"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Como virei puto de travesti


autor: ChrisMg
publicado em: 18/02/17
categoria: gays
leituras: 2176
ver notas


Sempre tive tara em travesti, mas nunca tive coragem. Meu nome é Chris, tenho 36 Anos, e um dia me cadastrei em um site de swing bem conhecido, entre uma putiada aqui e outra ali, cruzei com um perfil bem interessante, nome de loka, lábios carnudos, olhos enormes, 1.8tas de tesão, seus 26 anos, uma rola de uns 19ctm, e bem sacuda. Do jeito que gosto. Adicionei e começamos um papo até que veio o dia que finalmente marcamos de nos encontrar. Mas antes ela me perguntou se eu me importava de ela não ser passiva. No que concordei prontamente. Pelo contrário, adoraria ser passivo.
Marcamos em um motel. Mal pude fechar a porta para beijar aquela boca e conferir o volume maravilhoso. Não me fiz de rogado, fui logo abrindo suas calças para descobrir aquela rola dura, pulsante, quente e macia, uma cabeça do tamanho da minha boca. Mamei gostoso da cabeça ao saco, engolindo tudo que pudia.
A loka, vendo meu tesão de puto reprimido, me pediu para ficar de costas, em pé, com um pé no chão e outro na cama, me puxou minha bunda agarrando minha cintura, me arrancando um gemido loco pelo que viria, mais tarde ela me contou que neste momento me arrepiei todo, quando senti sua rola encostando primeiro na minha coxa, era quente, do toque firme, mais macio. Logo pude sentir aquela rola na porta do meu cuzinho, que não foi difícil de colocar a cabeça. Apesar de estar nas nuvens, lembrei da camisinha e me retrai rápido. Ela me acalmou e disse," calma putinho, esse cu guloso vai ser saciado hoje.".
Então ela colocou a camisinha, sempre alisando minha bunda e dedilhando meu cuzinho. Me colocou na posição anterior é dessa vez foi logo metendo ate quase meio pau, me fazendo inclinar para frente. Com uma mão me segurou firme a cintura e com a outra me puxou Pelo ombro para alcançar a minha boca. Me beijou fodendo minha boca com sua língua, e cravou a rola no meu cu em duas ou três estocadas e já pude sentir aquele saco enorme batendo no meu. A cada socada eu me soutava como nunca tinha sentido antes. Ela me comeu um tempo ali em pé, depois me botou de 4 e me fez morder a fronha dos travesseiros a cada socada, que doía, mas o prazer era muito maior.
Depois de me comer de todas as maneiras por umas 3 horas e de ter mamado muito aquela rola, tivemos de nos despedir. Mas combinamos para ela passa um fim de semana inteiro na minha casa. Quando ela me comeu de sexta a domingo. Mas essa história eu conto depois, se esta tiver leitores.
Abraços.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.