"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Blitz


autor: Katita
publicado em: 18/12/16
categoria: traição
leituras: 3319
ver notas


Estava a noite Roberto e Kátia estavam voltando de uma festa, já meio alcoolizado Roberto pisou fundo pra chegar logo em casa foi quando viu a Blitz Roberto tentou diminuir a velocidade mas não deu tempo viu o policial mandando encostar, e já sabia que teria problemas.

---- Está com pressa amigão, pra correr desse jeito? habilitação e documentos do veículo.

Roberto estava acima do limite de velocidade, mas aquele era o menor dos seus problemas, estava com os documentos atrasados com a habilitação vencida, outro guarda bem gordo se aproximou pelo lado do passageiro e clareou com uma lanterna o interior do automóvel e deu uma boa olhada na loira sentada no banco do carona era uma delicia de vestidinho vermelho decotado curtinho mostrando as coxas e que coxas o policial demorou com a lanterna nas pernas dela no seu decote a garota estava ficando até sem jeito.

---- Por favor saia do automóvel - disse o guarda após verificar os documentos-Infelizmente vou ter que aprender seu carro

---- Espera não faz isso não seu guarda... Espera aí vamos conversar.

---- Que tipo de conversa meu amigo?

---- Posso dar uma caixinha e a gente esquece isso.

O guarda olhou em volta já era o terceiro que oferecia dinheiro fazer Blitz era muito lucrativo.

--- Quanto de caixinha você pode dar ?

---- Hum deixa eu ver aqui... - Roberto meteu a mão no bolso pra pegar a carteira e não achou, foi quando lembrou havia pego só os documentos deixou a carteira em casa - Meu amigo houve um contratempo acho que minha carteira terminou ficando em casa mas posso ir lá pegar e voltar aqui.

---- Sinto muito senhor, desça do carro por favor.

---- Espera! Espera Vamos conversar!

---- O senhor não tem nada a oferecer quer conversar o que ainda? Não tem dinheiro só se der sua namoradinha aí pra gente de caixinha.- disse em tom zombeteiro.

Roberto e Kátia se olharam, ela ficou toda arrepiada já sabia no que o marido estava pensando.

---- Então podemos conversar , não posso dar ela pra vocês mas posso emprestar... Vocês conversam um pouco a sós, só pra experimentar isso aqui é bem melhor que dinheiro sabia.voce não vai se arrepender - disse pondo a mão na coxa dela e erguendo só um pouco seu vestidinho.

O policial jogou a lanterna nela pra analisar o material, era realmente uma loira maravilhosa.

---- O senhor esta mesmo falando sério?

---- Claro que sim estou sem meu dinheiro e não posso ir pra casa a pé né, moro longe e tá de noite as ruas são perigosas a noite.

---- E você senhorita o que acha disso? Seu marido está oferecendo você pra gente, mas não faria nada com a senhorita contra a sua vontade.

---- Não tô afim voltar a pé é muito longe e perigoso se formos atacados por ladrões estupradores eu vestida assim vão querer me comer do mesmo jeito que vocês e ainda podem nos matar depois se eu tenho que dar hoje prefiro que seja para os homens da lei, que protegem os cidadãos de bem.

---- O oficial sentiu uma pitada de safadeza na voz dela não estava incomodada com a situação, pelo contrário parecia estar até querendo dar.

---- tem que entender uma coisa bebê estamos em duas viaturas cinco policiais comigo, se topar mesmo isso todos vão querer brincar.

---- Fica tranquilo que ela aguenta. - disse Roberto.

O policial olhou para Kátia espetando resposta.

---- Um de cada vez, cada um vai ter 20 minutos comigo depois vai o próximo da fila.

---- Vinte minutos é muito pouco lindinha.

---- Pouco pra vocês né pra mim 20 minutos vezes 5 , quase duas horas de sexo, Coitada de mim não é mesmo.

---- Ok acho que estamos de acordo manobra o carro meu amigo joga pro acostamento depois manda sua bonitinha pro camburão, você pode esperar aqui que te entrego ela inteirinha daqui a pouco.

---- Não eu também quero entrar, é minha esposa quero ir com ela pra saber que está tudo bem, que minha queridinha está sendo bem cuidada .

---- Claro que vai ser bem cuidada muito bem cuidada, no seu lugar eu não ia querer ver isso mas você quem sabe.

Roberto estacionou no acostamento e depois um policial moreno guiou os dois para o camburão, abriu a parte de trás onde ficavam os bandidos assim que entraram o policial tirou um par de algemas e algemou as mãos de Roberto na grade do fundo do carro que dava sentido a cabine da frente.

