"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Marcelo & Sonia 42 - Esposa no Cio


autor: MarceloDias
publicado em: 08/11/16
categoria: traição
leituras: 5774
ver notas


Marcelo & Sonia 42 Esposa no Cio 1

Às vezes somos surpreendidos por mudanças em nossas vidas, quando menos esperamos. Foi o que aconteceu, eu e minha esposa estávamos muito felizes, vivendo uma vida liberal sem limites, no trabalho os resultados eram excelentes, tínhamos acabado de comprar uma casa de praia. Foi nesse momento que fui chamado para uma reunião com a presidência da minha empresa, eles falaram dos problemas que uma das filiais estava enfrentando e me pediram para assumir o controle e fazer as modificações que fossem precisas. Apresentaram-me uma série de benefícios que eu teria direito, casa e carro pagos pela empresa, salário com um aumento considerável e gratificações adicionais. Tudo maravilhoso quando você está querendo mudar de estado. Não era meu caso, eu queria continuar aonde estava. Eles me deram uns poucos dias para dar uma resposta.

Em casa, sentei com minha esposa e contei tudo que escutara da presidência. Ela me olhou seria, falou que a proposta era maravilhosa, não queria mudar para outro estado, adorava a cidade que morávamos, tínhamos passado a vida toda ali. Sabia que eu não ia poder dizer não e estava do meu lado, vamos aceitar e tentar ser felizes em outro lugar. Só não quero ter que mudar nossa vida, não sei se consigo ser fiel de novo. Você me acostumou a viver da forma que vivemos, você sabe que eu gosto de uma pica grande e grossa. Eu falei que aonde íamos morar ia ser como aqui, não ia mudar nada.

Aceitei e em pouco tempo, minha transferência se tornou oficial. Viajamos e escolhemos um apartamento amplo e luxuoso num prédio de luxo num bairro nobre da cidade, perto do meu local de trabalho. Com tudo preparado, fechamos o apartamento que morávamos, enquanto decidíamos se íamos deixar fechado ou alugar e fizemos a mudança.

Na nova cidade, passamos algumas semanas, eu enfiado no trabalho e minha esposa envolvida na arrumação do novo apartamento. Quem já mudou sabe que demora para as coisas se ajeitarem, aos poucos nossa vida foi se estabilizando.

Quando você aceita sair de sua cidade e ir trabalhar em outra, muda tudo na sua vida. São novos vizinhos, novos colegas de trabalho. Eu e minha esposa nem imaginávamos que naquele lugar onde fomos morar, íamos cometer muitas loucuras e conhecer muitas pessoas que iam fazer parte da nossa intimidade.

Nos primeiros dias no novo apartamento, tudo era novo e diferente da nossa rotina, com o tempo, Sonia foi ficando, entediada e triste, quase não saia e não conhecia ninguém. Seu corpo passou a sentir falta de uma pica grande e grossa que satisfizesse seus desejos de mulher. Eu chegava do trabalho e ela me esperava só de calcinha doida para dar, querendo pica. Eu metia a vara nela toda noite, sua boceta ficava pedindo pau. Eu metia forte no bocetão dela e antes de irmos dormir ela já estava querendo de novo. Eu a levava para a cama nua, ela deitava de bruços doida para dar a bunda. Eu montava nela e metia pica no rabão dela.

Toda mulher depois que dá fora do casamento e sabe que o marido gosta de ver ela levar pica de outro macho, não consegue mais ficar sem dar. Fica viciada, querendo dar, minha esposa sempre gostou de pica grande e grossa. Minha pica era media e grossa e minha esposa gostava de pau bem grande. Mesmo eu comendo ela toda noite, ela sentia vontade de dar, não ficava satisfeita, seu corpo ficava querendo uma pica maior e mais grossa que a minha. Na cama várias vezes, me confessou que sentia falta de outra pica, que estava querendo uma pica diferente, mais grossa que a minha. Eu sabia que gostosa como ela é, não ia demorar para ela estar dando para um macho avantajado como ela gostava.

