"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Marcelo & Sonia 15 - Alberto 2


autor: MarceloDias
publicado em: 21/10/16
categoria: traição
leituras: 4674
ver notas


Marcelo & Sonia 15 – Alberto 2

Este texto foi excluído por engano e está sendo publicado novamente para quem acompanha a sequência das nossas estórias

Continuação.

Voltamos para o hotel e subimos para o nosso quarto com Alberto, Sonia falou que ia tomar um banho. Tirei a camisa e a bermuda, fiquei de cueca como se aquilo fosse natural. Sonia me olhou e deu um sorriso safado para mim. Alberto fica a vontade pode ficar como o meu marido. Ele me olhou e eu sorri, fica a vontade nós somos amigos, disse. Sonia se aproximou dele e subiu a camiseta dele, fazendo ele tirar, ela passou a mão no peitão dele, ele abriu a bermuda, deixando ela cair no chão, ficando só com uma cueca bem pequena. Sonia olhou descaradamente para o volume enorme do pau saindo um pouco da cueca. Achei que Sonia não ia resistir, ela sorriu, vou deixar meus meninos conversando enquanto tomo meu banho falou brincando. Alberto sorriu. Pode ir que vou ficar conversando com meu amigo, disse me abraçando, Sonia me beijou, separou umas roupas no armário, entrou no banheiro e fechou a porta.

Peguei duas cervejas e dei uma para ele, abri a janela. Em frente à cama de casal tinha um espelho grande e duas poltronas sem braços, onde nos sentamos, você gostou da Sonia? Perguntei, muito, ele disse. Como mulher gostou? Ele sorriu, gostei, sua esposa é maravilhosa, tem um corpão Marcelo, ela é gostosa demais, você é um homem de sorte, dá para ver que ela adora você. Sorri, eu sei, viu como a bunda dela é exagerada, disse sendo direto. Não dá para não ver, ela tem um rabão que deixa qualquer homem doido. Vocês são liberais? Ele perguntou, somos, disse. Você deixa ela dar? Ele quis saber. Deixo, quando ela gosta da pessoa, não para qualquer um, nós somos discretos.

Ele me olhou sério, contei que Sonia era bi, gostava de mulher, falei de Gerci, do envolvimento com Edir e do caso com Alda e Neiva, omitindo os outros casos que tivemos. A Sonia gosta de pau grande e grosso, eu vi o tamanho do teu pau quando mijamos juntos, ele sorriu, eu vi que você ficou olhando, achou grande, ele perguntou. Achei, teu pau é enorme. Na piscina nós já tínhamos percebido que era grande. Eu falei para ela que era enorme. Ele sorriu e tirou o pau duro de dentro da cueca me mostrando. Era preto, duro, muito grosso e cabeçudo, o dobro do que eu tinha visto amolecido, fiquei olhando era exagerado. Eu quero ver ela aguentar teu pau todo. Ele segurou meu braço, você vai ver Marcelo, eu to doido para meter nela. Trocamos um sorriso cúmplice.

Alberto guardou o pau e ficamos bebendo. Sonia saiu do banheiro com os cabelos molhados e descalça com uma blusa branca de alça e uma calcinha preta bem pequena que mal tapava a boceta e entrava toda na bunda grandona. Nós ficamos olhando o corpão dela, ela sorriu, posso ficar assim amor, o Alberto já me viu de biquíni, sorri para ela, pode querida, disse. Sonia sentou no meu colo e encostou as costas no meu corpo, minhas mãos abriram as coxas dela e acariciei a boceta na frente de Alberto, ele ficou olhando acariciando o pauzão por cima da cueca. Sonia gemeu, sentindo minha mão toda na boceta, tirei a blusinha dela, mostrando os peitos fartos, os mamilos estavam duros, mostrando que ela estava excitada, o Alberto vai ver tudo amor, ela disse provocando, deixa ele ver, mostra que você é gostosa.

Fiz Sonia ficar em pé e tirei a calcinha, deixando ela completamente nua, virei o corpo dela, mostrando o rabão. Alberto acariciava o pau. Olha como a bunda dela é exagerada, ele botou a mão na bunda apertando, ficamos os dois acariciando aquele rabo imenso. Sonia empinou a bunda, se oferecendo, Gostou do meu bundão, ela perguntou provocando. Ele se inclinou e beijou a bunda, esfregando a boca. Você tem um rabo maravilhoso. Ele levantou e Sonia encostou o bundão no pau por cima da cueca, ele a abraçou por trás, beijando o pescoço dela, ela esfregou a bunda nele, sentindo a dureza e o tamanho avantajado do pau na bunda farta. Alberto segurava nos peitões dela, grudado na bunda.
Eu segurava o pau duro, me masturbando, vendo minha esposa esfregar a bunda nele. Sonia virou e beijou Alberto na boca, segurando no pau por cima da cueca, ficou pegando, esfregando a mão delicada naquele volume indecente, foi abaixando a cueca, botando a rola enorme para fora. Ela segurou com as duas mãos. Sentindo a grossura na mão, sua mão delicada não conseguia fechar quando ela empunhava o pau, teu pau é muito grande, como é grosso, disse. Teu marido falou que você gosta de pica grande, Alberto falou com a mão na bunda dela. Adoro, eu estava doida para segurar teu pau, ele sorriu, segura é todo teu, ele disse. Sonia o beijou de novo, masturbando o pau com as duas mãos.

