"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Pausa para Namorar


autor: Medusasexy
publicado em: 25/01/17
categoria: hetero
leituras: 1669
ver notas


Estava feliz festejando comigo mesma após o coroa, empresário do ramo de confecções, confirmar nosso quarto programa seguido em um mês. Aparentemente havia conquistado meu primeiro cliente fixo; as outras meninas nomeiam assim os que marcam três ou mais vezes ao mês. Na primeira vez sua gorjeta foi generosa e nas duas últimas além da gorjeta também me surpreendeu com presentes.
Com o tempo e os encontros, você conhece melhor a pessoa e melhora a relação. Estava curtindo de montão sua companhia e também os rendimentos. O que atrapalha é este meu jeito irresponsável de ser que adora por tudo a perder, e por pouco não aconteceu em nosso último encontro.
Ele me pagou por três dias para acompanhá-lo a um resort em Camboriú onde também aconteceria um evento de negócios que ele participaria. No final da sexta-feira, estávamos acomodados à beira de uma piscina quando ele recebeu um telefonema: Aconteceu um imprevisto e ele teria que fazer uma viagem rápida até sua casa em Blumenau. Iria deixar-me sozinha e retornaria somente no sábado à tarde. Após comunicar-me, beijou-me carinhosamente no rosto e foi para o quarto se arrumar. Mal ele virou as costas cruzei meu olhar com o de um cara (pardo, alto, de uns 30 anos e muito fofo) que estava próximo, acompanhado e disfarçadamente me filmava há alguns minutos. Aproveitou que fiquei sozinha e lançou seu "olhar 43" em minha direção, respondi com um sorriso e olhar de quem curtiu.
Peguei meu copo fazendo carinha de triste, dei o último gole em minha bebida que chegara ao fim e deixei o copo de lado. Virei o corpo deitando com o bumbum pra cima e apesar do meu biquíni fio dental não ser ousado deixava a minha bunda praticamente de fora. Serviria ao meu propósito, pois minha intenção era provocar.
Momentos depois o carinha chegou ao meu lado, esbanjando simpatia se apresentou e estendeu um copo de Daiquiri em minha direção, comentou ter percebido que a minha bebida tinha acabado e não era justo deixar uma princesa se deslocar até o bar. Além de gato, também era perspicaz e divertido. Retribui a simpatia com uma expressão de felicidade, aceitei a bebida, agradeci e também me apresentei.
O papo ficou muito gostoso, sua maneira extrovertida de falar me conquistou, entretanto mesmo adorando a companhia eu não poderia ficar dando bobeira e correr o risco do meu cliente (que estava pagando pelo meu final de semana) pegar a gente em atitudes suspeitas. Também não correria o risco de ser vista com ele mesmo depois que estivesse sozinha no resort, pois alguém poderia comentar sobre meus passos durante sua ausência.
O anjinho do bem insistia para que eu o dispensasse antes que fosse tarde demais. O problema é que sempre ouço o anjinho do mal e o mesmo dizia que estava prevendo momentos raros de prazer. Senti um calor intenso ao imaginar ele me despindo e sua boca enchendo meu corpo de beijos. Quase tive um orgasmo só de pensar no risco de levá-lo até minha suíte e rolar naquela cama por horas.
Enfim, revelei que o coroa não era meu pai (como ele havia questionado) e sim o meu namorado e eu teria que manter as aparências, no entanto estaria sozinha naquela noite e adoraria recebê-lo na intimidade do meu quarto para tomarmos um drink antes de irmos dormir. O aguardaria às 22h, era só dar umas batidinhas na porta.
— Por favor, se afaste e mantenha distância agora! — pedi com jeitinho.
Com um sorrisão lindo disse ter entendido e que não se atrasaria. Após perguntar que bebida eu preferiria que ele levasse, se afastou e continuou me filmando, desta vez um pouco mais distante.
Ouvi as batidinhas na porta no horário combinado. Toda cheirosinha olhei pelo olho mágico, queria ter certeza que era o gato. Após abrir a porta conferi se havia mais alguém no corredor e o puxei para dentro rapidão e lacrei a entrada com todos os trincos disponíveis.
