"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Na Academia


autor: BombeiroFire
publicado em: 13/12/16
categoria: aventura
leituras: 1484
ver notas


Ana(ficticio) é uma jovem linda, de 19 anos, corpo torneado pelas atividades físicas e idade. Morena de cabelos longos, na altura da cintura, seios pequenos e uma linda bunda arrebitada. Faz academia de segunda a sexta, não apenas musculação, mas aulas de “ginástica” e bike.
Paulo(ficticio), Personal trainer e além disso é Bombeiro, um homem de 25 anos, homem grande, rustico, traços fortes e pele escura é quem chama atenção de Ana, que enquanto pedala o olha com cobiça, em especial o grande volume em seu shorts.
Um sábado (dia mais tranquilo na academia), Ana chegou cedo e começou a fazer seus treinos, tranquilamente. Correu, fez sua musculação e depois disso optou por pedalar um pouco, ao chegar a sala, que esperava que estivesse vazia, viu Paulo, mexendo no som.
Chamou sua atenção aquele homem forte e imponente à sua frente. Ana, então, chamou sua atenção fingindo uma tosse “cof-cof”. Paulo se virou meio assutado, assim que a reconheceu, sorriu, e olhou cada centímetro das pernas de Ana, longas e torneadas, cobertas apenas por um pequeno shorts curto, e a elogiou.
Ana, desconcertada, porém, excitada com essa oportunidade de estar a sós com o seu homem de desejo, abaixa os shorts, se vira de costas e pergunta, se sua bunda está tão bela quanto suas pernas.
Paulo logo nota quais as intenções de Ana, e se aproxima dela, que está de costas, a encocha e diz, encostando a boca em sua orelha: “Bunda tão bonita, quanto as pernas, mas quero saber se é gostosa, como parece.”
Segura seu rabo de cavalo, cheira seu suor nas costas e a força em direção a uma bicicleta. Ela sede sem muito resistir, aliás, ‘para que resistir?’. Curva-se, expondo seu lindo cuzinho para Paulo, que ainda a segura pelo rabo de cavalo. Paulo então, passa seu dedo suavemente em sua bucetinha e nota ela molhada, então, segue com o dedo lentamente até o cuzinho, aonde enfia seu dedo lentamente.
Ana, que nunca tinha experimentado sexo anal, tenta se erguer, mas ele a segura com força, em seus cabelos, bate em sua bunda e diz: “Não ofereceu, agora eu quero tudo”.
Ele saca seu mebro, grosso, grande e firme e estoca na bucetinha de Ana, e o movimento, apesar da força, é suave, tamanha era a excitação de Ana; Ela sabia que ele seria bruto, e era disso que ela gostava.
Ele estoca com muita força e a cada estocada, Ana geme e rebola, fazendo o movimento de vai e vem ainda mais gostoso, Paulo solta o cabelo de Ana, segura uma de suas nádegas e a morde, até ouvir Ana gritar. Ela se posta erguida, e vira-se de frente para ele.
Sem que ele peça, ou mande, ela já se coloca de joelhos e começa a chupa-lo, e lamber seu grande pau, massageando suas bolas. Chupa a saboreia aquele pau, como um sorvete, em um dia quente de sol, gemendo de prazer e feliz por poder chupa-lo, quando nota, que Paulo novamente a domina, coloca-a de pé e depois apoiada em uma das bicicletas, encaixando seu pinto na buceta dela, lhe dá um beijo de perder os sentidos.
Desce beijando o pescoço, e chega nos seios, ainda cobertos pela camiseta, que logo é arrancada, deixando aqueles seios durinhos e tenros, com os bicos ainda mais duros de excitação. Paulo morde lentamente o bico rosado de Ana e ela geme, e mexe o quadril no pauzão duro que está dentro dela, pulsando.
Paulo, novamente puxa os cabelos de Ana, e fala nos seu ouvido: “Vira de quatro, minha cadelinha, quero te comer TODA. Não pense que vou deixar aquele cuzinho sem levar pau.”
Ele a vira de costas novamente, Ana coloca-se de quatro, sob o pequeno palco da sala de ginastica e ele em pé atrás, afasta as pernas de Ana e abre bem a bucetinha, o que expõe aquele grelo dela, pulsando, e ele o lambe, apenas com a pontinha da língua, só para instigar.
Mergulha um, dedo, dois dedos na buceta encharcada e arrasta esses até o cuzinho, aonde enfia um dedo….. Ana tenta resistir, e ele a lambe de novo…. Ela relaxa, ele coloca dois dedos…… E continua lambendo….. Até que nota Ana relaxada, até gostando dos dedos no seu cuzinho…..
Então, Paulo encaixa a cabeça de seu pau, no botãozinho virgem de Ana, e começa a forçar….. Ana sentindo a força, novamente tenta fugir, e ele volta a segurar seu cabelo, com mais força desta vez….
Com a outra mão, dá um tapa na bunda dela e diz: “Não tente sair, vc é minha cadelinha, e eu faço o que quiser com vc…. Entendeu? “, Ana consente e empina novamente seu cuzinho para Paulo, encaixado novamente, força seu membro, grande e grosso para dentro…..
Ele ouve Ana gemer, e fala: “Isso sua cadela, geme pra mim – outro tapa – mostra como está no cio….”, e sem mais esperar estoca com tudo no cuzinho de Ana… E ela urra de dor e tesão… E ele vai estocando, cada vez mais ritimado, até que Ana volta a rebolar naquele pau…. E Paulo goza em seu cuzinho….
Paulo vira Ana, e a deita de pernas abertas no palco e a chupa, bem gostoso, até que ela goze… Grite e trema em sua língua.
Exausta ela se levanta, se veste, assim como ele, e ambos voltam aos seus “afazeres” ela vai pedalar e ele dar aula…. Mas sempre pensando em repetir aquela atividade….




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.