"Os mais excitantes contos eróticos"

 

21 - Dívida paga com sexo


autor: bernardo
publicado em: 04/10/16
categoria: hetero
leituras: 6004
ver notas


A vida é uma coisa muito engraçada e está sempre propondo novas experiências. Com o Júlio, um cara de 40 anos, empresário na área de construção civil, não foi diferente. Transitando ainda cedo, pelas ruas do condomínio onde morava, ao fazer uma curva para a direita, percebeu um carro desgovernado vindo em sua direção. Tudo foi muito rápido e a batida na lateral do seu carro foi inevitável. Puto pelo ocorrido desceu para averiguar o estrago. A motorista do outro carro, também desceu e com ar de desespero e muito abalada, foi tomar conhecimento da merda que fez.

Júlio, calmamente como de praxe, pode perceber que se tratava de uma linda jovem, talvez adolescente ainda. Ao aproximar do ponto batido do carro, deu para entender a situação melhor. Apenas o seu carro foi danificado. A motorista do carro desgovernado foi até junto dele visivelmente nervosa e abalada pediu mil desculpas pelo ocorrido.

Júlio demonstrando tranquilidade procurou acalmá-la, dizendo que essas coisas acontecem e perguntou se ela havia se machucado e como não houve danos físicos, mais calmo ele se apresentou perguntando o seu nome.

Após as devidas apresentações, Júlio lhe perguntou o que ela pretendia fazer quanto ao acidente e se queria chamar o pai ou alguém da família para orientá-la. Júlio sentiu que ela ficou meio preocupada e pensativa e não o respondeu. Novamente ele falou: - olha Letícia, seu carro não danificou nada, apenas o meu amassou a porta do passageiro dianteira e aí, você tem alguma sugestão?

-Não sei o que te responder. Disse meio atônita.

- Relaxa, isso acontece, disse-lhe Júlio. Será que o seu pai tem seguro?

Ela respondeu: - não sei não. Pior de tudo, se ele souber vai me matar, nem poderei falar com ele sobre isso, ele está viajando e nem sabe que sai com o carro dele. Ele vai ficar uma fera quando souber. Nem sei o que fazer para resolver pois nunca me vi em tal situação. Por favor, me ajuda! Faço qualquer coisa, mas não conta nada para ele não moço, ele vai dizer barbaridades. Conheço muito bem meu velho. Então, Júlio disse:

- Façamos o seguinte: Como eu estou atrasado para uma reunião na empresa e já que moramos no mesmo condomínio e somos quase vizinhos, me passa seu número de telefone e mais tarde eu entro em contato, ou você entra em contato comigo para resolvermos. Enquanto isso, com a cabeça fresca pensaremos em uma solução, ok?

Depois desse acordo verbal, cada um foi para seus destinos. No intervalo da reunião, Júlio checou as chamadas no seu telefone e percebeu um recado de Leticia, pedindo-lhe desculpas pelo ocorrido e convidando-o a ir em sua casa, assim que pudesse, pois havia encontrando uma solução razoável e esperava que ele aceitasse sua proposta.

Assim que a reunião terminou, Júlio resolveu ir na casa da Leticia saber o que havia resolvido. Já devidamente acomodado no sofá da ampla sala de estar, Júlio perguntou se ela estava melhor e mais calma.

- Um pouco! Minha irresponsabilidade quase causou um trágico acidente, respondeu-lhe Leticia ainda muito aborrecida e triste pelo ocorrido.

-Tudo bem, nada de grave aconteceu conosco, isso é o que importa, disse-lhe Júlio perguntando em seguida se estava sozinha.

- Sim, estou! Os empregados já foram. Aliás, sempre estou sozinha. Meus pais são médicos e vivem viajando, participando de congressos, seminários, e eu, fico só com meus bichinhos e amigos virtuais. Tento viver a vida como uma monja de clausura e quando sai do seu mundo causa acidentes irreparáveis.

- Calma menina, relaxa, não faça uma tempestade, isso acontece e dá para resolver tranquilamente, podemos fazer o seguinte, eu aciono meu seguro e você pede para seu pai pagar a franquia e tudo fica certo. Leticia falou que não, pois seu pais não poderiam em hipótese alguma, saber do ocorrido, mas estava pensando em outra forma de pagar e não sabia o que ele, Júlio, iria achar da proposta. Júlio perguntou o que ela pretendia fazer. Ela de bate pronto disse assim:

- Pensei em transar com você e te pagar dessa forma, o que acha? Quero dar a minha virgindade em troca do valor do reparo do seu carro. Surpreso com o que ouvia, pois não esperava por essa proposta Júlio disse:

- Nossa! Meu Deus! Nem sei o que dizer, acabamos de nos conhecer e numa situação estranha e você me parece ser de menor, isso vai dar complicação. Fico meio sem saber o que dizer.

- Olha, eu tenho dezessete anos, vou fazer dezoito, daqui a três semanas, e como pode ver, tenho um corpo bonito, faço academia, sou virgem e tenho muita curiosidade de ficar com um homem real, ao vivo e a cores, pois virtualmente não tem mais graça e é o que posso te oferecer agora para pagar o seu estrago, o que acha?

Na verdade Júlio não sabia o que dizer. Ele estava diante de uma menina-mulher bastante sedutora, ruiva, de olhos castanhos claros, com seios pequenos e firmes, coxas grossas e uma bundinha redondinha e avantajada com uma cinturinha fina, destacando o bumbum, pele clara, com algumas sardas no rosto que é bem formado e bonito, totalmente carente de amor de pai, de mãe e de amigos reais. Então, disse:

- Olha Letícia, você é um tesão de mulher, muito gostosa e numa boa, adoraria transar com você sim, pois também estou meio carente, minha mulher está passando por tratamento e já faz muito tempo que não dou uma boa gozada, mas uma trepada por uma franquia de R$1.780,00, poxa, fica puxado.

