"Os mais excitantes contos eróticos"

 

TROCA DE CASAIS


autor: Rosca
publicado em: 25/10/16
categoria: hetero
leituras: 4697
ver notas


Depois de termos contado, um para o outro, as experiências que tivemos fora do casamento, e percebido que nos amávamos e que isto era uma coisa prazerosa que não influenciava a nossa relação, passamos a conversar bastante sobre casais liberais.
Um dia Renata me contou que tinha conversado com a Paola (ver conto “O INÍCIO DE UMA VIDA LIBERAL) sobre o que estava acontecendo conosco. Paola foi muito acolhedora, disse a Renata, e procurou ouvir sem fazer comentários durante o que ela contava. No final ela perguntou à Renata se nós não gostaríamos de experimentar alguma coisa com ela e o marido dela. Disse que poderia ser separadamente ou os quatro. Se desejássemos poderia ser como quiséssemos. Apenas acrescentou que ela sentia tesão pelo Rafael e o seu marido por ela, mas nunca falaram nada por uma questão de respeito a como cada um vê a vida.
Eu ouvi e fiquei quieto, mas ela perguntou:
- O que você acha disto? Acha que seria legal para a gente?
- Eu acho que depois do que já contamos um para o outro e da convicção de que nos amamos e que isto são só vivências excitantes e prazerosas, poderia ser a abertura final da porta do casamento liberal.
- Mas faríamos um de cada vez ou os quatro?
- Querida, acho que já dei minha opinião e gostaria de saber o que você preferiria. Você gostaria de abrir definitivamente a porta onde faríamos sexo um diante do outro ou prefere subir degrau por degrau e uma coisa de cada vez?
Renata pensou um certo tempo e depois disse:
- Acho que já estamos prontos para abrir completamente a porta. Certo?
- Combinado. Você então combina com a Paola.
- Vou combinar.
Duas semanas se passaram e não toquei no assunto. Uma noite ela me falou que tinha combinado com a mãe dela para ficar em casa com nossos filhos porque iríamos passar um fim de semana em um Spa em Itú. Disse que tinha combinado tudo com a Paola e nos encontraríamos lá.
Os dias pareciam que não passavam, mas o sábado chegou e nos arrumamos para o fim de semana. Eu e a Renata temos o hábito de nos rasparmos deixando cabelo na região genital que é mais um enfeite decorativo do que aquela cabelada natural. Roupas normais, afinal era um Spa...
Sábado chegou e fomos para Itú. Lá no Spa nos encontramos com a Paola e o seu marido Marcelo. Eu os conhecia, mas nunca tivemos muita intimidade.
Almoçamos, dormimos um pouco e depois fomos para a piscina onde fizemos um pouco de hidroginástica. Depois ficamos conversando dentro d’água. Como todos já tinham saído ficamos bem pertos, mas ainda conversando coisas do dia-a-dia.
De vez em quando nossos corpos se tocavam, principalmente o Marcelo com a Renata. Os olhares também eram trocados como compartilhamento dos passos que iam sendo dados. Senti algumas vezes a coxa da Paola pressionar a minha. Como sabíamos o que desejávamos os dois homens começaram a ter seus “mastros” endurecidos. Olhares, risinhos, mas não passamos disto, afinal estávamos num Spa normal. Antes de sairmos da piscina vi que a Paola conversando alguma coisa com a Renata. Não perguntei e fomos tomar um belo banho.
Jantamos juntos, ficamos conversando vendo a lua e, de repente, a Paola disse que ia para o quarto com o Marcelo. Achei estranho, mas não me meti, afinal a combinação era da Renata com a Paola.
Não demorou 10 minutos e tocou o celular da Renata. Ouvi ela dizendo: OK. Renata então me disse que iríamos no chalé da Paola. Eu a acompanhei. Ela não bateu na porta e fomos entrando. O que vi já me acendeu um fogo interno. Marcelo estava sentado no sofá com o pau duro e a Paola o estava chupando. Os dois completamente nus.
Foi o Marcelo quem nos convidou para ficarmos à vontade e se desejássemos podíamos entrar na brincadeira.