Alberto segurava as nádegas grandonas dela, apertando. Sonia ajoelhou segurando a pica e beijou o pau, esfregando os lábios, sua boca se esfregou na pica toda, percorrendo toda a extensão do pau, beijando o saco pesado, ela colocou na boca, chupando as bolas, ele gemeu alto, Sonia soltou e esfregou a boca nas coxas dele, beijando, abocanhando a pica, colocando a cabeça avermelhada todo na boca. Alberto forçou a cabeça dela, fazendo-a engolir, Sonia teve que abrir bem a boca, Alberto meteu metade do pau na boca, ela mamava, se esforçando para engolir cada vez mais. Eu olhava sentado do lado deles, me masturbando, Alberto exigia cada vez mais, Sonia conseguia engolir o cacetão quase todo; seus lábios ficavam bem perto do cabo grosso da pica preta dele, ela engasgava, tirava da boca e voltava a engolir. Ela olhou para Alberto, Fode minha boca pediu, Alberto segurou os cabelos dela e botou na boca, passou a foder o bocão dela como se fosse uma boceta.

Ela abraçou as coxas dele, a boca aberta recebia a pica grossa quase toda na boca, ela engasgava mais não largava o pau, chupava com lagrimas nos olhos arrancando gemidos desesperados dele; a saliva escoria deixando o pau babado. Alberto fodia como se a boca fosse um buraco, ficava metendo e tirando, Sonia mamava de um jeito apaixonado. Ele falou que ia gozar. Sonia continuou mamando, o corpo dele estremeceu, a porra grossa escorreu dos lábios dela, ele tirou o pau, Sonia respirava de um jeito alterado. Ela me olhou, viu que eu me masturbava, sentou no meu colo, me abraçando, me beijando na boca, sua boca estava cheia, nossas línguas se esfregaram, senti o gosto dele na boca da minha esposa e a saliva misturada com o leite grosso que ela tinha engolido. Beijamos-nos com paixão, Alberto sentado na outra poltrona nos olhava, masturbando o pau que continuava duro.

Sonia ficou abraçada comigo, olhando fixamente o pau enorme. Ele mostrava o pau para ela, Sonia saiu do meu colo e sentou no meio das pernas dele, colocando a boca no pau, chupando, ela estava doida pela pica, subiu pelo corpo dele, beijando ele todo, esfregou a boca no peito largo e chupou os mamilos grandes, fazendo Alberto gemer, sua boca procurou a dele. Alberto fez ela sentar no colo dele e segurou os peitos fartos dela, os mamilos estavam duros e inchados, ele botou o mamilo todo na boca e chupou com força, Sonia gemeu descontrolada, apertando a cabeça dele, mama, aii mama com força, que boca gostosa, aaaiii, ele chupou os dois seios, Sonia me olhava sentada no colo dele, os bicos estavam mais inchados, vermelhos, marcados pelos chupões. Ela o beijou, segurando o cacetão duro, Eu quero na boceta, pediu. Ele sorriu, fazendo Sonia levantar, Sonia me puxou, fomos para cama.

Sonia deitou toda aberta, mostrando a boceta avantajada. Ele ficou olhando masturbando o pau duro, ela ta doida pra dá a boceta, olha como meu pau ta duro Marcelo, ele falou me encarando, mostrando o pau, segura pra você sentir o tamanho do pau que a tua esposa vai aguentar. Segurei o pau, era preto, duro, pesado, muito grosso e cheio de veias saltadas, exageradamente grande. Masturbei o pau sem perceber, ele me abraçou, pedindo para eu apertar. Sonia olhava acariciando a boceta.
Alberto subiu na cama e deitou em cima dela, a pica encostou-se a boceta, minha esposa toda aberta, se agarrou nele, ele forçou, os lábios grossos da boceta se abriram, foi enterrando o pau grosso na boceta. Ai aai ai Alberto, ela gemeu, ele botava devagar, o caralho ia entrando aos poucos, arreganhando a boceta, Sonia esfregava a boceta, querendo mais, metade da rola entrou. Aaaii ai aiai teu pau é muito grande aai ai minha boceta, Alberto meteu tudo, não teve pena, de onde eu estava via a boceta aberta e o pau grosso enterrado até o cabo, Sonia ficou transtornada, Ai minha boceta, você ta me estourando toda, que pau grosso, ta me deixando larga, Sonia me olhou do lado dela e segurou minha mão com o pau todo na boceta, Ai amor o pau dele é enorme, vai no útero, viu querido o tamanho da pica que tua mulher aguenta, ele ta me fodendo toda, querido, ta comendo minha boceta. Alberto botava e tirava, entrava tudo, ele agarrou Sonia e cravou tudo, castigando a boceta, metendo forte nela. Sonia gemia alto tomando na boceta, os lábios da boceta ficavam arreganhados, dava pra ver as carnes da boceta saindo grudadas no pau, quando o pau saia.