- Bom, o que propõe então?

-Ele pensou e acabou dizendo: - Bom Letícia, se eu fosse pagar uma garota de programa ela faria tudo por uns 150,00 a 200,00, podemos dividir por 150,00 o valor?

- Claro, você tem razão. Então façamos o seguinte, fico com um saldo de 12 trepadas das boas com você, topa?

- Já estou gostando da ideia, claro que topo, negócio fechado.

- Quero ser sua puta e quero que você me faça gozar muito como sempre desejei e eu farei o mesmo por você. Só quero que tenha um pouco de paciência, seja carinho, pois não tenho nenhuma experiência. O que sei é o que vi em filmes pornôs, li em contos eróticos, e em exibição pela web cam nas salas de bate-papo.

Trato feito. E antes de saírem de mãos dadas como namorados, direto para o quarto de Leticia, Júlio a envolveu em seus braços másculos e deu-lhe um gostoso beijo de língua sentindo seus peitinhos se espremerem junto ao seu tórax e seu pau pressionando a vulva da garota que sonhava e desejava se tornar mulher tendo como professor um homem maduro. Subiram as escadas, e quando chegaram no quarto, já estavam completamente nus, um observando a nudez do outro. Júlio foi tomar um banho pensando naquilo tudo e ao sair a viu sob o lençol nuazinha de pernas abertas massageando a bucetinha virgem com raros pelos esperando pelo seu macho.

A experiência era nova para Leticia. Antes ela se exibia pela web cam para os machos de plantão, agora estava se exibindo para um homem de verdade, ao vivo e cores em seu próprio quarto e teria uma rola de carne e nervos a sua disposição e não as próteses penianas que comprava em lojas online.

Júlio, sem pressa, terminou de se enxugar e ela logo o puxou pela rola e meteu a boca sedenta, e o chupou muito, arrancando-lhe suspiros e arrepios que estava quase gozando, mas ela parou de chupá-lo e o colocou na cama deitado e disse:

- Sou eu quem te devo, vou pagar o preço e ficando de cócoras, sentou sobre o seu pau bem devagar, sentindo a cabeça entrar milimetricamente enquanto fazia caras e bocas suportando uma dorzinha incomoda que logo se transformou em prazer e começou a cavalgar bem cadenciada, dizendo palavras desconexas e indecifráveis.

Júlio assistia extasiado o show alisando seus seios e admirando seu corpo perfeito de ninfeta. Não demorou muito e ela começou a gozar deixando o pau todo molhado. Estava até escorregando e entrava muito fácil, devido a dilatação feita pelas próteses penianas dos vários tamanhos e formatos. Mudando de posição, pegou uma toalha enxugou a pica e a buceta deitou-se na cama novamente e disse:

- vem me come gostoso meu dono, enfia essa pica gostosa na minha bucetinha, vai, ela é sua. E abriu as pernas e Júlio pode ver aquela bucetinha rosada a sua disposição. Sem dó e piedade empurrou tudo de uma vez e ela gemeu gostoso e começou a gritar:

- vai mete safado, come minha buceta vai, arromba ela todinha, ela é toda sua, faz com ela o que fiz em seu carro, seu puto.

Júlio meteu com mais força ainda pensando no seu carro amassado. Virando-a de quatro apontou seu pau novamente em sua buceta e empurrou para dentro sem dó e ela começou a gozar estremecendo-se toda, como estivesse levado um choque.

Quando ela gozou ficou mais louca ainda, pegando o pau por baixo ficou tirando de sua buceta, punhetando ele de quatro e colocando-o na portinha de seu cuzinho e ordenou com segurança:

- Mete, enfia tudo, realiza meu sonho.

Júlio colocou a cabeça do seu cacete na entradinha do seu rabinho que piscava sem parar e foi empurrando bem devagar para sentir a penetração. Se metesse com força aquela putinha nem ia reclamar, pois estava num transe só, e talvez a machucaria também e preferiu curtir aquele momento. Só quem experimentou sabe o prazer que tal situação promove para ambos.

Quando a pica estava todinha nela, começou a meter bem devagar e ela gemendo de tesão e dor, estava muito gostoso meter naquele cú guloso. Júlio empolgou-se e começou a bombar cada vez mais rápido enquanto ela dizia: -

- Fode meu cú, vai, me faz gozar, hummm, não para, mete forte.

Ele meteu muito e ela começou a gritar e as pernas bambearam e caiu sobre a cama com o pinto dele atolado no rabo já arrombado. Agora era a vez dele gozar, urrando de prazer, no que ela o jogou de lado e sugou a porra toda, chupando e brincando com o seu cacete na boca, passando de um lado ao outro das bochechas, como uma puta experiente. Depois engoliu tudinho e ficou chupando o pau do seu macho e partir daquele momento seu amante, até senti-lo mole na boca.

A hora estava avançada quando Júlio saiu do quarto de Leticia satisfeito, dirigindo rumo a sua casa, não acreditando que ainda tinha 11 trepadas de saldo a seu favor como pagamento do acidente com o seu carro.

Leticia por sua vez estava muito satisfeita com a forma de pagamento e não mais precisava de seus apetrechos sexuais ou se exibir na web cam, pois tinha bem próximo de sua casa, um amante, um verdadeiro dom Juan.


*********************************************

E aí? Está gostando? Quer mais? Não deixe de ler a segunda parte e se desejar entre em contato comigo, poderemos brincar no Skype: bernard. zimmer3 , ou no, WhatsApp: 11944517878. E se desejar entre em contato por e-mail. bernard3320@live. com





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.