"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Executiva de contas


autor: Publicitario45
publicado em: 25/11/16
categoria: hetero
leituras: 2078
ver notas



Novembro do ano passado aconteceu algo muito louco comigo. Recebi uma ligação no meio da tarde de uma mulher chamada Roberta dizendo que ela era executiva de contas de uma revista especializada em bem estar e que ela queria nos apresentar a revista pois naquela época tínhamos clientes neste segmento.

Como era uma sexta-feira e estava tudo tranquilo, disse a ela que poderia ser naquele mesmo dia caso a agenda dela permitisse e como a agenda dela permitia ela foi ao meu encontro chegando na agencia por volta das 17h.

Na hora marcada ela chegou e minha secretaria veio me dizer que tinha uma mulher vestida para matar me esperando na recepção. De uma risada e pedi que ela entrasse.

Quando Roberta chegou, entendi o comentário da secretária. Ela não é o tipo de mulher que se possa chamar de linda, mas é extremamente charmosa, cabelos lisos até a cintura, um corpo bonito, porém sem exagero, uma boca grande, olhos castanhos e mais ou menos 1,79 de altura. Roberta usava uma calça de couro preta, salto alto o que a deixava ainda mais alta, uma blusa branca, parecia de seda, com um decote generoso e nada por baixo.

- Prazer, sou a Roberta. Obrigado por me receber em plena sexta-feira.
- Tudo bem, hoje até que está bem tranquilo, as coisas estão em dia
- Mas me fale da revista.

Roberta abriu o notebook e começou a mostrar os números da revista, sentou-se mais perto de mim e seu perfume, muito bom por sinal, começou a me incomodar. Ela falava com precisão sobre as informações e me olhava fixamente nos olhos como se quisesse me convencer ou me desafiar, o fato é que aquilo começou a mexer comigo e eu passei a prestar atenção nos seus lábios.

Outro agravante. Roberta conversa sorrindo, parece estar o tempo todo tentando te seduzir e se isso era intenção dela, ela estava obtendo êxito total, pois eu não conseguia mais nem ouvir a sua voz.

Depois que ela terminou eu resolvi jogar o jogo dela. Com sotaque de carioca eu resolvi ver até onde aquela reunião poderia ir.

- Agora que eu sei tudo sobre a revista, me fale mais sobre você.
- Sobre mim?
- Sim, já percebi que você não é daqui.
-Sim, sou do Rio, capital.
- E o que veio fazer aqui?
- Eu tinha uma editora no Rio e meu marido vendia carros importados. Ele quebrou e eu passei a bancar tudo, acabei tirando dinheiro da minha empresa para ajudar a dele e perdi o controle e quebrei também.
- E ai resolveu mudar pra cá?
- Sim, a dona da revista é minha tia e ela sabe que eu sou boa vendedora.
- não tenho duvidas.

Aquela jogo de perguntas e respostas foi esquentando cada vez mais e eu já sabia quase tudo sobre Roberta e ela sobre mim. Fui na cozinha pegar água e percebi que a agencia já estava vazia, voltei com água e café e Roberta estava sentada no sofá com as pernas cruzadas, exibindo todo seu poder de sedução que a vida lhe deu.

Sentei-me ao seu lado e o papo seguiu. Não falávamos sobre revista nem comunicação, o papo já era outro. Passamos pelos filhos, casamento, frustrações, etc. não resisti e comecei a arriscar ainda mais.

- Voce está de carro?
- Não, porque?
- Não vai ficar perigoso ir embora sozinha?
- Talvez.
- Se quiser posso te levar.
- Pra onde?
- Pra onde você quiser.
- pode ser pra minha casa? Meu marido pode ficar preocupado.
- Manda uma mensagem pra ele dizendo que a renião vai acabar tarde.
- Já mandei.

Quando Roberta disse isso, eu já puxei seu corpo em direção ao meu. Com as mãos na sua nuca, Roberta veio e se colocou por cima de mim, nossos lábios se encontraram e começamos uma interminável sessão de beijos quentes e molhados. Seus seios eriçaram, deu para ver os bicos por baixo do tecido fino da blusa, comecei a aperta-los e Roberta apenas gemia baixinho. Soltei as alcinhas da blusa e eles ficaram livres e bem perto dos meus lábios, cai de boca, mamei cada um deles sem a menor pressa.
Deitei Roberta no sofá e fui descendo pela sua barriga em direção so seus sexo, quando abri i zíper ela segurou a minha mão.

- Hoje não é um bom dia.

Entendi, sentei-me ao seu lado e ela retribuiu abrindo a minha calça e caindo de boca na minha pica. Aquela boca grande era capaz de engolir minha rola com extrema facilidade, o boquete era divino, ela sabia como chupar uma pica e me mostrou todo seu repertório me fazendo gozar na sua boca.

Assim que terminamos o sarro, Roberta olhou no celular e viu que tinha uma série de mensagens do marido. Nos levantamos, arrumamos nossas roupas, ela foi ao banheiro e eu a levei do outro lado da cidade.

Cheguei em casa atônito. O que tinha sido aquilo? Uma química louca, a gente nunca tinha se visto e em menos de duas horas de conversa uma já estava colando a boca no outro. Meus pensamentos foram interrompidos por uma mensagem no celular.

- O que foi aquilo?
- Não, sei, mas estou pensando a mesma coisa que você.
- Nunca nos vimos, mas eu tenho a sensação de te conhecer a vida toda.
- Eu também.
- Minha calcinha estava ensopada. vou tomar um banho, falamos amanha?
- Outra reunião?
- Sim. Amanhã terei uma surpresa pra você.