Ver minha mulher no cio, precisando levar pau na boceta, me deixava cheio de tesão, eu ficava doido também para ela dar a boceta. Não era falta de pica em casa, eu tinha acostumado minha mulher a não se contentar só com a minha pica. Ela precisava de um pau maior e mais grosso que o meu para se satisfazer. Ela na cama virava puta, precisava de uma vara grande e grossa para ficar satisfeita.

Nesse conto vou escrever sobre os primeiros envolvimentos que aconteceram logo que mudamos. Sonia estava no cio, sua buceta precisando de carinho, estava carente, mesmo eu comendo ela toda noite.

Ela se matriculou numa academia grande perto de casa e passou a fazer hidroginástica, a academia tinha vários horários de aula por dia e ela podia ir no horário que quisesse. Sonia sempre foi preguiçosa tinha dias que não ia e às vezes ia pela manhã ou à tarde. Num desses dias, ela foi no meio da tarde, a aula estava vazia, contando com ela, tinham sete pessoas. Sonia foi com um roupão claro e uma sandália, colocou a roupa no armário que ficava no vestiário, ela usava um biquíni bem pequeno que mostrava o corpão dela todo, a parte de baixo era indecente mal cobria sua boceta grandona e entrava toda na bunda, deixando sua bunda enorme nua.

Sonia foi para a piscina, entrou com todos já na água, a professora tinha iniciado a aula, participavam da aula, um senhor, um rapaz, uma garota nova, e três senhoras, Sonia percebeu que uma delas não parava de olhar para ela, a mulher devia ter 48 anos, 1,68 aproximadamente, grandona, cabelos pretos lisos e curtos, olhos castanhos, lábios grandes, usava um maio preto bem decotado e cavado, era peituda, quadris largos, buceta volumosa e a bunda grande, apesar da bunda da minha esposa ser mais exagerada.

A mulher ficava encarando minha esposa sem esconder seu olhar cheio de desejo, Sonia via o jeito descarado que a mulher olhava o corpo dela, sem perceber minha esposa passou a corresponder aos olhares dela, as duas ficaram se olhando a aula toda. No fim da aula, Sonia ficou na piscina nadando por uns vinte minutos, saiu da piscina cansada, tinha se distraído e não viu mais a mulher. Foi andando para o vestiário, no caminho cruzou com a garota nova e duas senhoras que estavam na aula, não viu a mulher com elas, achou que ela estava no vestiário.

Entrou no vestiário e não tinha ninguém, estava vazio, só tinha ela ali, Sonia pegou seu roupão e a sandália no armário e colocou sobre o banco comprido em frente aos chuveiros, tirou a parte de cima, seus seios estavam duros, excitados, os bicos inchados, só da troca de olhares com a mulher na piscina, tirou a parte de baixo do biquíni, ficando nua, acariciou a buceta, sentindo ela molhada. Foi nesse momento que seu corpo estremeceu quando viu a mulher da piscina parada bem perto dela, olhando ela nua, assustei você, ela perguntou se aproximando, não tinha visto a senhora, ela disse. Viu como a mulher olhava para a boceta dela, sentiu seu corpo estremecer, estava carente e o jeito que aquela mulher olhava para seu corpo nu, mexia com ela. A mulher parou perto dela e tirou o maio ficando nua, seu corpo era farto, um pouco gorda. Ela viu que Sonia olhou para a boceta dela e acariciou a boceta mostrando o tamanho da sua flor. Ela encarrou minha esposa, não disse nada, pegou na mão dela e a levou para o chuveiro.
Sonia se deixou levar, entraram de mãos dadas, o jato forte do chuveiro molhou o corpo das duas. Ela abraçou Sonia e a beijou na boca que correspondeu ao beijo, às línguas se roçaram, as bocetas se grudaram, Sonia sentiu as mãos dela acariciando sua bunda enorme, abrindo suas nádegas, ela gemeu quando o dedo grosso da mulher invadiu seu cu, empinou a bunda deixando, aai meu cu gemeu, deixa, me dá teu cuzinho, a mulher pediu, fudendo o rabão dela com o dedo, Sonia sentiu o dedo da mulher entrando e saindo, aaai meu cu, teu dedo é grosso. A mulher a beijava na boca com o dedo enterrado no cu, sua boca desceu beijando os seios duros, chupando os bicos inchados, fazendo Sonia gemer desesperada embaixo do chuveiro.

