"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Como ela me surpreendeu,eu a surpreendi


autor: Chronos
publicado em: 08/11/16
categoria: hetero
leituras: 1579
ver notas


Nota do autor: Peço inúmeras desculpas a cada leitor, pois estive atravessando problemas sérios e não pude escrever nada. Empreenderei um esforço para terminar as histórias que comecei e divertir vocês. Boa leitura!

Seria uma noite de segunda-feira como outra qualquer para mim, sem grandes novidades. Regressava de uma cidade vizinha com um amigo, após um treinamento numa empresa de Marketing de Rede. Como o dia foi cheio de atividades, estava no banco do carona já cansado, quando minha esposa mandou uma mensagem no WhatsApp: " Onde você está? "

Eu já estava um bocado sonolento, de maneira que eu não dei importância às palavras dela. Cochilei varias vezes no trajeto, percorrendo a Rodovia Dutra e a Avenida Brasil a bordo do Doblo prateado de meu amigo que, animado com o meu interesse pelo empreendimento, esforçava-se inutilmente naquele momento para explicar-me sobre o que foi falado.

Percebendo que eu não daria muita atenção aquela hora, manteve-se quieto. Pedir-lhe desculpas seria no mínimo a atitude correta diante da felicidade dele em iniciar sua rede incluindo a minha pessoa. Mas estava exausto, e combinamos de na quinta-feira continuarmos nossa caminhada nesse projeto.

Deixou-me na porta de casa, sendo muito solicito ao meu estado físico exaurido pelo agitado dia, adentrei minha residência já louco para desabar na minha cama e esquecer o dia. Sim, meu amigo, ele não foi bom. Não foi bom porque eu tinha discutido com minha esposa pela manhã. Nosso relacionamento não estava às mil maravilhas( todos passam por crises), mas agravado por uma situação muito inquietante, na qual eu estava a ponto de dar um basta: Sexualmente estávamos muito, muito distantes.

Olhei para meus aposentos do corredor, com uma única luz acesa do quarto do meu filho e ela estava acordada, esperando minha chegada. Acenei friamente, e fui procurar algo para comer, antes de dormir. Fiz um rápido lanche, o qual eu degustei sem pressa na sala, e foi quando ela chegou atrás de mim, enquanto estava deitado em nosso enorme sofá, solicitando minha presença, pois queria mostrar-me algo. Respondi-lhe que não demoraria. Terminei o lanche e me levantei, e ela correu para o quarto. Achei um tanto estranho, mas não dei tanta importância.

Lavei minha boca, fui ao quarto, despi-me lentamente sendo observado pelos olhares cheios de expectativa de Tati, que calada, aguardou minha chegada à cama. Eu sempre costumo dormir de cueca, bem relaxado. Qualquer peça de roupa faz-me ter um enorme desconforto, se pudesse dormiria nu toda noite, mas minha casa é fria, ainda durmo de cueca. Quando me virei para dar-lhe boa noite, ela se descobre do cobertor vestida num belo espartilho vermelho, parecia um Ferrari linda, recém lançada no salão de automóveis, cobiçada por todos os espectadores. Estava muito cheirosa, sexy, e sua calcinha inutilmente tapava sua bucetinha carnuda. Sono(risos)? Que sono? Ele foi embora sem me mandar lembranças. De fato, meu Sistema Nervoso Central descarregou um dose apaixonada de adrenalina pelo meu corpo tirando-me dos braços de Morpheus, e meus olhos focalizavam cada parte daquela beldade que erguia-se imponente, cheia de atitude para me seduzir.

- Tava ansiosa pela sua chegada, amor. O que você achou?- perguntou-me Tati.

- Nossa, você ficou muito gostosa dentro desse conjunto.

- Pois isso tudo é teu...- e avançou sobre meu corpo outrora adormecido e provocou uma violenta descarga de sangue para meu membro num beijo cheio de paixão.

Eu posso brigar com ela, mas não posso negar que ela sabe seduzir. Normalmente eu sou o que toma iniciativa, conduz todo o momento, mas ela estava determinada em agradar-me. Sentindo seu corpo quente, e seus lábios ardentes caçando minha própria alma, meu mastro erguia-se imponente e impetuoso para possuí-la sem nenhuma ternura. Puxei um de seus fartos seios e o abocanhei provocando-lhe um frisson que há muito não sentia.

Tatiana gemia enquanto sua língua dançava freneticamente dentro da minha boca e minhas mãos já bolinavam sua bucetinha, que já estava bem úmida, e seu cuzinho. Eu amo mexer com o cuzinho dela!

Tati, uma gordinha deliciosa, cor de jambo, parece uma índia, e cabelos trançadinhos, ergueu-se montada sobre meu corpo, e tirou a parte de cima revelando seios deliciosos , intumescidos, implorando para eu mordiscar e sugar demoradamente . O inconveniente, amigos, é que no meio daquela deliciosa preliminar, vi que ao lado da nossa cama dormia nosso filho pequeno.