--- Quietinho aí entendeu só assiste... Conheço seu tipo gosta de ver né? - disse o policial.. - cai ter muito o que assistir hoje, e você princesa vou precisar te algemar?

---- Eu tô com cara de quem tá querendo fugir?

Disse ela dando um beijo na boca do policial, o homem aproveitou agarrou a bunda dela e seu um beijo bem quente na sua boca.

---- Mal posso esperar minha vez.

---- Quem vai ser o primeiro? - perguntou ela.

---- O capitão, não se engane ele tá meio velho mais ainda dá no coro viu bebê... Até breve.

O policial saiu e ficaram só Kátia e o corninho do seu marido.

---- Sabia que você ia dar um jeito de assistir, não precisava eu contava ora você depois.

---- Safada vai dar pra cinco hoje tô com do da sua xana.

Kátia ergueu o vestidinho e baixou a calcinha até metade da coxa.

---- Olha só ela tá molhadinha, Olha bem amor que quando ver ela de novo vai não vai estar assim não fechadinha, limpinha cherosinha, vai ver só como eles vão me deixar e você vai ver tudinho.

O capitão entrou no camburão e flagrou ela com a buceta de fora.

---- Nossa Já está peladinha.

---- Tava só preparando ela, masturbando um pouquinho pra ver se fica molhada.

---- Espera deixa que eu molho ela pra você,

O capitão ajoelhou na frente dela, e deu uma lambida na sua bucetinha, passeou com a língua no seu grelhinho dos lados da buceta e finalmente meteu aquele linguao bem lá dentro, estava gostoso Kátia tinha que admitir mas a verdade é que queria mesmo era pau.

---- Acho que já estou molhada pode parar capitão.

---- Ta com pressa né ? Pensa que me engana sua xana já tava meladinha você tá querendo é isso.

O capitão tirou o pau pra fora estava duro, Kátia deu uma olhada disfarçadamente pra ver o tamanho a rola do era grande ate.

---- Encosta no canto e levanta a perninha, levanta a perninha de cá pro seu maridinho poder ver melhor.

Kátia obedeceu encostou na lateral do carro e segurando o vestido levantado na barriguinha pra não atrapalhar ergueu a perninha que ele mandou a que não cobria o campo de visão do maridao o capitão veio perto dela sua buceta tava no jeito pra ser fodida, segurou o pau e só apontou quando começou a empurrar encaixou de uma vez entrou tudo de tão melada que ela tava, o capitão segurou ela pela cintura e ficou só no vai e vem, ela abraçou ele é ficou só levando a pica até que era grande mas o capitão não sabia usar muito bem. Kátia gostava com força ele tava sem ritmo era idade pensou.

---- Agora vira a bundinha safada.

Kátia se virou de costas pra eles apoiou as mãos na parede da viatura.

--- Vou comer esse cuzinho agora.

O capitão cuspiu na mão e passou no anus da menina pra melhor um pouco e entrar mai fácil.

---- Ahh! Aii. - dessa vez doeu um pouco apesar de estar acostumada com paus maiores, o cué sempre um lugar delicado ora dar.

O capitão atoloua rola no rabo dela foi até o talo deu umas dez enfiadas bem dadas e logo perdeu o ritmo ficou no vai e vem, como era no cuatevque deu um prazersinho.

---- Acabou seu tempo capitão. - disse o tira gordo abrindo a porta da viatura.- É minha vez agora.

---- Cala boca pança entra e Olha como se faz olha pra ver se aprende.

O capitão deu mais um tratinho no cudela enfiou todas com força até onde conseguiu depois gozou, Gozou dentro do cú.

---- Olha que imagem maravilhosa pança um cuarregaçado escorrendo a porra que você pois lá dentro.- disse ele abrindo a bunda dela pra os dois verem melhor o gozo escorrendo. - Pode continuar pança não deixa ela esfriar e não vai deitar em cima da menina e esmagar a esposa do moço ele está de olho em você pança está de olho.

O gordo chegou perto dela e tirou o pau pra fora Kátia olhou pra ele sem muito entusiasmo nem era grande nem ele devia saber usar.

---- Como você quer?

---- Como eu quero o que?

---- como vai ser, como vai me comer?

---- Pode ser de quatro ?

---- pode claro, como você quiser.

Kátia se abaixou e ficou de quatro pro gordo ficou bem de frente pro marido era estranho para Beto acabou de ver um velho comendo sua esposa e agora um cara enorme de tão gordo devia pesar uns 100kg

---- Acho que vou fazer sexo anal com você.

