"Os mais excitantes contos eróticos"

 

festa surpresa


autor: boavida
publicado em: 04/11/16
categoria: grupal
leituras: 3074
ver notas


No meio da praça de alimentação começou a ouvir-se uma música vinda do saco da Kay, ainda com a comida numa mão, procurou abrir o saco com a mão livre.

- Alô, querida, tou comendo, mas fala!

Era a amiga Ana para confirmar tudo para o dia seguinte, como tinham combinado, pois era o aniversário de Kay. O dia acabou sem mais nada a referir.

Bem cedo, Ana passou em casa de Kay, e no carro já vinha também Bel. As três eram super amigas desde os quatro anos, já se conheciam mesmo antes da escolinha. Mas isso é passado e hoje é o aniversário de Kay, vinte e um anos, e as três estavam aprontando uma festa bem diferente. Era uma surpresa montada pelas amigas e Kay nem imaginava o que passaria nessa noite. Foram diretas para um hotelzinho junto à praia e logo ficou curiosa, perguntando o que iria acontecer.

- Mas aproveito para lembrar as meninas que eu não quero trair meu homem, nem em sonhos! Ouviram? Esta xaninha é só dele!

As amigas tranquilizaram-na e sublinharam que estava tudo preparado, sendo necessário somente ela ficar relaxada e viver aquele momento.

O quarto era enorme e a cama era perfeita para uma suruba. Na varanda viam-se pequenas luzes lá bem longe, por certo anunciando pequenos barcos, e uma linha branca desenhada pela lua. Depois de ver aquela imagem tão romântica, as amigas pediram para a Kay se voltar de modo a aplicar uma venda de modo a garantir uma maior surpresa.

- Meninas vocês sabem que eu não quero nada com vocês! Certo?

Elas responderam para ela se tranquilizar, que iriam passar um creme relaxante, fazer depilação e nada dessas coisas que estavam a passar pela cabeça da Kay. Mas pretendiam experimentar uns brinquedos novos, se não houvesse problemas! Seriam uma oferta para ela brincar com o seu noivo.
- Desde que tudo o que acontecer fique dentro destas paredes, tudo bem!

Riram bem alto, e, do outro lado da parede os meninos torciam-se de modo a não fazerem barulho com a vontade de rir. Tinham entrado em silêncio, tudo acordado com a Bel e a Ana, e tudo estava a acontecer conforme programado.

Kay estava nua e as amigas conduziram-na para a cama, sentaram-na e colocaram uma venda. Com pequenas gargalhadas que mostravam nervosismo, as meninas divertiam-se, com movimentos de mãos que invadiam os corpos mais próximos. Como ela já nada via do que se passava, as amigas tiraram algemas do saco da Bel e começaram a prender a Kay na cama, logo que o seu corpo pousou nos lençóis brancos.

- Vocês estão loucas, meninas? já não estou a gostar... - e foi interrompida pela Bel.

- Mas logo, logo, começas a gostar! - Disse a Bel, resultando gargalhadas das três.

A Ana aproximou-se do acesso da sala e fez sinal aos meninos para se aproximarem. já estavam os três completamente despidos e correram silenciosamente para junto da cama onde estava a Kay feita obra de arte. As duas meninas reclamaram com eles, por gestos, pois os paus deles pareciam automáticos, e cresciam ao olhar para aquele corpo, esguio e alto.

O namorado da Kay preparou-se para entrar nela, mas as meninas fizeram sinal para ele relaxar. Elas começaram a passar um creme no corpo dela, e foram brincando com ela, perguntando onde gostava mais da massagem. No meio de gargalhadas, o namorado sabendo do que ela gosta de verdade, ajoelhou-se, pôs a cabeça entre as pernas dela e começou a passar a língua no sexo dela. Foi visível a reação do seu corpo, com um estremeção enorme. As meninas espalhavam creme nos ombros e seios dela e riram.

Ela ia começar a reclamar, mas a Bel dobrou-se e colou os seus lábios nos dela, e com a mão puxou um sexo bem duro para junto das suas bocas. Quase caía o rapaz, mas equilibrou-se e fechou os olhos ao sentir aquelas duas bocas a passearem ao longo do seu pau. Os lábios delas passeavam de uma ponta a outra, por vezes, largavam a ponta e ficavam beijando-se. Aquele membro duro entre metia-se no meio daqueles lábios molhados, famintos de sexo ou simplesmente a viver aquele momento de puro prazer.

Levantou a cabeça, o namorado da Kay, pôs-se de joelhos e aproximou o seu sexo do dela, conduzindo a cabeça bem vermelha do seu pau para o interior da sua namorada. Entrou sem qualquer dificuldade e começou um lento movimento de vai-e-vem.

O outro amigo que estava a olhar para toda aquela cena afastou a Bel e juntou o seu pau ao do outro rapaz onde passeavam os lábios da Kay. Ela fez uma cara de surpresa e ficou de boca aberta sendo penetrada por um pau e depois por outro. Ela chupava deliciada, como se tivesse um sorvete de dois sabores. Um e outro, um e outro.

As meninas passaram a acariciar os seios da Kay, muitas mãos e mais passaram a ser, pois os meninos juntaram também as suas mãos às delas. Elas dobraram-se e começaram a lamber e chupar aqueles mamilos duros e pequeninos, deslizando as mãos até às coxas da Kay. Das coxas até à bunda e o namorado continuava aquele vai-e-vem de olhos fechados. A Kay tinha agora uma respiração ofegante, os seus olhos começavam a transformar-se numa mancha negra, possivelmente do suor a pintura estava a perder-se. Os meninos tinham, agora, as duas cabeças, vermelhas, dos seus sexos, bem coladinhas, de modo a ela poder enfiar na sua boca. Passou a língua pelos lábios e abriu a boca o mais que pode, engolindo as duas cabeças juntas. Chupava e passava a língua, não demorou muito para correr um fio de saliva pelo canto da sua boca.

O namorado da Kay estava em transe, começou a sentir tremores nas costas e nas pernas, logo depois que as meninas tinham passado a brincar com o anelzinho do cu da Kay. Ele sentia os dedos delas no seu pau e em menos de um minuto encheu a xaninha da sua namorada de porra. A Bel sentindo que a Kay ainda não tinha ficado satisfeita, largou as brincadeiras nos seios e passou a língua no sexo da Kay. Sentiu o sabor do esperma e chupou, penetrou-a com a língua, o mais que pode. A respiração ofegante não dava dúvidas e para além da língua a Bel já tinha dois dedos no cuzinho da Kay. Um grito abafado anunciava o prazer máximo que ela sentia, e em simultâneo os meninos começaram a encher a sua boca daquele liquido branco, que Kay não perdeu uma gota, de olhos no seu namorado, engoliu tudo. A menina que estava a chupar os seus seios ainda veio beijar os seus lábios, mas já nada havia para partilhar.

- A festa acabou? Perguntou a Bel.

Ainda agora vai começar respondeu a Kay. Preciso de acalmar este meu cuzinho, tem pau aí ou será melhor pegar um brinquedinho?

As meninas riram, os meninos, feitos estátuas olhavam uns para os outros. A Bel dirigiu-se para a sua mochila. Um dos rapazes perguntou de quem era o aniversário da próxima semana. Meu, ouviu-se em coro e gargalharam. A Bel largou a mochila, vinha com algo comprido na mão e carregou no on. Todos ficaram a olhar para o que ela ia fazer.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.