"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Metendo na virada do ano!


autor: Ronimac
publicado em: 10/01/17
categoria: hetero
leituras: 2203
ver notas


Nós nos conhecemos dias atrás, Dezembro de 2016, antes das festas de fim de ano em uma loja do Pão de Açúcar 24hs, quase por acaso, eu adoro ir ao supermercado na madrugada, voltando de um evento ou uma festa, sempre tem mulheres solteiras, que trabalham muito e só tem este tempo para as compras do dia a dia... e o principal... carentes, quase todas que eu conheci também estavam lá à procura de homens bem resolvidos além das compras!

Claro que eu me recomponho, moro em frente ao supermercado, passo em casa antes, tomo um banho, coloco uma bermuda branca e uma camiseta preta, barba feita, perfume... 212 ou Kenzo depende do astral, hoje vou de 212, elas merecem, eu mereço, gosto de me cuidar para as mulheres da minha vida, ir ao Supermercado é quase um ritual de sedução, se estou no supermercado é por que a noite não me foi satisfatória e a excitação é grande.

Na sessão de queijos e vinhos a minha favorita, uma loirinha linda, 1,65cm uns 30 anos acho... Vestidinho de alças finas, florido e que deixam evidentes os contornos de um belo corpo, e sandália rasteirinha, cabelos molhados soltos, olhos azuis, seios grandes balançando sem sutiã, que parecem me chamar, quase implorando pelo meu toque, dou a volta na gondola e vou de encontro a ela, eu com um leve sorriso no canto da boca passo por ela e dou um boa noite.

Ela me olha de lado séria, me mede com os olhos e responde – boa noite!

Finjo interesse nos vinhos, já sei qual escolher, mas vou me aproximando como se estivesse indeciso, de repente ela me olha ainda séria e pergunta...

- Você entende de vinhos?

- Sou expert... em abrir e beber, respondo sorrindo.

Ela abre um sorriso, olhando os queijos e azeitonas e acepipes na minha cestinha, pergunto a ela se são para as festas... o vinho? vou puxando assunto, ela me diz que são para o dia a dia, é advogada e tem dificuldade em dormir cedo, o vinho ajuda no sono... mas esquenta... era a deixa que eu precisava.

Gosto de analisar as pessoas, normalmente já tenho duas respostas na ponta da língua... mas espero sempre a jogada anterior, é como se fosse um jogo de xadrez, eu espero o lance e mudo a minha jogada de acordo com a peça do oponente... e o efeito que desejo dar a conversa.

Apresentamo-nos, ela se chama Ana, advogada, divorciada... tão novinha 32 anos casou cedo aos 23, depois de quatro anos de namoro.

- 13 anos com a mesma pessoa, aff como conseguem? Pergunto, ela sorri tem uma voz linda e covinhas nas bochechas, amo covinhas a conversa flui muito gostosamente e sem pressa vamos caminhando juntos e enchendo as cestinhas, nem sempre com coisas que eu queria, mas ok, tudo pela conquista.

Eu sou Ronaldo, 52 anos, 1,82cm, publicitário, solteiro desde sempre, cidadão do mundo, alguns relacionamentos desastrosos pela vida, aliás todos rs, noivo uma vez, mas não deu certo, corro três vezes por semana, 30K, adoro cozinhar... e o papo evolui sobre nós, até chegarmos ao caixa, a acompanho até o estacionamento.

Ela me pergunta se quero carona, eu digo que não, aponto pra ao prédio e digo...

- Eu moro ali

Ela com uma olhar de surpresa, sorri e diz.

-Prático

- Quer subir? Pergunto

- Não obrigada, está tarde e tenho reunião cedo, ela responde.

Ela liga o carro e no rádio toca Aerosmith... I Don't want to miss a thing

Eu aponto pro rádio e digo...

- nem eu

Ela entende o recado me dá um selinho e nos despedimos, trocamos cartões... pura sedução!

Atravesso a rua frustrado e excitado, olho o carro dela sumir pela avenida e esperando pela próxima jogada...

31 de Dezembro, desisti de ir pra Floripa, e resolvo passar a virada no Pam Am, um roof top muito bacana da cidade... Alguns amigos estarão lá, bora pro fight!!!

Mas... recebo um whats... é a Ana, sozinha na cidade perguntando qual é a boa??? respondo sem pensar... te pego na sua casa e te mostro, me passa o endereço!!!

