"Os mais excitantes contos eróticos"

 

C 09. Uma surpresa


autor: Manuella42
publicado em: 22/12/16
categoria: hetero
leituras: 246
ver notas


Amores Virtuais, Encontros Casuais
(Capítulo 09)

Nós ainda nos falávamos todos os dias (quando dava), nosso encontro tinha acontecido há seis meses, mas toda vez que eu tentava tocar no assunto, ou ao sexo, Manuela brincava sobre isso e mudava de tema. A gente ainda tinha as preliminares, mas ela recuava quando o assunto realmente ficava bom.

Aquilo estava me enlouquecendo também, e percebi que eu não deveria me sentir assim, porque foi tudo o que combinamos que íamos fazer. Só que eu me sentia muito mal com isso, e não entendia o porquê.

Foi numa das conversas que tínhamos tido que ela deixou escapar e voltou atrás no assunto, disfarçando. E se eu conhecia um pouquinho daquela mulher, seria um dos deslizes que não teria dado inconsciente, mas guardei para mim e procurei.

Li milhares deles antes de finalmente achá-lo. Já estava começando a ficar bem popular. Foi ali, naquele blog, onde ela não usava nem sequer o seu próprio nome, que reconheci que era seu, por quê? Porque foi lá também que eu li sobre todo o nosso encontro, que eu li cada palavra dita e não dita, cada coisa feita e ainda tive o plus da situação, foi lá que eu entendi tudo. E onde a lista surgiu.

Ela tinha a porra maldita de uma lista. Uma lista de posições e desejos sexuais a serem realizados, e ela agora estava me agradecendo e compartilhando a maldita lista comigo, e com todo mundo que tivesse acesso ou vontade de ler o que tínhamos feito ou ela continuava a fazer, riscando o que tínhamos feito, e a cada noite, mais uma coisa era riscada.

E como eu sabia disso?

Estava lá... escrito e descrito no fodido blog que ela não sabia que eu agora acompanhava. E todas as noites eu tinha que ler antes de dormir, e isso me deixava entre a fúria e a excitação.

Manuela com certeza estava desabrochando e ficando cada vez mais ousada na cama e fora dela, ela estava experimentando novas posições e novas sensações (sim, ela gostava dessa palavra além da conta, era isso que ela dizia que eu buscava, nada de envolvimento e nada de emoção, só "sensações", e insistia em dizer também que isso estava sendo construído com minhas mentiras), ela estava certa.

Eu não podia dizer nada a não ser o que ela deveria saber: que era casado, um homem público, com filho, e satisfeito com a relação construída e a fuga que ela também me dava. Mais do que isso era informação demais para ser achado. Eu não podia ser achado.

Bom, deveria saber que ela não faria isso, agora que estou lendo sobre sua vida neste blog, ela queria a mesma coisa que eu, uma "sensação", e eu sozinho não fui suficiente para dar isso a ela. Ela agora – por minha causa dizia – estava buscando mais e correndo atrás do tempo perdido.
Eu não sou possível, é uma verdade, mas ela teria que ser assim tão possível? Disponível? E eu não entendia porque estava ficando irritado com tudo isso.

Talvez sim, eu saiba, talvez ela estivesse certa quando dizia que eu era o romântico da história que compartilhávamos, e até na maneira que ela falava na cama ou no chat era diferente, ela sempre era crua no desejo, eu floreava. Isso deveria ser um sinal.

Sei que ela tinha descoberto que eu tinha mentido pelo meu nome e tentou argumentar."Sua profissão é o que você faz, seu estado civil é o que você está, sua paternidade é o que você sempre será, o seu sobrenome é o que sua família é, o seu nome é você, o que nunca iriam lhe tirar. Você preferiu se impor para mim com títulos e status, quando o mais importante era o seu nome, a única coisa que poderia ser real, e que ainda assim por medo que eu fosse até você, você negou. Isso me diz muito mais sobre você do que acha que me deu."

Pensando assim, ela estava mesmo certa. O que adiantaria para ela tudo isso, se em sua vida passada ela teve muito mais e deixou para trás? Tirei Manuela, por todas as pessoas que passaram na minha vida, e não lhe dei o benefício da dúvida. Foi isso que a chateou, agora eu sei. Mas não é da minha natureza pedir desculpas ou voltar atrás. Eu não faria isso, e tenho certeza que ela não espera isso de mim também.

Não, ela não espera mais nada de mim a não ser o que voltamos a ser. A coceirinha possível no virtual, que ela também estava resolvendo no mundo real de outra forma.






ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.