"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Gamei no Negao


autor: Morena Perfeita
publicado em: 11/08/15
categoria: hetero
leituras: 4761
ver notas


Edu é um negro lindo, corpo perfeito, escultural, labios carnudos e braços fortes, Edu é pagodeiro, e sempre me chama pra curtir com ele, até então íamos como amigos, mas agora eu e Edu nos pegamos a cada encontro, temos uma química muito forte.
Em uma sexta feira de muita chuva fui para a casa do meu pagodeiro, pois de lá iríamos comer alguma coisa, a chuva lá fora não passava, e todas as saídas da cidade estavam fechadas, o sinal do telefone havia sido cortado e estávamos sem comunicação com o mundo lá fora, então ali, só estávamos eu e Edu, juntos por longas horas.
Edu abriu um vinho para nos e cortou uns frios, e papo vai e papo vem, nos beijamos, um beijo quente e envolvente, Edu me apertava, me pegava pela cintura, me apertava muito mesmo, eu me sentia uma boneca de porcelana nas mãos daquele negão.
Começamos a dançar, ambos já embriagados de desejo e vinho, eu podia sentir o desejo do negão ao me tocar, sabia que daquela noite eu não escaparia. Edu me levou pró quarto pelo colo, ele era muito forte, e eu deixei ele me conduzir, já no quarto, me pós em sua cama, beijava o meu corpo todo por de baixo do vestido curto, arrancou minhas sandálias e puxou minha calsinha fio dental, com uma dentada só, aquele negão já estava a ponto de bala, começou a me chupar des da cabeça até o dedão do pé, ele não perdoou nem uma parte do meu corpo, pois se a acariciar e beijar meus seios enquanto abria caminho na minha bucetinha com os seus dedos, eu já estava molhada de prazer, ele podia ouvir meus urros e gemidos, minha perna tremendo e se contorcendo para sentir seu sexo.
Meu negão então começou a beijar e chupar meu grelinho freneticamente, ele sabe bem fazer isso, que língua que ele tinha, me fez gosar com a sua chupada, me preparando pra sentir aquele cacete enorme entrar dentro de minha pequena gruta, (sim pequena, por que o negão tem uma rola mostruosa.)
Confesso que me assustei ao ver o tamanho daquele pau, mas sem medo comecei a chupar, deixei o pau bem molhado pra entrar na minha bucetinha, pró meu alívio, aquele pau entrou sem nenhuma dificuldade ou dor, só senti prazer no cacete do negão, então comecei a rebolar e ouvir os gemidos do meu negão, ainda em sentada em seu pau ele me levantou e me encaixou em seus braços, ele dava uns tapas em minha Bundinha e pedia pra eu gritar, senti que ele ia gozar e pedi pra tomar o seu Leitinho, ele me pós de joelhos e me deu tudinho, limpei o pouco que escorreo e beijei seu pau, deitamos e continuei a beijar seu pau, até que ele desse sinal de vida, agora meu nego me pegou de quatro, enfiou todo o seu cacete dentro de mim e dava bombadas brutas e me puxando o cabelo, assim me fez gosar novamente, Edu me mordia todinha, me apertava e chupava, pediu que eu o deixasse fazer uma espanhola, e assim deixei, ele pos seu paixão entre meus seios, até que ele gosasse em minha cara.
Transamos de novo no banheiro, onde Edu me colocou em seus ombros e me chupava, o pau do negão não ficava mole por nada, ficava cada vez mais duro, nos pegamos a noite inteira.
No dia seguinte a luz e o telefone voltaram ao normal e eu Edu agimos como se nada tivesse acontecido, nos fazemos esse joguinho toda semana, afinal, o casamento não pode entrar na rotina.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.