Cheguei à portaria, o porteiro consulta e me manda subir, 15º andar, adoro altura, toco a campainha e ela abre a porta... senti o seu gostoso perfume imediatamente.

Ana estava com um vestidinho branco tomara que caia sandália de tiras brancas salto alto, um cordão azul claro trançada na cintura, colar discreto combinando, pele queimada de sol, os olhos azuis contrastando com a cor da pele, um sorriso radiante, parecia um anjo, linda demais, me recebe com um selinho, eu retribuo puxando-a pela cintura com virilidade para junto do meu corpo e dou um beijo próximo a sua orelha, percebi nela um arrepio imediato, e ela diz...

- Nossa que pegada

Sem dizer nada enrosco os meus dedos em seus cabelos, acariciando a sua nuca, trago-a junto ao meu corpo, a excitação toma conta... percebemos sinais imediatos, a excitação aumenta ela sente que o meu pau fica duro e olhando em seus olhos dou uma leve mordida em seus lábios, ela se pendura no pescoço, e finalmente um beijo com toda a volúpia, as línguas travam uma batalha dentro de nossas bocas, a mistura de nossas salivas aumentam a nossa respiração, ela cruza uma perna em volta da minha como pedindo pra sentir mais o meu pau já completamente duro, ela fica na ponta dos pés posso senti-la se contorcendo, os nossos corpos se esfregando, a porta aberta, puxo os seus cabelos, ela solta um breve gemido, ofegante se afasta e pede que eu feche a porta.

Empurrei a porta com o pé, BLAM!!!, sem nos desgrudarmos um do outro, empurrei-a contra a parede ela procurou o meu pau por cima da bermuda, apertou-o com vontade tentando uma punheta enquanto sugava a minha língua, eu acariciava lhe os seios... e comecei a puxar pra baixo o vestido, parei e admirei aqueles seios lindos bicos duros e rosados, aureolas grandes, clarinhas, agarrei um deles e dei uma demorada lambida, ela se estremeceu e nervosamente abaixou o zíper da minha bermuda liberando o meu mastro que já doía de tesão, ele lacrimejava uma gota de tesão que ela acariciou e trouxe a mão até a boca e lambeu a palma, fazendo carinha de safada sorriu e começou a punhetar com rapidez, enquanto eu sugava os seios, mordendo levemente e chupando, apertava um e mordiscava o outro, ela se contorcia tentando aumentar os movimentos da punheta deixou o vestido cair até os pés, me virou contra a parede, invertendo as posições, ela estava com uma calcinha rendada, branca, linda e somente as sandálias.

Passei a mãos por entre os seios acariciando a barriga enquanto ela chutou pra longe o vestido, desesperadamente arrebentou os botões da minha camisa, beijou o meu peito, mordeu os bicos do meu peito, tirou de mim um urro de tesão, foi agachando vagarosamente mordendo o meu toráx, e beijando, alternando mordidas e sugadas até chegar a minha virilha.

Abriu o único botão da bermuda, eu estava sem cuecas, ela olhou em meus olhos, sorriu e começou a massagear a cabeça do meu pau, para em seguida engolir de uma só vez o meu mastro, segurei os seus cabelos com as mãos, puxando a sua cabeça com força contra o meu corpo, senti a cabeça do meu pau encostando-se a sua garganta, ela se afastou, babando, ofegante, olhos lacrimejando, e sorrindo, cuspiu na cabeça e começou a punhetar violentamente e chupar com maestria digna de uma putinha, e era mais que isso, eram desejo e tesão que estava guardado desde que nos conhecemos no supermercado, ela sugava com força, acariciava as bolas e arranha as minhas virilhas e pernas enquanto eu puxava-lhe os cabelos e vez por outra lhe dava tapas no rosto e perguntava.

- Esta gostando minha cadelinha? Hein? do sabor do teu macho? a baba escorria pelo meu saco, pernas e pelo queixo dela.

-Adorando seu puto, ela responde sem parar de punhetar um segundo sequer, e voltava a sugar, agachada as penas abertas a calcinha de lado se tocando, a calcinha molhada.

