"Os mais excitantes contos eróticos"

 

50 - A jovem esposa e o seu hóspede


autor: bernardo
publicado em: 15/02/17
categoria: hetero
leituras: 4974
ver notas


O clarão da lua cheia adentrava pelas inúmeras frestas da humilde casa de madeira deixando o interior do ambiente em certo tom prateado. O senso de organização, limpeza e a disposições dos rústicos móveis, deixava aquele ambiente com certa paz e harmonia fazendo parecer bem maior que seus 25m² construídos.

O quarto do casal era dividido apenas por uma fina cortina que separava da pequena cozinha, a sala e o quarto onde Alex, o hóspede dormia. Quando o vento entrava pelas frestas a cortina se levantava e ele tinha uma visão privilegiada do interior do quarto do casal.

O casal era formado por Pedro 40 anos, moreno, 170m, corpo modelado pela vida dura que levava na lida do campo e no trato com os animais. Pedro era simpático, brincalhão, bem gente boa, mas às vezes era rude e áspero com a jovem esposa.

Leticia, tinha 25 anos, mas ninguém dava mais que 20 anos para ela. Morena de pele clara, castigada pelo sol da roça, 1,62m mais ou menos, cabelos negros até abaixo dos ombros, olhos verdes, bundinha durinha e empinada do tamanho ideal para sua estatura. Coxas grossas, pernas bem torneadas, peitinhos médios, durinhos com auréolas rosadas e os biquinhos apontado para frente que conforme as camisetas que usava parecia quererem furar o tecido. E para completar, a simetria do seu rosto combinando com um nariz perfeito, lábios carnudos e dentes brancos como a neve. Quando sorria parecia personagem de contos de fadas.

Alex, o jovem hóspede era irmão do cunhado da Letícia. Ele estava se envolvendo com más companhias na cidade grande e antes que se perdesse de vez, sua irmã pediu para Leticia e seu marido o deixar passar algum tempo no interior onde as drogas e as más companhias eram menores.

No início houve um pouco de resistência por parte do garoto, mas com o decorrer do tempo e conhecendo a rotina da vida no interior e dos seus tutores, percebeu que ali era um ótimo lugar para se viver e recomeçar a vida, pois era tratado como membro da família.


Ele na flor da sua adolescência com os hormônios a flor da pele conhecia a rotina do casal como a palma da sua mão e sabia que era uma questão de tempo para que o jovem esposo procurasse a bela esposa e a fodesse gostosamente. E assim foi a primeira noite e todas as noites era a mesma coisa. O marido, chegava do trabalho da roca, tomava banho, jantava, papeavam um pouco e já ia para a cama. No quarto ele passeava com suas mãos ásperas que mais parecia uma lixa sobre o corpo delicado da Letícia e em questão de minuto já subia em cima, levantava suas perninhas, encaixava se entre elas e socava sem dó seu pau naquela bucetinha saliente e suculenta até gozar, depois virava para o lado e dormia, ou melhor, desmaiava, devido a foda e o cansaço do trabalho. Enquanto isso, Letícia deslizava seus dedos na sua bucetinha ainda sedenta por um pau e se masturbava até gozar com os dedinhos atolados dentro dela, talvez pensando em um macho que a fizesse gozar de verdade como merecia. Após gozar solitariamente, a bela jovem calmamente pegava uma toalhinha que ficava sob seu travesseiro se limpava e ficava tempo meditando até pegar no sono.

Alex não entendia como alguém pudesse ser tão egoísta a ponto de não dar valor a uma deusa tão linda, gostosa, carinhosa e responsável como sua jovem esposa. Com certeza Letícia era desejada por todos os amigos do casal e o sonho de consumo de todo homem, além de ser uma mulher séria que o respeitava, pois, o garoto tinha visto muitos amigos do seu marido cantar descaradamente a bela jovem sem obter êxito algum. Os mais afoitos ela ameaçava até contar para o marido para se livrar do chato. Claro que ela não contava, falava aquilo para se livrar, não via motivo para envolver seu marido em algo que só iria criar atrito e ciúmes entre o casal.

