"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Sua mulher é nossa, e somos teus 01


autor: Chronos
publicado em: 01/10/16
categoria: grupal
leituras: 8803
ver notas


Finalmente chegou o dia, meus amigos, de irmos à casa de Venere! Um sábado inteiro se passou , e confesso a vocês que a ansiedade tomou conta do meu interior mais até que da Brendah. Sabe aquela véspera que leva uma eternidade para passar!? Assim era o meu sábado, rs.

E o papo de Venere ficou latente na minha cabeça todo o tempo:" Renato, eu preciso de você! Meu casamento está se esfriando...". Fiquei a pensar: Como uma mulher espetacular daquela pode estar com o casamento esfriando!? Juro para vocês que pensava que viver ao lado dessa mulher fosse uma aventura sem fim! Venere me ensinou muita coisa na área sexual. Muita coisa mesmo. Se tem uma coisa que devo a ela, além da amizade, é isso. E sim, tínhamos química.

Conversando com Brendah, revelei a ela o teor da conversa entre mim e Venere. Brendah, do jeito que é maluca, deu muita risada, nesse ponto ela pior que eu na putaria, vai tomar nesse cú!

Brendah: Renato, por isso essa perua gostou de você: Fez mais presença que o marido dela na hora H, pow! Kkkkkkkkkkkk! Só tem uma coisa que vou te dizer: Ela até pode brincar contigo...ser tua dona, NUNCA! Só passando por cima do meu cadáver, benzinho, sou nova e me garanto muito!

Eu: Cara, eu não sei como funciona um casamento, sabe! A gente não pode julgar as pessoas, porque só elas sabem o que estão passando! Edu nunca foi um cara de se jogar fora. Falta de fogo para atirar não é o problema. Acho que quando se tem muito, e não passa disso, a existência fica... Sei lá, vazia! Ambos tem dinheiro, ela não depende dele e vice-versa! Imagina se a gente passar isso um dia!? A gente nunca sabe!

Brendah: Amor, tudo o que eu sei é que você é tudo o que sempre quis! A gente se ama, não é perfeito, tem hora que me dá nos nervos com essa porra de celular no fim do dia que se bobear rouba minha atenção, mas não pense que a gente vai terminar do jeito deles! Sou louca por você, viu!?( deu um beijo bem gostoso)

Eu: Também sou louco por você, B. Mas temos uma semana apenas de namoro. A gente tem que valer a pena todo dia. Eu já namorei dois anos e sei muito bem que eu me enjôo de algumas coisas que não tem como consertar depois que esfrio.

Brendah: Você acha que sou como a Lívia!? Que vou ficar pegando no seu pé a ponto de...

Eu: Longe de ser como ela! Não grila com isso, rs. O problema ali foi outro. Ela não entendeu que o meu sacrifício era para dar o melhor a ela, agia toda mimada comigo, não precisava trabalhar por causa do pai que tem grana, né! Então essas briguinhas que foram me estressando! Venere esperou só a hora certa pra me fisgar. Também quando me fisgou, fisgou bonito( veja em O JOGO DE VENERE)

A bem da verdade, o casamento de Venere já tava ruim desde aquela época. Capacidade para viver sozinha ela tem, mas acho que o comodismo é tão grande, que prefere continuar do jeito que está. Vai se entender!

Bom, enquanto estávamos nessa confabulação, Brendah já tinha colocado tudo dentro da bolsa. Perguntei se a gente ia morar lá, com tanta coisa que ia levar. Ela riu e disse que o volume maior era do brinquedinho que eu havia dado a ela.

Brendah: Sabe de uma coisa, Re? Se é pra brincar igual gente grande, vou levar o meu! Essa mulher quer pica, não quer!? Vai ser comida por duas!

E ela diz que eu sou pior, puta que pariu, kkkkkkkk. Sem mais detalhes, #partiuvenere!