Sonia se entregou toda, precisava dos carinhos daquela mulher, gemeu quando a mulher tocou sua boceta, os dedos dela acaricianram a racha de cima a abaixo e foi abrindo a boceta, Sonia empurrou a boceta contra a mão dela, o dedo grosso entrou na boceta melada, fazendo Sonia soluçar.

A mulher fez Sonia se encostar no ladrilho frio da parede, abre as pernas mandou, Sonia obedeceu, ela ajoelhou e sua boca procurou a boceta farta da minha esposa, Sonia gemeu quando a boca quente da mulher chupou sua boceta, ela segurou a cabeça com as duas mãos e enterrou a cara dela na sua boceta, a língua quente da mulher enlouqueceu Sonia, ela perdeu toda a compostura, gemia de um jeito desesperado, chupa minha boceta, chupa, me come, eu tô doida para dar a boceta. Minha esposa botava para fora toda sua carência, encostada na parede ela se abria toda, dando a boceta para uma mulher que ela nem sabia o nome. O gozo veio intenso, quente, suas pernas tremiam, ela gozou na boca da mulher.

Teve que se apoiar na parede para não desabar no chão. Estava tonta, saiu do chuveiro e sentou no banco em frente. A mulher deixou a água cair sobre seu corpo e saiu do chuveiro, se enxugando do lado dela. Colocou o vestido e calçou a sandália. Inclinou-se e beijou Sonia na boca, ela correspondeu ao beijo da mulher, ainda se sentia tonta, a mulher a olhou, deu um sorriso safado e foi embora depois de comer minha esposa. Não disse nada, simplesmente foi embora.

De noite na cama minha esposa me contou tudo que aconteceu na academia, eu fiquei doido quando soube que uma mulher madura que ela nem sabia o nome, tinha chupado a boceta dela dentro do vestiário da academia. Naquela noite fodemos gostoso até tarde.

Alguns dias depois, Sonia se envolveu numa situação que me deixou preocupado pela maneira como aconteceu. Tudo aconteceu porque minha esposa estava carente demais e acabou perdendo o controle e se deixou envolver sem medir as consequências.

Era uma segunda feira de tarde, minha esposa me ligou perguntando se eu ia chegar tarde, falei que por volta das 20 horas, estava cheio de trabalho. Ela estava cansada de ficar em casa e falou que ia passear no Shopping perto de casa. Sonia se arrumou, vestiu uma calcinha minúscula rosa, um vestido estampado de alça bem decotado e muito curto, que realçava seus seios grandes e deixava suas coxas muito grossas nuas, mostrando o tamanho exagerado da sua bunda. colocou uma sandália baixa e saiu. O jeito como ela estava vestida chamava muito a atenção.

No shopping passeou sozinha pelos corredores vendo as vitrines, experimentou algumas roupas e acabou comprando uma blusa. Estava parada vendo uma vitrine quando percebeu que um senhor de terno a olhava insistentemente, ele tinha aproximadamente seus 50 anos, 1,88 de altura, 98 kg, calvo, rosto redondo, lábios grandes e finos, tinha o corpo largo, braços compridos, mãos grandes e pernas compridas e grossas.

Sonia viu que o homem a olhava descaradamente. Ele não era um homem bonito, mas fazia o tipo que minha esposa adora. Coroa e grandão, para ser perfeito só faltava ter uma pica enorme. Ela continuou andando como se não tivesse percebido que estava sendo olhada.

Ela parou numa vitrine, o homem se aproximou e ficou quase do lado dela, Sonia olhou para ele e viu que ele a olhava com desejo, seu corpo estremeceu, se sentiu dominada pelo olhar dele. Ele deu um sorriso, Sonia correspondeu sorrindo para ele. Passeando, ele perguntou puxando assunto, estou ela disse. Meu nome é Décio, minha esposa sorriu, o meu é Sonia, disse. Ficaram conversando, ele a convidou para um café, ela recusou, ele ficou insistindo, só um café, ela acabou aceitando.

