"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Gozei com a Profª de biologia


autor: safadao_1987
publicado em: 10/12/16
categoria: hetero
leituras: 4677
ver notas


Oi gente voltei com mais um relato real, esse aconteceu quando eu estava no ultimo ano do ensino médio, tinha 18 anos. Dêem nota após ler ok. Vamos lá:

Era uma tarde de sexta-feira horário que eu estudava, eu estava já uns dias flertando com uma garota (Janaina - 16 aninhos) que estudava de manhã, mas fazia educação física à tarde. Nesse dia combinei com ela de nos encontrarmos atrás da biblioteca (detalhe - a biblioteca da escola era um prédio um pouco afastado dos outros e como era uma sala toda fechada e climatizada, não tinha janelas – perfeito), para isso eu ia matar o penúltimo tempo de aula.

Chegando lá tudo certo consegui escapulir e minutos depois já estava nos amassos com a gatinha, a coisa começou a esquentar eu já estava louco para foder aquela gatinha (de fato eu a comi no dia do aniversario dela, mas isso é outro relato) então cochichei no ouvido dela o que queria e se ela tinha coragem, ela fez que sim com a cabeça, aproveitei já coloquei a mão por debaixo da blusa dela e comecei a acariciar seus seios por cima do top (já pensando qual esquema eu ia fazer p comer aquela gatinha).

Me surpreendi quando ela tirou a blusa regata que usava ficando apenas de top e short, não aguentei cara, baixei o top deixando os peitinhos dela ali balançando na minha frente (ela nem reagiu) e eu cai de boca, comecei lambendo os mamilos dela que logo se arrepiaram, dai passei a chupar com voracidade (ela gemia e estava toda arrepiada – nessa hora até pensei em traçar ela ali mesmo mas mudei de ideia), pressionei ela contra a parede e continuei só chupando os seios e de vez em quando apalpava a bucetinha quentinha.

A coisa estava ótima quando de repente eis que aparece a minha profª de biologia (Sofia – uns 28 anos) e nos apanha no flagra (eu com um peito na boca e o outro na mão). Na hora não tivemos reação, ficamos ali olhando para profª e ela olhando de volta (pensei tô ferrado), a reação de Sofia veio, ela simplesmente fez uma cara de reprovação e saiu sem dizer uma palavra.

Não teve como continuar a brincadeira Janaina estava nervosa com medo dos seus pais ficarem sabendo, ela saiu apressada por um lado e eu por outro, falei que ligava para ela depois e que ia tentar falar com a profª para que ela não nos dedurasse.
Bem agora vou deixar a Janaina de lado (Ela é outro relato).

Na volta para a sala fui conferir no caderno de quem seria o próximo tempo de aula, (BIOLOGIA – SOFIA) tava anotado, não tive coragem de ficar na sala, fui embora para casa. Foi o fim de semana mais longo da minha vida, pensei: - Será que a profª falou algo para a família da Janaina? Liguei para a gatinha e ela disse que os pais dela não falaram nada.

Enfim chegou a segunda-feira, eu decidi conversar com a profª Sofia para que ela aliviasse nossa barra. Nem cheguei descreve-la, vamos lá! Sofia devia tinha uns 28 anos, pele branca, cabelos negros e lisos à altura das axilas, devia pesar uns 55 kg bem distribuídos seios e bumbum bem empinados pernas torneadas e uns lábios carnudos daqueles bem suculentos de se chupar. Quando cheguei perto da sala dos professores deparei-me com ela:

Eu: - Profª, preciso falar com vc, sobre aquel...
Sofia: - Já sei sobre o que é, venha vamos à sala de informática.
Chegando na sala, não havia ninguém lá, já fui bem direto:
Eu: - Profª vim lhe pedir, por favor, para não entregar a Janaina para os pais dela, ela vai se dar muito mal.
Sofia: - E vc? Sabia que para vc pode ser pior? Vc esqueceu que já é maior de idade.

Putz, eu ainda nem tinha pensado daquela forma, Janaina tinha só 16 e eu 18, a ideia de poder ir parar na delegacia me torturou por dentro, sem mais postura nenhuma me ajoelhei em frente a Sofia,

Eu: - Por favor, não faça isso, tenho mais medo que aconteça algo com a Janaina que comigo (SERÁ?)
Sofia colocou a mão no meu ombro, e eu levantei.
Sofia: - Vc concluiu aquele curso que estava fazendo no SENAI?

Eu: - Sim tem uns 2 meses. - Naquela época eu tinha feito curso de marcenaria, fiquei sem entender o que isso teria haver com o fato.
Sofia: - Faz assim, na minha casa tenho umas cadeiras que estão com problema, o conserto é meio caro.
Naquele momento entendi, ela trocaria o silencio dela pelo serviço.

Eu: - Se eu consertar vc me libera?
Sofia: - Vamos ver, vou pensar se vc merece. - Disse Sofia com um olhar de Juiz em frente a um condenado.
Combinamos em ver o lance das cadeiras no dia seguinte umas 14:00hs, para isso eu teria que faltar uma tarde inteira de aula (E COMO VALEU A PENA!!!)

