"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Enlouquecido pela ex-aluna 2: grávida!


autor: Chronos
publicado em: 11/12/16
categoria: traição
leituras: 1486
ver notas


Fala, meu povo, sou Sávio, profissional de educação física, e regressei depois de um árduo ano letivo para poder continuar meus relatos aqui. Agora que estou oficialmente de férias, livrei-me da cambada de alunos que perturbam o pouco juízo que me resta, vamos falar do que interessa, não é verdade!? Kkkkkkkkkkkkk!

Seguinte, galera: Depois de contornar toda aquela saia justa em que me meti com a Dani sobre ter ido ao Condomínio da minha mãe e...bem, o resto vocês sabem em ENLOUQUECIDO PELA MINHA EX-ALUNA . Quem não leu , não perca essa parte da história para entender esta.

Os dias se passaram e Amanda continua fodendo com a minha mente. Eu sinto uma tara louca por alunas, parceiro, não é à toa que estou casado com uma, mas porra... Tinha que ser duas na minha vida!? Naquele sábado, Dani tava muito puta pois ela tinha a folga como eu relatei, né, e cada minuto perdido é um tempo precioso, então é quase imperdoável pra ela.

Dobrar a minha aluna número um não foi fácil, tive que convencer que foi pela minha mãe, que tive de ficar lá, pedi perdão e tudo, mas ela parecia irredutível. Ao mandei a real para ela:

- Você pode escolher ter uma tardezinha agradável e uma noite maravilhosa comigo ou deixar a mágoa estragar o resto desse dia lindo, e mais: É tempo que não volta, e daqui a pouco, quando menos espera, é segunda-feira, querida. Tratar de feridas aqui, fazer raspagem ali, horas extra que também sacrificam o tempo que deveríamos ter juntos...acha que é somente você que fica desse jeito!?

- Acontece, Sávio, que estou sentindo você diferente- puta merda, fudeu!- toda vez que você vai ao apartamento, você me esquece, parece que não tem mais nada no mundo a se importar. Poxa, eu amo de paixão a sua mãe, mas toda vez que ela chama, você vai correndo para lá. Queria que você se importasse do mesmo jeito comigo. Você sai do trabalho, está lá. Tudo bem, ainda estou trabalhando, mas eu chego em casa, vejo você agarrado ou nesses livros ou no telefone. Tudo que a gente marca para fazer juntos tem que ser depois de você ir ver a sua mãe, você perdeu o interesse em mim, não me ama mais?

- não é isso, Am..or!- quase saiu, gente. Tá foda demais, essa porra- Acontece que realmente esse condomínio da minha mãe, no início, deu problemas mesmo. Porra, ela mora no quinto andar, tem essas problemáticas todas de vazamento, burocracia do caralho, várias pessoas processando a engenharia responsável pelo projeto. E minha mãe não é mais nenhuma garotona para ficar resolvendo tudo sozinha.

- Ok, você já me disse isso tudo, mas não enrola: Você acha que está diferente nosso relacionamento!? Tô achando você distante, parece que você está aqui, mas a mente em outro lugar!

- Dani, senta aqui comigo!- conduzi minha linda até o sofá, sentei olhando nos olhos dela- Amor, a rotina pode ter sim, esfriado um pouco, nosso casamento. Mas você estava ciente dos sacrifícios, e eu também que teríamos que fazer no início de tudo! Lembra do nosso começo, que a gente teve que alugar nossa primeira casa e eu trabalhava até de noite, para manter nosso nível de vida confortável, e você estudando!?

- Porra, nem fala! Cada dia era um leão por dia para derrubar. Quando saía da faculdade, não via a hora de ficar perto de você, dormir juntinho da sua costelinha, e mesmo fodida de cansaço , você acabava comigo na cama, rsrsrs. É disso que sinto falta, lindo...

- Sente saudade do nosso começo duro!?- arregalei os olhos para ela.

