"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Surpresa!


autor: boavida
publicado em: 01/02/17
categoria: grupal
leituras: 1872
ver notas


Cheguei em casa de Angel meio triste, pois estava combinado passar o dia na praia e pelo celular ela disse que não podia pois a sua amiga da faculdade, Eva, tinha chegado na cidade e queriam conversar como nos velhos tempos. Abri a porta da casa da minha namorada e havia um silêncio absoluto, o que me fez pensar que ela ainda estaria a dormir. No quarto vi a cama vazia, será que já saiu com a sua amiga? Começo a busca pela cozinha, até que entro no banheiro. Ela nua, em frente do espelho, somente com uma toalha roxa escondendo o cabelo, rimos e abraçados nos beijamos como se não nos víssemos desde… o dia anterior.

Rodei o seu corpo nas minhas mãos e continuei a beijá-la no pescoço,

- Vai, continua e vais ver onde vamos acabar!... Mas aviso já que a Eva está para chegar… ai!... vais ter que ser muito rápido! – Disse Angel, meio a rir meio séria.

Eu, sem parar de lamber aquele pescoço liso e cheiroso, fazendo de vampiro, olho ela no espelho e mordo a orelha, levanto-lhe a perna, que ela pousou algures, mas nem vi onde. Brinquei com a tatoo da barriga. Comecei a acariciar o interior da sua coxa, bem devagar e só com a ponta dos dedos.

- Não te queres despir? – Perguntou a Angel

- E se chega a tua amiga?

- Hoje é para esquecer a praia! – Disse ela sorrindo

Ela fechou os olhos inclinou, ligeiramente, a cabeça facilitando o movimento dos meus lábios. Acariciei os seus seios e pousei a mão sobre o seu sexo. Ela não se movia, estava aguardando que eu lhe desse mais. Comecei a acariciar a sua bocetinha, muito lentamente, com movimentos circulares e, também, apertando aqueles lábios com os dedos fazendo um V. Tinha muita vontade de entrar nela, com o pau, com os dedos, com a língua mas continuei somente mexendo no seu sexo e nos seios, sem parar de beijar o pescoço.

Parei de a beijar e perguntei porque não podíamos ir para a praia os três e ela respondeu:
- Coisas de mulheres! Querias ver ela em biquini?

Depois de responder com um sorriso malicioso, sinto as suas mãos a abrir as minhas calças, a baixar a sunga e o meu pau ao sentir a liberdade saltou em direção ao seu corpo. Já imaginava os seus lábios a tocar na cabeça do meu sexo… sonhava entrar naquela boca e sentir aquela chupada que só ela sabe fazer e…

Trim, trim… trim

- É ela, é o nosso toque secreto! – Disse Angel e rimos.

- Eu vou abrir para acabares de te arrumar. – Disse eu enquanto apertava as calças e dei um pequeno tapa naquela bunda bem empinada. - Não vamos mesmo para a praia os três? – Voltei a perguntar sorrindo para ela e fui abrir a porta.

- Vai e sem reclamação!

Quando abro vejo uma mulher altíssima, com uns saltos que metiam medo! Um decote maior que os saltos! Uma mini-mini-saia… Parecia uma mulher da Playboy ou de um filme daqueles que eu gosto… eu, tentando esconder a minha surpresa, pergunto se era a Eva.

A resposta dela foi lançar a face para mim e trocamos dois beijos na face e ela foi entrando. Expliquei que a Angel estava acabando de se arrumar e fui sentando, ela também. Apresentamo-nos e conversamos, mas nem sei do quê, estava super concentrado a ver aquelas pernas sem fim, e os braços e o pescoço e o cabelo… O cabelo estava a passar ao lado da face e escondia o peito e o decote. Ela, talvez propositadamente, cruzou a perna e de um modo que ficava ainda mais disponível para os meus olhos, e, lançou o cabelo para trás, deixando bem visível o arranque dos seios. O meu sexo estava a dizer que estava a gostar de ver, mas até tinha medo de me levantar e deixar visível o volume, não é que seja grande, mas um pau duro é sempre difícil de esconder.

