"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Foda em família- Assumindo o romance.


autor: Chronos
publicado em: 05/10/16
categoria: romance
leituras: 2862
ver notas


Celia uma vez me aprontou um susto quando mandou um recado pelo Christian, antes do nosso futebol começar, que queria falar comigo algo muito sério. Perguntei ao Christian , que era cunhado dela já, tinha bastante intimidade, se ele a viu comentando pelos cantos da casa alguma coisa que evidenciasse a conversa, e ele somente respondeu que não.

- Chronos, vai lá porque é urgente, mano. Ela repetiu várias vezes para que eu não esquecesse de falar com você. Disse num tom bem sério!


Como eu não sou nada curioso, a mente estava criando as teorias mais malucas possíveis: Ou ela está com raiva de mim porque estou ficando com as amigas delas, ou de alguma maneira ela descobriu do meu rolo secreto com a Ana, ou ela quer me passar um sermão sobre minha forma de agir, enfim. Nem joguei bola naquele dia do jeito que gosto, perdi gol pra caralho! Ao fim do nosso recreio de marmanjos, a teoria da conspiração estava formada: Ela sabia do meu rolo com a Ana!

Como eu não queria chegar à casa dela sujo e de mãos vazias, corri em casa, tomei um banho, perfumei-me ao estilo que me apraz, joguei um brilho molhado no cabelo( na época eu tinha cabelo, né!), calcei uma sandália confortável, fui de bermuda mesmo, pois o dia estava quente pra caralho, uma camisa pólo que amo usar, levei uns docinhos que comprei na casa de doces pra ela e #partiucasadacelia.

Juro para vocês que eu preferia não ter atendido esse pedido urgente dela. Eu estava todo quebrado do futebol e meu pé cheio de bolhas devido ao novo calçado que estava usando. Minha sorte foi que no meio do caminho, Christian estava voltando de carro também e me ofereceu carona. Foram minutos preciosos economizados da tortura de ter que andar quinze minutos até o condomínio delas.

Ainda ouvi um boa sorte bem macabro do namorado de Ana. Estava lá, agora não adiantava mais voltar. A mente fervilhando de idéias, mas entrei no condomínio e ainda encontrei com Ana descendo do apartamento dela. Falou rápido comigo, como quem não tivesse nada a comentar, e não tinha mesmo. Não parecia estar apavorada nem nada. Estava bem cheirosa e maquiada por sinal, ia sair com Christian. Desejei-lhes bom passeio.

- Obrigado. Boa conversa com minha irmã, ela está te esperando. Muito cuidado com o que você vai fazer lá, hein!

- Como assim!?- acendeu meus temores de novo - você sabe o que ela quer me dizer!?

- Chronos, tô apressada. Nas comporte-se!

Que merda, hein! Cada segundo que passa eu fico mais encucado. Parei na porta dela e pensei uns dois minutos antes de tocar a campainha. Então concluí: " já estava na chuva mesmo, né! Então foda-se!"

Quando ela abriu a porta, sou surpreendido com uma Celia totalmente diferente do que eu estava imaginando: Cabelos cortados até a altura do pescoço, cacheadinhos, um batom rubro deixando ainda mais carnuda sua boca, sobrancelha feita, shortinho marfim apertadinho realçando seus meneios e glúteos, um corpete tomara-que-caia azul, descalça, unhas pintadas... Ela amou que eu reparei tudo!

- Oi, Chronos, estava sentindo tanto sua falta! Seu sumido! Nem vem me ver direito! Anda aprontando o que, por aí!?- me abraçou como se eu tivesse viajado longos anos. Pude sentir seu perfume doce. Estava linda. Trocamos três beijos bem provocantes no rosto. No fim das contas, não era nada do que estava pensando. Ela me desarmou totalmente.

- Puxa, trouxe estes doces aqui pra você - era uma caixa de bombons. Ela ama bombons- e desculpe se demorei, eu tava no futebol, saí igual um mendigo de lá, tive que dar uma caprichada no visual, ficar cheiroso, né (risos)

- Pelo horário, você foi até rápido! Pegou ônibus?