Transar com sua musa inspiradora de inúmeras punheta passou a ser uma obsessão para o garoto, mas claro que o respeito entre eles impedia de qualquer tentativa de aproximação, então ele se contentava em gozar cheirando sua calcinha usada e lambendo a toalhinha que sua musa limpava a bucetinha após gozar solitariamente todas as noites, pois na sua cabeça, sua fantasia era algo impossível de algum dia ser realizado.

O corpo da sua musa estava mapeado na cabeça do garoto como tatuagem. Foram inúmeras as vezes que a viu metendo com seu marido, sem contar a quantidade de vezes que ele se masturbava espiando-a pelos buracos do banheiro vendo sua deusa peladinha tomando banho quando o marido estava ausente. Parecia que ela sabia que estava sendo observada, pois favorecia sua visão com poses ousadas da sua bundinha, seus peitinhos e sua bucetinha saliente e suculenta com poucos pelinhos bem aparados.

Conforme suas mãos deslizavam sobre sua bucetinha, às vezes ela parava e com seus dedinhos abria os grandes lábios e seu grelinho durinho crescia enquanto era acariciado mostrando aquela flor rosada com todo seu brilho e esplendor.

Vendo aquela delícia de corpo escultural se ensaboando, e, “talvez” se insinuando pra ele, enquanto se masturbava o garoto pensava em como Deus foi generoso com sua musa. Quando a Letícia se abaixava de costa para ensaboar seus pezinhos lindos, no meio das suas coxas aparecia sua exuberante buceta em forma de pão de hambúrguer cortado ao meio, e pouco acima, seu cuzinho rosadinho parecia piscar para ele. De repente ela desliga o chuveiro, apanha a toalha e antes de começar a se enxugar olhava na direção que o garoto estava e sorria ironicamente deixando parecer que sabia que estava sendo observada. Neste dia o garoto sentiu o olhar desafiador da sua musa e correu para frente da televisão com o coração batendo forte e a respiração descompassada.

A bela jovem entrou na sala exuberante como sempre como se nada tivesse acontecido. Sentou ao lado do garoto e perguntou do capítulo da novela que tinha perdido. O garoto ainda meio ofegante gaguejava querendo responder, ao mesmo tempo em que tentava esconder o volume que formava sob a bermuda fina que usava. Letícia percebendo a situação constrangedora que estava impondo ao garoto, com um sorrisinho no rosto calmamente se levantou foi até seu quarto onde delicadamente passava seus cremes hidratantes se embelezando, se perfumando para esperar seu marido que por mais tosco que fosse ela com certeza o amava.

A noite quando jovem esposo chegou, sua bela esposa abraçou na entrada e o beijou apaixonadamente como sempre fazia. Ele chegou todo sorridente trazendo pizza e vinho para comemorarem um bom dinheiro que entrou na sua conta pelo término de um serviço. Por ser sábado, todos exageraram um pouco no vinho e foram deitar. Alex como sempre, sabia que a comemoração naquela noite seria mais picante, e já imaginava as cenas pornôs dos capítulos que veria a seguir.

O casal já meio alto pelos copos de vinhos que tinham tomados, logo se atracaram sem ao menos abaixar a cortina. Desta vez Nilo mais aceso, chupava os peitinhos maravilhosos enquanto seus dedos penetrava fundo na bucetinha da jovem esposa arrancando gemidos e sussurros da sua amada, enquanto ela carinhosamente empurrava a cabeça do esposo de encontro a sua bucetinha que a esta altura estava toda meladinha e sedenta para ser chupada.

O marido entendendo o que queria se ajeitou no meio das pernas dela e sugava ferozmente sua bucetinha. Ela gemia, mordia os lábios e trincava os dentes, não se sabe de tesão ou dor causado pelo furor que seu marido a chupava. Em questão de minutos Nilo saiu dos meios das pernas da Letícia e deitou de costa oferecendo seu pau para que ela chupasse. Meio a contra gosto, ela foi de encontro ao pau do marido e começou a chupar. Não era um pau grande, pelo contrário, não passava de uns 13 cm e um tanto fino, Alex já tinha reparado quando urinavam ao lado um do outro nas pescarias, no bosque do parque onde frequentavam. Alex tinha amigos ainda criança que tinha o pau maior que o do Nilo.