Décio a levou para uma cafeteria grande que estava vazia àquela hora. Sentaram numa mesa no fundo. Ele perguntou o que ela queria, só um café, disse. Décio pediu dois cafés e duas águas. O garçom trouxe o pedido e eles se serviram, atrevidamente ele segurou a mão que minha esposa usa a aliança, casada perguntou, sou casada, muito bem casada ela disse, eu também sou casado há 30 anos, dois filhos adultos, estou aqui a trabalho, vou embora hoje. Ele tinha um bom nível era diretor de uma empresa grande, Sonia falou da vida dela, que estava morando na cidade há pouco tempo, ele tinha uma conversa agradável e foi envolvendo minha esposa. Ficava o tempo todo segurando nas mãos dela e percebeu que ela deixava, no começo ela tirava a mão, aos poucos foi deixando. As mãos dele eram grandes e quentes e minha esposa sentia seu corpo estremecer com o contato das mãos dele.

Continuaram conversando cada vez mais intimamente. E o marido, ele perguntou. Está no trabalho, disse. Você é muito linda, uma delícia de mulher, disse atrevidamente. Sonia sorriu, obrigada. Ele já não segurava só as mãos dela, ele acariciava as mãos, minha esposa deixava, sentia seu corpo se arrepiar só dele tocar em suas mãos. Ele percebeu que ela permitia os carinhos dele e se aproveitou para trocar de cadeira e sentar do lado dela. Eu sei que você é casada, eu gostei demais de você. Sonia sentiu a coxa dele encostar na dela. Décio continuava segurando a mão dela. Ele olhou para ela, me dá um beijo, pediu. Não posso, sou casada, disse. Só um beijo, ele falou beijando o rosto dela. Viu que ela aceitou o beijo no rosto e deu um selinho, Sonia sentiu os lábios quentes dele nos seus, ele beijou ela de verdade, seus lábios se colaram aos dela, Sonia correspondeu, sentia a língua molhada dele invadindo sua boca, sua língua macia e úmida procurou a dele, se esfregando, sentindo o gosto da boca daquele homem.

Décio trouxe as mãos dela para baixo da mesa, fazendo ela segurar o volume que enchia suas calças. Sonia segurou o pau por cima das calças sentindo o tamanho e a dureza na mão. Surpreendeu-se com o volume que encheu sua mão, era exagerado demais, grande e grosso como ela gostava. Décio sentiu a mão dela apertando sua pica, acariciando seu pau por cima da calça. Vamos para um lugar mais discreto, só nos dois, eu estou doido por você, disse. Eu não posso, eu tenho que ir para casa, ela mentiu. Na verdade, só agora Sonia tinha se tocado que mal conhecia aquele homem. Nós não precisamos ficar muito tempo, eu estou de carro, eu deixo você em casa. Sonia falou que não podia, que era casada. Ele ficou insistindo. Ela continuava segurando o pau enorme e duro dele por cima das calças. Aqui é muito ruim, vamos ficar conversando no meu carro no estacionamento, só conversar. Sonia estava doida pela pica dele, não conseguia largar o pau. Vamos, só vou ficar um pouco, tenho que ir embora, ela disse. Ele sorriu, pagou a conta e foram para o estacionamento.

Sonia saiu da cafeteria com ele, na porta ele segurou na mão dela, ela deixou, foram de mãos dadas para a escada rolante que subia para o estacionamento, na escada rolante ele ficou no mesmo degrau e a abraçou por trás, encostando a pica na bunda grandona da minha esposa, Sonia sentiu o volume e a dureza do pau na bunda por cima do vestido. Ela não conseguiu se conter, sua bunda enorme se esfregou procurando a dureza do pau. Você é muito gostosa, tá sentindo como você me deixa. Você tem um rabão gostoso. Tiveram que desgrudar quando chegaram no piso de cima.

Ele pagou o estacionamento e foram para o carro que estava estacionado em um dos corredores. O carro dele era um Chevrolet grande de quatro portas cinza com vidros escuros. Ele tirou o paletó e a gravata e abriu o carro, Sonia sentou do lado dele na frente. O carro era perfeito, os vidros escuros não deixavam ver se tinha alguém no carro.