Na hora marcada reuni umas ferramentas de casa, do vizinho numa mochila e me mandei. Na hora em que vou chegando encontro Sofia também acabando de chegar com vários livros nas mãos, ajudo-a com o peso e ela me convida para entrar:

Sofia: - As cadeiras estão bem ali, vai lá olhar enquanto guardo tudo isso.
Eu: - Ok. - Fui até o local e vi que o conserto ia ser moleza, uns ajustes aqui, uns pregos ali e pronto vai ser moleza.

Estava um calor infernal naquele dia, eu estava consertando a 1ª cadeira e já tava suadaço, vestia uma camiseta regata com os braços todos suados, quando me dou conta Sofia está de longe me olhando da janela da cozinha, ela vira para outro lado quando percebe, eu apenas continuo.

Mais uma vez eu a percebo me olhando e novamente ela olha para outro lado quando percebe que vi, não dei importância, queria logo terminar aquele serviço e acabar com aquela angustia minha.

Novamente eu percebo que Sofia não tira os olhos de mim, só que dessa vez eu não a fiz perceber que eu a via, fiquei olhando por entre algumas folhas de uma planta que havia próximo, (Ela não via meus olhos).
A maneira como ela me olhava era meio diferente da que me olhou alguns minutos atrás, até que de repente ela sai da janela, e após alguns minutos aparece próximo de mim.

Sofia: - Tá quente né? Venha tomar um suco, eu preparei um lanche.
Eu: - Obrigado. - Eu aceitei, pois o calor era de um inferno só.

Entramos e comemos, o lanche estava uma delicia, perguntei se ela não tinha marido, Sofia disse que estava separada a 2 anos, e que morava sozinha com o filho que agora estava na creche, ela então disse que iria tomar um banho para se refrescar e pediu que a esperasse na cozinha, que ela queria acompanhar o trabalho. Então eu resolvo espera-la na mesma janela de onde ela me olhava, vi que faltava apenas uma cadeira para consertar.

Eu: - Falta apenas uma. - Falei em voz alta para ela escutar.
Sofia: - Ok! - Respondeu Sofia, voz um pouco distante, já no banheiro talvez.
Sofia: - Vc quer mais suco? - Sofia perguntou agora ela já estava atrás de mim na cozinha.

Quando me virei para responder a Profª, tive um choque, ela estava só de toalha na minha frente.
Fiquei sem palavras.

Sofia: - O que foi nunca viu mulher de toalha? - Ela me perguntou com um olhar irônico e eu sem palavras ainda, a única coisa que respondia era meu pau já começando a palpitar na cueca.

Sofia: - Depois do que vi naquele dia, achei que ver mulher de toalha não fosse grande coisa pra vc.

Finalmente respondi:

Eu: - É que ainda não tinha visto uma mulher mais experiente e tão bonita.

Sofia: - Vem garanhão, vem pro chuveiro se refrescar comigo vem. - Sofia me estendeu a mão e eu não recusei fui sendo levado por aquela mulher para o seu quarto.
No quarto nós já começamos a nos beijar, e que boca deliciosa aquela, parecia que ia me devorar. Ela não parava de esfregar as mãos nos meus braços e peito, logo tirou minha camisa e começou a lamber meu peitoral suado, (fiquei louco com aquilo, a experiência dela era de enlouquecer).

Puxei a toalha dela e revelei seu belo corpo, macio e cheiroso ela então me empurrou para o banheiro abrindo minha bermuda, logo fiquei só de cueca ela então começou a acariciar meu pau e retomamos um beijo louco e apaixonado.

Logo ficamos nus embaixo do chuveiro, que sensação deliciosa beija-la embaixo do chuveiro, estavamos tão agarrados que parecia que íamos nos unir, de repente ela para olha fundo nos meus olhos, (Naquele momento, o olhar dela se transformou, não era mais o olhar de uma profª olhando para um aluno, e sim o de uma mulher carente e sedenta por carinho e prazer. VC QUE É HOMEM SABE DO OLHAR QUE ESTOU FALANDO).

Sofia pegou um frasco de sabonete liquido e derramou fartas quantidades sobre nós, massageamos um ao outro dessa forma embaixo do chuveiro, a agua estava deliciosa fria, mas não fria o suficiente para apagar o fogo nos nossos corpos. Ela fecha o chuveiro e me guia até o quarto:

Sofia: - Vem que eu vou te mostrar o que é Sexo de verdade. - Ela me empurrou na cama, agarrou meu pau e iniciou um dos melhores boquetes que já recebi.
Punhetava de leve, lambia toda a cabeça, engolia até a metade, depois ficava chupando só a cabeça (E tudo isso com muito, muito cuspe), quase gozo. Ela subiu em mim e colocou a bucetinha na minha boca.

Sofia: - Vai me chupa, safado.

De pronto comecei com lambidas rasas na entradinha e com leves chupadas no clitóris, percebi o quanto ela estava melada e então enfiei a língua o mais fundo que pude.