O próprio pau do Alex era enorme se comparando com o do marido da sua musa, passava dos 20 cm e muito mais grosso. Talvez pela grossura, o pau do garoto, parecia dar o dobro de tamanho do dono da sua musa. Letícia carinhosamente parecia se deliciar com o pau do marido na boca, era fácil para ela engolir tudo e voltar à cabeça, que nem chegava à sua garganta, pois ela engolia com facilidade até abocanhava o saco junto. Mais uma vez a lua cheia favorecia a visão do garoto que já tinha gozado umas três vezes vendo sua musa dando um trato no pau do marido imaginando aquela boquinha dando um trato no seu pau, com certeza não teria essa facilidade para engolir sua rola como fazia com a do seu marido.

Alex pensou que nesta noite Nilo capricharia um pouco mais, mas ledo engano, foi só aquela delícia de mulher deitar de costa o marido se ajeitou no meio das suas pernas e meteu seu pau em sua bucetinha, socou algumas vezes assim que gozou virou para o lado para dormir. Letícia cochichou algo no ouvido do marido, e pode perceber o ar de reprovação no rosto dele. Pela primeira vez Alex viu os dois discutindo e um ar de insatisfação no rosto da bela jovem. O garoto, claro, fingia estar em sono profundo, enquanto sua musa dizia ao marido:

- Para você eu não passo de um depósito de porra, que usa e abusa não se importando se sinto prazer ou não, você gozando o resto que se foda!

- Você é muito egoísta, a sua sorte é que ainda te amo se não já tinha voltado para casa dos meus pais.

- Quer ir vai, não estou te prendendo aqui!

- É só beber um pouquinho e você age como uma vagabunda.

Nilo levantou bravo e foi para o banheiro que fica do lado de fora encostado na parede da cozinha. Letícia chorando ficou resmungando baixinho:

- Vagabunda é? Nunca dei motivo para esse filho da puta me chamar assim. Bem que esse merda está merecendo um par de chifres, se tivesse coragem já tinha traído esse babaca com os próprios amigos dele.

Letícia estava tão nervosa que nem percebeu que estava andando pela casa peladinha, ainda com porra do marido escorrendo por suas pernas. Alex apertava seu pau que estava duro que nem uma rocha vendo a sua frente sua musa com a bucetinha estufada e vermelha por ter acabado de levar pau há poucos minutos. Quando deu por si, Letícia olhou para o garoto que tentou esconder, mas não deu tempo então só fechou os olhos enquanto Letícia cobriu o corpo com uma toalha. Meio incrédula, parou na frente do garoto e ficou admirando o tamanho e a grossura daquele pau que para ela daria o dobro do pau do seu marido e muito mais grosso.

Ela ficou hipnotizada pelo pau do garoto, e uma força maior fez que ela se a aproximasse mais. Alex não via, mas podia sentir o perfume suave e ouvir a respiração da sua musa ali agachada na sua frente. O chuveiro ainda estava ligado, mas para ter certeza Letícia foi até a porta para certificar se seu marido ainda estava no chuveiro, então fechou a porta e voltou para perto do Alex e disse baixinho:

- Aquele desgraçado disse que estou agindo como uma vagabunda, então vou dar motivo para que me chame assim. O Garoto não acreditou quando uma mão meio trêmula pegou no seu pau e apertou devagar iniciando uma leve punhetinha.

