"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Uma tarde na praia


autor: boavida
publicado em: 13/01/17
categoria: grupal
leituras: 3128
ver notas


Chegamos na praia, meia deserta, ainda, espalhei creme na minha amiga, ela em mim. Momento sexy em público. Mãos a percorrer toda a pele, deslizando por baixo do biquini, e lábios que tocam lábios e até pousam numa curva do corpo. Sorrisos. De repente o celular dela começa a cantar.

- Oi amiga… - e depois de muito bla-bla-bla fomos embora, pegar a amiga que ficou com o carro quebrado, mas voltaríamos para uma outra praia, mais perto da casa dela. Na viagem recebi um ultimato: - Cuidado onde pões esses olhos e mãos! Conheço bem essa minha amiga, podes ver e mexer, mas esse pau! Bem… muito cuidadinho que é só meu!
- Estou ficando assustado! Quem é essa amiga? – Perguntei. Ela riu e disse para me acalmar e não fazer filmes na minha cabeça, pois ela é gente boa e cheia de regras por isso não iria rolar nada de estranho.
- Mas nunca se sabe! – Finalizou ela com uma gargalhada bem sonora.

Antes de chegarmos, elas se falaram no celular e já estava na beira da estrada esperando. Entrou, super normal, poderia ser qualquer uma das leitoras, duas pernas, dois braços, cabelo pousado nos ombros, vestida com calça e bermuda, quase nem dava para ver o tom da sua pele. A viagem foi feita com elas a conversar de tudo e de nada, só interrompendo o diálogo, com um vira para a direita ou para a esquerda, segue essa estrada, até que chegamos a uma clareira entre árvores. Era o único carro, e não se via nem ouvia o mar. Pensei que houvesse algum engano, mas não, elas riram na minha cara e saíram. Eu limitei-me a segui-las.

Havia um trilho para nos levar ao paraíso, areia branca mar azul e ninguém! Chegados, elas se despiram, e correram para a água. Eu fui atrás, correndo também, ainda tive dúvidas mas acabei nu a correr. Água gelada que desaparecia na pele sempre que saíamos debaixo da água. Fui o último a deixar a água, e aproveitei para ver bem as duas sereias estendidas sob o sol enquanto me aproximava. A minha toalha estava no meio delas, deitei de barriga para cima ao contrário delas.

Quando pousei a cabeça na toalha senti as suas cabeças no meu peito, parecia algo ensaiado, mas assustei-me e elas riram. A nova amiga disse que tinha sido informada dos limites existentes, mas ninguém é de ferro, disseram elas em coro, e riram. Gargalharam e se beijaram, ali em cima do meu peito. Ao ver aqueles lábios a engolir lábios o meu sexo tremeu e começou a crescer. Mais cresceu quando senti uma mão a agarra-lo como se quisesse arrancar o meu membro, assustei-me. Aquele beijo não acabava, ali tão perto da minha face, já sentia saliva na minha boca de tanta vontade que tinha de me juntar. Quando começo a aproximar-me, elas começam a levantar-se, sobre o meu corpo, a minha amiga passou uma perna sobre a minha barriga e sentou sobre o meu corpo. A nova amiga também passou uma perna sobre o meu peito, mas ficou ligeiramente levantada, dando uma bela panorâmica das suas coxas e do seu sexo. Agarrei nos seus quadris e puxei-a até aos meus lábios, levemente comecei a beijar as coxas e subi até ao seu sexo. Lambi lentamente, de uma ponta à outra, brinquei com o grelinho, chupei, lambi e chupei muito. Com a língua dura, afastei as pelezinhas e comecei a penetrar aquele sexo já bem úmido, deixando deslizar a língua até ao anelzinho do cu, conduzi o seu corpo e afastei as nádegas para melhor chegar onde queria. Beijei e brinquei com a língua naquele cuzinho. Senti as mãos dela junto das minhas, e aproveitei para largar as suas nádegas, deslizando as mãos até ao seu sexo, bem liso e sem qualquer pelo.
A mão que apertava o meu sexo, libertou-o. Volto a sentir uns dedos a tocar nos meus, não via nada mas imagino que fossem os dedos da minha amiga a acariciar o sexo da minha nova amiga.

