"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Tudo não passou de um sonho.


autor: Publicitario45
publicado em: 28/11/16
categoria: hetero
leituras: 1078
ver notas


Já contei aqui uma aventura minha com uma ex-funcionária, a Marcelly, uma loira de 26 anos, 1,60 de altura, 400 ml de silicone nos seios, loira, descendência alemã toda malhada, pernas grossas e bunda perfeita.

Nós ficamos duas vezes mas sempre houve muita cumplicidade entre a gente. Toda vez que Marcelly se aborrecia com o namorado, agora marido, a gente conversava muito, chegamos a trocar uns beijos mas nunca mais transamos.

Neste final de semana eu a encontrei na praia, estava com o namorado, sentamos perto e tempo depois percebemos a presença um do outro. Marcelly me apresentou a ele, um cara gente boa, mas totalmente desligado. Foi dar um mergulho na ilha e largou aquele mulherão sob os meus cuidados na areia.

Ficamos conversando e eu reparando cada pedaço daquele corpo quase perfeito. Em determinado momento, Marcelly deitou de bunda pra cima e pediu que eu passasse protetor solar na sua pele branca, fiquei incomodado com a possibilidade do namorado chegar mas ela nem ligou. Enquanto espalhava o protetor pelas suas costas meus olhos não paravam de olhar aquela bunda, meu pau endureceu e eu tratei de sentar logo na cadeira, mas Marcelly pediu que eu fizesse o serviço completo, espalhei mais creme nas mãos e deslizei as duas sobre aquela bunda linda indo até a sua panturrilha.

Depois ela retribuiu passou óleo e protetor nas minhas costas, me deixando excitado de novo. O namorado, sumiu. Desapareceu. Ficamos preocupados e uma hora depois ele mandou uma mensagem dizendo que estava na ilha com alguns amigos, e perguntou se Marcelly se importaria de ir pra casa de taxi. Ela ficou puta da vida e eu me prontifiquei a leva-la, já que estava com o carro do meu irmão.

Na hora de ir embora Marcelly estava visivelmente chateada, entramos no carro e eu a deixei em casa minutos depois. Na hora dela sair, rolou um beijo, ela fez uma piadinha por causa da minha ereção e disse que se não estivesse quase noiva, passaria o dia comigo.

Fui pra casa, tomei um banho, lembrei da cena e lógico, fiquei excitado debaixo do chuveiro de novo, mas como tinha visita na minha casa, não tive tempo para resolver aquela situação.

Na noite de sábado fui pra varanda e fiquei lá sozinho, tomando um 12 anos e pensando na Marcelly, que estava prestes a se casar com um cara que não está nem ai pra ela. Depois de algumas doses fui dormir e ai é que começa meu delicioso sonho.

No sonho, eu e Marcelly estávamos numa casa pequena, porém aconchegante. Ela usava um vestido preto e botas. Começamos a conversar na sala e ela falava que o noivado não ia bem, mas que eles transavam todos os dias. Aquilo me deixou excitado e eu me aproximei, nos beijamos e minhas mãos começaram a deslizar por todo seu corpo.

- Eu acabei de dar pro meu noivo antes de vir pra cá.
- Eu sei, mas eu quero você.
- Eu estou toda melada, quer assim mesmo?
- Quero!

Minhas mãos levantaram o vestido de Marcelly e meus dedos invadiram sua calcinha. De fato ela estava melada, parecia que o cara tinha gozado e ela sequer se limpou, colocou a calcinha e foi ao meu encontro.

Enquanto eu massageava aquela boceta melada, Marcelly apertava meu pau por cima da bermuda enquanto continuávamos a nos beijar. Sua boca cheirava a sexo mas aqeuilo me excitava cada vez mais.

Então ela se abaixou, tirou sua calcinha e ficou agachada na minha frente, me olhando de baixo pra cima com cara de vadia enquanto abria o zíper da minha bermuda. Eu tratei de tirar minha camisa e em poucos segundos eu estava completamente nu em sua frente.

Marcelly então começou a chupar meu pau, por estar agachada, toda porra do noivo escorreu e caiu no chão. Aquela cena estava me deixando louco de tesão que só fazia aumentar a cada chupada que ela dava.

Não aguentei e me sentei no sofá que havia naquela pequena sala. Marcelly continuou me chupando, mas desta vez ajoelhada. Sua boca deslizava no meu pau, subia e descia numa agilidade incrível.

Pedi que ela parasse se não eu iria acabar gozando, ai ela pediu que eu a chupasse, se colocou de quatro no sofá e se abriu toda pra mim.

Sua boceta estava até brilhando, o mel escorria de dentro dela misturando com a porra do noivo. A boceta estava inchada e ela me disse que ele a tinha fodido a manhã toda.

- Estou toda ardendo mas eu quero mais. Me chupa, me fode, me come toda.

Me ajoelhei atrás dela e sem pensar duas vezes meti a língua no cuzinho, Marcelly gemeu, senti sua pele arrepiar e suas pernas tremerem levemente. Continuei ali, lambendo aquele rabinho que com toda certeza já tinha sido comido naquela manhã. Marcelly rebolava, falava umas baixarias e pedia para eu chupar sua boceta melada, assim eu fiz, meti a boca e a sensibilidade do grelo a fez gozar em seguida.

Me levantei e coloquei meu pau na porta da xana, entrou fácil, estava lubrificado pela porra do noivo. Segurei ela pelos cabelos e comecei a meter com força, o pau entrava e saia fácil, sua boceta estava quente, melada e ficamos naquele vai e vem até ela gozar de novo.

- Quero seu cuzinho.
- Não, tá ardendo.
- Voce veio aqui sabendo que eu adoro seu cuzinho.

Fui falando e fui empurrando. O seu rabinho que já tinha sido comido pela manhã ainda estava bem relaxado, o pau melado foi deslizando lá pra dentro e eu comecei a dar uns tapas fortes naquela pele branca, Marcelly gemia, pedia mais, dizia que seria uma casada putinha e que eu poderia come-la quando quisesse. Nessa oucura toda eu acabei gozando, no sonho e na minha cama. Acordei com a sunga completamente melada de porra, me levantei, fui pro banho e gozei de novo.

Tudo na passou de um sonho, um delicioso sonho.

Boa semana a todos.






ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.