Letícia percorria com a mão por toda a extensão do pau do garoto parecendo não acreditar que sua mãozinha não conseguia fechá-la entorno daquele mastro rígido igual um ferro. Alex ainda não acreditando com o que estava acontecendo, sentiu quando a boca da sua amada tentava engolir a cabeça do seu pau mesmo com dificuldade. Quando ele abriu os olhos e viu aquela delícia de mulher peladinha fazendo um esforço enorme, às vezes até se engasgando com seu pau na boca, não aguentou e transformou todo o seu tesão acumulado em um enorme volume de porra e em vários jatos fortíssimos encheu a boca da sua musa com sua porra.

Letícia não estava esperando que o garoto gozasse tão rápido, então ela engoliu o que pode mesmo se engasgando e tossindo. Depois de limpar seu rosto cheio de porra pediu silêncio ao garoto, pegando em suas mãos e levando até seus peitinhos pedindo para que apertasse e sentisse toda a rigidez dos seus biquinhos. Quando o chuveiro desligou, Letícia colou seus lábios nos do garoto e depois cochichou no seu ouvido:

- Este vai ser nosso segredo, se souber guardar vai ter muito mais.

Quando Letícia se levantou, antes que ela saísse, o garoto vendo aquela bucetinha estufadinha na sua frente levantou sua mão e enfiou os dedos naquela caverninha. Letícia para facilitar, abriu suas perninhas pegou na mão do garoto se abaixou e empurrou o máximo que pode para dentro da sua grutinha e logo saiu deixando toda lambuzada a mão do garoto que levou a boca para provar o gosto da sua musa.

O que ele mais queria no momento era poder chupar aquela suculenta bucetinha mesmo estando cheia de porra do marido, mas agora sabia que mais cedo ou mais tarde se Letícia não se arrependesse por ter agido por impulso ou por estar de pilequinho, teria a oportunidade que sempre sonhou desde que foi morar naquela casa, meter seu pau na bucetinha da sua musa inspiradora de tantas punhetas.

No outro dia Alex levantou cedo e foi para o colégio, como sempre fazia, pensando em tudo que tinha acontecido na noite passada, será que tinha acontecido realmente, ou teria sido só um sonho!

Não poderia ter sido um sonho, pois parecia muito real. As aulas daquele dia pareciam intermináveis e o garoto mal conseguia se concentrar nos estudos, deu graças a Deus quando o sinal tocou para ir embora. Quando chegou em casa o almoço estava pronto e percebeu que o Nilo não estava. Letícia agia normalmente como se nada tivesse acontecido.

O garoto perguntou do Nilo, e Letícia disse que ele foi ver um serviço na cidade vizinha e retornaria só à noite. Alex pensou consigo mesmo, se tivesse sido apenas um sonho, pelo menos podia tocar uma punheta bem gostosa espiando sua musa tomando banho já que o marido estava fora!

Quando ele já estava conformado que tinha sido apenas um sonho, Letícia agacha na sua frente olhando nos seus olhos e diz:

- Quero que me desculpe por ontem à noite, agi por impulso. Você também acha que sou uma vagabunda como pensa o meu marido?

- Caro que não Letícia, ele que é um idiota pensando isso de você! Já vi você brigando várias vezes com os amigos dele quando te cantava!

- Pois então, são todos uns canalhas. Jamais teria coragem de trair o Nilo com qualquer um deles.

- Com você é diferente, acho que posso confiar! Espero não estar enganada. Posso confiar em você? Você promete que este será nosso segredo?
- Claro que sim Letícia, nunca faria algo para te magoar.

Letícia levou sua mãozinha até o pau do garoto e apertou-o sentindo toda a rigidez daquele falo. Agora sem pressa ela tira o pau para fora e começa a passar a língua naquela cabeçorra sugando-a porra viscosa e salgadinha que emanava do orifício do seu pau.

Alex com os olhos fechados gemia baixinho enquanto sua musa tentava abocanhar seu cacete enorme. Sabendo que o garoto era meio precoce por causa da inexperiência, Letícia queria que ele gozasse na sua boca antes de dar sua bucetinha, pois queria gozar muito naquele pau enorme, pois sua bucetinha estava sedenta por um pau de verdade e há muito estava esperando por isto e não ia perder esta oportunidade de jeito nenhum.

