"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Vânia minha meia-irmã


autor: darkdick
publicado em: 02/11/16
categoria: jovens
leituras: 31804
ver notas




Há muito que a minha mãe desconfia que a Vânia anda a tramar alguma, mudança de visual, roupa mais justa, shorts curtos e quando chega refugia-se logo no quarto, só sai para jantar.

Vânia é filha do meu padrasto e a minha mãe não vê com bons olhos esta mudança repentina, mas o pai desculpa-a dizendo que é da idade.

Sem grande margem de manobra, incumbe-me de a seguir durante uns dias.

Vê bem o que anda a fazer a depois diz-me. Diz-me com ar sério e preocupado..

Assim, começo a fazer de detective, nos primeiros dias nada acontece, até que na sexta-feira e para minha surpresa, ela muda de percurso, segue em direcção do parque industrial, acho estranho, pois a maioria dos pavilhões estão desactivados.

Percebo que ela entra numa oficina abandonada. Fico perplexo com aquilo. O que ela vai ali fazer? Pergunto-me várias vezes.

Dou um tempo e aproximo-me, ando cauteloso pelo interior da oficina e de repente, começo a ouvir sons, o que me deixa ainda mais curioso.

O som vem do anexo, e consigo ver o interior sem ser visto, fico de boca aberta, um homem, terá mais de 50 anos, de pé com a calça arreada A Vânia ajoelhada diante dele chupa-lhe a vara enquanto ele lhe acaricia os cabelos.

Da surpresa à excitação é um ápice, a habilidade dela, passar a língua em todo o comprimento e abocanhar vara que desparece quase toda dentro da boca, são imagens alucinantes.

Segura-lhe a cabeça e por uns instantes movimenta a vara dentro da boca dela, depois pára, Vânia levanta-se, vira-se para a parede, ele puxa-lhe o short e de seguida a calcinha que ficam presas nos pés, não consigo ver o rabo da minha meia-irmã, ele leva a mão à boca e de seguida passa-a por Vânia, sinto um arrepio de tesão, ele prepara-se para a enrabar.

Segura-a pela cintura, começa a movimentar-se lentamente.

“Pára, pára! Tá me arrebentando toda”, grita. Ele pára e ela senta-se no chão.

Não dá, é muito grande, diz ela com voz lamurienta.

O homem mantem-se em silêncio, a verga entesada fica à altura da cabeça da Vânia, ele segura-a e bate-lhe com ela, tem de dar, diz ele.

Eu faço com a boca tá ?

Não o trato não é esse, ou tu me dás o rabinho ou quero meu dinheiro.

Eu dou, diz Vânia, puxando a pequena mala que colocara no chão.

O dobro, diz ele a rir.

Desgraçado, sabes que não tenho isso, diz ela com voz esganiçada.

Deixa-te de frescuras puta…

Saliva bem a tora, que quanto mais salivada menos dói, e enquanto fala segura a cabeça da minha meia-irmã e coloca a vara defronte da boca dela.

Vânia, começa a lamber e quando a mete na boca, ele tira-a.

Nada disso, saliva só..

Sinto um nó no estomago, a minha vontade é entrar e acabar com isto. Mas o corpanzil dele mete respeito.

Apòs alguns minutos, ele diz-lhe anda para ali.

Não consigo ver o que é, mas Vânia levanta-se, a roupa nos pés atrapalham-na e ele a rir diz-lhe tira essa merda que ainda cais.

Ela levanta u pé depois o outro e deixa no chão a calcinha e o short, segue-o e deixo de ter campo de visão.

Aguardo algum tempo e a tremer de medo e excitação aproximo-me da porta, um bidão colocado logo na lateral da entrada serve-me para me esconder.

Baixo-me, depois lentamente espreito de lado, vejo já a Vânia de quatro, sobre um velho colchão de espuma, o rabo é grande, nádegas redondas e brancas, sinto a vara entesar.

Ele coloca-se atrás dela, de joelhos, eu tremo de excitação, pena e desejo, ele cospe directamente no rabo dela e espalha a saliva.



Tem um membro descomunal, proporcional ao corpo mas é um portento, passa-me pela cabeça que o meu comparado com o dele é minúsculo.



Vejo-o segurar o membro e encostar entre as nádegas delas e meter, Vânia solta um grito de dor, os braços fraquejam e o tronco flete na direcção do colchão, fica apoiada pela cabeça, os braços ficam dobrados pelos cotovelos e as mãos juntam-se em frente da cabeça.



Ele movimenta-se dentro dela, consigo ver a vara entrar cada vez mais, ao mesmo tempo que Vânia geme a cada estocada, sinto a minha vara endurecer de tesão.



Não sei quanto tempo durou, é como assistir a um filme porno, excita-me os hummms e ahnnnnns que brotam cadenciados das sua gargantas, dá-me uma tesão louca, os olhos fixam-se nos movimentos deles, a coninha dela abre-se a cada impacto da penetração, aumenta o ritmo e quase que a monta, solta um ronco profundo e segura a cintura dela, em espamos de prazer.



Oiço a voz rouca dele dizer Vimmmmm-mmmeee.

Lentamente obriga-a a deitar-se e cai sobre ela com a vara cravada no fundo do seu rabinho.



Vânia solta um gemido lamuriento ao sentir o peso do corpo dele sobre o seu.



Depois ele levanta-se, aproveito para recuar e sair, fico colado à parede, o coração quase que me salta do peito de excitação e medo.



Oiço passos no interior, é ele que volta para junto dela, oiço-o dizer, gostei, tens um belo cu, mas tens ainda muito que aprender.



A voz lamurienta de Vânia chega aos meus ouvidos, tou toda rebentada, não sei como vou andar para casa.



Ele ri-se, e diz-lhe, vai devagar.



Saio para o exterior e aguardo a saída deles, mas é só ele que sai, mão no bolso, como se nada se tivesse passado.



Após alguns momentos Vânia sai também, as pernas um pouco abertas, devagar dirige-se para casa.



continua





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.