"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A revendedora casada - Seu Wilson!


autor: seu_wilson
publicado em: 31/12/16
categoria: hetero
leituras: 28296
ver notas


Olá pessoal, tudo tranquilo? Espero que sim. Bom, meu nome é Wilson, mais conhecido aqui no bairro como seu Wilson. Bom, eu não me considero muito "bonito" por sinal: sou careca, sou baixinho e de quebra tenho aquela barriguinha de cerveja, tenho 50 anos de idade. Gosto de tomar uma biritinha também, mas nada que atrapalhe a rotina do trabalho. Enfim, tenho uma certa "faminha" aqui na comunidade por uma ocasião que ocorreu a algum tempo atrás e é esse acontecimento que vou compartilhar com vocês.

Pois bem, eu tenho uma lojinha de conveniências e por conta disso conheço boa parte dos moradores do bairro que passa lá pra comprar algo. Como sou um cara muito educado, sempre tratando bem meus clientes, isso faz que a minha lojinha seja reconhecida e assim atrai mais clientes. Um desses clientes são justamente um casal, moradores das proximidades do bairro. O homem aparentemente normal, boa pinta, do tipo que as mulheres gostam e querem pra casar. Já a mulher era maravilhosa, bunda grande, peitos fartos, coxas bem grossas, galega, do tipo que onde passa chama atenção de qualquer pessoa, vou chamá-la aqui de Carla. Enfim, Os dois faziam um belo casal por sinal. Bom, com a frequência das vezes que eu os via na loja, já era o suficiente por ser conhecido por eles também. O homem era mais fechado, falava pouco, já a mulher era mais educada, sempre sorrindo e gostava de fazer elogios a respeito da lojinha.

Certo dia, sai pra resolver alguns problemas e deixei a lojinha na conta do meu único funcionário. No caminho me deparei com a Carla, estava linda, mesmo usando um terninho e não mostrando muito dos seus atributos chamava a atenção, por ser alta e aparentemente ter um corpo bem volumoso. Bom, eu não sou muito de parar as pessoas nas ruas, mesmo que eu as conheça. Apenas as comprimento e sigo o rumo. Mas nessa ocasião, ela me viu e veio conversar:

- Oi seu Wilson, tudo bem com o senhor?

Meio sem graça respondi:

- Oi, tudo bem, sim.

Então ela disse:

- Seu Wilson, eu tenho aqui alguns produtos de higiene pra mulheres e pra homens, você gostaria de dar uma olhada, talvez você se interessa por alguns ou até mesmo posso te ajudar a escolher uns interessantes para o senhor dar pra alguém em especial.

Nessa hora, eu fiquei surpreso pelo fato de descobrir que o trampo dela era vender produtos de beleza e cosméticos, ela era revendedora. Então, eu disse que sim, porque não. Ela podia ir hoje mesmo no fim de expediente, na lojinha mesmo e ela disse que sim.

Na lojinha, no fim de expediente, ela chegou e disse com um sorrisinho: - Oi seu Wilson, eu vim te mostrar os produtos. Eu respondi rapidamente: - Oi, meu bem, claro. Já achava que você não viria mais.

Então eu a convidei pra ir em uma salinha nos fundos da loja, onde tem um sofá, uma TV e algumas outras coisas. Lugar pra meu descanso na hora do almoço. Eu pedi para que o funcionário tomasse de conta por enquanto ou se ele quisesse ir embora ele poderia ir. Na salinha, sentamos no sofá e então ela disse que tava muito quente e então ela tirou o terninho, ficando com uma blusinha regata branca e meio transparente e a sainha que ficava bem colada dando enfase no Rabão dela. Na hora eu suei frio, e pensei: nunca tive a oportunidade de está sozinho com uma mulher nesse nível comigo. Tenho que aproveitar a oportunidade. Antes de ela começar a me mostra os produtos, eu a ofereci uma biritinha e perguntei se ela já havia experimentado antes. Ela respondeu que não e que não bebia, as vezes bebia um vinho ou champagne, mas em ocasiões especiais. Então eu logo rebati e disse que aquele momento era uma ocasião especial e que ela não devia perder a oportunidade de experimentar novas coisas. Ela rapidamente arregalou os olhos e ficou surpresa no que eu tinha dito e disse com um sorrisinho sacana:

- Nossa, você é bem espertinho pro meu gosto viu.