Nos conhecemos melhor nos próximos minutos, bebendo o vinho que ele trouxe e curtindo um rock and roll em um canal da TV a cabo. Sentados no tapete e recostados na cama conversamos como velhos amigos, sem ficarmos querendo saber sobre detalhes de nossas vidas.
Vieram as primeiras carícias, e um beijo que foi algo bem natural como se nossa intimidade fosse a de um casal que namora há tempos. Após mais um beijo carinhoso fez com que eu me deitasse no piso e sua cabeça se aninhou em meu ventre ao mesmo tempo em que levantou a minha camiseta "extralarga" que vesti justamente para facilitar nossos movimentos.
Sua boca percorreu meu corpo e chegou ao meu peito, afaguei seus cabelos castanhos e perfumados enquanto estremecia com arrepios me deleitando com sua boca morna grudada em meu seio. Era impossível não gemer gostoso ao ter meus mamilos sensíveis e inchados de tesão serem devorados por sua língua e lábios.
Instantes depois, já sem camiseta e calcinha, deitada peladinha com o tronco na cama e os joelhos no chão, ronronei como uma gatinha enquanto ele se alojou entre minhas pernas e me fez flutuar com chupadas e massagens com o dedo dentro da minha vagina, talvez procurasse meu ponto G... Ah! Evidente que me acabei de tanto rebolar em sua boca e não contive meus gritinhos e nem segurei meu gozo que veio intenso.
Que bom poder escolher com quem se deitar e entregar-se inteira ao prazer e emoção. Ainda não perdi meu lado romântico, adoro namorar, beijar na boca, abraços apertados e um papo descontraído.
Não sei por quanto tempo transamos, talvez por horas. Apaguei em seus braços e dormi um soninho gostoso.
Acordei com ele me sacudindo dizendo que alguém tentava abrir a porta. Ouvi o tocar da campainha e percebi que o dia começava a clarear. Apavorada deduzi que o coroa voltou antes do que havia planejado.
— Tô fodida! Você vai ter que sumir daqui — falei sussurrando.
— Caralho gata, só tem uma porta.
— Se vira! Pega logo suas coisas e vai pela janela — falei com firmeza.
Enquanto ele vestia a bermuda sem a cueca, eu recolhia suas roupas, preservativos novos e usados, garrafa vazia e entreguei tudo pra ele.
A janela dava para uma varandinha, estávamos no segundo andar, descer não seria tão complicado (eu acho... rs).
Fechei a janela assim que ele saiu, vesti a calcinha e caminhei enquanto vestia a camiseta. Estava endoidecida com o som da campainha e as batidas que não cessavam. Acendi a luz e dei uma olhada rápida conferindo o quarto antes de abrir a porta.
— Caramba kamila! Estou a um tempão tocando esta campainha — resmungou o homem.
Desculpei-me dizendo que bebi um pouco a mais e cai no sono profundo.
Ele mencionou sobre minha camiseta e disse que não combinava com minha feminilidade. "Putz! Dei minha camiseta para o cara" pensei tentando não rir. Fiquei com a dele que também é branca, mas é de time de futebol americano.
Após concordar com ele que a escolha da roupa foi ruim, desconversei para evitar esticar um assunto que poderia me incriminar.
Ele chegou carente de carinho e disse que me queria agora... Aff! Iria sentir sabores e odores diferentes. Consegui cinco minutos dizendo que ia ao banheiro me recompor. Voltei após apagar os vestígios em meu corpo que denunciariam o love que tive com meu "namorado de uma noite" e deixei meu empresário feliz e satisfeito por boa parte daquele sábado ensolarado.
Minha preocupação durou até o momento de irmos embora no domingo, o medo era enorme de ter meu casinho descoberto e perder um dos meus melhores clientes. 
Finalmente tudo acabou bem, não tivemos notícias de ninguém caindo de janelas do resort, calculei que o fofo conseguiu descer na boa, ou se caiu, ainda lhe restam seis vidas, pois ele é um gato.

Beijos e até o próximo conto!

Obrigada pela atenção.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.