"Os mais excitantes contos eróticos"

 

O vizinho que fode gostoso...


autor: luah
publicado em: 06/01/17
categoria: hetero
leituras: 3005
ver notas


Me chamo Luah, alta e gostosa demais depois do que me aconteceu, preciso desabafar e eu que pensei que conseguiria ficar sem escrever, muito bobinha eu.


Num final de tarde eu percebi que o Luciano, meu vizinho discreto da casa ao lado, gostoso que sempre andava de cara fechada sem dar muita confiança pra ninguém estava no quintal enrolado numa toalha e fiquei paralisada vendo aquela cena espetacular, era só a toalha eu vi o badalo se movimentar livremente, não me contive e fui na casa dele.


Pensei logo na desculpa clássico do açúcar que acabou e nem quis saber fui até lá, quando cheguei no portão pensei em voltar tamanho era meu nervoso ou excitação pavorosa mas não podia controlar os meus desejos e bati na porta e ele veio de toalha me atender, caramba me arrepiei toda e cheguei a gaguejar de nervoso pedindo o açúcar e ele me olhou sério e disse:


Açúcar ?? Sei !!! Claro que posso te dar o açúcar, entre e não se incomode pelo filme que estou assistindo.


Quando cheguei próxima a televisão , fiquei assustada com a suruba do filme pornográfico que ele estava assistindo, estava no mudo, ele deveria ter colocado na hora que bati na porta. Minha calcinha molhou literalmente, já estava com a buceta piscando por causa da toalha e agora essa situação deliciosa, estava distraída vendo a putaria quando a voz veio da cozinha.


Entre Luah, qual é a quantidade que precisa?
Ele sorria com dois quilos de açúcar nas mãos e sem toalha com a pica dura e latejando olhando pra mim. Eu só consegui sorrir sem graça com o ousado oferecimento dele, sabia mesmo que o açúcar que precisava estava no meio de suas pernas, quando ele colocou o açúcar na bancada e veio tocando aquele caralho roliço com suas veias pulsando se masturbando e mordendo os lábios e me jogou na parede, me beijou loucamente a boca, mordendo e chupando enquanto suas mãos levantavam o meu vestidinho de casa, estampadinho e de tecido bem molinho, colocou a minha calcinha de lado e me apoiou na bancada de granito, e enfiou seus dedos tocando meu grelinho e me molhando mais e mais enquanto a sua outra mão o masturbava.


Com aquela decisão masculina que nenhuma mulher contesta, ele puxou meu corpo para a beiradinha da bancada e apertou a cintura com força preparando o encaixe perfeito da sua tora que entrou de primeira e eu gritei pois era grossa, firme, robusta e ele arrebentava tudo sem piedade, ia socando sua pica sem parar, puxava meus cabelos, arrancou o meu vestido e mordia meus seios, puxou com força minha calcinha, senti arrebentando, num momento que resolveu ir pro sofá, me sentou e colocou a pica pra eu chupar e logo me deu um tapa na cara me chamando de cachorra e de vadia, me jogando no sofá e se deliciou me chupando e cravou a tora novamente, saciando minha fome e acabando com meu fogo em procurar por açúcar.
Eu gozei de virar os olhos de me tremer , aquela foda da respiração quase parar e ele continuou mesmo no momento que meu corpo estava mole, me virou de quatro e bateu na minha bunda mandando eu acordar que ainda tinha mais.

-Toma se açúcar no cupra parar de ficar me olhando pela janela , sua putinha safada.

Ele xingava e eu amava ele metendo e arregaçando tudo com desejo e tara.

- Pega o telefone e pede pra sua amiga vir aqui agora !!!

Ana era minha vizinha, amiga e confidente, tarada nele também, no início achei estranho a ordem dele mas não havia maneira de negar, ele estava me dominando, mandei a mensagem e disse pra ela entrar que a porta estaria aberta.
Ela preocupada veio rápido com um shortinho e camisetinha de flores.

- O que está acontecendo aqui???

Ela gritou assustada vendo o Luciano me enrrabar e ele sorriu mandando ela tirar a roupa toda, ordenou dizendo que a próxima era ela e tocou um alarme que fechou as travas das portas e eu pedi pra ela obedecer.

Ela ficou nua e ele mandou ela sentar na minha frente e da a buceta pra eu chupar, ficamos tímidas, ele batia forte e metia sem piedade e eu tive que obedecer.

Abri os lábios da bucetinha pequena e rosada dela e comecei a lamber, chupar e era cheirosa e gostosa e me empolguei gostando de enfiar os dedos nela que gemia demais e já estava doida pra dar pra ele.


Vendo ela se contorcer ele me levantou e me levou pro banho nos lavamos enquanto ele mandou ana ficar olhando até que me deu uma toalha e mandou eu deitar de pernas abertas no sofá que Ana ia me chupar.

Agarrou Ana no banheiro e enfiava a mão na buceta dela enquanto mordia sua boca, ferozmente, e ela gemia e se contorcia demais, mandou ela me chupar a buceta e ele chupou a dela e logo me deu aquele caralho enorme na boca e mandou eu preparar ele pra comer a Ana, obedeci, não dava pra evitar e ele enfiou na Ana de uma vez com força, ela quase caiu em cima de mim, ele metia muito e ela aumentava as chupadas e eu delirava e quando ele estava quase a explodir mandou que a gente levantasse e continuou tocando e mandou e nós preparamos pra beber leitinho e assim jorrou aquela porra na cara da Ana e na minha deliciosamente.

Luciano mandou que limpassemos ele com a língua e nos beijassemos.

- Agora serão minhas eternas putinhas, quando eu chamar vão vir, para aprenderem a não ficarem me vigiando mais, agora vão ser minhas. Agora, se arrumam e vão pra casa, as duas felizes e quietinhas.

Assim fizemos e fomos pra casa, ficamos uns dois dias estranhas e sem saber o que falar depois confessamos nosso roliço segredo e Luciano continuou passando sério pela gente mal comprimentando, será que ele vai me chamar ??






ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.