Nós nos despimos e fomos para a cama onde começamos a nos beijar. Periodicamente dávamos uma olhadinha para os nossos amigos. Em certo momento a Paola tomou a iniciativa e veio até nós e perguntou de maneira super erótica:
- Renata, posso desfrutar deste pauzão do teu marido?
- Claro, ele é todo teu.
- Então vem aqui e fica com o do meu marido que me disse que está morrendo de tesão por você.
Paola levou Renata até o Marcelo que a recebeu com um sorriso. Ela sentou do lado dele e depois de um momento de “e agora”..., ele colocou a mão dela sobre o pau dele e a beijou. Renata e ele passaram a se beijar intensamente e nisto eu senti a mão da Paola pegar meu pau. Ela então me disse botando mais fogo no clima:
- Olha como é lindo ver nossos companheiros tendo um prazer diferente e intenso. Vai nos dar mais tesão e o que eles fizerem vamos fazer também. Escuta Marcelo, eu quero dar para você a muito tempo e só hoje surgiu esta oportunidade. Vem, me come gostoso. Me fode não como a amiga de tua mulher, mas como uma mulher que gosta de sexo, que gosta de gozar no pau de um macho gostoso como você.
- Paola, desde que a Renata me falou deste encontro eu já bati muitas punhetas pensando em você. Eu te desejo com muito tesão.
Paola caiu de boca no meu pau enquanto a Renata fazia o mesmo com o Marcelo. Como é forte o clima que envolve os casais numa sessão de swing.
Logo eu tinha colocado a Paola deitada na cama e passei a beija-la e provoca-la com minha língua na sua bucetinha. Eu a abria com meus dedos e enfiava a língua. Depois lambia seu clitóris e ela começou a gemer.
Nisto o casal do sofá veio também para a cama e eram só carícias, beijos, gemidos e provocações sussurradas nos ouvidos para serem ouvidas só pelo parceiro. Eu via o pau do Marcelo entrar escorrediamente pela boca da Renata enquanto ela olhava tesuda para ele vendo ele se excitar. Sua mão acompanhava o movimento da sua cabeça que subia e descia com o pau dele dentro da boca. Seus lábios formavam um anel que subia e descia no seu pau.
Inverti a posição com Paola e passei a beija-la todinha. Eu retribuía o carinho dela e sentia pelos tremores do seu corpo que ela estava adorando. Ao nosso lado a Renata e o Marcelo também tinham invertido a posição. Em determinado momento a mão da Renata apertou meu braço. Eu conhecia o início destas contrações dela...
Quem não viveu isto não pode imaginar o clima erótico que vai sendo desenvolvido. É algo fantástico e diferente do sexo entre duas pessoas que se amam. Não é melhor, simplesmente é diferente e muito intenso. Você sente o prazer do sexo que está fazendo e ao mesmo tempo sente o prazer e a excitação de ver o seu parceiro(a) desfrutando intensamente deste prazer ao teu lado. Soma-se a tudo isto o prazer da cumplicidade amorosa. É maravilhoso!!!
Eu e Marcelo passamos a meter em nossas companheiras. Nossos corpos abraçados se movimentavam em ritmos diferentes. Ouvia-se no quarto gemidos e o barulho de quadris que se movimentam e sacos que batem na bunda da companheira. O ritmo aumentou entre o Marcelo e a Renata e logo estavam gozando:
- Ai Marcelo..., eu vou gozar. Mete, mete, mete .... Uhmmm... Que delícia.
- Eu também vou gozar. Mulher gostosa, toma minha porra....
Com isto eu e a Paola não conseguimos segurar mais.
- Vou gozar Paola. Puta merda.... que gostoso....
- Eu também já estou gozaaaaando. Vai me enche com tua porra.... Haaaa.....
O silêncio invadiu o ambiente e o perfume de sexo era sentido em cada respiração. Nós nos acomodamos os quatro na cama e ficamos quietos por alguns instantes. Foi a Paola quem falou primeiro:
- Que delícia! Os calouros gostaram? E deu uma risadinha.
- Eu adorei, respondi e exclamei: porque não fizemos isto antes?
Renata estava calada e foi o seu parceiro quem perguntou a ela se tinha gostado.