- Christian me deu carona até aqui. Mas diga, o que você queria tanto falar comigo de urgente e sério? Fiquei muito preocupado, pensando no que eu havia feito a você.

- A mim você ainda não fez nada( sorriu sapecamente ), mas o Chris é muito bobo! Ele te falou isso!? Que era sério?

- Porra, tinha que ver a cara dele!

-(risos) Ele é muito escroto, cara! Eu pedi pra ele perguntar a você se poderia me fazer companhia hoje. Minha irmã saiu com ele, não sei que horas volta. Minha mamy está trabalhando. Vai virar hoje o turno dela e o da amiga que faltou no hospital e ela cobriu. Aí eu iria ficar sozinha hoje! Relaxa!

Filho da puta, esse Christian! Fez-me pensar um monte de coisas. Mas certamente a companhia seria deliciosa. Elogiei Celia pela repaginada que ela deu no visual dela. Estava mais feminina, mas radiante. Ela ficou lisonjeada, agradeceu muito.

Aparentava estar bem carente. Foi toda carinhosa comigo e trocamos várias idéias sobre diversos assuntos . Apesar do cansaço e da vontade de dormir, pois depois de um dia cheio na parte da manhã no estúdio e a tarde no futebol eu não quero pensar em mais nada, nem pra night eu tava afim de ir, Celia foi cativando minha atenção principalmente por ter se repaginado.

O tempo voou, era quase umas dez da noite quando eu já quase caindo de sono pensei em me despedir, mas ela resolveu fazer algo gostoso pra mim. Pediu que eu aguardasse. Deitei com a cabeça recostada no sofá e apaguei. Quando ela me chamou, tomei até um susto, pois ela voltou com um chocolate derretido com uma tigela de uvas e morangos.

- Eita, você está cansado mesmo! Vamos comer? Desculpa, eu conversei com você e não te ofereci nada.

- Relaxa, linda, você queria falar, não queria!? Foi até relaxante ouvir você!( menti. Na verdade ela enrolou em assuntos muitos chatos, até falar de relacionamento e como estava se sentindo sozinha.)

Garanto a você que está lendo que até aqui não havia nada demais eu ter ido a casa dela, mas quando eu molhei o morango naquele chocolate derretido e o degustei, o sono foi embora. Tava ligadão. Ela trouxe a tigela com as frutas pro sofá e me olhava de um jeito diferente. Me sorria muito. Perguntou se estava gostoso, eu respondi que sim.

- Sua irmã sempre fala sobre como você com tão pouco inventa coisas gostosas para comer.

- Eu nunca fico sem fazer algo gostoso quando estou em casa. Em compensação, ela não sabe fazer nada.

E se tem uma coisa que me agrado numa mulher é como ela é inteligente na cozinha. Eu amo cozinhar nas horas vagas. Ela pegou um chocolate meio amargo, o meu preferido, derreteu a barra com manteiga ao fogo e acrescentou uma pimentinha. Olha, além de gostoso, isso me ligou. Isso mesmo que vocês entenderam, me ligou! Ligou o cérebro e o cerebrinho( risos)

- Chronos, sua companhia é tão deliciosa quanto esse doce. Obrigada por ficar aqui comigo. Eu precisava somente de alguém aqui pra me fazer me sentir melhor. Depois que Ana começou a namorar, eu fico meus fins de semana aqui sem ninguém. É tão chato, sabe. Mas toda vez que você está perto, fico feliz. Nunca te vejo triste, chateado, está sempre sorrindo. Amo isso em você. E amo você em tudo isso.

- Nossa, obrigado. Você tá linda hoje, Celia. Adorei o corte de cabelo, apesar que normalmente eu não aprecio cabelos curtos em garotas. Mas esses seus cachinhos me fascinam.

