"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Abusado pela bruxinha na Festa


autor: Ronimac
publicado em: 31/10/16
categoria: hetero
leituras: 2914
ver notas


Aconteceu esta semana no Sabadão de Halloween.

- Bora pro fight, coloco a fantasia de Romano, aquela com sainha branca um palmo acima dos joelhos, cinto grosso de couro, capa vermelha, coroa de louros na cabeça, pulseiras grossas de couro, barba por fazer, maquiagem parecendo um Zumbi... sim um Zumbi Romano criação minha rs.

Chega o Uber

O cara me olha meio estranho e me oferece balinha... água..

-No thanks!!! Eu trouxe meu próprio elixir... um cantil com Black label, já saí calibrado.

Ele pega a avenida Brasil, Sumaré, Pça Por do sol, pronto em minutos estou na festa, passo pela porta o segurança pede.

- O celular, por favor,

-Oi?

-não pode entrar com celular na festa... o sr sabe como é... É pra proteger a privacidade dos convidados e a sua própria.

Ok, eu não faço selfie mesmo, ele coloca meu celular num saquinho, me dá uma fichinha, passo pela revista e caio dentro da festa, encontro um grupo de amigos... não tenho certeza com estas máscaras... mas vamos rindo e bebendo dançando por horas.

Saí da roda e fui ao banheiro, ebaaa, banheiro misto... adorei aquilo, mas estava lotado, encostei no lavabo cruzei os braços e fiquei esperando uma das portinhas vagar, ao meu lado uma morena, cavala, 1,75 mais ou menos, olhos azuis, cabelos castanhos escuros, peitinhos P, bunda M, vestida de bruxa, olhei pra ela com a minha peculiar cara de safado e disse.

- Bela Bruxa hein... Pelamor!

Ela me mediu de cima a baixo fez cara de importante e cruzou os braços, me esnobando... ah se tem uma coisa que me deixa louco é ser esnobado, senti uma mistura de tesão e raiva, acho que ela também rs.

Quando vagou uma porta, ela me olhou e eu indiquei a porta e ironicamente disse... pode ir a sua vassoura esta esperando.

Ela se aproximou de mim, deu um tapa no meu rosto segurou o meu queixo, me mediu com os olhos de novo e disse... eu quero ver a vassoura!!!!

As pessoas em volta riram e criou-se uma algazarra, fiquei conhecido na festa como:

“O Romano amaldiçoado”

Voltei pra festa entre uma e outra azarada reencontro a Bruxa, ela parece me secar com o olhar, pergunto pra galera se alguém conhece, mas com a maquiagem é difícil, estava meio tenso já rs.

Já meio alto vou pro jardim, tem uma fonte, uma vista maravilhosa pro mirante da Lapa, está meio frio e não tem ninguém, sento no banco pra tomar um ar.

Sinto um perfume, unhas passando levemente no meu pescoço, me viro... é a bruxa!!!

Ela faz um sinal de silencio com o dedo próximo a minha boca e me dá uma tapa na cara, estalou!!! Fiz sinal que sim com a cabeça

-Cala a boca, disse ela, não fala nada!!!

Se ajoelhou na minha frente levantou a minha “saia” e conferiu se eu estava de cuecas, tirou a minha cueca e começou a massagear o meu pau ajoelhada na minha frente, e usando a minha saia como escudo pra cobrir as suas mãos.

Eu não estava acreditando, ela estava abusando de mim, abri a boca pra dizer algo e pláaa!! Outro tapa no rosto!! me calei, aquilo era dolorido e excitante.

Frente a frente comigo ela me masturbava não pra cima, mas para frente em sua direção, doía, mas era gostoso, com a palma da mão aberta ela fazia movimentos circulares na cabeça do meu pau e com a outra mão ela punhetava devagar, em minutos aquelas gotinhas pré-gozo, saíram do meu pau, ela lambeu a palma da mão, olhando para os meus olhos incrédulos e cheios de excitação, ela cuspiu na palma da mão e continuou fazendo movimentos circulares na cabeça do meu pau, agora apertando as minhas bolas com a outra mão.

A minha respiração ficou ofegante, suor descendo pela testa, ela começou a beliscar a cabeça do meu pau com aquelas unhas e estava me deixando maluco de tesão, que mulher doida que mulher deliciosa, sabe exatamente o que fazer, quando comecei a urrar baixinho ela apertou as bolas do meu saco, percebi que não era pra gozar.

Ela se levantou e sentou se no meu colo de frente pra mim, com uma das mãos posicionou o meu pau e foi se deixando cair, a sua bucetinha estava engolindo o meu pau inteiro e encostou a sua bunda macia nas minhas coxas, ela estava completamente meladinha, excitada, quente!

Com as unhas arranhou o meu peito e apertou os meus mamilos com as unhas, urrei de tesão, isso é golpe baixo e ela parecia saber, apertava cada vez mais entre a dor e o tesão, enquanto começou a cavalgar, aqueles olhos azuis me fitando me deixavam com mais tesão, ela cavalgou mais rápido, com uma das mãos segurava o brinquedinho e engolia... e saia dele com uma maestria digna de uma amazona, acelerou mais o movimento mordendo a língua, mas não me deixando beija-la, eu fechava os olhos ela apertava os meus mamilos, aquilo era sádico.

Ela segurou o meu queixo cavalgando eu abri a minha boca para um beijo, ela cuspiu na minha boca, e me deu um beijo, com a sua língua quase estuprando a minha boca, mordendo a minha língua, passeando por toda a minha boca, segurando o meu queixo, finalizando com uma mordida nos lábios, ofegantes e pulando no meu pau.

De repente, ela se levantou, pulou mais alto e encaixou o cuzinho na cabecinha, confesso que suei frio, ela lubrificou a cabecinha na buceta, cuspiu na mão e passou no cuzinho e começou a sentar... ai caralhooo que tesão, que maestria sentava deliciosamente devagar e aí se deixou cair.

Uaaiiiiimmm!!!, ela soltou um gritinho, urrei de dor e tesão, o meu pau esfolado estava dentro do seu cuzinho, ela se contorceu, rebolou, se ardeu o meu pau imagino o anelzinho dela, enterrou as unhas nas minhas pernas, jogou o corpo pra trás, subia rebolando e descia cada vez mais rápido, mais forte, ela enterrava as unhas nas minhas coxas, de frente pra mim, começou a se tocar no grelinho, gemia subia e descia, gemendo muito, me deu um tapa na cara, mais dois, não dizia nada, só me castigava, rebolava ia pra frente e pra traz, pra cima e pra baixo, que puta que tesão, gemeu, gemi, gememos, urrei, as nossas respirações muito fortes ela se agarrou aos meus cabelos, olhos nos olhos, fechamos os olhos e gozaaaamos, muito, senti a minha porra inundando aquele cuzinho delicioso, senti choques de tesão, o pau já não doía mais, era puro tesão, ela rebolava, circulava aquele rabinho mágico e o meu pau foi amolecendo, ela levantou o suficiente pra eu sentir a porra escorrendo no meu saco, nas pernas, olhando nos meu olhos, soltou o meu cabelo.

Saiu... olhou pra trás e disse... Cadê a vassoura???

A coroa de louros sumiu, assim como a minha cueca, ela levou de troféu...

Vai me fala se gostou, deixa uma nota e comenta, ou manda email: ronimacc@gmail.com






ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.