"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Saciando o desejo da cunhada do amigo 01


autor: Chronos
publicado em: 07/10/16
categoria: aventura
leituras: 1903
ver notas


Quem leu e se deliciou com os contos MATOU A CARÊNCIA DA MULHER DO PRIMO E LEVOU SURRA DE XOTA DA AMIGA DA MÃE, saberão muito bem que este cara chamado Dinho aprontava todas. No último relato que dissertei sobre a experiência dele com uma mulher mais velha, sabe que ele voltava da casa de um certo amigo, o Alex.

Alex e ele eram praticamente unha e carne e incluíam um ao outro em quase todos os lances que envolviam pegar mulher , seja em festas de rua, boates, viagens, etc. Alex na época namorava uma mulata muito deliciosa, a Isabel, com quem chegou a estar casado. E Dinho também tinha amizade com ela, e portanto, era considerado um cunhado. Frequentava a casa dele regularmente e ele a casa dela.

A relação estreitou-se ainda mais quando Bel levou Marília, sua irmã mais nova para a missa e ali apresentou-a Dinho, que a conhecia de vista. O jeito boêmio do rapaz agradou também a mana caçula de Bel que logo criou vínculos com ele passou também a ir à casa do amigo junto com a irmã. Na época, Maria tinha um lance com um cara do morro onde elas moravam, e o namoro já vinha capengando devido ao fato que ela ficava em casa enquanto o cara ia pra baile com os amigos. Isso gerava muita briga entre eles, dentre outras razões: Ela era virgem e não queria liberar o pacotinho pro cara. Mas acabou cedendo.

Nisso que cedeu, não se preveniram e Marília engravidou. Ela somente descobriu que gerava uma vida após realmente não ter mais jeito de aturar as noitadas no namorado sozinho e terminou com ele.

Muito carente, triste por não saber se o rapaz iria ou não reconhecer o seu filho, Marília foi se consolar nos braços de quem!? Do Dinho. Puta que pariu! Mas o Dinho até então não propriamente sentia algo pela garota, tinha um carinho grande por ela, recebia-a em sua residência e ela muitas vezes reclamava do seu antigo companheiro para ele. Aflita pela gravidez que começava a aparecer à vista de quem a reparava, Marília também sentia um louco tesão e um enorme desejo de foder. Coisas de grávida. Enquanto tem gente que sente desejo de comer até tijolos com chocolate, ela tinha vontade de ser preenchida por pica. Até aí tudo bem.


A questão é que havia um Dinho, direta ou indiretamente na sua vida, e sem querer ele descobriu isso quando ao levar seu copo para lavar na cozinha, levou uma sarrada do pau dele não proposital na sua bundinha farta. E ela sentiu um tesão louco.

- Ai Dinho, não encosta em mim assim, não!

- Poxa, desculpa, nem quis fazer isso! A gente passou juntos pela porta...

- Não, de boa. É que quando você encostou essa pica em mim, minha xaninha ficou pegando fogo. Gravidez tá fazendo isso comigo!(risos).

Qualquer um poderia ter ficado constrangido, mas não nosso amigo comedor . Marília tinha cor de jambo, cabelos escuros até o dorso, lisos, sempre foi mais gata que a irmã que já era um avião e tinha 17 aninhos, um tesão para qualquer marmanjo. Dinho, de amigo passou a ser abutre. Obviamente que a confissão dela chamou-lhe a atenção e despertou-lhe os velhos instintos masculinos para uma nova caça. Enquanto Marília lavava o copo, malandramente nosso bravo comedor chegou por trás e agora propositalmente começou a provocar a gatinha jambo roçando-lhe os glúteos.

- Ai, garoto!(risos), para de mexer comigo, eu disse que isso causa desejo em mim!- sorria maldosamente sem virar-se para Dinho!

- Sabe, desejo de mulher grávida tem que ser atendido, e você sendo minha amiga não pode ficar desse jeito. Concorda comigo!?

- Safado! Tá se aproveitando só porque estou sensível!

- Imagina, linda! Só quero ajudar uma amiga, é um prazer pra mim.- neste momento, ele passa a mão nas coxas de Marília, que empina ainda mais sua bunda, querendo pressionar o caralho de Dinho. Ele levanta a saia dela, que já é curta, e aperta a bunda nua da ninfeta, que está com uma calcinha minúscula por baixo. Ela geme.

