"Os mais excitantes contos eróticos"

 

vizinha


autor: boavida
publicado em: 21/10/16
categoria: grupal
leituras: 2421
ver notas


Sexta, fim de tarde, calor, muito calor, mal cabíamos os quatro no elevador, mais as malas. Sorrimos. Depois de encaixar tudo no carro, despedimo-nos e foram de viagem. Eu fiquei, sozinho em casa, com o objetivo de escrever. Sim, pretendo acabar de escrever o meu primeiro livro erótico, preciso de silêncio e calma.

O carro parou, a mulher pôs a cabeça de fora e relembrou “Não te esqueças do lixo!” Sorri, levantei a mão esquerda para ela ficar descansada. Subi e voltei a descer com um saco em cada mão. No meio da viagem o elevador parou, a porta abriu e estava uma vizinha com uns seis ou oito sacos, enormes e bem cheios. Ofereci logo a minha ajuda, saí e fomos pondo os sacos, uns em cima dos outros. No final entramos, ainda sobrava espaço para fazermos a viagem sem nos tocarmos. Explicou que estava a fazer mudanças e naquela curta viagem de 23 segundos falamos mais que em todos os anos em que somos vizinhos. Quando o elevador parou eu ajudei-a a carregar os sacos e no regresso ofereci a minha ajuda caso ela precise de carregar algum móvel.

- Mesmo? Olha eu tenho um amigo em casa, mas se você fosse lá, se tiver um tempinho, posso acabar a mudança em menos de uma hora! E sempre é a força de um homem!

- Sem músculo! – Brinquei – Mas quando quiser diga que eu vou lá.

- Fico com vergonha de abusar…

Interrompi-a e disse que podia ir lá agora mesmo, expliquei que estava sozinho e livre durante todo o fim-de-semana, que queria somente escrever. Entramos em casa, o amigo estava à espera, feitas as apresentações e os cumprimentos logo começamos a mudar o que ela pedia. Mas, mudou tudo mesmo, no quarto e na sala. Ao fim de meia hora estávamos a pingar de suor, e ela foi buscar umas cervejas.

- Vou trocar de camiseta, vocês podem tirar as vossas, quero ver…

Não se percebeu o que ela disse, estávamos a mudar um armário com gavetas bem pesado. Cuidado com isso aí, a minha gaveta de brinquedos! Disse ela que tinha agora uma camiseta de jogador de basquete: USA 69.

- Você usa 69? – disse o amigo.

Rimos.

- Eu uso tudo! - Disse ela.

Estava surpreendido com as atitudes desta minha vizinha, não conhecia e era fantástica a sua liberdade em falar de sexo e dos corpos. O armário estava no sítio, estávamos a descansar um pouco e ela veio por trás de nós a oferecer a cerveja, pegamos e ela pousou as mãos nas nossas costas, abraçou-nos, encostou-nos ao seu corpo e agradeceu. Pousou um beijo na face de cada um e rematou: Tão salgados os meus meninos! E veio para a nossa frente, mostrando o seu corpo magro, ou melhor demasiadamente magro. As pernas saíam dos calções, que pareciam enorme e a camiseta deixava ver o seu corpo, devia ser pelo menos dois números acima, e ora saia o ombro ora deixava ver um seio. Em menos de um minuto vi várias vezes aqueles seios pequenos pontuados por um mamilo redondinho e muito pequeno. Era um corpo que passava despercebido na rua, para falar verdade eu nunca tinha olhado para ela.

Voltei à realidade, com ela a dizer para passarmos para a sala. Esvaziamos as garrafas e fomos continuar as mudanças. Uma prateleira cheia de dvd de capa branca que ela disse serem os seus pornos, não com ela, mas que ela vê nas noites solitárias, rimos e fiquei sem saber se era verdade. Em menos de duas horas a sala era outra. Ela mostrou a sua felicidade com um abraço e um beijo nos lábios, primeiro ao amigo e depois a mim.

- Agora, meninos, temos banho!

Recusei, pois num instante chegava a casa. Ela zangou-se, que nem pensar, tinha que tomar banho para ela ver o que eu tenho escondido, gargalhamos, e depois havia jantar prometido. Fui empurrado para o banho, eu era o primeiro. Despi-me e quando já estava debaixo de água ela veio pousar as toalhas e pôs a cabeça do lado de cá da cortina.

- Queres que lave as costas?

Tudo! respondi a rir. Em menos de um segundo ela estava a lavar o meu corpo, e, despediu-se com um beijo no meu sexo, que reagiu timidamente. Saí do banho e depois de seco, não encontrei a minha roupa. Fiz uma saia com a toalha e fui à procura da vizinha. Para minha surpresa, encontro-a no chão da sala a cavalgar o amigo. Não sabia onde me meter, ele nu, ela somente com a sua camiseta USA 69. Devo ter feito algum ruído pois ela olhou sobre o seu ombro e sorriu. Levantou-se e dirigiu-se para mim, com um dos seios fora da camiseta, e com um sorriso veio arranjando a sua imagem.

- Desculpa, mas não te queres juntar à nossa brincadeira? Tem problema?

Fiquei estátua!