Então a conversa começou a desenrolar e eu disse:

- Haha, eu não. Só gosto de agradar meus clientes.

- Há mais nessa ocasião, você é meu cliente e eu que deveria te agradar.

- Huum, então eu adoraria ver como você vai me agradar.

- Olha, olha, como você é mala em.

Então eu entreguei um copo com a melhor cachaça a ela e dei um pouco de informações a respeito da bebida. Ela ficou surpresa, gostando do papo ela disse com o copo próximo a boca e som da voz abafada:

- Noossa, você entende mesmo de cachaça né? Interessante.

- Eu entendo de muita coisa, e muitas delas tenho certeza que você acha interessante.

- Huuu, nossa. E que papos seriam esses em.

Eu fiquei calado e olhei fixamente pros olhos delas e perguntei quanto tempo ela era casada.

Ela respondeu:

- 6 anos.

- Nossa, tanto tempo assim já.

- Pois é, né.

Então eu soltei:

Maridão ainda dá conta do recado?

Na hora, olha olhou pra mim com cara de safadinha e sorriu. Logo ela respondeu:

- Nossa, porque essa pergunta?

- Curiosidade, um mulherão desse, acho que não é todo homem que dá conta do recado não.

- Haha, aiai viu, pior que nos últimos tempos a relação deu uma esfriada.

- Sério, então o maridão não tá dando mais conta né.

- haha, eu não disse isso.

- Eu com uma mulher dessa, eu brincava todo dia, e não deixava a relação esfriar nem a pal.

- Aé? brincar? Como assim? Não entendi.

- Brincar, no sentido de te pegar.

- Haaa, aiai, Seu Wilson, você tá muito safadinho pro meu gosto viu.

- Vc iria ser minha cachorrona.

Nessa hora ela riu, e disse com carinha de quem tava gostando do assunto:

- rsrsr, cachorrona? Porque Cachorrona?

- Porque eu iria te comer de 4 bem gostoso, todo dia, até você gritar, que nem uma cachorra.

- Nossa, você é realmente bem safadinho viu, mas eu não grito...

- Então geme.

- Aiai viu, gemer sim. Toda mulher geme.

- Nossa, agora fiquei bem curioso pra saber como você geme.

- rsrs, minha nossa Seu Wilson, nunca imaginei o senhor nessa idade, dizendo uma coisas dessas pra uma mulher casada.

- É porque você não viu o que faço com mulher casada.

...

Nessa hora ela bebeu mais um pouco e ficou calada, me olhando e com um sorrisinho de sem graça.

Então continuei:

- Hoje vou te comer bem gostoso, sabia.

- aiai

- Quero esse teu rabão bem na minha cara.

- rsrs, o que mais?

- chupar tua bucetinha até você gozar.

- nossa, que safado.

- fazer você chupar meu pau até ficar roxo.

Nessa hora ela passou a língua nos lábios.

- até ficar roxo é? rsrsr

- gozar na sua boquinha, e fazer engolir meu leite bem gostoso.

- rsrsr, nossa, eu nem gosto engolir.

- Mas o meu você vai, porque você é minha cachorra.

- aé?

Na hora que ela disse "aé" com aquela cara safadinha e mordendo o dedinho em seguida eu não aguentei e partir pra cima dela a beijando de língua. No momento aproveitei pra apertar bem forte as coxas dela. Mordia a orelhinha e sussurrava sacanagem no ouvidinho dela.

- gostosa, safada, cachorra, vadia, vou te comer gostoso. Vou te comer bem gostoso, sabia. Vc vai ser minha.

- huuum, seu velho tarado, safado, seu velho doido. gosta de pegar mulher casada né?

- Adoro mulher casada. E gosto mais ainda de saber que teu marido é um corno.

- rsrs, corno é? huuum, seu gordo, velho safado.

- Gordo e velho que é seu dono agora.

Ficamos nos beijos e caricias e falando sacanagem por uns 4 minutos.