---- Nossa, Ei vou te ensinar uma coisa rapaz nunca diga pra uma mulher que vai fazer sexo anal com ela.

--- Não? ... Porque não.

---- Diga que vai comer seu cuda mais tesão

----entendi...

---- Então diz pra mim quero ouvir pra ver se aprendeu.

---- Eu vou comer seu cugarota.

--- Isso assim mesmo... agora come tô pronta...

O gordo foi por trásdela ergueu seu vestidinho pra descobrir sua bunda branca e guiando o pau com a cabeça no cuzinho dela empurrou, entrou fácil estava escorrendo porra do capitão de dentro dela ainda, o gordo ficou com o resto de cusó.

---- Ahh ! Ahh! Ahhi!

Kátia gemia só por caridade pra ele se sentir bem porque um pau tão pequeno não machucava ninguem.

---- pode me bater se quiser. - disse ela

---- Te bater?

---- É me dar uns tapas na bunda enquanto me come.

---- Assim?. -disse ele arriscando um tapa.

Mas o tesão foi muito grande e. Ao aguentou.

---- Você tá gozando? Nossa já?!

---- Eu sinto muito você é muito gostosa.

---- Tudo bem, tudo bem você foi muito bem agora vai lá e manda o próximo da fila entrar Ok.

O gordo nao durou nem t minutos que decepção, quando ele saiu ela de pé aproveitou para se limpar um pouco afinal já tinha tomado duas gozadas no cuusou sua calcinha pra limpar a porra que escorria por suas coxas.

---- Já foram dois amor... Os dois comeram meu cuTa gostando de ver sua putinha dando o cupra eles tá?

A porta abriu e o policial moreno entrou.

---- Voltei benzinho.

Katia se virou já animada esse tinha que ser bom tinha que honrar a cor.

--- Chegou sou vez... Que bom.

---- E aí já acabaram com você?

---- Xiii fraquinhos até agora. - Kátia fez sinal de negativo.

O policial balançou a cabeça tirando a camisa, Kátia chegou perto ele era todo musculoso.

---- Vamos tira esse vestido quero você peladinha, não rá tirar sua roupa prestaram .

Ela tirou o vestido não estava usando sutian Eva calcinha já tinha ido embora fax tempo ficou peladinha do jeito vque veio ao mundo, o policial ficou só admirando enquanto ela alisava a xoxota.

---- Como você vai querer?

---- Deita pode deitar perto do seu corninho pra ele poder ver tudinho.

Kátia deitou no chão do camburão dobrou o vestido é usou de travesseiro, o moreno veio por cima dela se posicionou.

---- Pode arreganhar bem esse buceta gosto bem arreganhada pra poder meter com força .

Ela se arreganhou toda e foi só então qye foi prestar atenção na rola preta dele o tamanho era muito bome esse tinha cara de mal Kátia sentiu que ia finalmente set fodida de verdade.

---- Ahh! Ahh!... Ahh!

Foi instantâneo assim que a rola preta entrou na sua xota Kátia já estava gemendo era grosso o menino preencheu sua buceta toda que mesmo molhada teve de se esforçar pra guardar toda aquela pica dentro dela.

----- Apertadinha branquela do jeitinho que eu gosto! Olha só corno como se fode.

---- Aprende amor! Ah! Ah! Ah! Ah!

Ele pegou ela de jeito é bombou forte bem rápido arregaçando sua buceta sem dó, o camburão começou a balançar e obmoreno não parava de foder.

--- Ahh! Ahh! Ah! - Katia estava adorando a surra de pau preto, sempre gostou de uma piroca preta- espera espera, deixa eu me ajeitar.

O policial tirou o pau e ela aceitou o corpinho vem baixo do dele pra ficar confortável, o moreno foi de novo encaixou, todo dentro até o talo, ela mordeu os lábios, tava bom de mais, Kátia abraçou o moreno e começou arranhar suas costas enquanto ele bombava aquele corpo musculoso em cima do seu e tomando rola pra dentro e gemendo como uma vadiazinha os vinte minutos dele passaram voando e logo hoje a tinha outro policial entrando querendo sua vez.

--- Acabou seu tempo! Da o fora minha vez agora.

---- Espera deixa ele finalizar - disse Kátia querendo ganhar a porra do moreno.

---- Nem pensar a menos que você aguente os dois ao mesmo tempo.

Kátia sorriu e chamou ele mexendo o dedinho, ia levar duas peças agora ficou toda arrepiada eles a puseram de joelhos e o moreno veio pela frente pra terminar o trabalho na sua xana o outro ajoelhou atrás dela a aceitaram no meio e encaixaram as picas nela uma buceta outra no cú.

