"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A pica ANZOL estrupadora...


autor: luah
publicado em: 02/01/17
categoria: hetero
leituras: 1906
ver notas


Com esse calor de verão a praia é a solução. Um pescador enfiou seu anzol na minha buceta a força de início e depois eu gostei de ser fisgada, vou te contar.


As praias ficam lotadas no verão, então resolvi ir cedo e num lugar mais restrito, na restinga, onde só pescadores costumam ir, coloquei meu biquíni preto tradicional e decente , nada que pudesse chamar tanto a atenção além das coxas carnudas e os seios suculentos da cor do pecado que já são meus desde sempre.
Para evitar problemas fiquei próxima a três pescadores e abri a canga e deitei sendo banhada ao sol.


O tempo foi passando e do nada um pescador se aproximou e peefuntou se eu tinha água disponível, como sou previnida acabei levando duas garrafas e doei uma e ele agradeceu e em retribuição se ofereceu para passar o bronzeador.


Os dois outros pescadores se afastaram simultaneamente e eu nem notei que já estava sozinha com ele, um moreno encorpado bem maior que eu, com olhar penetrante belo corpo de trabalhador, que no meio da conversa ele disse que era pedreiro, o que justificava aquelas mãos grossas que percebi ao passar o bronzeador.


Depois de beber sua água e ele se sentindo íntimo foi falando sóseu trabalho e reclamando que a pesca estava fraca enquanto pegou o bronzeador e eu me virei de bruços e ele começou a espalhar o protetor pelos ombros e foi descendo pelas costas até espalhar na minha cintura, notei que ele parou do nada e arrumou sua sunga vermelha e ajeitou seu amiguinho e sorriu desconversando recomeçando pelos pés, panturrilha e coxas e parou novamente.


Moça, me dá licença de continuar a passar no seu bumbum ?


Eu já estava molhadinha me deliciando com aquela situação e confesso que ele era muito gostoso e sabia brincar com as mãos pois estava massageando cada centímetro das minhas costas. Com sorriso e olhar rápido abaixei os óculos e concordei com a cabeça que poderia continuar.


Foi nessa hora que ele pegou a minha bunda com força se deliciando, cada mão em uma banda cheias de protetor e meu biquini entrou no meu rabinho e eu pedi que ele parasse e tirei o biquini de dentro do bumbum e virei de barriga pra cima, agradeci e disse obrigada.


Não Moça, perdoa eu, prometo que não vai acontecer mais, eu termino todo serviço que pego e a moça já me deu a água de pagamento.


Sendo assim, tirei o óculos e permiti que ele acabasse, ele espalhou pelos braços quase encostando seu rosto no meu e olhando fixo para a minha boca enquanto mordia a sua.
E meio sem graça voltou para as pernas, pés, panturrilha e coxas e parou.


-Moça, posso terminar meu serviço ? A moça permite ? Acho melhor eu parar.


Eu estava achando uma graça a sua inocência e o respeito dele ao se controlar ora com pau latejando me olhando e ora olhando pro mar e acalmando o corpo. E ai eu liberei o acontecimento quase sem querer, eu sei que me entende.


Como assim parar ??? Não, você vai fazer serviço completo pois um bom profissional não deixa nada pela metade, ele vai além do que foi pedido paea sempre ter um novo trabalho.


Ele sorriu e nessa hora, juntou as minhas pernas, já eram mais de dez horas da manhã, meu guarda sol estava próximo mas estava me bronzeando ainda, ele montou em mim, tomei um susto e foi descendo os ombros e passando o bronzeador descendo pela barriga e voltando para as coxas e nesse momento travou com força as pernas.


O que você esta fazendo. Eu falei assustada.
Eu estou fazendo meu serviço completo, moça, nem adianta gritar pois ninguém vai ouvir.


Percebendo isso, não havia mais ninguém, os amigos dele estavam tão longe que estavam pequenos ao meu olhar, me restava o guarda sol, finji que nem estava lá e observei ele colocando mais bronzeador nas mãos e começar a descer pelas minhas virilhas, massageando e descendo e o seu pênis estava duro demais, fiquei assustada ao ver a protuberância se expandindo.
Até que a sua mão direita desceu afastando meu biquíni e suas pernas deixaram as coxas e desceram perto dos meus joelhos, assim ele enfiou sua mão dentro da minha buceta, mão grande e grossa e eu sai de suas pernas com medo de não dar conta daquele homem enorme e ele deixou seu instinto animal aflorar e me puxou pela cintura com força, me dominou, afastou a calcinha do biquíni e tirou aquele caralho suculento com uma mão enquanto a outra segurando meu braço com força e me possuiu, me estuprou com força, eu gritei muito , uma mistura de arrombamento da buceta e desejos de ser possuída sem permissão, acabou sendo uma delícia suculenta.


Dramatizei de início tentando sair da sua pica e o deixava mais atiçado e mais ereto, viril, másculo, suculento, um animal sem freio e ele socava fundo com um caralho torto como anzol e assim foi fazendo aquele sexo arrebatador até me ver gemendo e me contorcendo e quando meus gritos aumentaram e os meus olhos giraram, meu corpo contraiu e eu gozei e ele me vendo anestesiada de êxtase sexual, acelerou e tirou aquele anzol enorme e gozou pelo meu corpo uivando como um lobo que tivera chegado ao gozo na sua cachorra.


Deitando ao meu lado no pouco de canga que havia esticada a nossa respiração foi voltando aos poucos e o corpo estava esfriando e assim, no ápice concluído ele disse que seu trabalho estava completo.


Claro que não, agora chegou a minha vez de pagar o seu serviço extra.


O mar estava jogando a água além do normal formando uma lagoa muito limpa e maravilhosa que estava miio cheia e eu peguei a mão dele, que consentiu sorrindo e assim fomos nos lavar no lagomar, nos banhamos sem muitas palavras quando numa profundidade máxima de 1,5m eu pisei em algo e ele me amparou e me segurou pela cintura dentro d’água e eu o beijei profundamente e devorando fui seu rosto e ele passava a mão pelo meu corpo se apossando do que já era seu, eu querenso comandar mais ele era grande e não me permitia nada fazer além de me entregar a uma cavalgada dentro do lagomar, ele segurou meu corpo num.encaixe perfeito me olhando fixo sem perder nenhum piscar, eu passei meus braços pelos seus ombros e minhas pernas se cruzaram pela sua cintura enquanto ele segurava minha bunda levantando e descendo durante a tara e me beijava a boca sem parar, agora estava carinhoso e muito safado, sorria e gemia de tesão pedindo pra eu gozar pois ele estava quase gozando novamente e eu me entreguei e senti meu corpo cair e as lernas bambearem naquela pica em ANZOL, sem igual.


Um banho novamente foi necessário para eu me recompor, já era tarde, ele me acompanhou até o carro e disse que era melhor eu não saber seu nome e nem nada mais e foi embora de me proporcionar uma das melhores experiências sexuais da minha vida.















ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.