"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Andreia


autor: darkdick
publicado em: 02/10/16
categoria: incesto
leituras: 3787
ver notas


Fica na frente do espelho, olha o corpo, os seios tamanhos médios, os biquinhos róseos ficam duros que nem pedra sob as suas carícias, a bucetinha com alguns pelos, fica com uma mão nos seios e a outra alisa o sexo, até tremor lhe percorrer o corpo solta um gemido de prazer e de bem-estar.

Retira de uma gaveta, um pequeno embrulho, abre-o e pega no que consigo ver ser um pequeno vibrador, volta para defronte do espelho, fica de quatro, passa-o na bucetinha, e começa a enfiar a ponta entre as nádegas, faz um vai-e-vem bem de leve.

Começo sentir um grande prazer em a ver gozar e quando me vê já é tarde, aflita levanta-se e com ar suplicante pede-me: Pelo amor de Deus Marco não digas nada para a mãe.

Por favor, não contes, eu faço qualquer coisa, por favor.

Aproximo-me dela e olho descaradamente o seu corpo desnudo.

És linda, que corpo maravilhoso.

Ainda não refeita, Andreia, tapa os seios com as mãos, esquece a bucetinha, com ar trocista, digo-lhe: Estás a tapar para quê? Eu já vi, agora quero provar.

Andreia desorientada, coloca uma mão sobre a bucetinha e o outro braço pelos seios.

Por favor Marco, somos irmãos..

Deixa-te disso… Puxo-lhe a mão que tapa a xaninha e coloco-a sobre o meu short para sentir o tamanho do meu pênis.

Sente o tamanho do meu pau, é melhor que essa merda de plástico, é todo teu.

Andreia deixa ficar a mão e aperta-me ligeiramente a vara.

Gostas?

É grande e grosso.

Empurra-a para cima da cama, Andreia cai de costas de pernas abertas, solta um gemido de aflição. Marco. Somos irmãos, pensa nisso … por favor…

Deixa-te de tretas, eu sei que dás tudo, e hoje eu quero tudo ou quase tudo. Rápido tira o short, enquanto tira a camisa, olha a xaninha lisinha e sente um tesão desmedido, assim aberta é uma oferta ao seu pau endurecido, após ficar nú baixa-se, segura as pernas com as mãos e cai de boca na bucetinha melada, passa a língua de baixo pra cima, enfia a língua dentro, quando sente Andreia a contorcer-se de prazer, chupa o grelinho, até que a jovem solta um profundo gemido de prazer ao atingir o climax do orgasmo.

Quase a não deixa recompor-se, puxa-a até ficar sentada com as pernas fora da cama.

Vai mama agora putinha , vai chupa, chupa. Arregaça a cabeça do pau, segura-lhe cabeça e mete da boca dela.

Com as mãos em cada lado da cara, ele faz deslizar a vara dentro da boca da irmã, primeiro pequenos movimentos de vaivém depois aumenta o ritmo, até entrar fundo na garganta, engasgada, tenta tirar o pau da boca, mas ele segura a cabeça com firmeza, e continua como se estivesse copulando, ela não consegue engolir toda a saliva que se forma na sua boca e deixa-a escorrer pelos cantos da boca.

Chupa tudo, não deixes nada, engole tudo, vamos.

Com um urro de gozo atinge o clímax e esporra-se na boquinha dela, atrapalhada ela engole as golfadas de sémen e deixa escorrer o que não consegue.

Quero meu pau limpo, lambe, Andreia passa a língua em toda a extensão do membro até que não resta nenhum vestígio.

Foi bommmmm diz prolongando o som.

Por agora é tudo, mas quero tudo de ti, fica tudo em família diz a rir.

Andreia esconde o rosto com as mãos e soluça.

Deixa-te disso é melhor ser eu do que andares a dar feito puta.

Sai do quarto, fechando a porta atrás de si.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.