Agora Letícia estava preparada quando o garoto gozou, mas a quantidade ainda era enorme, mesmo engolindo o que pode muita porra ainda escorria pelos cantos da sua boquinha. Ela chupou todinha a porra deixando o pau limpinho e nem precisou muito para que o pau do garoto batesse continência outra vez, para falar a verdade nem chegou a amolecer, esta é a vantagem do poder e do vigor da juventude.

Os dois agiam em sintonia se levantando ao mesmo tempo e Letícia ainda segurando-o pelo pau, levou-o até sua cama. Ele antes de se deitar levantou o vestidinho colorido que Letícia usava e tirou o pela cabeça. O garoto ficou longos segundos admirando o corpinho nu da sua amada parecendo não acreditar que seu sonho estava preste a ser realizado. Letícia já tinha planejado aquele momento, pois estava sem sutiã e sem calcinha esperando seu machinho bem dotado chegar.

Ainda de pé um olhando para o outro o garoto pôs as mãos nos peitinhos de Letícia foi apertando e sentindo o calor que emanava daqueles melõezinhos, depois desceu até a bucetinha e apertou sentindo aquela saliência encher a palma da sua mão, não se contentando enfiou seus dedos na bucetinha da sua musa enquanto suas línguas duelavam dentro de suas bocas em um beijo molhado de tirar o fôlego. Ele não aguentando mais, empurrou carinhosamente sua musa sobre a cama, e ela entendendo o que o garoto queria, abriu suas perninhas oferecendo sua bucetinha para que ele a chupasse.

Alex superou as expectativas da sua musa, pois agia como gente grande sugando e brincando com a língua no grelinho estufadinho até sentir na sua boca o néctar, fruto do gozo intenso que escorria da bucetinha de Letícia. O garoto de inocente não tinha nada, pois não desperdiçava uma gota e foi solvendo aquele líquido como se fosse o mais fino dos licores.

Letícia segurava na cabeça dele e esfregava sua bucetinha em sua boca cada vez que gozava. Ela nunca tinha gozado como agora, pois seu primeiro homem foi o tosco do seu marido e ele não gostava muito das preliminares. Então, ela puxou o seu jovem amante para cima dela implorando:

- Mete na minha buceta, por favor! Não estou aguentando mais! Enfia este pauzão na minha buceta! Me fode gostoso!!! Não aguento mais, come minha bucetinha, come!!!

Alex se ajeitou no meio das pernas dela, dobrou suas perninhas e pincelou a cabeçorra do seu pau na entrada da sua grutinha e foi empurrando devagar. Ela gemia, agarrava o lençol, mordia as fronhas dos travesseiros sentindo ser arregaçada e rasgada por dentro. Sentia aquele pau comprimindo e preenchendo cada espaço que existia dentro da sua bucetinha.

O pau do garoto ia entrando justo, alargando e ocupando todos os espaços do interior daquela caverninha que até então, estava acostumada com uma pica bem menor e mais fina. Letícia estava perdendo o cabaço da bucetinha pela segunda vez, pois era a primeira vez que estava sendo penetrada por um pau de verdade.

Quando ela sentiu algo duro forçando seu útero pediu para parar um pouco, pois nunca tinha sido penetrada tão profundamente e ficou um pouco apreensiva, mas logo o garoto forçou um pouco mais e ela sentiu as bolas do saco baterem em sua bundinha. Ela abriu um sorriso, um sorriso vitorioso por ter conseguido agasalhar toda aquela tora em sua bucetinha. Na noite quando chupou o pau do garoto ela quase não dormiu pensando se aguentaria aquilo tudo dentro dela e agora estava satisfeita consigo mesma por ter aquilo tudo atolado nas suas entranhas.

Passado algum tempo, para se acostumar com o volume, agora mais à vontade, começou a mexer bem devagar e foi fazendo movimento para frente e para trás dando uns gritinhos quando sentia o pau do Garoto empurrando seu útero. Pouco a pouco a dor inicial foi passando e Letícia foi sentindo prazer em vez de desconforto.