Então eu levantei e fui trancar a porta. Eu ainda de pé e ela sentada, mandei ela ficar de 4 levantar a saia pra mim. Ela disse:

- Nossa, você gosta de mandar é?

- Lógico, hoje você vai ser minha cachorra e eu teu dono. Vai ter que me obedecer.

- Eita...

Ela ficou de 4 e levantou a saia mostrando o rabão dela. Na hora eu fiquei nervoso com a situação mas logo me controlei. Então eu disse:

- Minha nossa que rabão é esse, dona Carla.

Então eu dei um tapão bem forte.

- Aaai, nossa você gosta de bater é?

- Gosto, pra você me obedecer e ver quem manda em você agora.

Então, comecei a esfregar a minha cara e chupar a buceta dela que nem um louco. No momento não estava acreditando que aquilo estava acontecendo. Em seguida , botei meu pau pra fora e comecei a comer ela em um ritmo bem frenético. O baralho que fazia do impacto da bunda dela nas minha coxas eram altos. O que me deixava mais louco. E ela gemia muito alto também.

- Eu te disse que eu te fazer gemer alto.

- huuum, mete gostoso, vai. Mete, seu Wilson.

- Safada, cachorra. Puta.

- Eu sou sua cachorra, é?

- Cadela, safada. Quem é teu dono agora,? Diz, vai.

- Você, aaaaai, mete vai.

- Vc é minha putinha sabia, vou te comer sempre agora. Sabia?

- aaai, aé?

- Vc agora vai ser a minha putinha, cachorra.

- Aaarrghh. seu velho safado.

Comi ela de 4 por uns 10 minutos e depois coloquei ela de joelhos pra chupar minha rola:

- Vem chupar minha piroca vem.

- huuum, nossa cabeludo em.

- Gosto é assim, cheio de cabelo pra você babar nele.

- haha, aiai viu.

- Vc gosta de pica de velho né, safada?

- rsrsr, nunca chupei antes, o seu é o primeiro.

- De quem é essa piroca velha agora em? me responde.

- É minha. huum.

- Então baba nele. Baba e cospe.

Ela babou e cuspiu no meu pau e fazia careta enquanto mamava.

Então eu segurei o cabelo dela com força e fazia movimentos com a cabeça dela bem rápidos e gemia alto também e de praxe a xingava bastante:

- Mama vai, mama a piroca do teu velho mama. Cachorra, vadia, sua putinha.

Ela chupou por uns 5 minutos e então gozei feito um louco.

Nessa hora eu parei e pensei, que mesmo com todas as minhas experiencias sexuais na vida, nunca tinha pegado uma mulher no nível da dona Carla. A foda toda durou 15 minutos, mas foi os 15 minutos mais felizes da minha vida. No fim, eu ainda disse:

- Iai, minha cachorrinha, gostou?

- Nossa, Seu Wilson, amei. Vc realmente sabe comer uma mulher gostoso. rsrs

- Vc sabe que agora sou seu dono, e quero você aqui mais vezes pra me vender mais produto, viu.

- Aiai, rsrsr, um pode deixar. Sou sua cachorrona agora. Mas falando em produtos...

- Hahah, é mesmo. Bom tem creme pra cabelo ae, pra passar nos cabelos do meu saco pra deixar bem cheiroso pra você no próximo encontro?

- hahah aiai, viu. Vc é danado. minha nossa. Tem sim. vai querer?

- Sim. Lógico. rsrsr

Pois foi a melhor compra que fiz na minha vida. No fim antes dela sair pela porta, eu dei um tapão na bunda dela. E sussurrei no ouvido dela. "Cachorra", manda lembranças pro corno do teu marido.

A fama veio pelo fato do pilantra do funcionário, ter ouvido os gemidos e o barulho da foda através da porta. E logo saiu espalhando pros amigos o que acabou caindo no ouvido do povo. E seria mais um caso normal de traição se não fosse pelo fato de eu ser um cara considerado "feio" e a mulher ser uma deusa em pessoa.

Mas não acaba por ae, nos próximos contarei mais casos. Até a próxima galera.













ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.