Quando chegamos lá, era por volta de umas dez e meia, a comida dela tava era cheirando longe e gostoso. Fomos recebidos calorosamente pelo Edu que não fez cerimônia nenhuma: Abraçou-me como se eu fosse um amigo muito chegado, e trocou beijos com a Brendah bem pertinho da boca. Entramos com Brendah no meio de nós, e ele em momento algum disfarçou seu tesao pela minha pérola negra. A frente da casa dele tinha um jardim pequeno, e a garagem na verdade era uma varanda que dava para os fundos, onde tinha piscina, churrasqueira, e uma escada que dava para o enorme terraço dele, sem contar que era cercada por muros bem altos.

Agora se Edu não fez cerimônia, imagine aquela vadia romana. Fez uma festa quando me viu, e não economizou olhares já libidinosos para Brendah, que reconheceu o quanto Venere é linda.

Brendah: Finalmente eu pude conhecer a famosa VENERE! Meu primo(ops!) namorado ne falou muito de você - trocou beijos calorosos com V.

Venere: A honra e o tesão é todo meu, kkkkkkkk! Vocês formam um lindo casal. E você, Brendah, desculpe ser sincera, mas é tão gostosa que nem a foto que ele me mostrou descreve sua beleza! Uau, menina, essa família de vocês é muito deliciosa. Tá animada pra hoje!?

Brendah: Tô, rs! E você, cachorra?

Eu: Brendah! Que isso, cara!?

Edu: Relax, parceiro, relax! Ela já tá no clima! Kkkkkkkkkkk

Venere: Sabe que adoro ser xingada!? Pelo visto, você não é nem um pouco tímida na cama!

Brendah: Pra estar do lado dele, ou você é dona do pedaço ou você perde pra concorrência. Nem posso ser tímida. Agora, ele não exagerou quando disse que você é uma gata! Por isso que sofri tanto para fisgar ele de vez!

Eu: Brendah, não me mata de vergonha, cara!

Venere: Calma, gatão, rs! Na verdade, eu tô amando conhecer sua prima. Isso pra não dizer que já to louca pra provar ela também!

Eu: Que!?

Brendah só fazia dar risadas. Não se intimidava com porra nenhuma, era despojada, marrenta, tava doida pra mostrar ao que tinha vindo, e não se importaria que o horário fosse naquele exato momento!

Brendah: Afinal de contas, quem me quer aqui!? Ele ou você!?

Venere: Brendah, hoje você é nossa! E nós somos todos seus! Não sei se vou dar conta de dois titãs, rs, mas prometo que uma vez que provar de mim, vai ficar viciada que nem ele!- segurou na mão de Brendah, mas a altura não dava pra beijar. Brendah não se fez de rogada e e deu a ela o que ela queria. O beijo das duas acendeu meu fogo na hora. Cara, eu não tava acreditando naquilo. Edu chegou junto e roubou os lábios dela da esposa. Venere perguntou o que eu tava fazendo ali, embasbacado com a cena.

Venere: Ela já tá no clima, lindão! E você!? Perdeu o caminho de casa? Quer que eu te ensine de novo como se faz? Eu vou aí, então!( veio pra perto de mim, me abraçou pela cintura, sentindo o volume do meu pau no ventre) Estava com muita saudade de você! Obrigado por ter vindo , meu putinho delicioso!- e me beijou demoradamente.

Venere: Renato, sei que nunca esteve numa situação dessas, só pela tua cara posso ver isso. Não nega seu lado nerd, rs. Mas eu e Edu estamos nessa estrada há muitos anos. Ele é maravilhoso e nunca foi um mau marido, mas quando se atinge um tempo juntos, e ainda mais nós que não temos filhos, é assim! Eu não pude ter filhos, tenho somente a ele como companhia. Então às vezes nossa existência fica...sem sal, sabe, rs!( mas seus olhos se encheram d'água). Desde que você entrou na nossa vida, a empolgação dele no trabalho só tem aumentado, não sei o que ele viu em você, mas eu também não sei explicar porque você mexe tanto comigo. Poderia ser o filho que eu não tive, tenho idade pra ser sua mãe, mas eu não quero que se afaste de mim. Eu amo você! E torço pra que você e Brendah sejam felizes e não passem nunca por isso.

