"Os mais excitantes contos eróticos"

 

HISTÓRIA DO RAFAEL


autor: Rosca
publicado em: 24/10/16
categoria: traição
leituras: 2146
ver notas


Os filhos já tinham ido dormir e eu e Renata estávamos conversando na sala quando ela me lembrou com um sorriso maroto que agora era minha vez de contar como foi a minha primeira traição. Da mesma maneira que ela eu me concentrei como se voltasse pelo túnel do tempo até aquele momento. Comecei então a descrever.
- Você se lembra da Thais, aquela nossa vizinha do andar de baixo?
- Claro, aquela moreninha casada com aquele louro alemão.
Pois é, antes deles se mudarem aconteceu um imprevisto no apartamento deles e como o marido dela estava viajando ela me ligou para saber se podia ajudar. Tinha dado um curto-circuito no chuveiro deles e ela não podia usar o chuveiro. Eu falei para ela comprar um e me avisar para eu poder instalá-lo. Ela comprou, me chamou e fui lá instalar.
No dia estava um calor danado e eu fui com uma camiseta e um short folgado, mas me esqueci de colocar uma cueca.... Fiz tudo direitinho e quando eu estava em cima da escada eu percebi que ela não tirava o olho da parta de baixo do meu short. Imaginei o que ela deveria estar vendo ou querendo ver.
Meio sem graça, afinal éramos vizinhos, eu tentei girar na escada e quase caí. Ela se assustou, mas me olhou com um sorrisinho. Eu percebi a motivação e me desculpei por ter vindo daquela maneira. Sabe o que ela falou?
- Nem imagino.
Ela sorriu e disse que ela e o marido dela eram nudistas e que eu poderia ter ido nu para casa dela, assim ela também poderia me receber à vontade. Sorri sem entender muito e ela continuou dizendo que apesar de ser brasileira ela já tinha se acostumado com alguns costumes alemães e que achava bonito ver um corpo sem roupa.
Fiquei olhando imóvel na escada.
Ela sorriu e perguntou se poderia tirar a roupa para ficar à vontade. Eu balancei a cabeça para dizer que sim e ela se despiu completamente. Nossa era linda aquela moça. Corpo bem torneado e seu rosto não escondia uma sensualidade espontânea. Depois ela me falou para descer da escada e fomos tomar um café que ela me ofereceu para agradecer pela ajuda.
Fomos até a cozinha e ela falava e se movia com uma naturalidade impressionante. O problema é que aquele corpo, aqueles movimentos e até mesmo os olhares sensuais dela provocaram um efeito em mim... comecei a ficar de pau duro.
Ela deve ter percebido, mas “fingindo” naturalidade me falou para experimentar tirar a roupa e batermos um papo “naturista”. Vendo a minha incerteza ela insistiu dizendo que não me importasse com as “reações do corpo”... e acrescentou:
- Vou te ajudar.
A sensação de ter uma mulher nua tirando minha roupa e puxando o short para liberar meu pau duro que deu um pulo para cima me deixou mais excitado ainda.
Eu a olhava dentro dos olhos e fui me aproximando lentamente. Ela não se movia. Cheguei tão perto que meu pau encostou na perna dela que continuava olhando fixo para mim. Não resisti. Eu a abracei e dei um beijo na sua boca. Fui correspondido e logo estávamos na sua cama.
Ali era seu domínio e ela comandava tudo. Me deitou e passou a chupar meu pau. Sua língua descia até minhas bolas e subia novamente. Não sei como ela aguentava enfiar meu pau todo dentro de sua boca que você sabe é bem grandinho. Em certo momento eu senti seu dedo entrando no meu cú e logo começou a fazer uma massagem prostática.
Eu pedi para ela parar senão eu gozava. Ela então veio por cima de mim segurou meu pau e o encaixou na sua buceta. Antes dela descer eu pedi para chupá-la e ela me disse que já estava com tesão e tinha vontade de dar para mim há mais de um ano, que ali na casa dela era ela que queria me fuder.