- Isto é maravilhoso! Há tempo que eu já tinha pensado em termos este tipo de vivência, mas tive que esperar que a maturidade amorosa entre eu e o Rafael nos desse segurança para experimentarmos. Foi muito intenso seja porque estava com você Marcelo, que é um homem gostoso e bom fudedor como também por ver meu marido comendo a Paola. A expressão do gozo no rosto dele me impressionou. Ele deve ter enchido a Paola de porra.
Todos nós demos uma risada e a Paola brincou dizendo: Vamos ver quanto ele me deu de porra, e desceu da cama, se agachou e deixou cair no chão a porra que estava dentro dela. Não foi pouca não... Renata entro na brincadeira e foi para o lado dela fazendo o mesmo.
- Viram, eu consegui produzir muita porra no saco do Marcelo...
Tomamos banho eu e a Paola e depois a Renata e o Marcelo. Voltamos para o quarto, a Paola me conduziu ao sofá e depois o Marcelo e a Renata foram direto para a cama. O silêncio voltou a dominar, mas o perfume de sexo pairava no ar. Paola estava sentada ao meu lado e segurava delicadamente meu pau que começava a endurecer. Na cama os dois se abraçavam, se beijavam, se chupavam e logo estavam metendo de novo. Paola também passou a me chupar e depois veio por cima de mim, encaixou meu pau na entrada da sua buceta e foi descendo devagarinho até sentar no meu colo. Na realidade ela queria que ficássemos fudendo, mas assistindo o que acontecia na cama.
Era maravilhoso sentir aquele corpo subindo e descendo lentamente sobre mim. Às vezes era o seu quadril que mexia para frente e para traz e ter diante a cena de ver minha mulher sendo fodida por um outro homem e gozando quase que sequencialmente. Paola também teve pequenos gozos e eu sentia sua buceta apertar meu pau.
Em determinado momento ouvi o Marcelo perguntar à Paola.
- Posso comer tua bunda?
- Eu ia te pedir...
Ele a pôs de quatro, lubrificou seu cú com KY e lentamente vi o seu pau ir entrando todo dentro do cú dela. Depois dos gemidinhos de dor iniciais, afinal o pau dele também não era pequeno, eles passaram a movimentos lentos e profundos.
Paola saiu de cima de mim e me conduziu para a cama. Ficamos ao lado deles e ela mesma conduziu meu pau para seu anelzinho depois de lubrifica-lo bem. Ela deveria ter muita prática pois entrou fácil. Duas mulheres bonitas de quatro e dois homens por traz fudendo suas bundas. Elas às vezes se olhavam enquanto eu olhava a cena das duas bundas e dos dois paus que entravam e saiam.
Não sei dizer quanto tempo ficamos metendo, mas mudamos de posição com elas deitadas de costas e sempre fudendo o cuzinho delas. Assim podíamos trocar beijos longos e nos abraçarmos parando um momentinho para não gozar. Nesta posição elas se masturbavam com as mãos e quando o orgasmo se tornou inevitável a Renata me surpreendeu e pediu ao Marcelo para gozar na boca dela.
- Goza na minha boca. Quero ir dormir com o gosto da tua porra na minha boca e se meu maridinho quiser ainda dou um beijo nele para compartilharmos até isto.
- Eu também quero, disse a Paola.
E logo que elas gozaram eu e o Marcelo explodimos na boca das duas. Sacanamente elas esperaram que caíssemos deitados e nos beijaram com a boca e o rosto cheio de porra do parceiro que as tinha fodido.
Fomos tomar banho conversando e depois nos despedimos e fomos para nosso quarto, onde eu e a Renata conversamos um bom tempo. Estávamos extasiados e felizes como o que aconteceu. Fomos para a cama e apagamos. No dia seguinte não deu para acontecer mais nada e Voltamos para Campinas.
Percebo que contei mais do que eu vi a Renata fazendo com o Marcelo do que o que aconteceu entre eu e a Paola, mas é que me chamou a atenção ver tanto prazer da minha mulher e fiquei muito feliz com o prazer dela. Numa próxima vez de nós quatro, que aconteceu, vou falar mais eu voi falar mais da Paola e de mim...




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.