Ele colocou os bancos para trás tornando o ambiente mais espaçoso. Décio puxou Sonia e sua boca procurou a dela, se beijaram cheios de tesão. Sonia correspondeu ao beijo, a boca grande dele, chupava seus lábios e sua língua grossa roçava na dela, sua mão desceu procurando a boceta, o vestido subiu, mostrando a calcinha rosa, a mão dele acariciou o bocetão dela, Sonia sentiu sua boceta toda na mão dele e depois sua mão entrando na calcinha e o dedo grosso se enterrando na sua racha melada. Décio viu como a boceta estava molhada, seus dedos ficaram úmidos. Ele enterrava o dedo grosso todo na boceta, Sonia gemeu com o dedo cravado na boceta. Suas pernas se arreganharam, deixando ele fuder sua boceta.

Sonia se entregou toda, dentro daquele carro, sua mão procurou o volume na calça, ficou segurando, acariciando, sentindo a dureza e o tamanho do pau por cima da calca. Ele reclinou o banco, Sonia abriu a calca, suas mãos estavam tremulas, ele ajudou abaixando a calça até o meio das coxas peludas, Sonia ficou olhando fascinada, o volume enorme na cueca, ela enfiou a mão por dentro da cueca e sentiu a grossura do pau encher sua mão, tirou a pica enorme da cueca, era grande, grossa, cheia de veias, a cabeça grandona e vermelha, ela masturbou a pica, admirando o exagero de pica que aquele homem tinha, sentiu sua boca cheia de saliva e uma vontade doida de chupar aquele pau.

Nem precisou ele pedir, sua boca desceu e beijou a cabeça avermelhada, seus lábios se abriram e abocanharam aquela coisa grossa, sua boca desceu engolindo até onde podia, Décio gemeu desesperado, Sonia chupou a pica grossa, seus lábios grossos se esfregavam no pau, ela engolia com vontade, sua boca chegava quase até o cabo daquele tronco comprido e grosso. Decio segurava os cabelos dela, exigindo tudo aquilo na sua boca. Você chupa igual uma puta, que delícia, que boca quente, gosta de uma pica grande nessa boca linda, chupa, eu adoro fuder a boca de mulher casada como você. Sonia ficou ainda mais doida ele falando assim com ela. Continuou chupando, engolindo quase o pau todo, recebendo o pau cada vez mais duro na sua boca. Sentia ânsias cada vez que o pau tocava sua garganta. Décio gemeu alto, enterrando o pau quase até o cabo na boca da minha esposa, ela sentiu o pau pulsar e a porra grossa e farta dele encher sua boca, ela deixou descer pela sua garganta, bebendo o caldo grosso dele, um pouco ainda escorreu dos seus lábios, melando a calca dele.

Ficaram abraçados se beijando, o pau amoleceu na sua mão, ela ficou admirando o pau, mesmo sem ereção, era grande e muito grosso. Ela não estava satisfeita, sentia uma vontade doida de dar para ele, sua boceta queria pica. O tamanho da pica daquele homem, tinha deixado ela com vontade de fuder, sentia a pica endurecendo na sua mão, me fode, pediu, fodo, vamos num motel para eu te dar pica. Sonia encarrou o olhar dele, vamos, eu tô doida pelo teu pau, falou segurando a pica enorme. Eu só tenho que avisar meu marido, ele olhou ela sério. Então liga logo. Décio ligou o carro e saiu do shopping. Sonia foi abraçada nele segurando o pau grosso, estava enfeitiçada pela pica daquele homem. No caminho Sonia me ligou e falou que estava na casa de uma amiga, que não estava bem e ia chegar mais tarde. Eu não entendi que conversa era aquela, perguntei se ela estava com um macho, estou, depois eu te explico tudo. Ela desligou. Décio perguntou se eu acreditei, ela sorriu para ele, eu nunca dei motivo para o meu marido duvidar de mim. Décio riu, ele é um homem de sorte de ser casado com uma mulher gostosa como você.