Decidimos juntos ir para a sala. Tati levou nosso enorme cobertor e forrou-o no chão da nossa sala e reiniciamos aquele tórrido momento de desejo visceral. Nossos beijos de tornaram mais intensos, de maneira que minha esposa começou a gemer de incontido tesão. É gostoso ver quando uma mulher se solta de verdade e geme sem fingir. Seu corpo estava suado e exalando não a fragrância da hidratação, mas um delicioso perfume feminino que inebriava meus sentidos. Ataquei impiedosamente seu pescoço, paralisando toda e qualquer reação que ela pude ter e me enlouquecer de vez. Eu sabia que ela teria êxito se me dominasse. Mas eu estava prestes a dar-lhe uma boa dose de castigo, e ela submeteu-se ao meu domínio.

Beijei, mordi, chupei demoradamente seu pescoço, e apertando seus seios simultaneamente. Não deixei de mamar aqueles biquinhos durinhos que se arrepiavam ao menor toque da minha língua. Arranhei todo seu abdome suavemente com minhas unhas. Elas não são grandes, sempre costumo cortá-las, porém aquele(a) que sabe usá-las como armas de paixão não importa o tamanho. E ela já arfava de desejo.

- Ai, amor, não para... Nossa, você está incrível hoje, que delícia!

Mas o melhor ainda estava por vir, e foi então que retirei a ultima peça que cobria apenas uma parte de sua bucetinha carnuda, inchada e molhada pelos toques dos meus dedos. Estava muito cheirosa, com os pêlos ralinhos, mas longe de estar cabeluda. Ajoelhado, rendido diante de sua sensualidade, eu a fiz sentar com a xota dela na minha boca, rebolando com minha língua dentro da sua grutinha. Ela me puxou pela cabeça, pedindo-me mais dentro dela. Foi então que eu a pus sentada sobre mim, com minha cabeça entre suas pernas. Tati rebolou feito uma puta em cima da minha boca. É disso que eu gosto. E é disso que ela precisava: Um acerto de verdade, ser mulher como nunca foi, pois sempre comportou-se de maneira reprimida, odiosa, e isso sim, era o motivo que provocou meu distanciamento e minha frieza a ponto de deixá-la. A Grande questão é essa, amigos. Ali, eu vi nela um esforço de tentar mostrar que me desejava, que não queria me perder, e eu respondi voluptuosamente.

Tati estava perto de romper em um abundante gozo, e implorou ser possuída no chão de nossa sala sem piedade. Montou sobre meu pau grosso, fazendo ele sumir inteiro dentro dela. E iniciamos uma cavalgada selvagem, tórrida, sacana , e como ela tomou varadas minhas! Agarrei ela pelos glúteos, e investi estocadas ainda mais viris fazendo ela romper num orgasmo frenético. E eu!? Eu, nada. Tava longe de gozar.

Coloquei-a de 4, uma de minhas favoritas e dominadoras posições, e virei um animal dentro dela.

- Nossa, coração, que você tem hoje!? Tá me enlouquecendo, eu já gozei, mas tá maravilhoso...hum... porra... não pára! Mete mais, mete!

- Tava com saudades da minha pica, não é, mulher!? Sua bucetinha também muito apetitosa...

- Maltrata sua esposa, maltrata! Sou toda sua!

Comi, comi, e não me fartei. Ela já estava indo de novo. Com o corpo transpirando e exaurido de estar naquela posição, pediu para sair. Deitou-me no sofá e caprichou uma punheta acompanhada de uma mamada deliciosa. Ficou louca sentindo o gosto da sua xaninha molhada na cabeça do meu pau. Mamou me sugando com vontade, chegava a doer até. E nada. Nada de eu gozar. Meu membro tava queimando, e depois que ela cavalgou de novo, ficou ainda mais duro. Eu estava no módulo SEX MACHINE: totalmente insatisfeito. Coloqueis de novo deitada de costas no chão, e ensaiei um papai e mamãe com ela. Porém não a penetrei. Eu só sei dizer que... Puta que pariu(risos), acelerei a punheta, concentrei-me direitinho e banhei o corpo dela. Sim, tive essa idéia na hora.

- Ai, amor(risos)! Poxa, você me deixou toda banhada, seu cachorro!

- Toda mulher precisa de um banho desse, e foi merecido porque eu tava louco de tesão por você!

- você foi incrível. Só isso que foi inusitado(risos) , seu bobinho!

- você tem nojo de clara de ovo!? Não mete a mão nela e tudo!? Por que teria nojo de mim mesmo!? É somente proteína!(risadas)

Ela ainda não está acostumada, mas vai entrar no meu ritmo, caso queira melhorar a relação.

Honestamente, foi uma noite rara que tive. Mas foi incrível, de verdade. Espero que se repita e se intensifique milhões de vezes.
O sexo pode não ser a coisa mais importante do mundo. Mas pelo menos protege um homem que ama de verdade sua mulher de muitas coisas. A má compreensão dele tem sido a causa de muitos casos de traição, divórcio, e tantas frustrações vividas por muitos. Até mesmo por mim.

Beijo a todos. E um conselho: Plantem bananeira se preciso for para proteger quem você ama. Mas não pense que você é o último biscoito do pacote. Seja o cara na cama, seja a puta , mas não seja corno, não seja corna. Ser corno não te torna necessariamente uma vítima. Nunca é culpa de um só a infidelidade. É resultado de uma série de burrices dos dois.

Beijos a todos. Até breve!











ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.