Sentou e meu pau entrou todo dentro dela. Realmente ela já estava encharcada. Ela veio sobre mim e começou a me beijar enquanto seu quadril fazia movimentos inicialmente lentos, mas alternando com pequenas acelerações. No meu ouvido ela disse:
- Viu o que eu te disse? Sem roupa vemos melhor com quem estamos conversando e muitas barreiras desaparecem com as roupas.
Na hora nem me passava na cabeça que eu era casado e que amava minha esposa. Não estava procurando nada quando o destino me ofereceu aquela oportunidade de conhecer novas sensações, mesmo para quem já tinha tido muitas relações sexuais. É diferente a relação do tipo “ficar” com aquela liberação de quem é casado, mas que permite a vivência de sensações diferentes sem envolvimento amoroso.
Thais começou a gemer e seu quadril “me fodia” quase com violência. Seu gozo chegou forte e só ouvi ela me dizer:
- Vai me enche de porra, da porra que eu queria sentir dentro de mim.
Gozei e enchi ela de porra. Ela caiu ao meu lado e passava a mão na buceta para enchê-la de porra e depois levava à boca. Falou baixinho:
- Adorei o gosto da sua porra. A do meu marido é mais ácida.
Minha consciência ainda estava como em um sono letárgico e acho que até cochilei. Em determinado momento senti ela chupando meu pau depois ela veio sobre mim e ficou de joelhos com minha cabeça entre suas pernas. Sua buceta estava sobre minha boca.
Passei a lambê-la ainda que escorresse muita porra. Ela levou seu quadril para frente e percebi que era para lamber seu cuzinho. Eu adoro lamber e enfiar a língua num cuzinho. Depois ela voltou a encaixar sua buceta na minha boca e eu continuei chupando por um bom tempo até que os líquidos que desciam agora tinham o gosto e o cheiro dela.
Ela então pegou minha mão e me fez levantar. Fomos até a parede do quarto e ela apoiou as mãos na parede ficando de costas para mim. Com um olhar sacana me disse.
- Vai come minha bunda. Hoje ela é sua.
Lentamente fui enfiando meu pau naquele cuzinho que parecia já estar bem acostumado com este tipo de sexo. Passei a fazer movimento lentos e ela rebolava como brasileira.
Em determinado momento ela me chamou para a cama e deitou de costas levantando bem as pernas.
- Vai, continua comendo meu cú.
Passei a come-la com suas pernas que abraçavam meu quadril. Como já tínhamos gozado ficamos muito tempo metendo. Às vezes eu até tirava do cú dela enfiava na buceta e depois voltava para o cú.
Mas a resistência tem limites e tanto eu como ela chegamos ao orgasmo.
- Vai, me enche de porra. Hoje tua porra é toda minha. Vaaaaaaaaiiiiiiiiii.......... Huuummmmmmmm..................
- Toma putinha nudista do caralho. Ahhhhhhh..............
E enchi ela de porra novamente.
Depois, ela, com a maior naturalidade domo se eu tivesse apenas trocado o seu chuveiro, me levou para tomar banho me deu um selinho e nos despedimos. Nunca mais nos falamos fora os cumprimentos no elevador.
- Nossa, falou a minha querida Renata, nunca imaginei que a Thais fosse assim e nunca suspeitei de nada.
- Querida você se lembra daquele dia em que você queria transar e eu relutei dizendo que estava muito cansado. Você sabe que eu nunca te deixei na mão, mas naquele dia não foi fácil. Você tanto insistiu e me provocou com a mãozinha e com a língua que trepamos gostoso como sempre, mas você estranhou que eu gozei pouca porra... Eu disse que era pelo cansaço e você acreditou.
- Seu puto..., era isso então? Mas hoje você não me escapa e eu quero muito porra na minha boca, certo?
- Você ainda me ama depois que te contei isto?
- Amo como nunca, porque estas coisas são vivências e entre nós existe o amor.
Transamos loucamente e no próximo conto vou avançar mais.
Um abraço




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.