Levantou-se a minha amiga e afastou-se, pensei que era o fim da festa, quando ouvi um:
- Afastem-se!
Vejo-a com o biquíni na mão a aproximar-se de mim, a amiga levantou-se e quando me preparava para levantar, ela diz:
- Espera!
Fiquei com o corpo a fazer peso sobre os cotovelos e ela começou a envolver a minha cabeça com o biquíni. Não sei o que fez, mas de repente eu parecia um pirata, com um olho tapado, e os fios em torno da minha cabeça, misturados no meu cabelo. Gargalhamos e até houve fotos com os celulares. A brincadeira acabou com ela a cobrir o meu outro olho. Ficou noite num segundo, não via nada, mas sentia muito. Uns lábios logo se colaram aos meus, pelo sabor quase tenho quase a certeza que era a minha amiga, sim era ela, para além daquele gosto, havia o jeito bem dela de dar a língua, de morder o lábio. Eu ali meio perdido e bem excitado com aqueles beijos e começo a ser chupado, sinto uma língua colada no meu sexo e uns lábios que o percorriam de uma ponta à outra. Quando aquela boca estava na cabeça do sexo, com a língua a massajar a minha ponta, começava uma mão a punhetar o meu sexo, lentamente e misturando movimentos rápidos. O meu corpo mostrou sinais de derrocada pois ouvi, numa voz estranha, um
- Tem calma! Menino! A festa está a começar!
Logo de seguida sinto a minha face no meio de uns seios, o cheiro não me era familiar, por isso creio que estava a beijar as mamas da nova amiga. Os mamilos duros e pequenos eram muito semelhantes aos da minha amiga, no entanto a forma dos seios, mais empinados, davam-me quase a certeza de serem uns novos seios para os meus lábios.

Sinto quatro mãos a agarrar os meus braços, ajudando a levantar-me, como se eu fosse muito velho, pergunto o que se passa e ouço um fica de joelhos, assim fiz e as mãos soltam-me. Sinto movimento à minha frente, pequenos risos contidos. Um corpo bate no meu, e a minha reação foi mover as mãos para tentar segurar. Era um corpo de pele muito suave, sem qualquer dúvida era o corpo da minha amiga, que estava de quatro oferecendo o seu sexo ao meu. Segurando os seus quadris, aproximo-a de mim e encosto a cabeça do meu sexo nos lábios da sua xaninha. Talvez pela umidade, fui sugado por aquele sexo e deixei-me ir até ao fundo lentamente. A meio daquela viagem sinto uns lábios no meu saco e uns dentes a morder levemente as minhas bolas. Crescia em mim uma vontade enorme de retirar a venda e ver que lábios eram aqueles. Resisti e mantive o jogo.

No meio daqueles movimentos, para a frente e para trás, sinto uma mão a forçar a minha saída daquela gruta quente e umida e uns lábios a envolver a cabeça do meu sexo, sou sugado. Fica uma tremenda vontade se ir todo para dentro daquela boca. A mão punheta o meu pau muito rápido e conduz-me novamente para a gruta, e enquanto a penetrava agarrou o meu saco de tal modo que fiquei imobilizado. Foi o corpo dela que começou a andar para a frente e para trás, deixando a minha respiração cada vez mais ofegante. Quando estava bem dentro do seu corpo, tudo parou e senti somente os dois sexos latejando e aquela mão que largava e agarrava as minhas bolas. Não aguentei muito mais e soltei o meu líquido quente contorcendo-me, procurando equilibrar-me. Soltei-me quando não tinha mais gota nenhuma e sentei-me em cima dos meus tornozelos. Suspirei e arranquei a venda. A minha amiga estava de quatro, sobre a outra menina, que estava a lamber o sexo onde eu tinha deixado o meu esperma.

O meu olhar estava adormecido a ver aquela cena, quando cruzo o olhar com a nova amiga, ela sorri, lambe os lábios e diz-me:
- Agora a festa vai ser minha!