Pela primeira vez eu vi sinceridade nos olhos e na fala dela. Edu sacou a rolha de um vinho da safra de 1980 e brindamos juntos aquela tarde. Quando o almoço ficou pronto, perguntou se queríamos alguma coisa, nós ainda não estávamos famintos, então propus que fôssemos para a piscina. Venere não se fez anfitriã comportadinha: Pulou na água sem um tecido sequer! Brendah olhou pra minha cara e disse:

Brendah: Caralho, Renato, essa é mais piroca que eu e você juntos, puta que parola, kkkkkkk!

Eu: Quer arregar!?

Brendah: Nada! O pior é que gostei dela, temos muita coisa em comum pelo visto. E o Edu tá sendo um amor com a gente.

Brendah não é nem um pouco recatada, tirou tudo. Eu, pessoal, por mais incrível que possa parecer, fiquei com ciúme de ver ela nua. Quando Edu viu, ficou louco. Venere nem se fala. Ela que tava mais animada de nós 4!

Edu: Ô Renato, tô sentindo você meio acanhado! Tá precisando de um empurrãozinho!?- abraçou-me de lado. Eu ainda tava de cueca.- tira essa porra de cueca, tá com medo do que?

Eu tirei minha cueca. Só que eu não esperava de ele me pegar subitamente enfiando o dedo no meu cu e me jogar pra dentro da piscina. Caí de barriga, levantando água pra tudo quanto era lado. Venere rachava de rir da minha cara.

Eles já estavam no clima, Brendah também, eu que tava me fazendo de santinho, né!? Pedi o vinho pro Edu, ele trouxe as taças para a beira da piscina com o balde de gelo, enchi a danada e virei tudo de uma vez! Mandei a timidez pra puta que pariu! Finalmente foi a vez do Edu tirar a roupa e pular do jeito babaca dele, de barriga.

Passamos um bom tempo juntos trocando idéias sobre vários assuntos, mas Venere tava coladinha entre Brendah e eu. Queria sentir o calor dos dois no corpo dela. Esse quatrilho nu tava da porra. À medida que os goles foram sendo consumidos, todo mundo tava já eufórico, cheio de tesão e começamos a trocar confidências. Edu e Venere nos contaram suas experiências em várias casas de swing e como se divertiam principalmente com casais mais velhos.

Edu: Normalmente os casais novos são mais tímidos. Tipo você, com aquela cara de babaca que tu me fez na empresa- todo mundo riu- os mais velhos sabem o que querem de fato: Não tem muitos princípios para se prenderem, muitas vezes o casamento deles depende disso para continuar a funcionar. São pessoas que se amam!? Sim. E vou dizer uma coisa: Acho melhor viver assim do que ficar de casinho. Isso sim, realmente magoa.

Eu: Mas sempre tem um que se solta mais, né!

Edu: Cara, pode ser. Não é que um se solte mais. Tem um que é mais ativo, mas o outro por ser mais quietinho está participando também. Isso é relativo. Às vezes quem observa de fora sente muito mais tesão.

BRENDAH: Tipo você!? Porque olha, Venere consegue ser mais doida que eu e Renato juntos! Kkkkkkkkk!

Edu: Venere sempre foi loucona desde nova. Mas eu gosto dela assim mesmo. Foi o que me conquistou.

Venere: E esse jeitinho dele, mais quietinho, foi o que me fez gostar dele. Quando eu olho pra você, Renato, vejo o Edu novinho. Não na aparência, mas no jeito pacato de ser. Aparentemente paradão, desinteressado.

Brendah: Juro pra vocês que foi isso que me fez ficar apaixonada por ele. Ele sempre foi assim, a fogosa era eu!

Venere: Isso dá pra ver nos seus olhos, gostosa! E pra ser sincera, não sei qual de nós dois quer te comer mais: Se sou eu ou meu maridinho!

Eu acho que era a Venere. E vocês!? Bom, enquanto isso, deixei-as e troquei uma idéia com Edu sobre o trabalho. Aí do nada ele disse:

Edu: Eu tenho uma responsabilidade a mais pra você!

Eu: Outro projeto!?

Edu: Não ! É algo que envolverá mais a Brendah também. Eu já estou com os documentos e tudo certinho, segunda-feira eu te passo tudo!

Eu: Mas o que é!? Rs, porque esse suspense todo!?

Edu: Porque é uma responsabilidade corporativa, entendeu!? Mas vamos curtir o momento.