Sonia gemia de um jeito sofrido, ele tirou o pau, a boceta dela é quente demais. Ele falou para mim. O pau brilhava úmido do mel que escorria, segurei o pau e guiei para boceta, Alberto socou tudo, metendo firme nela, Sonia toda aberta, recebia o tronco grosso todo na boceta. Aai minha boceta ta ardendo, aai assim eu gozo, o corpo dela tremeu, ela chorou gozando na pica. Alberto continuou metendo, a boceta não resistia mais, ele encostava o pau e entrava tudo, Alberto tinha estourado a boceta dela. Sonia gozou de novo, tomando na boceta.

Alberto não gozava se poupava para poder meter bastante na minha esposa. Os dois continuaram agarrados na cama, Sonia esfregava a boceta na pica, beijava Alberto na boca com paixão, estava louca por ele. Alberto levantou e a puxou pelo braço, cravou na boceta em pé, Sonia deu um gemido rouco, sentindo a pica entrar na boceta. Alberto fodeu ela em pé. Eu olhava me masturbando, ele tirava e botava, a pica grossa invadia a boceta. Ele segurava o bundão dela, abrindo as nádegas e acariciando o cu, Sonia se agarrava nele, deixava, empinava o rabão, deixa eu meter no cu, ele pediu, deixa eu comer tua bunda, Sonia o beijou, deixa meu marido comer primeiro, para abrir minha bunda, teu pau é muito grande, meu cu ta fechado.

Levantei e peguei um tubo de KY na mala e passei no pau. Sonia ajoelhou na beira da cama com o bundão enorme virado para nos, abaixou o corpo, encostando o rosto na cama, abri as nádegas fartas dela e encostei a vara dura no cuzinho lindo dela, segurei firme nos quadris e meti, o cu se abriu, ela gemeu, a pica entrou toda, meti forte, cravando tudo, Alberto olhava do meu lado, masturbando o cacetão, ele me abraçou, acariciando minhas costas, sentia o pau dele, roçando nas minhas coxas, olhando eu meter. Mete Marcelo, que rabão gostoso. Dei o KY pra ele, Alberto foi espalhando na geba, eu tirava o pau e encharcava o cu de gel e empurrava a pica para dentro. Sonia de quatro na cama dava à bunda olhando o pau enorme dele.

Alberto tomou o meu lugar, Sonia me olhou, ela sabia que ele ia comer a bunda dela e ela ia sofrer muito dando para ele, Segurei o pau dele, Alberto abriu as nádegas grandonas dela, encostei a pica no cu, Alberto forçou, o cu se abriu e o cabeção entrou, Sonia gemeu, ele a segurou firme e foi botando, arregaçando o cu, Sonia gemeu desesperada, os gemidos se transformaram em choro, ele foi metendo, empurrando a pica toda, Sonia tomou no cu chorando, dava pena e tesão ver ela ser enrabada por aquele pirocão grande e grosso.

Alberto botou tudo no rabão dela, metia firme, fazendo ela chorar. Sonia aguentava, gostava de sofrer numa pica grande. Ai aai ai Alberto ai minha bunda, puta que pariu, ai mete tudo mete. Ai ta me arrombando toda, desgraçado, ta me deixando larga, meu cu ta ardendo, ai filho da puta, você ta acabando comigo, meu cu ta arrombado, ela me olhou, estava fora de si, olha o que ele ta fazendo comigo, ta comendo minha bunda, amor, ta fodendo meu cu todo, eu to arrombada, ele ta botando o pau todo no meu cu. Meu marido gosta de me ver tomando no cu, Alberto, gosta de ver a mulher dele dando a bunda para outro homem, enfia tudo, não tem pena, mete tudo no meu cu, eu fico maluca assim, mete esse pau todo no meu cu.

Alberto tirou o pau, o cu estava aberto, largo, parecia uma flor, as pregas estouradas. Alberto empurrava e o pau entrava todo, o cu apertava o cabo grosso da pica, deitei do lado dela, Sonia me abraçou e me beijou com o rabão para cima, aguentando o pau todo no cu, Alberto cravava tudo no bundão, Sonia gemia alto, chorando baixinho, tomando no cu, levando ferro, ela gozou rebolando com o pau enfiado na bunda.

Alberto continuou metendo, castigando a bunda, a pica entrava toda no cu. Sonia tremeu gozando de novo. Alberto continuou maltratando a bunda dela, ele foi ficando ofegante e gozou enchendo o rabão de leite. Sonia desabou na cama. O corpo dela estava quente. Abri as nádegas dela, o cu piscava e o leite grosso escorria, beijei o cu, ela enlouqueceu, gemeu, ai amor chupa, meu cu ta todo fodido. Chupei até ela se acalmar. Sonia fechou os olhos, cansada. Alberto me olhou segurando o pau amolecido e sorriu, me abraçando. Sentamos cansados nas poltronas em frente à cama e tomamos uma cerveja gelada para nos recuperarmos. Enquanto Sonia adormecida descansava.






















ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.