"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Transa Virtual


autor: EsposaPiranha74
publicado em: 21/11/16
categoria: casual
leituras: 2142
ver notas


Não tendo consulta agendada, fechei o consultório decidida a almoçar, passar a tarde no shopping, e quem sabe, fazer umas comprinhas e aproveitar para uma paquerada.

Entrei no metrô, me sentando naquele banco onde o passageiro se senta de lado, ficando de frente para um senhor, bonitão e bem vestido, que ia sentado no banco da frente do meu. Como naquela tarde eu vestia um vestido curto, me fazendo de descuidada, entreabri as pernas, esperando o coroa me ver. Não demorou nada e ele não parava de olhar na direção da minha xaninha. Querendo provocar, cruzei as pernas deixando boa parte das coxas à mostra. Depois, as descruzei e as abri de novo, deixando o tal senhor um tanto inquieto, que, entrando no meu jogo, entreabriu as pernas dele como se quisesse me mostrar sua rola dura.

Bom, minha estação chegou e quando me preparava para descer do trem, senti um aroma delicioso vindo por trás de mim. Discretamente, voltei o rosto me deparando com o sorriso do senhor desconhecido. Na plataforma ele me abordou e caminhamos lado a lado conversando. Na saída da estação, antes de nos despedirmos e combinamos de nos falarmos via Skype mais tarde.

Por volta das 10 da noite, eu olhava meus e-mails quando percebi que alguém me chamava no Skype. Era ele, Fábio, o senhor bonitão, bem vestido e cheiroso do metrô.

Fábio me convidou para jantar, me obrigando a lhe falar sobre a minha situação, casada com filhos e marido trabalhando fora, que diferenciava da dele que era divorciado. Teve todo aquele papo de mole, mas o que de fato interessa, foi que ele me pediu para que lhe mostrasse meu corpo e eu que ele me exibisse seu pauzão, que vi crescendo na mão dele, enquanto ele se acariciava. Sorrindo, desci as alças da minha camisolinha, exibindo meus seios para ele. Fábio pediu que lhe mostrasse a xoxota e eu, já molhada e com muito tesão só de ver aquele cacete lindo e durão, tirei de vez a camisola e desci a calcinha até os joelhos. Fábio pediu que eu chegasse mais perto para que visse minha bocetinha de pertinho. Acabei de tirar a calcinha e me aproximei mais da cam, vendo na tela o seu cacete duro (ai que vontade que deu de esfregar a xoxota nele). Apoiada em um só joelho, dobrei a outra perna aproximando-me o máximo, massageando a boceta, me introduzindo um dedo e me tocando no grelo, fazendo com que Fábio acelerasse o ritmo da punheta. Eu, que estava doida por sexo, fiquei enlouquecida de vontade quando ele gozou, gozando, também, com a visão daquele cacete lindo e gostoso cuspindo porra.

De repente, ouço passos no corredor vindo em direção ao meu quarto.

- Um dos meus filhos está vindo. Beijos, tchau! Amanhã eu ligo.

Mal deu tempo para eu me vestir e minha filha entrou no quarto, perguntando se no meu banheiro tinha remédio para dor de cabeça.

Essa aventura não terminou aqui. Hoje, narrei foi apenas um capítulo.

Beijos e até a próxima.

Luciana )





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.