O motel ficava um pouco afastado, Décio parou o carro na recepção e pegou a chave do quarto, era desses motéis que você entra pela garagem e sobe para o quarto. Ele estacionou e desceu fechando a garagem, abriu a porta do carro para Sonia descer, eles se abraçaram e se beijaram na boca, Sonia segurou a pica por cima da calça, o pau dele estava duro, ela ficou acariciando, gostou da minha pica, não larga mais, ele provocou, teu pau é exagerado, eu estou doida pelo teu pau, eu gosto de pica grossa como a tua. Ela sentiu as mãos dele acariciando o rabão dela, o vestido tinha subido todo. Décio a levou para a escada e subiram para o quarto. No quarto ele já foi tirando o vestido dela, deixando minha esposa só de calcinha. Sonia foi tirando a roupa dele, jogou a camisa longe, ele era calvo, mas, muito peludo, o peito todo cheio de pelos e as axilas muito cabeludas, Sonia abriu a calça, as coxas eram grosas e peludas, o pau estava enorme, ela segurou o cacetão grosso e masturbou o pau com as duas mãos, se deliciando com o pau exagerado dele.

Eu preciso de um banho antes, ele disse. Sonia estava ansiosa para dar, sua boceta pedia pica, deixou que ele a levasse para o banheiro da suíte, tirou a calcinha ficando nua na frente dele, mostrando o bocetão para ele, Décio acariciou a boceta, arrancando um gemido de mulher no cio , abriu o chuveiro e entraram aos beijos, ele ensaboou o corpo dela todo, suas mãos acariciaram os peitos fartos, os bicos estavam duros e inchados, sua mão cheia de sabão desceu para a boceta, Sonia gemeu quando o dedo entrou todo na sua boceta, ela ensaboava o corpo peludo dele, segurando a pica grossa, sentindo ela escorregar cheia de sabão na sua mão delicada, Sonia gemeu quando ele abriu suas nadegas grandonas e o dedo grosso cheio de sabão invadiu seu cu, soluçou quando ele enfiou dois dedos, fudendo seu cuzinho, aaaiiii Décio assim eu fico maluca, ele beijou ela na boca, gosta de dá o cuzinho não gosta, ele provocou. Gosto, ela gemeu. Vou meter pica nesse rabão, ele falou, teu pau vai me arrombar toda, ela disse, sentindo os dedos enterrados no cu. Vai arrombar sim, eu vou te fuder como se fode uma vagabunda.

Décio segurou Sonia com as duas mãos e trouxe-a até o pau dele, a pica dura encostou na boceta, Sonia abraçou os quadris dele com as pernas, sentiu a pica invadir sua boceta, gemeu no colo dele recebendo a pica grande e grossa na boceta, sua boceta engoliu o pau até o cabo. Ela ficou abraçada nele com o pau todo na boceta, aaaiiii minha boceta, teu pau é enorme vai no meu útero, aaaiiii você esta me fudendo toda, aaaiii Décio porra aaaiiiii você mete gostoso, porra, enfia tudo na minha boceta, enfia, eu vou gozar assim…Décio metia forte no bocetão dela, Sonia sentia que sua boceta se abria toda, a pica entrava rasgando a boceta, aaaiiiii você tá acabando com a minha boceta, eu tô gozando, mete forte, aaaiiiii. Sonia gozou no pau grosso dele, seu corpo ficou todo mole nos braços dele.

Décio levou Sonia para a cama, deitaram abraçados, se beijando, Sonia ficou abraçada ao corpo dele, segurando a pica, beijando o rosto dele todo, sua boca desceu beijando o peito peludo, o corpão todo peludo deixava minha esposa doida, ela chupou o peitão forte, mamando os bicos, beijando ele todo, sua boca se esfregou na sua axila, ele levantou os braços, oferecendo o sovaco peludo, Sonia beijou, chupando, aspirando o cheiro de macho, ele gemeu, deixando ela chupar, minha esposa desceu pela bariga, beijando, procurando a pica enorme que ele tinha no meio das pernas, sua boca se abriu recebendo o caralho grosso na boca, ela chupou com devoção o pau dele, engolindo quase até o cabo, deixando seus lábios quentes e grossos passearem pela pica, lambendo o sacão grandão, colocando as bolas na boca, deixando Décio alucinado.

