos somente anal.

Quando os meus dedos estavam completamente perdidos no teu corpo, começo a retirar, muito lentamente, e, chegado a meio, volto a entrar. Sempre muito lentamente repito esse movimento dos dedos. A tua respiração já não era de quem dormia! Atiro um “Gostas!” muito silencioso, e a resposta foi um “Adoro!...” muito prazeroso. Levantas-te e ficas de quatro. Chego o meu corpo ligeiramente para mais perto do teu para continuar a mexer-te, sem te magoar. Vejo os teus seios pendurados e a tua boca ligeiramente aberta, aparecendo a língua, a espaços, a molhar os teus lábios que me pareciam mais carnudos e vermelhos.

Por certo eu estava a fazer movimentos muito lentos, pois começaste a rebolar o teu corpo nos meus dedos, parei com medo de sair de ti. Num movimento só, fiquei de joelhos a ver o teu ir e vir, eras dançarina, deixando ver os meus dedos e também os fazendo desaparecer em ti. Suspiraste e deixaste cair o corpo na cama. Rodaste a cabeça procurando os meus olhos e disseste que querias mais, que te enchesse! Surpreso, via a tua boca aproximar-se do meu sexo, largaste-o quando estava bem brilhante da tua saliva.

Pus um pé no chão e com o outro em cima da cama, puxei a tua bunda para ficares novamente de quatro, deixando a minha perna encostada ao teu corpo. Conduzi o meu pau para o teu cuzinho, forcei e entrei, bem devagar. Com a mão direita segurava a tua anca e com a esquerda puxei o teu cabelo. Quando o meu corpo bateu na tua bunda, comecei a sair. Repeti este movimento várias vezes, até perguntar “rebolas?” e fiquei bem quieto esperando os teus movimentos. Indescritível! Ao fim de uns minutos, cinco? dez? uma eternidade? comecei a sentir as minhas pernas a tremer, sensação que se propagou não só por todo o meu corpo mas tu também tremias. Seria a casa? Todo o mundo a tremer? Ou simplesmente nós? Tudo acabou com o meu corpo sobre o teu, exaustos e deitados na cama. Já ia alto o sol e falamos da semana que começava.

(Este texto é dedicado a ti! Muito obrigado pela leitura. Beijos e abraços.)




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.