---- Ahh! Auu! Aiii! Ah! Ah! Ahhh!

Katia gritava sendo judiada na ponta da pica os metiam com força ela ficava balançando no meio dos dois prensada no meio deles o corpinho todo suado num sanduíche delicioso do qual ela era o recheio.

---- Vai fode! Fode! Ahhh!

A menina foi ao delírio de tanto prazer logo começou a gozar mas eles não pararam, continuaram judiando dela, os vinte minutos fazendo com que o último policial entrasse no camburão.

---- Vamos rapazes o tempo de vocês já foi.

Os dois se olharam e o moreno faloy.

---- Vamos gozar nessa vagabunda.

---- Vamos, agora vai.

Pegaram de novo pra bombar , bombar rápido e forte até gozarvso dava pra ouvir os estalos dos corpos batendo no dela que surra estava levando e estava adorando.

---- Ahhh... Ahuu... - não tinha força mais nem pra gemer direito.

Foi quando sentiu is dois a alagarem de jatos de leite quentinho gozaram tudinho dentro dela e soltaram ela caiu corpo molinho.ebquanto eles levantavam e se vestiam.

---- Sua vez. - disse o moreno

----Pode ficar com o que sobrou dela.

---- Ficar por último da nisso. - disse o policial olhando pra garota escorrendo porra da buceta e do cú.

Os dois saíram e o policial foi na direção dela já com a pica dura balançando.

---- Anda levanta daí.

---- Só um minuto deixa eu respirar.

Karia se levantou e de frente pra ele analisou sua pica era grande mais um pirocudo estava com sorte.

---- Vira de costa e poem as mãozinhas pra trás.

Ela obedeceu ficando de costas pro policial e de frente pra seu maridinho, o policial a algemou e deu um tapa bem dado naquela bunda gostosa dela pena que já tinham comido seu cutodo, Kátia tornou a se virar devidamente algemada

--- Ajoelha aí vadia!

O Policial jogou ela pro chão do camburão a fazendo se ajoelhar, ele segurou na pica e pois na boca dela.

--- Vamos Chupa essa porra!

Kátia começou a mamar e na hora ele endureceu, cresceu mais na sua boca, ela quase engasgou ele brincou de estufar suas bochechas os dois lados um de cada vez.

---- poem a linguinha pra fora... E abre a boca.

Katia era uma menina obediente sabia que ia levar uma garganta profunda, o policial ainda tapo o nanarizinhora dela pra não conseguir respirar, que abusado pensou ela já sabia o que vinha agora o policial foi deslizando o pau pela linguinha dela até chegar na garganta, depois forçou um pouco mais Kátia abriu bem a boca o mais que pode pra tentar respirar alguma coisa mais era difícil tendo a cabeça de um cacete enterrado na sua garganta, ele deixou o pau enfiado e viu ela ficando vermelha estava quase sufocando daí ele tirou e deixou ela respirar.

---- Ah! Quer me matar?! Pensei que você era o mocinho senhor policial.

---- O mocinho tá preso no fundo do furgão eu sou o vilão, abre a boca de novo.

Katia abriu fazendo charminho de quem não queria, ele tapou seu narizinho de novo e mandou ver o pau em sua garganta dessa vez foi ainda mais fundo Kátia fechou até os olhos sentiu ele colar o saco na sua boca pra isso acontecer o pau tava todo dentro. Ele fez ela sufocar de novo mas dessa vez sótirou quando começou a escorrer lágrimas dos olhos da menina.

---- Que boca deliciosa... Não fecha não eu mandei fechar?- disse dando um tapa na cara dela- abre essa boca... Assim, isso assim mesmo.

Ele começou a meter na boca dela Kátia ficou com a boquinha aberta como ele mandou ficou com o pau entrando e saindo da sua garganta e quando saia arrancava baba dá boca dela que escorria pelo queixo e caia nos seus peitos, o policial segurou a cabeça dela e mandou ver ela algemada não podia se defender, Beto assistia tudo de pau duro em baixo da calça mas não podia bater uma punheta porque estava algemado também, mas já estava com avpica estourando de tão dura.

----Esper putinha quero gozar na sua cara.

O policial tirou o pau da boca dela e batendo punheta na sua frente começou a esguichar tudo na carinha dela quatro jatos gostosos de leite quentinho deixou ela com a cara toda lambusanda.

---- Prontinho acabamos agora vocês já podem ir embora e seguir a vida de vocês.












ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.