Quando nos conhecemos, Celia estava depressiva, portanto nem cuidava direito de si própria. Mas hoje estava especialmente gostosa. E além de encantado, estava excitado. Ela pegou uma uva e molhou no chocolate e me deu na boca. Começou o joguinho dela. Sabia onde isso iria dar. Sorri abocanhando a guloseima já pensando em algo para dar em troca. Então molhei meu próprio dedo no chocolate e passei nos lábios dela. Puxei-a para perto e nos lambuzamos num beijo bem safado.

- Ai, que beijo mais gostoso. Você é impossível, viu!

- Agora deixa eu cuidar dessa sua solidão. Comigo, você não precisa se sentir assim. Sabe disso.

- Sei. Sei tanto que sou louca por você desde aquele dia no estacionamento. Mesmo não valendo nada, eu amo você. Meu coração te escolheu, Chronos. Quis te esquecer, mas não é fácil. - aí ela molhou o dedo também no chocolate e pingou em vários cantos do meu rosto, lambendo todos eles até caçar impetuosamente meus lábios.

Respondi com a mesma intensidade. Fico inebriado quando toco os lábios carnudos dessa mulher até hoje. Ela beija muito bem. Beija com amor. Eu que não valho nada mesmo. Lembrei-me daquela vez, já tem mais de um ano, que estávamos no pátio do condomínio e fiz aquela massagem que resultou na noite mais foda que tive na ocasião. Lembrei de como gemia ao toque das minhas mãos. Comecei a beijar o seu pescoço sentindo em meu corpo o mesmo desejo latente, minha carne pulsando para entrar no corpo dela. Celia sentia o mesmo.

- Se soubesse o quanto você me faz bem, seu safado! Eu me sinto desejada de fato quando estou com você. Podem falar o que for, mas perto de mim, você me faz sentir atraente, ouvida, você não tem idéia! Por isso eu te quero!

Eu não respondia nada. Só beijava o pescoço dela, e com minha mão apertando seus seios intumescidos, cobertos apenas por aquela peça tomara-que-caia azul. Peguei mais um morango, enchi ele de chocolate e pinguei em vários pontos das partes descobertas dos seios dela e chupei cada uma dessas partes. Coloquei o morango no meio, desci um pouco o tomara que caia, e ao abocanhar o morango, dei uma lambida no meio dos seios. Ela então baixou seu tomara-que-caia, revelando os seios duros e deliciosos que ela tem. Não são tão grandes como o de Ana, mas a vontade de tê-los na minha boca é tão grande quanto.

Ela me levantou e me guiou para o seu quarto. Lá, ela tirou a parte de cima do corpo e arrancou minha blusa pólo também. Sua pele estava arrepiada e seus mamilos estavam bem arrepiados com meus toques e língua. Tinha mamilos carnudos como sua boca. Deitei com ela na cama e pinguei aquele chocolate derretido que ainda estava quente em cada mamilo , sugando com volúpia logo depois. Fui pingando pelo seu abdome, e enchi seu umbigo com ele também. Chupei cada gotinha até me deliciar no seu ventre, e dizer:

- Seu sabor misturado ao doce que fez é incomparável!

- Saboroso é você, que me deixa louca, meu pretinho básico.

Então desabotoei seu shortinho marfim, e ao descobrir sua calcinha vermelha, toda molhadinha, cheirei fundo tirei ela com a boca e mergulhei nos oceanos de Celinha. E o melhor de tudo: Depiladinha do jeito que papai gosta! Que nordestina gostosa, essa Celia! Ainda mais agora, que tava voltando a encontrar seu lado feminino de verdade, e disposta a me conquistar.