Mas acabei abanando a cabeça, felizmente, para cima e para baixo, não me perguntem como foi aquilo, mas por certo um movimento não pensado, com o meu olhar perdido naquela camiseta e espantado com o convite, acabei por dizer que sim, sem qualquer intenção. Parecia que estava meio a dormir. Mais espantado fiquei quando ela se agarrou ao meu pescoço e disse que daria para satisfazer um desejo seu. Até me arrepiei.

- Quero ser comida por dois homens em simultâneo, sempre quero e adoro. Já experimentou? – Perguntou enquanto me dava a mão esquerda e com a direita libertou a minha toalha, que caiu no chão e aproximamo-nos do seu amigo, deitado no chão. Ele tinha um pau maior que o meu e ainda reluzente, por certo, por ter estado dentro da xaninha da minha vizinha.

Ela ficou de joelhos junto do amigo, punhetando ele e, com a outra mão, segurou no meu sexo e levou-o para os seus lábios. Estavam quentes. Vejo a sua língua aparecer, vermelha, onde pousou a cabeça do meu pau e chupou para dentro da sua boca. Senti um arrepio pelas costas acima e abaixo. Fechei os olhos. Passou uma eternidade e fui libertado, estava muito excitado e, logo que abro os olhos, vejo o pau dele, que estava enorme também. Ela dobrou-se e abocanhou aquele sexo, ficando com a bunda voltada para mim. Não perdi tempo, e ajoelhei-me de modo a ficar bem junto daquele cuzinho. Passei a mão na pele lisa e deixei deslizar dois dedos para dentro do sexo que já estava muito umido.

Com a mão livre comecei a conduzir o meu sexo para o cuzinho dela, e quando a cabeça tocou no anelzinho, ela levantou a cabeça e voltou-se para mim:

- Desculpa, mas hoje não me apetece anal, não!

Fiquei gelado, o meu pau mingou em dois segundos. Mas não deu tempo a dizer nem fazer nada, ela continuou:

- Hoje, apetece-me muito, ter vocês dois, no mesmo instante, na minha xaninha, vamos?

Eu não falei, mas apeteceu perguntar “como é que é?” O amigo devia estar habituado a essas sensações, logo começou a dar um jeito no corpo e a dar indicações para eu me deitar e passar uma perna por cima das dele e a outra mais para ali… Os nossos corpos ficaram bem juntinhos. Era estranho estar a tocar na pele de um homem, mas os meus pensamentos foram apagados com um beijo dela, que me tirou o ar, a língua, ai, tirou tudo! Quando me largou os lábios, foi direta para a boca do amigo, deixando uma mão a punhetar os dois paus em simultâneo. Ela estava nua, deixando visível um corpo com poucas curvas e uns seios bem pequenos, mas de mamilos duros. Não lhes mexi mas dava para ver o mamilo bem levantado. A mão dela foi substituída pela boca, chupou primeiro ele e depois eu, e ainda tentou pôr os dois paus na boca, no início foi difícil, mas depois conseguiu pôr as duas cabeças. Senti a língua dela. Sempre em silêncio, soltou os sexos bem duros e de cócoras sobre os dois paus, juntou-os com a mão direita e colocou-se bem aberta sobre as duas cabeças. Pareciam-me enormes e duvidava que ela fosse conseguir fazer aquela loucura. Mas lentamente, muito devagar aquela parelha de paus duros começou a desaparecer no interior do seu corpo.

Ela parou, respirou fundo, com a mão esquerda acariciou a sua xaninha e com a direita passeou nos seus seios. Inclinou a cabeça para a frente, tocando com o queixo no peito e continuou a baixar o seu corpo fazendo desaparecer os dois sexos. Quando chegou ao fim, suspirou de prazer, olhou para mim, sorriu e começou o movimento contrário. Repetiu muitas vezes aqueles movimentos, para baixo e para cima, a velocidades diferentes. Ele começou a chama-la de puta e a dizer para ela ser mais rápida e comecei a ouvir as mãos dele a bater nela, penso que nas coxas. Eu quieto e em silêncio estava a gostar daquela experiência estranha. Estiquei um braço e toquei na pele dela, um pouco abaixo do seio, ela, lançou a cabeça para trás, olhou-me nos olhos e mordeu o lábio inferior. Ela, fechava os olhos e abria, olhava os meus e fechava os olhos enquanto abria a boca.

Estava deliciado com aquela imagem, quando ele diz

- Caralho, não aguento mais!... ai… ai…

Como se não estivesse a acontecer nada, ela continuou, mas não aguentei muito mais a olhar para a sua face de prazer, e com um tremor acompanhado de uns ais, anunciei a minha explosão. Quase em simultâneo, foi ela que gritou com a mão na boca como se quisesse guardar aquele prazer na sua boca. Pousou um joelho no chão para libertar os dois sexos e deitou-se sobre os nossos corpos, ainda de respiração ofegante. Ao fim de um minuto de silêncio, ela:

- Adorei, muito mesmo, temos que repetir.

Depois do jantar fomos embora, eu subi pela escada, ele desceu no elevador e ela ficou sozinha. Passei a noite a escrever, levantei-me tarde, comi uma coisa leve e fui ao café da esquina. No regresso, vejo-a no carro, chegando acompanhada de uma mulher bonita. Parou o carro junto de mim e perguntou:

- Sobes? Às 17?

Combinado, respondi.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.