Angel entrou com os braços abertos e abraçaram-se, para logo começarem a falar no corpo uma da outra. Mulheres! Angel tinha vestido uns shortinhos muito pequenos e uma blusinha de alça muito fina, tudo de cor vermelha. Aquela roupa ela gostava de vestir para ficarmos enrolados no sofá, pois a alça cai com facilidade, deixando um ou outro seio bem visível e a bunda também fica muito exposta aos olhares e aos meus dedos.

Elas não se calavam e eu decido ir buscar cerveja gelada para todos. Quando chego Eva pediu desculpa pela alteração de planos mas que não fazia praia, só pegava sol na varanda. Aí a minha namorada perguntou o que eu achava do corpo da Eva. Fiquei meio encabulado, mas lá disse tudo o que achava interessante, mas achei estranha toda aquela conversa. Angel pousou a mão sobre a minha perna e perguntou o que eu diria se por baixo daquela beleza houvesse um pinto enorme?

Rimos.

Eva levantou-se, e num gesto rápido mostrou o maior pau que eu já havia visto! Meu Deus! Até fico com vergonha do meu! E aquele não estava duro, ela brincava a rodar com ele, em frente dos meus olhos, eu tinha o meu olhar hipnotizado por aquela coisa! Parecia um animal ou sei lá o quê!

- Saudade Angel? – Perguntou Eva e rimos.

Percebi então porque é que eram tão amigas na faculdade e tinham partilhado casa. Angel acariciou a coxa de Eva que estava bem próxima do seu corpo e deu um selinho na ponta daquela arma! Sim, era uma arma mesmo!

Olhou para mim e perguntou se já percebi porque não íamos à praia, mas podíamos animar o nosso dia na varanda! Agora eu tinha medo de mostrar o meu corpo à Eva, o meu pau seria metade do dela, do dele, bem nem sei como dizer, estava meio nervoso e ao ver a minha Angel a chupar outro pau fiquei meio perdido. Esvaziei a minha cerveja quase de uma só vez.

Sinto a mão da Angel na minha perna, e um relaxa bem lânguido, quer aproveitar o dia? Perguntou a minha namorada, que começou a vir para cima de mim, já com uma alcinha caída e a outra quase, deixando um seio à mostra e o outro espreitando. Pôs uma perna de cada lado do meu corpo e começou a beijar-me. Por trás da sua cabeça vejo a Eva a despir-se, mostrando uns seios perfeitos de mamilos pequenos, sem barriga, mas com um pau… enorme. Aproximou-se e abraçou-nos. Os meus lábios colados nos da Angel foram substituídos pelos da Eva, e sem olhar, começaram a despir-me a camiseta, quando fico com a cabeça livre, vejo um seio da Eva pousado no ombro da Angel, e fui acariciar aquela pele. O mamilo estava bem duro e vejo a boca da minha namorada a chupar, e uma mão, não sei de quem, puxou a minha cabeça para aquele mamilo também. De repente elas saem de cima de mim e começam a tirar as minhas calças. Sou empurrado para o sofá e fico outra vez sentado. As duas a rir, ficam de joelhos no meio das minhas pernas e, as duas, começam a chupar o meu pau. A Eva levantou-se e dirigiu-se para as suas roupas, a Angel parou, e quis confirmar alto e bom som, se eu não gostava daquele monumento! Rimos.

A Eva aproximou-se com algo nas mãos, que pousou na mesa, e começou a punhetar-se a olhar para nós e lançou uma mão para o rabo, torcendo ligeiramente o corpo. Veio sentar-se no meu colo, rebolou bem no meu sexo, até se levantar ligeiramente, agarrar no meu pau e conduziu-o para o seu cuzinho. Nem pensei no que estava a acontecer, eu ali a comer o cu de um homem?! Mas com aquele corpo de mulher… ali, o cabelo, aquelas costas… Já estava todo dentro dela ou dele ou quero lá saber, agarrei os seus seios e deixei-me voar naquele momento. Já estava a beijar o pescoço dela e a ver o movimento dos seus seios enquanto o corpo sobe e desce, quando vejo a Angel a chupar aquele pau. Aquela cena distraía-me, mas valeu para eu aguentar mais todo aquele movimento da Eva. A minha namorada só conseguia engolir aquele pau até meio, talvez um pouco mais, mas ficava sempre muito pau de fora da sua boca.