Suguei muito aquele grelinho na minha boca. Ela estremeceu nas bases e liquefez-se todinha na minha língua. Ergui-me e deixei ela brincar com meu pau. Aqueles lábios carnudos estavam ainda mais devassos do que eu podia imaginar. Meti gostoso naquela boca, mas não pude evitar que um pouquinho da minha goza molhasse o biquinho dela. Enlouqueceu com o gosto da minha porra e admirou-se que eu tava aceso com fogo pra descarregar nela à vontade. Uniu-se a mim num beijo ainda mais profundo e apaixonado . E nos encaixamos na posição clássica: Papai e mamãe! Sem nenhuma pressa, meti gostoso abusando das carícias nos seus seios e mordidas na bochecha e cantinho do ouvido. Não economizei nas sacanagens que senti vontade de dizer. Apesar de ser mais recatada que a irmã enlouqueceu comigo e pediu pra eu comer com mais força.

Invertemos a posição e coloquei-a sentada encapando meu caralho naquela carne abundante. Dessa vez foi ela quem me levou a loucura, porque não me deixou gozar. Contraiu sua buceta nele e cavalgou sem dó. O corpo da Celia parece o de uma jovem índia. Eu estava cada vez mais encantado com a sensualidade dela. Anunciou que estava próximo o seu gozo. Fodi com mais força ainda fazendo ela me sentir socando seu útero. Desmanchou numa deliciosa gozada. Mandei ela virar de costas, e colocando-a de bundinha empinada pra mim, mordi os dois lados de seus glúteos. Mas antes que eu pudesse começar a brincadeira, Celia me disse que nunca, ninguém mesmo, havia comido seu cuzinho. E que tinha medo.

Eu relevei e disse que não a forçaria a nada. Ficou muito grata, disse que eu sou um verdadeiro cavalheiro que ela procurava. Ganhando ainda mais meus pontos com ela, não deixei de dar um beijo grego nela. Pela primeira vez, Celia deixou que um homem brincasse com meu cuzinho. Seria gostoso conquistar essa carne inexplorada dela com um pouco de persistência. Mas ela pirou com minha língua penetrando ela(risos).

De maneira que, meus senhores, para fazê-la gozar mais uma vez alucinadamente, o papai aqui meteu na buceta por trás e castiguei minha futura esposa com estocadas firmes e profundas.

Celinha então arrebitou ainda mais e arriscou pedir que eu brincasse com seu cuzinho com o dedo, queria ir se acostumando. Estava querendo me agradar, e isso eu apreciei de verdade. Salivei seu rabinho e lentamente fui penetrando. Ela sentiu dor no início, mas foi cedendo, cedendo, até sentir tesão em ser enrabada e pedir mais força.

A essa altura, eu nem precisava mais sodomizá-la pois estava perto de eu gozar. Mas finalmente ela pediu:

- Come meu cuzinho, Chronos! Você me conquistou de verdade!

Com muita satisfação, provei daquela carne deliciosa e Celia mesmo sentindo dor, fodeu com volúpia. Olha, fodi com várias garotas, isso é um fato, mas com ela era diferente. Ela nem precisava ter me dado o cu, brinquei o suficiente, mas ela potencializou aquilo que já estava fodástico e me acabei num intenso orgasmo junto com ela.

Depois dessa matança de carência, a menina que estava apaixonada ficou ainda mais louca em mim. E finalizei por um bom tempo minhas aventuras. Por quê? Porque decidi parar de putaria e decidi dar uma chance aquele relacionamento. Fomos ficando, até que , como eu relatei aos senhores, assumi sério o namoro depois de Bia. Essa Bia é um antigo amor que, em breve, contarei para vocês, também.

Ela e Celia se conheceram e sem nenhuma neura, Celia aceitou a amizade de Bia e criamos um vínculo bacana.

Mas, por ora, amigos, encerro meus relatos com o seguinte final: Celia e eu namoramos sério, causando espanto até em Ana, que não deixou de implicar com minha pessoa, de tão chata que é, e o vínculo com a família de Celia cresceu tanto que cheguei a viajar com ela pelo Nordeste para conhecer o gigantesco clã Silveira. Pois é, queridos: Chronos entrou pra família e fodeu a família( risos).

Até a próxima, meu povo!




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.