- Não, rsrs... E sim! Não pela nossa ralação. Mas, sim pela nossa paixão, sabe. E sinto você mais distante, desconectado de mim. A gente dorme junto, até faz amor, mas é como se você, Sávio, não tivesse mais a mesma fúria de antes, que acabava comigo toda... Nossa, eu sempre fui louca pela forma alucinante que você me pega, e me possui... Mas depois disso, você desliga, sabe. Parece fazer tudo no automático. Às vezes fico pensando se alguma garota não anda mexendo com essa sua cabecinha aqui de baixo!

Puta que pariu, gente, ela não sabia, mas sabia! É impossível você passar batido. Mulheres são muito mais sagazes do que os homens pensamos! Eu não neguei do meu esfriamento.

- Sabe, Am..or!

- Eu, hein, Sávio, ficou gago!? Kkkkk

- Não, linda, rs, não sei, mas deixa eu concluir: Não posso negar que toda essa rotina nossa, turbulenta, sem alívio, eu tenha nos distanciado um bocado. Fora que , como professor, ainda sou assombrado pelo meu passado... Você sabe! Eu ainda sou alvo de cantadas, assédios, olhares até das colegas de trabalho. Alunas ensandecidas vêem um cara novinho...bom, nem tão novinho porque agora passei dos trinta, kkkkkk, mas a gente que trabalha com pessoas, diferente da sua área, que é com animais, a gente é reconhecido pelo que faz, isso afaga nosso ego, mas tem o lado que...

- O lado que desperta o velho Sávio em você!- ela falou num tom bem sério.- Sávio, diz-me a verdade: Você se sente atraído por alguma aluna nas escolas que você trabalha!?

- Elas se insinuam o tempo todo, Dani! Não é fácil lidar com o fogo delas. Sem contar que depois da Amanda, aquela loucona, eu tenho que vigiar incansavelmente essa galera que vive tentando driblar nossa marcação para poder fazer merda. Graças a Deus que nunca, comigo, aconteceu de alguma garota aparecer grávida!

- Hummmm- ela me deu um sorriso. - talvez seja isso que esteja faltando para nós, amor!

- Posso saber do que você está falando!?

- Ai, você é desligado, hein! Será que não te falta nada a realizar como homem, algo que eu ainda não tenha dado a você!?

Foi então que eu me liguei. Verdade: Ainda não tinha filhos! E ouvir isso da Dani mexeu no meu coração. A gente sempre evitou de diversas formas que acontecesse de gerarmos um ser vivente, um herdeiro, de maneira que não pudéssemos proporcionar o conforto, o amor, e um nível de vida que vocês sabem: Distantes das necessidades que nossos pais, ou nós mesmos tivemos.

- Dani.

- Fala, amor!

- Eu não sei se estou pronto para ser pai. Porém, pronto ou não, eu reconheço: Tá mais do que na hora de aumentarmos a família!

- Jura, lindo!? Mas quero saber como a gente vai ficar depois !

- Dani, eu reconheço que fiquei distante, sim, eu vacilei com você em tomar o tempo que nos é de direito para investir na gente. Você me perdoa!? Não quero que pense nunca que deixei de ser louco por você. Eu te amo, você é a esposa mais linda do mundo e sou orgulhoso por ser o Personal sex da aluna mais gostosa para quem dei aula em toda minha vida.

E daí em diante, o que se seguiu foi uma sessão interminável de beijos, carícias, e safadezas confidenciadas no pé do ouvido um do outro. Dani espantou seus receios, temores, dando lugar à insaciável Daniela da época de escola: Estávamos sentados de frente para o outro, nos beijando, quando minha aluna número 1 pulou em cima do meu colo e sentou com as pernas abertas e a buceta encostando no meu pau dentro da bermuda. A resposta do meu corpo foi quase imediata.

Dani rebolou no meu colo, sentindo meu membro pulsando debaixo do vestido que estava usando e arrancou a calcinha que já estava úmida, devido ao tesão avassalador que tomou conta do seu corpo. Ficou em pé, no sofá, com meu corpo entre suas pernas abertas, e arrancou lentamente aquele tecido impregnado com a fragrância do seu interior. Ah, aquilo me endoidou de vez ! Peguei a calcinha da sua mão e inalei o odor intenso do mel acumulado. Ela sorriu mordendo o canto da boca com toda a sensualidade que sempre teve e tirou o vestido lentamente, mas de baixo para cima, revelando o seu belo corpo, que com o passar dos anos, não perdeu nem um pouco o encanto. Ao contrário, esbanjava a saúde dos seus 30 anos!