Quando voltamos, Venere já tava coladinha no corpo da minha namorada, visivelmente excitada e louca pra foder. Brendah parecia hipnotizada com a sedução da minha...ah, foda-se! Da minha deusa romana. Venere admirava os enormes seios de Brendah, até que resolveu abocanhar um deles. Eu fiquei louco com aquilo. Deu uma vontade de entrar na brincadeira e foi isso que fiz! Agarrei Venere por trás a abusei dos beijos, chupões e mordidas no seu pescoço. Brendah respondeu com um beijo despudorado em Venere. Abriu mais suas pernas para ficar numa altura equiparada à nossa anfitriã e invadiu os seios dela com a boca, também. Edu estava ensandecido, tocando uma embaixo d'água, mas chegou juntinho também. Trocaram salivas os três, enquanto Venere já era invadida por mim embaixo: Abri seus glúteos e comecei a estocar na sua buceta que já estava molhada.

Venere rebolou na minha pica enquanto gemia na boca dos dois, Edu e Brendah. Edu também ficou atrás da minha prima e começou a boliná-la masturbando sua xota com a mão e roçando com a pica na bunda dela. Por uns momentos, eu arrastei Venere comigo pra outra borda da piscina e abraçada comigo por trás, rebolava no meu caralho xingando , totalmente extasiada.

Venere: Porra, vocês estão me enlouquecendo! Não sabia quem eu queria comer primeiro, ou se queria ser comida! Vai, gostoso, mete nessa buceta, mete! Olha como meu maridinho tá perdido naquela deusa de ébano, olha! Olha como essa preta deliciosa ta sendo fodida por ele, isso tá me deixando loucaaaaa!

Enquanto comia Venere, Brendah rebolava na pica do Edu, enquanto ele apertava seus seios com as mãos dela por cima das dele. Então ela virou-se de frente pra Edu e afogou-o nos seus mamilos, enquanto tocava uma punheta gostosa nele debaixo d'água.

Venere: Viu, meu lindo, olha como ela tá te corneando com meu maridinho! Essa garota me deixa louca!

Aquilo mexia comigo também, embora eu não admitisse tanto, mas o tesão era tão manifesto que a força com que eu estocava na xana de Venere ia gradativamente aumentando com a visão que me enfurecia e ao mesmo tempo me deixava mais enternecido!

Venere: Isso, Renato, fode, caralho! Eu tava com uma louca saudade dessa sua pica!

Venere jogou seu pescoço para trás. Com a bunda arrebitada pra mim embaixo d'água, e eu com as pernas bem afastadas para aninhar seu corpo no meu, tirei meu pau de sua bucetinha surrada e encaixei dentro do seu cú.

Enquanto isso, Edu estava na borda da piscina, sentado, recebendo uma mamada deliciosa da Brendinhah. Engolia tudinho, deixando somente as bolas dele de fora. Subiu também, na borda da piscina, deitando-o sobre os ladrilhos, e encaixou-se com sua buceta na boca dele, sentada. Rebolou gostoso, visivelmente alucinada com o boquete que ele tava fazendo, penetrando-a com sua língua.

Brendah: Ai, que delícia de língua! Isso, gatinho, me chupa mais, chupa, tô quase indo! Aieeeeee! Porra, que gostoso!

E não demorou muito para Brendah destilar melzinho na boca de seu anfitrião. Quanto a nós aqui, Venere rebolava sem dó do seu rabinho encapando e mastigando meu pau. Enquanto era enrabada por trás, eu tocava uma siririca gostosa com minhas mãos nela, brincando com seu grelinho inchado. Gozou deliciosamente na minha mão!

Envolveu meu pescoço com seu braço e luxou-me para um beijo apaixonado. Sim, gente, ela sempre foi apaixonada por mim. Já me fez juras de amor e tudo, vocês viram no conto passado que se eu quisesse, largava o Edu pra ficar comigo. Só não sei se aquilo era sério! Pra vocês era!?

Prefiro deixar sem resposta essa pergunta.

Para não ficar grande demais este conto, vou terminar aqui. Isto não é nem a viagem, hein! Aguardem, pois tem muito mais!





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.