- Angel não pares agora que eu vou me vir na tua boca mara… vilh… ai, ai… ai….

As contrações que senti ao longo do meu pau também arrumaram comigo, e logo me vim, dentro de um cu de homem-mulher? E isso que importa, senti um prazer enorme!

- Então e eu? – Perguntou a Angel ainda lambendo os lábios. – Não vai haver mais festa para mim?

Rimos e elas abraçaram-se e levantaram-se. Eu fui lavar o meu pau, acabei tomando uma chuveirada rápida e quando regressei vejo a Angel de quatro a ser comida pela Eva. Nunca pensei ficar excitado com uma cena daquelas, a minha namorada a ser penetrada e eu até gostava de ver. Eva olhou-me nos olhos e disse:

- Vem… me dá esse pau! Põe aqui na minha boca!

Subi no sofá e percebi quem tinha sido a professora da Angel, minha nossa que chupada! E ao pensar naquelas duas ali aos meus pés a foderem estava cada vez mais excitado, o meu pau ficava todo dentro daquela boca, perdia-o de vista, sentia a língua e a chupada e os lábios. Nem precisava de conduzir a sua cabeça, ele sabia mesmo o que eu queria e quando.

Decido sair da boca da Eva e vejo o pau dela dentro da minha namorada, Eva agarrou o meu pau e começou a punhetar, e com a outra mão começou a acariciar o cuzinho da Angel. Parou pegou no creme e espalhou no anelzinho da minha namorada e disse-lhe:

- Baixa a cabeça querida!

Ela baixou e deixou aquela bunda bem disponível, percebi o que a Eva estava a fazer, então passo uma perna para o outro lado do corpo da Angel, dobro as minhas pernas e conduzo o meu pau para a entrada do cu da minha namorada. Sinto duas mãos nas minhas costas e de seguida uns lábios, forço ligeiramente a entrada, e a cabeça entrou sem grande dificuldade.

- Vai devagar! – Ouço atrás de mim. – Está gostando minha Angel?

- Adorando… Os meus dois paus… ai, não me desconcentrem agora… não parem por favor! Mais, mais…

O cuzinho da Angel piscava e estava a acabar comigo, sentia que se aproximava o momento, aquele pau enorme apertava o meu sexo dentro da Angel, para além do anelzinho dela, sentia o pau da Eva a mover-se dentro da minha namorada. Que foda! Eu estava com as mãos nos quadris dela e sentia o ar quente da boca da Eva nas minhas costas. Abro os olhos e vejo a Angel, de cabeça no chão, braços como o Cristo Rei a boca semi-aberta a língua passando a molhar os lábios, os olhos fechados, a testa ligeiramente enrugada, e aqui atrás, eu e Eva sem parar, andando para a frente e para trás, com movimentos desfasados, enquanto um ia para a frente o outro ia para trás. Por vezes a Angel abria mais a boca, seria por sentir o pau da Eva a bater lá bem no fundo ou seria de dor do meu pau no seu cuzinho? Dor? Dor, não havia ali, só prazer, e comecei a acariciar o seu anelzinho com a minha mão direita, enquanto enterrava o meu pau. Quando o senti mmais relaxado, deixei um dedo acompanhar o meu pau, o corpo dela estremeceu, parecia um arrepio de frio, olhei para a sua face e estava com os olhos muito fechados, parecia uma velha com rugas, e quando ia tirar o dedo ouço no meu ouvido:

- Não sei o que estás a fazer, mas continua… que me está a dar muito tesão…

Nem me mexi, e continuamos nos nossos movimentos até explodirmos os dois dentro dela. Angel disse:

- Imagino que isto seja o paraíso! Uau… quero mais… quero mais…

- Não precisas de insistir!

- Vamos te dar mais…

Respondemos em coro e com gargalhadas e carícias. Ela libertou-se de nós e contorcia-se ainda de prazer, nós sentados no chão com os paus meio adormecidos.

- Quem vou acordar primeiro? – Perguntou a Angel.

Rimos.

Escusado será dizer que adorei a surpresa que as meninas me reservaram, e a praia ficou para outro dia, pois aquela tarde foi de muita loucura ainda. Um dia talvez conte tudo, mas mesmo tudo, o que fizemos.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.