Reparo então que a minha amiga tinha a cabeça enfiada entre as pernas da menina, que estava agora a separar-se e, já em pé, disse para eu me deitar. Obedeci. Ela voltou atrás para ajudar a minha amiga a levantar-se, e vêem as duas para junto de mim, ajoelham-se junto do meu pau, beijam e chupam, beijam-se e riem. Sorrisos provocadores que fazem crescer o meu sexo. Passou uma perna sobre o meu corpo, baixou-se e conduziu a cabeça bem lisa do meu pau para os lábios do seu sexo. Engoliu-me e começou movimentos lentos para cima e para baixo. A minha amiga aproximou-se dela, beijou-a nos lábios e começou a acariciar-lhe os seios com as duas mãos. Com pequenos beijos percorreu o pescoço e os ombros até chegar aos seios, deslizou uma mão para as costas, percorreu-as lentamente, por certo sentindo aquela pele macia e lisa.
Naquela posição conseguia ver a língua da minha amiga a brincar com os mamilos da outra menina. Via também o prazer na face da minha cavaleira, os olhos fechados, e quando abertos mostravam somente o branco e, ela, mordia o seu lábio inferior, certamente pelo prazer que sentia. Aquela imagem dava muito tesão e sentia-me voar.
Por um instante, vejo o corpo dela parar, e sinto algo a tocar no meu pau, aos poucos ela retoma o seu movimento e o meu pau começa a roçar numa coisa dura, será um ou dois dedos da minha amiga dentro do corpo da nova amiga cavaleira. Via agora a sua cara de boca aberta, com a língua a molhar os lábios cada vez com mais frequência.
Eu já gemia, ela pedia mais e mais até o seu corpo começar a tremer, vejo o seu corpo a levantar ligeiramente, levou as mãos até às suas nádegas, sinto o meu sexo a ser agarrado, sair do seu sexo. Fiquei em pânico! Seria o fim da festa? Assim?! Logo de seguida vejo o seu corpo a descer calmamente e o meu sexo começou a ser pressionado por todos os lados, ainda o via a brilhar e a desaparecer sob o corpo dela. Por vezes magoava todo aquele aperto, e, na face dela, o nariz todo enrugado, também parecia haver dor, mas ela não parava. Quando se sentou no meu corpo, a minha amiga lançou a mão até ao sexo livre da minha cavaleira que começava agora a levantar-se. De boca aberta mostrava a língua a molhar os lábios, lançou a mão direita ao cabelo da minha amiga, conduzindo-a para um beijo infinito. Volto a sentir algo duro a roçar no meu pau, assim, além de apertado estava a ser punhetado dentro daquele cu, sabia que não ia aguentar muito mais tempo. Fechei os olhos para não ver aqueles beijos e lambidas nos mamilos, mas sabia o espetáculo que estava a perder e tive que abrir os olhos.

Não me importava de morrer naquele momento de extrema felicidade. Aquilo era o paraíso, sem qualquer dúvida.

A cavaleira, agora, mantinha a cabeça da minha amiga nos seus seios e enquanto estava a olhar para aquele par, os meus olhos cruzaram-se com os dela, sorriu e eu respondi. Sempre a olhar nos meus olhos, levantava-se e baixava apertando o meu pau.
- Faz tempo que não tinha um anal assim delicioso! – disse ela, rematando com um suspiro de prazer.
O seu corpo tremia ligeiramente e ela começou a gemer, as minhas pernas tremiam também, não sei se era o reflexo do corpo dela ou se era mesmo eu que balançava. O meu sexo latejava dentro dela e não aguentei mais. Gritei! A minha amiga deitou-se em cima de mim, colando os lábios nos meus, como se quisesse entrar na minha pele. Eu sentia falta de ar, e a minha respiração não enganava. A cavaleira ainda se movimentou uma ou duas vezes e parou, deixando-se ficar a sentir o meu sexo amolecer dentro de si. Abro os braços qual cristo rei até voltar a respirar normalmente.
- Obrigado meninos, disse a cavaleira.
Gargalhamos. O sol estava a desaparecer, nenhum de nós mostrava vontade de sair dali. Foi a cavaleira a primeira a mover-se, beijou a minha amiga na face e deitou-se sobre o meu peito, acariciando o braço da minha amiga.
- Vamos para minha casa, jantamos e brincamos mais um pouco? Pode ser? Ou não aguentam?
Abracei a minha amiga, beijamo-nos e ela mordeu o meu mamilo, levantando-se de seguida. Entendi como uma resposta afirmativa.
- Tens vinho tinto, perguntei.
Ainda fomos à água, e vestimo-nos. O que aconteceu nessa noite contarei numa outra história para quem quiser ouvir.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.