Ela sentiu sua bucetinha bem mais dilatada e umedecida e percebeu que sua xaninha já não oferecia tanta resistência às investidas do seu mais novo amante.

Alex percebendo que tinha conseguido seus intentos, começou a meter mais rápido e bem mais forte àquela rola descomunal na xaninha da sua musa. Cada estocada que levava, ela gemia alto e jogava sua bucetinha de encontro ao garoto sentindo aquela tora dilacerar sua cavidade vaginal.

Ela já estava com o corpo mole de tanto gozar, tinha hora que chegava até perder o fôlego e o garoto continuava a castigar a sua bucetinha de menina. E orgulhoso e feliz falava a sua musa:

- Agora mexe sua gostosa! Sinta minha rola te alargando por dentro! Sua bucetinha nunca mais será a mesma. Como é apertadinha sua bucetinha!!! Goza meu tezãozinho!!! Geme no meu pau que eu quero ouvir gatinha!

E ela gemia:
- Aaiii que delícia! Uuuiiiii!!! Mete meu gostozinho, come gostoso a bucetinha da sua gatinha!! Mete, mete forte amor!!! Vou gozar!!! Aiiii, uiiii!!! Vai meu bem! Mete! - Mete tuuuuuudo! Arregaça minha buceta vai. - Hum! hum! hum! Goza! Goza dentro de mim neném.

O garoto vendo aquela delícia de mulher naquele frenesi jogou seu corpo sobre o dela e penetrou forte e profundo seu pau gigante na xaninha urrando como um animal e começou a gozar deixando todo o leite jorrar dentro daquela bocetinha completamente arrombada. Ele só tirou o pau de dentro da bucetinha dela quando estava completamente mole.

Ela sentiu um vazio enorme por dentro sem aquela tora dentro da sua xaninha, então se virou para ele e mostrou sua bucetinha toda vermelha e lambuzada com muita porra escorrendo por suas coxas. Exausta ela caiu desfalecida e seu jovem amante também desmoronou ao seu lado.

Ficaram os dois deitados por um bom tempo, depois o casalzinho se levantou e foram tomar banho.

Leticia estava meio sonolenta e cansada quando seu marido chegou. Também pudera, depois de ter levado uma tremenda surra da pica a tarde toda, sua bucetinha estava toda inchada e ainda ardia quando andava. O garoto esgotado, já tinha pegado no sono há tempo. Dormiu com um sorriso estampado no rosto, talvez orgulhoso e feliz por ter realizado seu desejo e ter feito sua amada gozar como nunca tinha gozado antes.

Letícia arrumou o jantar do marido, lavou as louças enquanto Nilo tomava banho e se deitou rezando para que ele não a procurasse na cama mas não adiantou rezar, pois assim que Nilo se deitou ao lado da esposa suas mãos ásperas começou a passear pelo corpo dela, mesmo Letícia implorando que não estava a fim, pois estava com “dor de cabeça” (na verdade estava era com bucetinha toda dolorida e também com medo que seu marido percebesse que sua ela não era mais a mesma depois que foi arrombada pelo pau do garoto), mas não teve jeito. Como sempre seu marido se ajeitou no meio das perninhas da sua esposa, meteu seu pauzinho que agora entrou folgado, mas ele nem percebeu, deu algumas bombadas, gozou, virou para o lado e dormiu.

Ela se sentiu aliviada, se ele tivesse chupado sua bucetinha, talvez tivesse visto o estrago que o garoto tinha feito nela. Passado o susto, Letícia feliz por ter seus dois machos em casa, um para amar e ser o pai dos seus filhos, e outro para despertar seu lado putinha, arrombando sua bucetinha e fazendo-a gozar como uma fêmea realmente merece....

*****************************

Se gostou comente e deixe uma nota, é muito importante pra quem escreve saber as opiniões dos leitores. Se desejar entre em contato: Skype: bernard.zimmer3 ou e-mail. bernard3320@live.com ou WhatsApp: 11-944517878, agora com vídeo chamada.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.