Sonia chupou demoradamente a pica enorme daquele homem, ele puxou Sonia para ele e suas bocas se uniram num beijo chupado, Décio mamou os peitos fartos dela, fazendo minha esposa gemer descontrolada, suas mãos arreganharam as suas coxas grossas, sua boceta estava aberta e inchada de levar pica no banheiro. Sonia soluçou desesperada quando ele chupou a boceta. Sua boca chupava de um jeito bruto, sua língua áspera e grandona, se esfregava na carne macia e melada da boceta, Sonia nem sentiu quando ele fez ela deitar de bruços com sua bunda enorme para cima, gemeu quando sentiu os beijos chupados na sua bunda, as mãos dele abriram suas nadegas e sua boca quente chupou o cu, tomando posse do rabão dela, Sonia enlouqueceu, gemeu manhosa, sentia a boca deliciosa daquele homem chupar seu cu. Você tem um cu delicioso, gostoso, tua bunda é exagerada, eu vou fuder teu cu todo, eu adoro comer o cu de mulher casada.

Ele foi até uma mesa onde tinham vários produtos de sexo que o motel oferecia e pegou um tubo de ky, abriu e veio passando no pau, deixando o pau todo melado, Sonia ficou olhando da cama, o pau dele estava enorme e muito duro, ela sabia que ia aguentar aquilo tudo no cu. Ele fez ela deitar de bruços em cima de alguns travesseiros com o rabão todo para cima. Décio abriu as nadegas grandonas dela e montou nela, encostando a pica no cu, Sonia gemeu quando ele forçou, Décio a abraçou por trás, montado nela, foi empurrando, o cu foi se abrindo como uma flor, Sonia chorou tomando no cu, foi ficando histérica, aaaiii você tá me desgraçando, aaaiii meu cu, aaiii tá estourando meu cu, porra, aaaiiii filha da puta você tá me arrombando, aaaiiii porra Décio tua pica é muito grossa, aaaiiiii dói pra caralho, aaaiii enfia que eu gosto, me arrebenta toda, bota tudo amor acaba com minha bunda, come meu rabão, eu dou tudo pra você. Me fode, não tem pena, aaaiiii porra você sabe fuder um cu gostoso, dói mais eu gosto, porra. Sonia nem sabia mais o que falava.

Décio metia forte no rabão dela, botando tudo no cu, a pica grossa entrava toda, deixando o cu da minha esposa largo, gosta de toma no cu, o marido no trabalho e você aqui dando esse rabão, eu vi logo que você era puta, foi só levar para tomar um café já estava pegando no pau, doida para dar esse cuzão gostoso, estava querendo pica nesse cu. Aquilo deixou Sonia mais doida. Estava doida para dá sim, eu fiquei doida pelo teu pau, você sabe que é gostoso seu puto, eu sou casada mas gosto de levar no cu, Sonia falava como uma puta, dando o rabão para ele, aaaiiii meu cu tá todo largo, você me arrebentou seu filho da puta, eu vou gozar, porra, aaaiiiiii eu tô gozando.

Sonia gozou com o pau grosso dele cravado no cu, sentia seu cu se contraindo e apertando o cabo grosso da pica. Ele saiu de dentro, deixando um vazio e o cu todo aberto e fodido. Ficaram abraçados, se beijando, o pau procurou a boceta dela e se enterrou todo, Sonia gemeu recebendo o pau todo na boceta. Ele passou a socar a boceta dela com força, fudendo o bocetão dela pela segunda vez, Sonia se agarrou nele, sua boceta gulosa engolia a pica enorme toda, gemendo e chorando baixinho, se entregando toda, deixando aquele homem fuder ela toda.