Sofia: - AHHHAahhh! ISSOOOO! Sofia Gemeu bem alto, (ela estava muito carente)

Continuei chupando, lambendo e penetrando-a com minha língua, até que ela começou a se contorcer e com voracidade começou a empurrar a buceta na minha cara e esfregar por toda a minha boca, queixo e nariz.

Sofia: - AAAIII to gozando, UUIIH gozando. Senti o mel delicioso escorrer pelo meu queixo. E Sofia então parou por uns instantes.

Ela então deslizou sobre mim ao ponto em que a cabeça do meu pau tocou a entradinha da bucetinha deliciosa dela, por um instante ela parou e começou então a rebolar esfregando nossos sexos um no outro.

Eu: - Eu não tenho camisinha aqui! - Disse a ela, em reposta ela me olhou de novo com aquela olhar de fêmea no cio e agarrou num beijo delicioso lambuzado com o mel delicioso de sua bucetinha.

Não resisti, segurei em seus quadris e forcei a entrada do meu pau. Que delicia!

Cada centímetro que avançava dentro daquela grutinha apertada, era uma sensação diferente, (Maciez, Calor, pressão) a minha profª era uma mulher deliciosa demais.
Aumentei o ritmo das estocadas, chegava a tirar até ficar só a cabeça dentro e depois colocava tudo pra dentro com voracidade. De repente Sofia começou a cavalgar como uma louca.

Sofia: - Ai caralho, Vou gozar denovo, Ai me Fode vai. OHHHHH!

Senti então as compressões de sua buceta, como se estivessem mastigando meu pau inteiro. (QUASE GOZEI JUNTO) Fiquei até orgulhoso de mim, tinha arrancado duas gozadas fenomenais de uma mulher como ela.

Eu já estava no meu limite, ela relaxou todo o seu corpo em cima de mim sem tirar o pau de dentro e pediu:

Sofia: - Vai faz devagarinho denovo vai.

Como obediente que sou, fazia movimentos de entra e sai bem curtos, que ficaram mais deliciosos com as compressões vaginais que ela fazia contra meu pau.

Eu: - Eu vou GOZAR, tira! - Urrei no ouvido de Sofia (Eu já não aguentava mais), Mas a reação dela foi outra, ao invés de sair de cima ela entrelaçou-se em mim no pescoço e fez por conta dela os movimentos de entra e sai e também aumentou o ritmo das compressões.

Sofia: - GOZA VAI, ME ENCHE COM SEU LEITINHO.

Sofia: - ADORO LEITINHO QUENTE DENTRO DA BUCETA.
Sofia gemia essas coisas no meu ouvido ao mesmo tempo em que rebolava e chupava meu pescoço. Não deu outra cara, jorrei forte porra quente no fundo da bucetinha dela.

Sofia: - ISSO ai que delicia, ai que gostoso. - Sofia Falava e aumentava o ritmo dos rebolados, fazendo com que meu pau esfregasse em diferentes regiões dentro da bucetinha dela.

Cochilamos na mesma posição em que paramos, foi uma delicia!

Acordamos espantados com o despertador do celular de Sofia, estava na hora de ir buscar seu filho na creche.
Sofia: - Preciso ir e vc também garanhão. - Com um beijo simples Sofia saiu de cima de mim e foi ao banheiro. Eu fui atrás e lá tivemos um longo beijo de despedida, catei minhas roupas e algumas ferramentas para sair (DEIXEI UMAS LÁ DE PROPOSTIO, para ter motivo de ir lá outro dia buscar. srsrs ;-)

Sofia e eu tivemos vários encontros naquele ano, transamos em motéis varias vezes, e perdi a conta de quantas e quantas vezes eu pernoitei na casa dela quando o filho dela ficava com o pai. Foi um dos melhores anos de sexo da minha vida, muito do que sei hoje em relação ao prazer feminino foi ela quem aprendi com ela.

Ela dizia que eu era seu namorado, mais sempre mantemos segredo sobre nossa relação, enfim foram muitas loucuras que fizemos por ai. Até que ela foi classificada em um concurso publico em outro Estado, e teve de se mudar, claro tivemos uma ultima noite de despedida, e depois de uns dias mantínhamos contato pelo MSN, Orkut, SMS. Até que ela reatou com o seu ex-marido e quase não conversamos mais depois disso, raramente falamos pelo Facebook.

Na ultima conversa que tivemos esse ano (2016), ela disse que estará aqui já nesse mês de julho/2016 para fechar a venda da casa onde transamos a 1ª vez, virá sozinha e quando chegar vai me avisar.

Será que vamos repetir a dose?

Abraços e obrigado pela leitura.

Comente e dê nota.

Lista dos meus contos, Leia e de nota ok!

Trai a noiva com uma novinha

Gozei com a prof de biologia

Meu presentinho Pra Janaína

Prazer regado a vinho

Uma ultima vez com Sofia? – Parte 1 e 2

Carne e desejo, prazer e pecado.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.