A mãe dele estava na sala e não percebeu nada. Ela gemeu bem baixinho. Virou-se para Dinho, que a recebeu faminta por rola com um beijo sôfrego e carregado de tesão. Dinho respondeu numa intensa troca de saliva que potencializou a libido da ninfeta com a injeção de testosterona carregada na saliva do amigo que já estava de pai duro e roçando na portinha da sua xana.

Quando sentiram alguém se aproximando, ela rapidamente abaixou a saia e foram para a varanda dos fundos, que era na verdade uma varanda que dava para o sobrado aos fundos da casa de Dinho, onde morava o cabeleireiro mais famoso do bairro, o Edinho. André (Dinho), levou Marília para o seu quarto decidido a saciar o desejo de sua amiga(agora mais do que colorida) de qualquer maneira.

Os beijos foram ficando mais intensos e Dinho novamente enfiou a mão direita por baixo da saia de Marília, colocando a calcinha de lado e melando todo seu dedo na buceta encharcada da putinha grávida. Marília tirou sua bermuda com rapidez e atiçava ainda mais o rapaz, levando sua mão por cima da cueca box dele, pressionando-lhe libidinosamente a sua glande.

Dinho abaixou de vez sua cueca e levou a mão dela ao seu pau rijo e fechou sua mão sobre a dela numa deliciosa punheta. Com a outra mão, desabotoou a sua saia , que foi deslizando aos poucos pelo quadril até cair ao chão. Marília empurrou Dinho que caiu sentado em seu leito de prazer, e assistiu de camarote , numa visão privilegiada, a amiga totalmente ensandecida pelos hormônios tirar a camiseta branca e o sutiã e ajoelhar-se sobre as coxas dele e homenageá-lo com um delicioso boquete!

Dinho delirou tanto que soltou involuntariamente um pouco de seu leite na boca de Marília, que sorriu devassamente para o amigo tarado dividindo o sabor de sua porra num beijo. André, então, ficou em pé, e a pôs para mamar outra vez seu membro. Como ela também é baixinha como ele, tendo quase a mesma altura, mamou e sugou a pica do melhor amigo do cunhado e punhetando rapidamente, quase o levou a gozar sobre seu rosto


Dinho então a deitou de bruços e arrebitou seus glúteos. Por receio de machucar o seu filho que crescia no ventre, Marília pediu para ficar de 4. Sem problemas, né Dinho? Ao gosto da dama, o nosso papa-anjinha se acabou numa cunilíngua, alternando entre o cuzinho e a bucetinha da menina. Marília não aguentava mais e pedia que ele fodesse com vontade, pois ela já estava gozando. Disposto a agradar sua parceira, mas a torturá-la ainda mais, Dinho ficou pincelando entre a portinha do rabo e a grutinha da menina, que tentava encapar o pau de Dinho num dos dois buracos.

Encheu o glúteo direito dela com um tapa delicioso, que aumentou ainda mais o tesão da grávida. Dinho então, subitamente enterrou a pica na buceta dela de gritou de susto e prazer ao mesmo tempo, e rebolou, e meteu caralho inteiro até bater no útero. Com receio de machucar o bebezinho, pediu para foder de conchinha, ao que foi atendida prontamente.

Sentindo o calor de seu novo amante e provocada ainda mais com mordidinhas em sua nuca, Marília se aninhou nos braços de Dinho que brincava com os mamilos inchados e fodia sem dó sua vagina sensível. O penis de Dinho tava deslizando tão fácil devido ao mel abundante nela que quase não dava pra sentir o atrito direito. Então, ele propôs que ela cavalgasse sobre ele.

Com o controle de Marília, Dinho foi à loucura. Marília xingava palavras desconexas e arranhava o peitoral do amigo que respondia "raivosamente" com estocadas ainda mais viris e impiedosas.


Por fim, desabaram um sobre o outro gozando ao mesmo tempo. O lance deles dois não evoluiu para um compromisso mais sério. Mas certamente Dinho brincou naquela área de lazer por um bom tempinho. Marília sabia das tretas do amigo, achava ele muito safado, mas toda vez que o desejo batia a porta, ela sabia com quem se consolar. O namorado e ela não voltaram. Ele se manteve omisso e covarde até o nascimento do filho dela estar perto de acontecer.

Óbvio que o Dinho, muito solidário e companheiro, ajudou-a a levar até o hospital no dia. Mesmo após o nascimento do filho, Marília de vez em quando tinha umas recaídas por ele.

Esse lance colorido dos dois chegou ao conhecimento de Alex e da noiva, Bel, que até deram força para eles namorarem, mas com medo de estragarem o que tinha de bom no relacionamento, preferiram ficar na putaria velada mesmo.


Até a próxima, minha gente!










ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.