"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Faculdade parte 2


autor: menina_sub
publicado em: 01/01/17
categoria: bdsm
leituras: 1292
ver notas








Após a minha saída da faculdade voltei a vida normal, longe dos devaneios com o professor.

Me assumi homossexual muitos anos antes de entrar na faculdade e ele foi o único homem que me despertou desejo e interesse.

Namorei várias mulheres que odiavam BDSm. E após um término resolvi conhecer Dommes. Então encontrei Penélope.

Quando a encontrei pela primeira vez fiquei pensando se ela era realmente um dominadora de castigos severos como ela havia me dito.

Ela era baixinha apenas 1,60 e pesava no máximo 50 kg, loirinha com um cabelo bem longo, uma fala calma e bem baixa, quase um sussurro.

Nos encontramos em um café, conversamos um pouco e então ela me convidou a ir para sua casa.

Quando entrei no seu carro ela simplesmente soltou uma ordem, com uma voz tão controlada que me assustou profundamente, ela disse: - tire sua calcinha e a coloque na boca.

Demorei algum tempo para processar a ordem o que ocasionou um tapa super forte e dolorido no meu rosto. Após isso segui sua ordem imediatamente. Fiquei durante todo o percurso calada já que tinha uma calcinha na minha boca e de cabeça baixa por vergonha já que o tapa atraiu olhares.

Quando chegamos ela saiu do carro e me pegou pelo cabelo levando do carro até a sala.

Ela me soltou e então de uma forma calma disse:

- você tem certeza que deseja continuar? Se eu começar não vou parar!

Era a primeira vez que eu estava tão próxima de uma Domme estava muito nervosa e apenas confirmei com a cabeça.

Ela saiu da sala e quando voltou trazia uma mala grande de rodinhas.

Ela ordenou que eu tirasse a roupa e que quando ela solicitasse minha presença deveria me apresentar totalmente depilada e sem calcinha.

A primeira coisa retirada da mala foi uma mordaça, a calcinha foi retirada e fui informada que deveria fazer o menor barulho possível e sempre me manter na posição que ela mandasse e a quebra de algumas dessas regras acarretaria no recomeço do castigo.

Depois foi a vez de um chicote preto, longo e de couro, então ela colocou minhas mãos nos meus joelhos, e então sem aviso, pausa ou demora recebi três chicotadas.

Foi a primeira vez que apanhei realmente, tive outras namoradas que brincavam de me dar cintadas e eu acha que doía. Mas, era carinho comparado com aquilo. Minhas lágrimas começaram a rolar e então sem tempo para me recompor fui jogada no sofá e penetrada por seus dedos pequenos, porém quentes e ágeis que me fizeram gozar em questão de segundos.

Mal tinha terminado de me contorcer com o orgasmo e ela já me apontou o banheiro e disse para me arrumar que ela me levaria para casa.

Nos víamos basicamente aos sábados. Era sempre um encontro onde praticamente não nos falávamos pois eu estava sempre amordaçada. Nossas conversas eram só durante a semana.

Então após dois meses de encontro ela resolveu pegar pesado comigo.

A primeira coisas que ela fez foi colocar prendedores nos meus seios. Eles eram de metal e super firmes.

Ela sabia o quão potente eram. Brincando um pouco antes de prendê-los de vez. Ia soltando bem de vagar quando começava a doer ela retirava fez isso por uns 5 min e quando fui ficando cansada com toda a tortura ela soltou de uma vez, me fazendo urrar, nunca tinha sentido nada igual parecia que a carne tinha sido cortada. Suas gargalhadas e a terrível dor me fizeram chorar.

Então fui colocada no braço do sofá com minha bunda toda a sua disposição, minhas pernas estavam no sofá e eu tinha que me apoiar no chão para não cair dessa posição, eu via a mala e acompanhei a escolha de uma cane e de imediato comecei chorar (por chorar tanto ganhei o apelido bebe, coisa que eu sempre odiei e ela disse que mudaria quando eu parasse de chorar).

Como sempre ela já começou com um golpe seco, forte e foi implacável comp os outros 20 ou 30 golpes, não conseguia nem contar, pensar ou qualquer outra coisa, eram um atrás do outro sem nem um momento de descanso meu ou dela. Quando ela terminou não conseguimos nem nos mexer por uns minutos. Então começamos nos beijar de forma bem calma, quente e carinhosa começamos nos tocar primeiro, os cabelos, depois seios, barriga e finalmente nos penetramos e nem menos de um minuto tínhamos tido simultaneamente o melhor orgasmos de nossas vidas.

Ficamos mais alguns minutos, nos acariciando e trocando beijos até ela ordenar que me vestisse. Quando voltei à sala parecia que nada tinha acontecido ali. Tudo perfeitamente organizado. Então ela sorriu e disse que tinha um teste para mim.

Disse que não nos veríamos nas próximas duas semanas para que todas as manchas e sinais dessa deliciosa tarde sumissem. E então na quinta feira após o final dessas duas semanas ela me pegaria na faculdade, que após anos iria recomeçar na próxima semana.

Disse que me levaria a uma ginecologista em 30 min para receber uma injeção de anticoncepcional, e que naquela quinta seria levada para um amigo dela e passaria com ele o feriado de sexta e só retornaria no domingo a noite. Eu deveria aguardar novas instruções.



Continua...



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.