Agarrei-a pelas pernas, posicionei meu corpo de maneira que meu rosto estivesse encaixado entre suas coxas e premiei minha linda com um oral lento, caprichado, circulando minha língua no seu grelo inchado. Dani rebolou no meu rosto deixando-o todo melado com seu mel.

- Ai, caralho, você hoje está impossível, Sávio... Isso, porra, não pára, aiiiiieeennn! Que safado, delicioso... Nossa... Issoooooo... Eu tô indo, amor... Aaaaaaaaah!!!

Mas gozou muito, parceiro. Gozou demais! Daniela perdeu a força nas pernas , deixou o corpo cair em cima do meu pau que tava erguido feito rocha. Com o corpo em ebulição, as batidas do coração aceleradas, aninhou-se nos meus braços num demorado beijo. Arrancou, em seguida, a minha blusa e arranhou todo o meu peito, chupando meus mamilos. Ela tem um jeito todo especial de me colocar em ponto de bala mordiscando eles, arrepia tudinho, rs.

Deslizou para o chão, ajoelhando-se entre minhas pernas, e arrancou peça por peça lentamente e meu caralho já pingava o pré-sêmen. Tocou uma deliciosa punheta e finalmente abocanhou-o tirando-me da terra! O problema, amigos, é que com meu coração dividido e atormentado pelas lembranças de minha amante tarada, ao fechar os olhos eu via Amanda, e não Dani, chupando com gana e volúpia o meu pau. Aquela visão me enlouquecia! Abri meus olhos para ver o rosto da minha esposa, mas a mente mostrava como um filme passando diante dos meus olhos a outra me chupando! Agarrei Dani pelos cabelos empurrando meu pau até a garganta dela. Ela engasgou, óbvio, o brinquedo aqui é de dimensões respeitáveis, e ela sorriu dizendo:

- Que disposição, hein, gostoso! Quase me matou sem ar aqui!

Puxei-a pelo cabelo, trouxe a boquinha dela até a minha, e Daniela provou o gostinho de saliva com mel do seu orgasmo. Enlouqueceu a menina. Mandei ela ficar de quatro e entrei com vontade na xota faminta por pica, e foram nossos trinta minutos mais longos e prazerosos. Minha esposa reboliu muito na minha piroca, confesso que por um momento eu visualizei aquela Dani que comi no motel quando ela ainda namorava o Borelli.

- Toma, filha da puta, e agora, tá me achando frio e distante, tá, sua cachorra!?

- Assim tá beeem melhor, meu gostoso, dá essa pica pra mim dá! Isso, mais, caralho!

Foi nossa melhor foda numa tarde. Puta que pariu! Deu para esquecer um pouco a Amanda. É fato: A amante me atrai, é apaixonante, mas Dani é a garota da minha vida! Eu gozei muito com ela. À noite, além de termos saído para renovar nossos brinquedinhos, comprei aquele óleo que Amanda me aplicou a massagem, claro, e Dani recebeu mais um trato delicioso, como lhes relatei no último conto.

Dani não tomou seu anticoncepcional. Parou de vez. O resultado disto, vocês sabem: Ela ficou grávida! Foi uma festa, pois era o que estávamos planejando desde essa tarde. Durante uns dias, semanas, dei prioridade a nossa família que estava aumentando. Até que...

O telefone tocou na hora do almoço. Estava sozinho em casa. Era quem!? Amanda!

- Sávio, a gente precisa ter uma conversa muito séria!

- Caraca, que houve!?

- Pessoalmente, pode ser!?

No fim do dia, fui ao condomínio. Ao encontrá-la com o rosto pálido, sem cor nos lábios, e um papel de exame nas mãos, meu coração gelou. Perdi o chão. Meu mundo estava desmoronando: Amanda estava grávida!

Continua...




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.