"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Transformei minha vizinha numa cachorra


autor: Domdraper
publicado em: 12/12/16
categoria: hetero
leituras: 3875
ver notas


Era manhã de sábado quando escuto Carla, minha vizinha, bater palmas enfrente minha casa me chamando... acho estranho, uma vez que não tenho aproximação com ela, mas enfim, vou atende-la.
- Oi, Carla! Posso ajudar?
- Jair! Desculpa incomodar, mas eu não achei ninguém aqui da nossa rua que pudesse me ajudar, assim, decidi recorrer a você.
- Mas o que seria?
- Preciso levar a caminhonete do meu pai para concertar o para-choque, na cidade vizinha, mas não tenho carteira de motorista...
Achei estranho seu pedido, já que a cidade onde moro a fiscalização nesses quesitos é quase nula e maioria da população dirige sem a CNH. Mas como quase todo homem fica meio cego frente a mulheres belas - e essa minha vizinha se encaixa nesse quesito, pois é uma mulata de rosto lindo, peitos médios, bunda durinha, mas sem exageros no tamanho, e sim extremamente proporcional ao seu corpo; uma verdadeira tentação e que estava com um decote de "matar". Eu estava apenas de short(literalmente), pois não esperava visitas, foi quando senti o volume do meu pau aumentando aos poucos na medida que olhava para o decote dela, porém não ficou tão duro a ponto de ficar extravagante. Porém, tenho a impressão que ela percebeu o volume, mas disfarçou perfeitamente.
Minutos depois vou até a casa dela pegar a caminhonete, ela entra logo em seguida no automóvel. Pegamos a estrada, seria 1h e meia de viagem. Durante a viagem começamos a puxar assunto, não sabia praticamente nada sobre ela e vice-versa. Conversamos sobre futuro, faculdade e mais uma porção de coisas... Foi então quando já parecia ter se esgotado o assunto quando as coisas começam a esquentar... E Carla diz:
- Sempre achei você atraente...
Tomo um susto, não esperava tal declaração. Dou um sorriso tímido e pergunto:
- Mas o quê em mim te atrai?
Pergunto isso por dois motivos. Uma, por que sou alto e tenho uma face bonita, mas como defeito sou magrelo, fator que algumas vezes atrapalha. E em segundo, pra puxar a conversa e ver até onde poderia chegar.
- Sua altura, sua idade e a maneira como você me olha. Assim foi a resposta de Carla.
Ela sempre disfarçou muito bem o fato de eu olhar pra ela... Mas ela estava certa, sempre quando avistara aquela mulher andando na rua ficava excitado com aquele rebolado que chegava a parecer proposital, apenas pra me provocar. Ela tinha 29 anos e eu apenas 20.
Falo pra ela que sempre desejei ela, ela não fala nada, apenas se aproxima de mim e beija meu pescoço. Aquilo me deixou totalmente arrepiado. Falo pra ela que o mecânico vai ficar pra mais tarde e que vou entrar na estrada de terra logo à frente, mas ela não esboça nenhuma reação, apenas grudava no meu pescoço.
Logo à frente entro numa estrada quase deserta e paro a caminhonete.
Seguro no cabelo dela, puxo é falo:
- Larga um pouco o meu pescoço e beija a minha boca bem gostoso, Carlinha!
...no momento em que estamos trocando beijos, começo a acariciar seu seios colocando a mão por debaixo de sua blusa e ela retribui com um gemido doce. Aquele gemido me levou à loucura, e assim, comecei a beija-la com mais intensidade, então ela decide acariciar meu pau por cima de minha calça, e eu não satisfeito seguro sua mão e coloco para dentro de minha calça, falando:
- Você vai preferir sentir ele latejando na sua mão.
Ela sorria, mas não falou nada.. apenas obedeceu.
Comecei a tirar sua blusa e sua calça, deixando-a apenas de calcinha - nessas alturas extremamente molhada -, então começo a chupar os peitos dela, fazendo finalmente ela falar:
- Isso, cachorro, mama nos meus peitinhos, vaaai!
Logo em seguida solta gemidos suaves, me levando ao delírio. Ela então tira minha camisa e minha calça me deixando apenas de cueca. Não precisei nem pedir e ela já foi direto colocando meu pau pra fora e abocanhando, então ela começa a chupar com vontade, como se fosse a melhor coisa que ela já havia experimentado. E enquando ela chupava, eu estiquei minha mão e tirei a calcinha dela enfiando dois dedos na buceta dela - meu, Deus, como aquela mulher gemia e acelerava aquele boquete! Não dando tempo de avisar, gozei na boca dela que não exitou em engolir tudo.
Abri a porta da caminhonete e fiz com que ela ficasse com as pernas abertas voltada para fora, e de pé no lado externo da caminhonete comecei a chupar a buceta dela. No começo ela cochichava baixinho
- aaww, que língua gostosa!! Ooooh! ooooh! oooooohh! chupa meu grelinho, Jair, chupa!
Ela continuava - huuum, delícia! Eu sempre sonhei com esse momento!
Aquela frase me enlouqueceu, nunca imaginaria que aquela mulher me desejava tanto.
Continuei a chupar aquela buceta linda, quase toda depilada, havendo apenas um "bigodinho de Hitler"; estimulava o clitóris dela com a língua e mantinha dois dedos enfiados na buceta dela. Não precisou de muito tempo e logo ela gozou na minha cara.
Então, eu falo - acho que fiz minha cachorrinha gozar.
Ela fala no meu ouvido - au! au! Sua cachorrinha quer esse pau atolado nela!
Ela contínua a falar - me faz uivar como uma louca, faz como no meus sonho e me come gosto, come sua cachorrinha, vaaaai!!
Não me contive e tirei ela daquela cabine aperta, coloquei-la contra a caminhonete com a bundinha inclinada para mim e falei no ouvido dela.
- o que eu fazia nos seus sonhos era apenas uma pequena demonstração, agora você vai ver do que eu sou capaz, cachorra safada.
Puxei o cabelo dela para trás e enfiei o pau nela, foi então quando ela me surpreendeu com uivos; aquilo me excitou bastante, fazendo com que eu socasse mais forte nela. E enquanto eu socava, deslizava minhas mãos sobre o corpo dela, beijava os pescoço dela - e ela não parava de gemer em forma de uivos, foi então que eu diminuí o ritmo e pedi pra comer o cuzinho dela;
ela disse - apenas que fez isso foi meu ex-marido, só duas vezes. Mas como eu sonhei tanto com esse dia, com eu e você, já mais negaria qualquer pedido seu. Mas vai com calma.
Finalmente caí na real e percebi que tinha domado aquela mulher.
Coloquei ela quase de quatro se apoiando no pneu, fui colocando a cabeça devagar e percebi que ela mordia o lábio, fui colocando com muita calma até que enfiei tudo... Mas ela parecia com uma cara de dor, e foi então que enfiei dois dedos no grelinho dela, fazendo com que seu semblante ficasse mais aliviado. Ela foi se acostumando e começou a gritar como em nenhum momento daquela transa.
- vai, safado, enfia esse caralho no meu cu, vaaaai! Mete! Oooooohh! Issoo! Mete no meu cu com força, arregaça o cu da sua cachorrinha, Jair! Come que tá gostoso!
E foi com aquela sequência de gemidos que eu gozei no cu dela e continuei estimulando a buceta dela com os dedos fazendo com que 30 segundos depois, ela soltasse um jato de gozo.
Logo seguida nos vestimos e entramos na caminhonete, mas antes de dar partida ambos se olham, e ela diz:
- a parti de hoje eu sou sua cachorra, você me come quando quiser, você chama e eu obedeço.
Eu penas olho para ela, dou um sorriso irônico, ligo a a caminhonete e partimos nossa viagem.







ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.