Eu sequer consegui dormir pensando no ocorrido. No meio da noite meu pau estava pulsando de tesão, fui pro banheiro, tomei um banho e pensei em me masturbar, mas na mesma hora resolvi esperar, queria deixar aquele tesão todo acumulando, queria gozar muito com aquela mulher que eu mal conhecia mas já tinha me tirado do sério.

Na manha seguinte me arrumei e fui pro trabalho, pouco tempo depois Roberta me ligou desejando bom dia, disse que se tudo desse certo ela passaria na agencia mais no final da tarde. Pedi a ela que fosse após as 18h e ela riu. Entendeu o recado.

O dia custou a passar, parecia uma eternidade mas as 18h Roberta me ligou da rua.

- Estou na porta do prédio procurando vaga para estacionar. Hoje eu vim de carro.
- Ok. Não tem mais ninguém aqui.
- Ótimo!

Minutos depois ela entrou na sala, estava ainda mais linda que no dia anterior. Roberta usava um vestido preto e cinza que ia até a metade das pernas, salto muito alto que a deixava mais alta do que eu, calos estavam amarrados num coque no alto da cabeça, brincos compridos, cheiro maravilhoso, boca vermelha e unhas bem feitas. Ela estava simplesmente impecável.

Antes que alguém abrisse a boca para dizer algo, a química nos pregou outra peça. Nos aproximamos e começamos a nos beijar ali mesmo. Nossas mãos deslizavam, as bocas travavam uma batalha, parecia que um queria engolir o outro. Fomos para a minha sala, Roberta jogou sua bolsa numa mesma, tomou a iniciativa, se ajoelhou, abriu o zíper da minha calça, se livrou dela com a minha ajuda, pediu que eu sentasse e começou a lamber meu saco, meu pau a cabeça. Suas unhas arranhava levemente minhas pernas, depois a barriga indo até o meu peito e voltava.

As lambidas deram lugar as chupadas e mordidas, as vezes ela mordia de leve me levando ao delírio de prazer para depois sentir uma mordida mais firme, me causando dor seguida de um prazer intenso.

Roberta seguiu me chupando de uma forma louca e eu fazendo um esforço sobrenatural para não gozar. Roberta me chupou o tempo que quis e depois se levantou, soltou as alcinhas do vestido lentamente deixando o tecido fino deslizar até o chão.

- Gostou da surpresa?

A surpresa era uma mini calcinha preta que mal cobria a sua boceta que por sinal era toda depilada e muito carnuda. Puxei Roberta pelas pernas e ela ficou em pé na minha frente, beijei sua barriga na altura do umbigo, subo com os lábios colados nela até seus seios, os bicos estavam rijos, sua pele arrepiava a cada toque. Suas mãos puxavam meus cabelos me levando de um seio ao outro.

Com as mãos livres invadi a mini calcinha, o mel ali depositado melou meus dedos, soltei os lacinhos laterais e o resto da calcinha foi ao chão. Um tapa na sua bunda fez o som eocar na sala, Roberta gemeu e eu a deitei no sofá, abri suas pernas, beijei uma de cima até os pés e voltei em direção ao seu sexo cheiroso. Chupei, lambi, brinquei com o grelo, meti os dedos para depois lambe-los, voltei a chupar sua boceta e Roberta gozou deixando minha cara toda lambuzada.

Depois voltamos a nos beijar, em pé, Roberta se virou e eu pude ver o quanto a sua bunda era gostosa, ela jogou os cabelos pro lado me oferecendo a nuca para ser beijada sua bunda encostou na cabeça do meu pau que parecia querer explodir de tesão, aquela porra toda acumulada do dia anterior precisava sair, eu já não aguentava mais de tesão.

Roberta colocou um pé na cadeira e com a mão pegou meu pau para ficar esfregando na porta da sua boceta, aquele calor me deixava louco, as vezes ela colocava a cabeça bem na porta e quando eu forçava para entrar ela saia me deixando ainda mais louco de tesão.

Depois de muito me provocar ela se colocou de quatro no sofá.

- Vem, a boceta é toda sua.

Coloquei a cabeça e o pau deslizou. Entrou inteiro naquela boceta quente, muito quente. Parecia febril mas era apenas os hormônios gritando dentro daquela mulher charmosa de 35 anos. Seguei ela pela cintura e comecei um vai vem bem lento, Roberta arfava, respirava fundo, sentia cada pedaço do meu cacete entrando e saindo até o limite. Acelerei, comecei a foder com mais vontade sempre segurando Roberta pelas ancas, as vezes eu dava uns tapas e a puxava pelos cabelos e nesse ritmo intenso ela gozou no meu pau pela primeira vez.

- Senta ai bem na beirada que eu quero sentar na sua pica.

Me posicionei bem na beirada e Roberta veio por cima. Enquanto rebolava na minha vara eu mamava seus bicos e metia um dedo na bundinha, seu corpo tremia cada vez que eu forçava um pouco mais, ela rebolava de uma forma que me enlouquecia ela gozou de novo. Senti sua boceta me apertar, parecia morder sentindo que meu gozo estava perto deitei ela no sofá com as pernas bem pra cima, quase nos meus ombros e voltei a socar com força até gozar e despejar toda aquela porra cumulada dentro da sua boceta quente.

Depois da trepada ficamos ali conversando, mas não tivemos tempo para mais uma foda. O marido ligou pedindo que ela fosse buscar os filhos na natação, ela se arrumou rapidamente, ainda assim sarramos mais um pouco e ela se foi.

Durante uns meses eu e Roberta tivemos um caso. Cada reunião que íamos nos nossos clientes nos levavam ao motel logo em seguida. Depois ela voltou pro Rio, mas pelo Skype ela já me provocou muito.

Bom final de semana, espero que tenham gostado deste conto que não é recente mas que me traz boas lembranças e ainda me deixa de pau duro.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.