Sonia se agarrava nele, se abrindo toda para ele enfiar aquela estaca grossa na sua boceta. Aiiii Décio, aaaiiii minha buceta, você tá me rasgando toda, teu pau é enorme, me fode, eu tô apaixonada, me come gostoso seu filho da puta. Décio socava forte, botando tudo naquele bocetão guloso. Sonia procurava a boca dele, me beija gostoso e fode minha buceta, eu quero pica, teu pau é gostoso demais. Aaaiii vou gozar de novo na tua pica, minha boceta tá toda larga, eu tô gozando aaaaiiii. Sonia gozou mais uma vez com a pica toda dentro, Decio continuou metendo forte na boceta dela, seu pau estava inchado, ele gemeu de um jeito animal, grunhindo e enchendo a boceta da minha esposa de leite.

Ficaram abraçados, se beijando, Sonia segurava o pau amolecido, estava ainda meio duro, Sonia beijou o peito dele, chupando os bicos, sentia uma quentura na boceta, uma vontade de foder mais, eu tô apaixonada pelo teu pau, você me rasgou toda, minha boceta tá larga, ela abriu a bunda e acariciou o cu, sentiu o buracão que Decio tinha deixado, meu cu tá aberto, você fez um buracão, ela falou, beijando o rosto dele. Ele sorriu, depois fecha, minha mulher fica assim, depois vai fechando, ele falou. Teu pau é enorme, meu cu nunca ficou assim. Sonia acariciava a pica sentindo ela endurecer na sua mão. Eu tô apaixonada por você, fode meu cu de novo, eu estou toda aberta, mas eu quero mais, me arrebenta toda, eu quero satisfazer você amor, não tem pena da minha bunda, me rasga toda atrás, eu quero que você se farte no meu rabão, vem, Sonia disse ficando de quatro, Decio olhou para ela com desejo, seus olhos brilhavam, ele montou nela, a pica enorme encaixou no cuzão arregaçado da minha esposa e ele foi botando com firmeza, Sonia chorou aguentando a geba enorme daquele homem, ele foi botando tudo, ela chorava baixinho pedindo pica, chorou desesperada quando sentiu o cabo grosso da pica no cu, seu cu apertava o pau, me fode sem pena, ela pediu. Decio socou forte, sua mão grandona desceu na bunda enorme da minha esposa, o barulho do tapão ecoou no quarto, ele deu o segundo tapão, fazendo minha esposa soluçar e perder o controle. Aiiii meu cu, porra, Decio, eu fico louca, você fode gostoso demais, você tá acabando comigo, me fode, eu tô apaixonada pelo teu pau, eu quero tua pica toda no meu cu, aaaaiiiii eu tô gozando pelo cu, aaaiii me fode. Sonia gozou com o pau exagerado daquele homem cravado no cu. Quando ele tirou a pica, deixou um buracão, o cu estava inchado.

Sonia se virou, abraçando o corpo dele e beijando com sofreguidão a boca dele. Eu quero fuder de novo com você, quando você voltar, me fode de novo, eu tô apaixonada. Ela pediu. Ele sorriu, fodo, gostou da minha pica. Sonia ficou beijando ele todo, sua boca procurou o pau, ela chupou como uma puta, mamando a geba enorme dele. Antes de irem embora, Decio fudeu com brutalidade o bocetão dela, socando forte, castigando a boceta, os lábios grossos da boceta grudavam na pica grossa dele, a boceta se abria toda, Sonia sentia sua boceta engolir o caralho enorme dele até o cabo. Ela gemia, soluçava e chorava toda manhosa dando a boceta para ele, Decio gozou enchendo a boceta dela de leite.

Passava das 23 horas quando deixaram o motel, ele falou que o carro era alugado e só ia poder devolver amanhã, tinha perdido o voo, ia para o hotel e voltava para casa no dia seguinte Ele deixou minha esposa na rua dela, perto do prédio que morava, ela mostrou o prédio para ele, e ali que eu moro, Sonia beijou ele na boca, eu tô apaixonada por você, adorei dar para você, eu quero meter de novo com você. Ele deu um cartão com os telefones dele, sei que você é casada, mas, quero comer você de novo, eu todo mês venho aqui. Sonia segurou o pau dele e sentiu que estava mole. Eu posso ligar para você. Ele sorriu, quando você quiser. Sonia beijou o bocão dele e desceu do carro, foi para casa fodida e satisfeita.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.