Ela olha pro alto em meus olhos e trás os dedos molhados com o sabor da sua bucetinha encharcada até a minha boca, lambi todos os dedos, mordi e senti aquele sabor delicioso, aquele sabor mexeu comigo, me ajoelhei, levei-a até o tapete peludo da sala, arranquei-lhe gentilmente a calcinha e iniciamos um 69 delicioso, ela por cima de mim, aquela bucetinha com pelinhos loiros, na minha boca, a posição me era favorável, ela estava encharcada de tesão que escorria para a minha boca, lambi tudo, mordia-lhe as virilhas e enterrava a língua até o máximo que eu podia, queria sentir o calor e o sabor daquela buceta em minha língua toda, colocava os dedos juntos molhando com aquele mel delicioso que saia da sua bucetinha.

Ela mordia a cabeça do meu pau, que é bem grossa, aquela boca delicada, mas frenética, apertava as bolas do saco, cuspia na cabecinha e engolia tudo, estávamos suando tesão pelos poros.

Fui colocando delicadamente um dedo no cuzinho dela sugando-lhe a bucetinha, ela gemia e rebolava, e continuava mamando o meu pau, coloquei o segundo dedo, ela se contraiu, amentei as chupadas na bucetinha, a ponta da língua no clitóris, ela arfava no meu pau, se contraiu, começou a gemer, me mordeu a virilha, loucamente, gritava de tesão e começou gozar, gozava muito, tremia e pedia...

-Me fode caralho, que tesão preciso da sua rola safado.

Dei lhe um tapa na bunda e parti pra cima dela... joguei-a no sofá da sala, ela pedia...

- Vem caralho... me fode porra... me fode

Ela me deu uma chave de buceta, agarrou a minha cintura com as pernas, parecendo adivinhar que amo foder assim, eu a puxei pra mim, e vagarosamente encaixei a cabecinha do meu pau na entradinha da sua bucetinha.

Nós dois de mãos dadas, eu a puxava lentamente pra ela sentir só a cabecinha, ela se contorcia, eu deixava a cabecinha entrar e retirava, era um exercício de tortura, judiação, adoro torturar neste momento, sentia a lubrificação dela aumentar, o tesão aumentando ela implorava...

- Mete logo porra!!! deixa sentir ele inteiro me fode filho da puta

Quanto mais ela pedia, mais eu judiava, mordia-lhe os seios, dava tapinhas nos seios eles já estavam vermelhos ardidos, ela delirando de tesão, me xingou de nomes que eu nem conheço rs.

E era só a cabecinha entrando e saindo, entrando e saindo até que ela gozou de novo... gritou, gemeu, se contorcendo parecia ter espasmos tentava me puxar com as pernas fortes de academia, ela gozava, e começou a soluçar de tesão, nunca tinha visto isso, estava chorando de tesão, implorando o pau inteiro... não resisti e estoquei até o fundo...

Coloquei até o fundo, meu pau não é gigante uns 16 cm, ela se contraiu suspirou, relaxou um pouco as pernas e comecei a meter até o fundo, e tirava devagar, depois metia com mais força, ela se retraia, gritinhos de tesão e dor, e relaxava desta vez eu lhe perguntava se era isso que ela queria, ela dizia que sim, grunhidos lindos olhos fechados, sorriso leve no rosto.

Puxei-a pela cintura, e começamos a meter mais forte, entrando e saindo, ela rebolando se contorcendo, gemendo os nossos corpos se encontrando, um barulho rouco no ar, levantei a sua cintura que ficou acima do sofá, eu em pé ela com a cabeça e os ombros no sofá a cintura elevada, metendo muito rápido, começamos a ouvir rojões, as respirações aceleradas, uma das minhas mãos segurando a sua cintura a outra apertando os seios, beliscando os biquinhos, metendo fundo... forte, respirações aceleradas, ela começa a gritar eu rosno, urro, uma duas vezes, puxando pelas coxas, palavras desconexas dos dois... começamos a gozar juntos, solto todo o tesão nesta loira linda, pele macia, a minha cabeça rodando certa tontura, falta de ar, calor, tesão emoção...

Nossa! Deixo-me cair sobre ela, os dois completamente suados, nossos corpos grudam-se, prestamos atenção aos fogos, deve ser... 2017!


Agradeço a todos que comentam e gostam o meu email sempre está aberto ronimacc@gmail.com
Adoro responder a todos, deixem notas e comentários
































ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.